1. Spirit Fanfics >
  2. If Our Love Rule The World (IOLRTW) - STRONGER >
  3. Prologue

História If Our Love Rule The World (IOLRTW) - STRONGER - Capítulo 1



Notas do Autor


Stronger é a segunda de sete historias da série IOLRTW!
Conheça Lost, a primeira historia, que está com o link nas notas finais junto ao twitter da fanfic, onde você pode entrar para interagir com as autoras e ler sobre a fanfic na thread fixada.

Boa leitura!

Capítulo 1 - Prologue


Fanfic / Fanfiction If Our Love Rule The World (IOLRTW) - STRONGER - Capítulo 1 - Prologue

Hannah Clarke

17 de fevereiro de 2019, Domingo- 07h38. BigHit Entertainment, Seoul, Coreia do Sul.

Acordo com o som estridente do meu despertador. Ainda sonho em jogá-lo longe, quem sabe um dia eu tenha coragem de fazer isso. Dou um tapa nele para que se silenciasse e quando a calmaria toma conta do quarto me cubro até a cabeça e me viro de lado. Mais cinco minutinhos não serão nada, com certeza não vou perder o horário se dormir mais um pouquinho. Fecho os olhos e sinto o sono chegando quando a campainha do meu dormitório toca, sinto meu coração se aquecer e tenho apenas uma certeza: não é de felicidade, é de ódio mesmo. Talvez se eu fingir demência a pessoa desista.

A campainha toca novamente e eu me sacudo com raiva jogando o cobertor de lado e me levantando num pulo só, minha pressão baixa dá um "Bom dia, Hannah. Não se esqueça de mim." quando vejo tudo preto e meu corpo balança como se o chão estivesse sumindo, sinto como se tudo tivesse ficado em câmera lenta ou minha alma tivesse saído do meu corpo e decidido ficar na cama. Bom dia, pressão… eu te odeio. E de novo, eu escuto a tão odiada campainha, mais um dia para eu odiar tudo, que ótimo.

Vou até a sala e a campainha toca de novo. Quem é o infeliz? Pego meu celular na mesa de centro. Boa, Hannah, esqueceu de carregar durante a noite, como vai sobreviver a esse dia? Olho a hora no celular, são sete e quarenta e três. Só pode ser uma pessoa. Ele realmente deve estar querendo morrer.

Caminho até a porta e, de algum jeito, dou tempo de a pessoa tocar a campainha mais uma vez no trajeto, ainda está cedo demais para gritar e meu corpo não acordou o suficiente para isso, quando minha alma fará o favor de voltar para mim já que a minha vontade é matar o ser.

Abro a porta e vejo o pateta sorrindo, tinha que ser o Namjoon. Reviro os olhos e suspiro dando espaço para ele entrar, tirando seus sapatos para calçar seus chinelos e caminha até a cozinha.

– Bom dia para você também. –  Falou colocando uma sacola de papel no meu balcão, se virando para a cafeteira e pegando a torradeira junto com pães com outras coisas para café da manhã. Me sento em um dos bancos do balcão ainda em silêncio, pegando a sacola e dando uma pequena virada nela para ver o que tinha dentro. Ele trouxe donuts! Era tudo o que eu precisava, doce logo de manhã para melhorar o dia amargo. –  Então, como vai minha trainee preferida? – Pergunta terminando de colocar o café para fazer enquanto esperava o tempo da torrada, apenas estiquei o braço para pegar um donut. Tiro um de chocolate de dentro do recipiente e quando vou morder, ele se vira. – Ou! Isso é para depois. – Ignorei ele e apenas mordi, suspirando e fechando os olhos em seguida para apreciar bem o sabor, Namjoon sorri. –  Parece que acertei em trazer doces. – Eu apenas concordo com a cabeça, já me sentindo melhor.

