História If I Was Your Vampire - Destiel - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural, True Blood
Personagens Anna Milton, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Chuck Shurley, Dean Winchester, Gabriel, Jo Harvelle, John Winchester, Mary Winchester, Sam Winchester
Visualizações 112
Palavras 1.270
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiii trago aqui uma nova fic aproveitem

Capítulo 1 - O início


Fanfic / Fanfiction If I Was Your Vampire - Destiel - Capítulo 1 - O início

Ano 1740 Espanha.

Estou aqui em meu leito de morte, morrendo tenho apenas 23 anos e estou aqui, morrendo de câncer já não pode ser feito nada. Estou aqui esperando para morrer.

O doutor Eric disse que poderia me salvar, mas isso seria ruim pra mim, Porque se eu dizer que sim ele

disse que vou querer ter preferido a morte. Ele me traz livros alguns romances que eu tanto gosto, outrora ele traz uns livros sobre vampiros. Sinto uma coisa aqui dentro do meu peito uma coisa estranha.

Eric ele é Loiro com os cabelos penteados num perfeito topete, ele tem a pele pálida olhos azuis e penetrantes assim como os meus sei que é errado cobiçar um homem, mas ele é lindo o cheiro dele, o som da sua voz me deixa com uma sensação estranha, não sei bem explicar. Hoje é dia de visita, minha mãe Anna está aqui ela está triste com os olhos fundos como os de quem não dorme. Desde quando dei entrada no hospital ela tentara me salvar, mas era tarde. Memoriso seu lindo rosto cabelos vermelhos e um sorriso branco vou sentir sua falta dos passeios no parque, do cheiro do seu assado irei sentir sua falta. Meu pai trabalhava cortando madeira Chuck um homem esguio com barba e olhos azuis, um bom homem queria ter tido a oportunidade de ser como ele Ah! Pai meu exemplo de homem eu irei sentir sua falta. Queria ter tido a oportunidade de ter uma mulher filhos e um gato. Amo gatos.

Um mês antes de estar aqui nesse hospital, estava ajudando meu pai na serraria. Eu ria com as bobagens de meu pai. Anna nos chamou para comer. Papai olhava para ela com brilho nos olhos e ela... Ela devolvia o olhar eles eram apaixonados. Me levanto para retirar os pratos e uma forte dor de cabeça me ataca, fora tão forte que cheguei a apagar por alguns instantes instantes. Anna insistira em me levar ao médico, mas erdei do meu pai um gênio forte, disse que não precisava de médico e sim de descanso. Queria ter ido ao médico quando ela pedira. Então talvez eu não estaria aqui.

Anna está conversando com Eric. Ele está colocando a mão sobre o ombro dela, ela balança a cabeça negativamente põe as mãos no rosto e ouso ela chorar. O doutor Eric me olha com um olhar de tristeza. Anna vem até mim e me abraça.

- Meu filho - Ela bagunça meus cabelos - Desculpe não poder te salvar. Ela chora e me abraça.

- Não se preocupe, vou para um lugar melhor - Digo a ela tentando conforta-la - Não se esqueças de mim mãe. - Ela me abraça forte ficamos conversando até o horário de visitas acabar ela me dá o último beijo e vai embora.

Sinto meu peito doer. Depois da saída de Anna o doutor Eric aparece como um relâmpago.

- Castiel, você só tem algumas horas - Ele diz - Então pensou no que disse a ti?

- Sim Eric, quero viver - Digo a minha resposta.

- Sabes que nunca vai vai ser o mesmo

- Vou poder ver minha família?

- Se eu fizer, eu serei sua família.

Penso será que valia a pena? Nunca mais iria ver minha família. Por outro lado iria viver. Então tomo a minha decisão.

- Eu aceito Eric.

- Então vou-lhe contar como vou salva-lo - Fico quieto aguardando ele contar - Sou um vampiro e a única forma de te salvar e transformando num semelhante a mim.

- Vampiro? igual nos livros? - Pergunto.

- Não. Somos diferentes - Ele sorri.

- Você vai ter que me morder - Passo a mão no meu pescoço.