Incrível como se fosse outra pessoa poderia estar chateada por eu não ter falado nenhuma palavra em meio a tantas tentativas de puxar assunto. Mas o que posso dizer? É o Namjoon, meu melhor amigo, ouso dizer Soulmate. Ele me entende e sabe que eu não falo quando acordo e que só tenho coragem fazer isso depois de um grande e delicioso copo de café bem forte e sem açúcar. A única coisa que ele não entende é a parte do "sem açúcar", ele não acha bom. Mas fazer o que? Cada um com sua diabetes e conforme a vida passa você percebe que um café não pode ser mais amargo que ela. Namjoon coloca na minha frente um prato com torradas, geléia e minha caneca preferida do Stitch cheia de café fresquinho. Coloco o donut no canto do prato e dou um gole no café depois de sentir aquele cheirinho típico e como sempre tava tão bom. Suspiro enquanto Namjoon coloca seu prato na minha frente e se senta, já adoçando seu café. Um dia é capaz de ele ter que abandonar o açúcar a força desse jeito.

–  Bom dia. –  Eu finalmente dei o ar da fala, porque o de resto ainda tava cedo demais. –  Estou ótima, e você?

–  Estou bem. –  Falou dando um gole no seu café.

–  Se você continuar vindo fazer café para mim, vou ficar mal acostumada. –  Avisei e ele ri sacodindo a cabeça. Não tá acreditando, é? Continua vindo, então! Não vou impedir.

–  Pode ficar, eu deixo. Vou continuar vindo. –  Eu sorrio e então tomo meu café em silêncio. O ar da graça e bondade do Namjoon, como é bom essa sensação de felicidade, cumplicidade e intimidade. É o que você sente quando tem um soulmate?

Eu e Namjoon somos amigos desde que cheguei na empresa, vindo da SM. Outros trainees me olhavam feio e muitos não gostam de mim. Nos conhecemos quando PDNim pediu para que ele me apresentasse a empresa, logo nos tornamos amigos e hoje em dia somos quase irmãos. Gosto de tê-lo comigo. É como se por saber que ele está ali, cada olhar feio dos trainees não pudessem me afetar, cada boato não me desse a mínima vontade de esclarecer, porque a única pessoa que precisaria saber de toda a verdade, sempre, já sabe.

Já tem uns meses que ele vem ao meu dormitório algumas vezes pela semana para tomar café comigo, outras vezes conseguiu vir todos os dias. Penso seriamente em o dar uma chave para evitar que ele fique tocando a campainha e me acordando de um modo tão não humano. Namjoon é do tipo que, se sabe que você está em casa, não para de tocar a campainha até ser atendido - no caso mais alto de intimidade, claro. Intimidade é uma bosta, mas com o Namjoon não é tão ruim assim. Felizmente!

Eu até cheguei a ter outras amizades dentro dessa empresa, mas, por incrível que pareça, cada uma delas acabou tendo um problema e nos afastamos. Hoje eu só tenho o dito cujo pateta, já que a minha fama como trainee não é das melhores, digo, eu sou uma ótima trainee quando se trata das aulas, mas dizem que péssima fora delas. Os outros trainees me acham assustadora pela forma que ajo e falo. Não tenho a mínima vontade de mudar essa visão deles, que continuem com medo e me deixem em paz. É uma delícia passar e vê-los abrindo espaço, ou me sentar numa mesa e todos me deixarem sozinha para curtir meu lanche em paz, entrar em uma sala de ensaio que já está ocupada e todos eles se arrumarem para sair sem que eu precise dizer uma palavra. Dá uma sensação de poder! A verdade é que nenhum deles nunca tentou me conhecer de verdade. 

E o principal fato de terem tanto medo de mim é eu ter encarado Min Yoongi, o amado Suga das armys, no meu segundo dia como trainee. Fazer o que se o desaforado não me amedronta? Fui parar na sala do PDNim, mas o que eu poderia fazer? Nós claramente nunca nos daríamos bem, segundo o Namjoon, porque somos completamente parecidos. Mas eu duvido disso, jamais seria parecida com aquele cara, a briga só aconteceu por ele ser um completo babaca que me esnobou assim que me viu, ou melhor, fingiu que não me viu - mesmo que eu tenha sido muito educada com ele -  mas eu desisti de ser gentil e parti para o ataque que o deixou bem nervoso. O que importa é que a partir daí eu e Yoongi criamos a tão famosa rixa e os trainees baba ovo dele passaram a me odiar ou ter medo de mim. Afinal, quem teria coragem de encarar Yoongi? Logo o mais sério de todos os sunbaes. E do que isso importaria? Ele não deixa de ser uma pessoa e é isso que eles não vêem!

Acabou que, com tudo, Namjoon se tornou tudo o que eu tenho dentro dessa empresa. E eu não acho isso ruim, o tempo que ele pode sempre passa comigo e ainda é o meu porto seguro. Não poderia pedir nada melhor, não sei como o ganhei de presente. Além de tudo ainda estou com ele quando ele está produzindo algumas músicas no estúdio e acabo aprendendo muito, pacote completo no quesito amizade - verdadeira, ouso dizer.

–  Hannah, eu preciso te contar uma coisa… – Namjoon disse suspirando.

–  Diga. – Falei sem enrolação lambendo o meu dedo que estava melecado por causa do donut.

–  Esse pode ser o nosso último café por um tempo.. - Gelei? Sim. Como assim ele vai me abandonar? Eu fiz algo de errado?

–  O que? Por quê?

–  Eu e os meninos vamos entrar em turnê. Ela vai ser anunciada em dois dias. – Falou animado e eu dei um pulo da cadeira. Quase caí, mas sobrevivi. Alívio, felicidade, não sei dizer bem o que sentia.. mas era bom e eu fiquei orgulhosa dele.

–  Isso é incrível! – Falei e sorri abertamente. Olha o milagre, sorrir de manhã.

– Estou tão feliz por você.

–  Obrigado.

–  Vamos manter contato, hein? Se você me esquecer eu vou jus aos boatos e virar uma bad bitch - Terminei a frase em inglês sem esconder meu sotaque britânico mesmo em algo tão curto e o vejo sorrir.

–  Com certeza, não vou te deixar em paz! - Aquilo foi o suficiente para saber que, mesmo ao longe, ele estaria tomando conta de mim.

Tomamos o nosso café e Namjoon saiu para praticar com os meninos, fui até a varanda e abri a porta dando passagem para meus dois gigantes entrarem: Thor, um husky siberiano marrom e branco extremamente brincalhão e amoroso que vive grudado em mim e Zeus, seu irmão que é preto e branco e às vezes pode ser um pouco destrutivo.. mas é muito inteligente. Meus dois filhotes, aceitem. Ambos precisaram ser treinados para viver aqui comigo e é muito difícil mantê-los aqui, a agitação deles é equivalente a beleza e fofura. Preciso sair para passear com eles diariamente e pagar mensalmente um valor que os dá direito de ficar na empresa, já que é contra as regras ter animais grandes nos dormitórios – e bom, eu tenho dois. Foi mal sociedade, sou fora da lei - mas ainda faço minha parte para manter eles bem e sem reclamações. Foi uma longa negociação com o PDNim até ele concordar em deixá-los ficar. Mas o que eu poderia fazer? Eu sou persuasiva! Minha mãe vive tão ocupada com a carreira dela que, por mais que tenhamos uma boa relação, é difícil nos falarmos. São fuso horários diferentes e ocupações que temos durante o dia e resultam nesse afastamento involuntário, nos falamos no máximo uma vez por semana mandando mensagem num horário e sendo respondida horas depois. Uma vez a cada duas semanas tentamos fazer uma video chamada, mas ultimamente até isso tem dado errado  - White People Problems, mas não me entendam mal.

Pego os potes dos dois cães e encho de comida enquanto eles olham para mim animados abanando os rabos e esperando os potes chegarem no chão para poderem tomar o café da manhã. Depois de os alimentar e trocar a água, limpo a varanda e vou me arrumar para mais um dia de prática.

Ao chegar na primeira sala, todos os trainees se afastam de mim, me encosto na parede e começo a mexer no celular esperando que a aula comece. Escuto alguns murmurinhos e sinto algumas pessoas olhando para mim, mas apenas os ignoro. Boatos meus de cada dia.

Com o tempo passando, a noite chega, hora perfeita para sair e caminhar com os cachorros. Passamos pela empresa chamando a atenção de muitos, o que não muda quando saímos e caminhamos pelo parque. Quem não olharia coisas tão lindas assim, né? Solto a guia deles e os deixo caminhar livremente já que eles sempre se mantém perto de mim. Os ver correr e brincar me alegra o coração e por isso apenas me sento na grama e fico vigiando-os.

01 de março de 2019, Sexta– feira. BigHit Entertainment, Seoul, Coreia do Sul. 20:00.