- Não basta apenas você beber meu sangue.

- Eu aceito Eric. Eu só queria viver.

Ele sorri. Seu sorriso me deu medo e seus dentes antes perfeitos torna-se afiados como agulha ele morde o próprio braço, me assusto seu sangue começa a escorrer, ele se aproxima de mim.

- Beba - Ele estira o braço - Vamos beba.

Então pego seu braço e bebo seu sangue e não consigo parar é um gosto doce e amargo. Ele sorri me observando a beber desesperadamente sem perder o contato com os olhos. Ele tira o braço e limpa com a mão o que escapou de seu sangue. E ele sai.

Ele sai tão rápido quanto entrou e eu simplesmente apago.

Quando acordo não estou mais no hospital estou nunca casa banhada a luz de velas estou deitado numa cama com lençóis de setin. Ouso ao fundo uma melodia de piano. Saio do quarto e vou seguindo o barulho. A melodia era triste, mas bonita. Tão bonita quanto a pessoa que a tocava ele olha diretamente pra mim e num piscar de olhos está de frente a mim.

- Você acordou, como se sente?

- Mais forte que um cavalo.

Ele sorri, minhas pernas amolecem. Ele me dá um beijo na testa.

- Agora tens que controlar a sede.

Como se suas palavras fizessem o efeito na hora sinto minha garganta apertar.

- Vou ter que matar humanos? - Pergunto.

- Não. Minha doutrina é apenas beber sangue de animais. vamos vou-lhe arranjar algo para beber

Fomos a um lugar fora da cidade lá havia vários animais eu sentia o cheiro do sangue. Aquilo era assustador.

Ele escolheu uma vaca e travou os dentes nela eu assistia aquilo sentindo minha boca salivar. Corri rápido igual a um trovão senti minha boca doer levemente minhas presas eram como as de Eric e assim fiz como ele mordi o animal e bebi seu sangue. Com o sangue entrando em contato com minha boca sentia mais sede. Aquilo era estranhamente delicioso. Sentia Eric me assistir com um sorriso no rosto aprovando o que eu estava fazendo. Levantei a cabeça e fui até ele. Ele agarra minha cintura e sussura.

- Te esperei por tanto tempo. Agora tu és meu. Apenas meu.

E ele me beija. O doce beijo proibido. Eric também era meu. Apenas meu.

Algum tempo depois tive que ficar num caixão para minha família poder me enterrar foi torturante ver todas as pessoas que eu amava sofrerem.

Logo depois do meu "enterro" Eric me tirou de lá, me levando a sua casa neste mesmo dia descobri que ele era líder de um clã. Ele estava sentado numa poltrona vermelha com detalhes dourados eu estava ao seu lado de cabeça baixa como sempre.

- Atenção todos - Eric diz uma única vez e a atenção fora voltada a si - Este é Castiel mais um membro do nosso clã.

Fora formada uma fila para poder me dar as boas vindas. O último vampiros era pequeno e com cabelos longos e castanhos ele diz se chamar Gabriel e qualquer coisa eu posso procura-lo ele era uma boa pessoa. Eric está deitado na cama fui até o quarto dele para perguntar onde irei ficar.

- Você meu recém criado, vai ficar comigo até aprender a controlar sua sede - Ele se levanta e eu coro instantaneamente pois vejo que ele está nú - Que foi nunca viu um homem nú - Ele pergunta e eu nego - És virgem? - faço que sim e ele geme - Por onde você andou?

- Te esperando - respondo.

Ele sorri e volta pra cama, me chamado com o dedo fui sem pensar deito ao seu lado colocando minha cabeça em seu peito nú.

- Nós dormimos?

- Sim - Ele ri enquanto me responde - Agora durma Castiel.

E me entrego ao sono, sonhando que eu me entregava completamente para Eric.

×××




Notas Finais


Olá Mishamigos espero que tenham gostado o Eric da fic é o bonitão do Eric de True Blood ele é o meu Chush supremo a foto dele tá lá em cima para vcs desfrutarem da beleza desse homem kkkk bjs e até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...