O tempo passou desde o meu último café com o Namjoon. Mesmo que ainda nos encontremos na empresa, ele anda muito atarefado e o único tempo que temos juntos é quando eu invado seu estúdio - onde mal podemos conversar pois ele está trabalhando, mas fazer companhia um para o outro já vale.
Hoje fui informada que terei uma nova colega de quarto e que ela tem um gato, e como sempre, meus cães são ameaçados com: “Se por acaso houver algum tipo de agressão por parte dos seus cães contra a garota ou o gato dela, eles terão que se retirar daqui”. Meus bobinhos não fazem mal a uma mosca, gatos que são briguentos. Deus me ajude!

Sempre que eu vou ter uma nova colega de quarto, é a mesma história. Se meus cães fizerem qualquer coisa, eles serão obrigados a ir embora. Mas a verdade é que querem um motivo para tirá-los daqui e isso eles com certeza não vão conseguir.

Agora decidi sair com os cães, melhor eu não estar aqui com eles quando minha colega chegar. Dar uma espaço para ela e bola de pelos se acomodar. Espero realmente que ela não seja louca como as outras que jogavam a culpa de tudo nos meus animais, ou eram alérgicas, ou gostavam de me fazer parecer estranha para as outras pessoas, ou qualquer coisa para me prejudicar. Na verdade quanto menos ela falar comigo, melhor.

–  O que está fazendo aqui sozinha? – Escuto uma voz familiar e me viro, lá estava Tao todo vestido de preto, caminhando no parque de noite para não ser notado e sorrindo bem ali na minha frente. Alguém avisa que matar do coração ainda é crime? Só não sei se seria pelo susto ou pela beleza. Sorrio de volta e me viro para ele.

–  Estou com Thor e Zeus.

–  É? E cadê os garotões? – Falou procurando eles ao redor.

–  Se você for seguir a linha de raciocínio do povo louco da minha empresa… eles devem estar arrancando a perna de alguém, mas eu ainda acho que estão correndo por aí. – Tao riu.

–  Você realmente não pretende fazer amizade com ninguém lá? – Perguntou sorrindo e cruzando os braços, chegando mais perto de mim.

–  De jeito nenhum. Eu já tenho um amigo. - Sou objetiva na resposta. E no fim das contas, se falam o que falam de mim, os outros não são nem legais para considerar conhecer.

–  Namjoon, eu sei. Mas eu estou falando de garotas, outras trainees, amigas sabe.

–  Não. – Falei me sentando no banco atrás de mim e Tao me acompanha.

–  Por que? - A curiosidade matou o gato - e você é um. Apesar do pensamento, o respondo tranquila.

–  Porque eu estou simplesmente muito mal falada lá, todos tem medo de mim e tem muitos boatos. Não são pessoas que quero contato.

–  Por causa dos trainees da SM ou sua briga com o Yoongi?

–  Eu acho que os dois juntos e eu não tenho a mínima vontade de me dar ao trabalho de esclarecer tudo, sabe?

–  Sei. – Falou passando a mão pelas minhas costas como se quisesse me reconfortar. – É uma pena que eles não te conheçam de verdade. – Dei de ombros. – E você não precisa fingir para mim que você não liga, eu lembro como você era na SM. Sempre rodeada de garotas que queriam ser você e você até que gostava delas, mas preferia andar com os meninos porque elas nunca teriam metade da personalidade que você tem, era divertido vê-las tentar. - Sua fala me trás lembranças e sorrio, mesmo sabendo que a situação agora é outra.

–  Eu até gosto do jeito que estou agora, eu só tenho o Namjoon quando estou lá e é bom. Ele tem as responsabilidades dele então, não é como aquelas garotas que ficavam atrás de mim o tempo todo.

–  E mesmo que elas ficassem o tempo todo atrás de você, você ainda costumava defender cada uma delas.

–  Eu defendia vocês, seu besta. - O lembro dos fatos rindo nasalmente.

–  Ah, é verdade! – Falou fingindo se lembrar de um grande fato e rimos. – Sempre defendia quem te importava.

–  Eu costumo cuidar de quem está comigo. – Falei e ele concordou colocando uma mecha do meu cabelo para trás e acariciando meu rosto.

Como eu poderia descrever minha relação com ele? Talvez o cheiro de desejo e excitação seria uma ótima descrição. Sempre tivemos uma forte atração um pelo outro, mas nunca rolou nada entre nós – por mais que quiséssemos – porque éramos da mesma empresa. E mesmo assim espalharam boatos lá de que nós estaríamos juntos e por isso eu fui expulsa. Odeio fofocas. Lee Sooman sabia que não acontecia nada entre nós, mas depois recebi ameaças de algumas trainees e por isso o próprio Lee Sooman se dispôs a escrever uma carta me recomendando para uma empresa, a empresa que eu quisesse, e foi assim que vim parar na BigHit - tendo uma semana de folga entre uma empresa e outra. Minha mudança fez Tao se sentir culpado de alguma forma, mesmo que eu não o culpe.

Tao e eu nos encaramos, com uma conexão entre os olhares. Queríamos e agora nada era impedimento, então por que evitar? Começamos a nos aproximar e nos beijamos, algo que queríamos por tanto tempo e nos privamos por motivos maiores. Foi como beber água depois de muito tempo com sede. Num banco em uma parte escura do parque, seria difícil alguém nos ver ou reconhecê-lo, então o nervosismo de ser pegos no flagra não se fez presente. Ele leva suas duas mãos para a minha cintura e eu envolvo seu pescoço com as minhas, finalmente o tão esperado beijo que queríamos.

O beijo estava começando a esquentar quando sinto duas patinhas tocarem meu joelho e separo nossos lábios, olhando para baixo e Thor estava lá apoiado no meu joelho me olhando enquanto abanava o rabo. Empata beijo! Olho para o lado e Zeus fazia o mesmo com Tao, que já havia se rendido ao cachorro fazendo carinho nele tão animado quanto o cachorro. Sorrio vendo a cena e ele sussurra alguma coisa no ouvido do cachorro e ele sentou. Tão de segredinho, ainda? Falo nada. Na verdade, falo sim.

–  O que você falou para ele? – Perguntei.

–  Segredo de homem para cachorro, não é Zeus? – Ele falou e o cachorro latiu, os encarei com os olhos cerrados e ele veio até mim me deu selinho. Thor latiu para ele e o fazendo olhar para o cachorro assustado e eu ri. – Você falou alguma coisa para ele?

–  Talvez sim, talvez não. – Falei sorrindo fazendo mistério e acariciando Thor.

– Tenho que ir. – Avisei colocando a guia em Thor e em seguida em Zeus.

–  Ah, não pode ficar mais um pouquinho? – Pediu manhoso me puxando para perto, aproximando seu rosto do meu, possibilitando que eu sinta sua respiração se juntar a minha. Ele encosta levemente nossos lábios me instigando a beijá-lo e eu não consigo resistir, o beijando brevemente e logo o afasto para deixá-lo com o gostinho de “quero mais”.

–  Boa noite, Tao. – Me despedi sorrindo e piscando para ele, que segura minha mão e começo a me afastar, deixando que o enlace se desfaça lentamente.

–  Boa noite, Hannah. – Sua voz foi suave e sorrio antes de ir.

Chego no dormitório já me deparando com uma bagunça que não é minha, por isso apenas ignoro todas as malas e levo os cães para a varanda, onde antes de sair eu já havia deixado água e ração para comerem e beberem quando chegássemos. Soltei eles lá e fechei rapidamente a porta para não entrarem. Quando me viro para seguir adiante, escuto um grito vindo da varanda e me viro abrindo a porta assustada.

–  Sua louca, ia me fechar aqui com esses cachorros enormes? Quer me matar? – Uma garota com cabelos castanhos ondulados nas pontas me pergunta enquanto os dois a cheiram.

–  Ah, claro, ia sim. Eles estão te cheirando para saber se você fica melhor cozida, frita ou assada, mas pode ficar tranquila que os seus ossos serão aproveitados como palito de dente. – Ironizei rindo fraco.

–  Olha aqui, garota. – Ela falou entrando na sala, eu fecho a porta para manter os animais em seu local e me viro ignorando-a indo para o meu quarto, mas ela me segue. Insistente, hm? – Hey, garota, eu estou falando com você. – Falou quando eu entrei no meu quarto.

–  Me desculpe, meu nome não é garota. – Falei fechando a porta na cara dela com um sorriso pra lá de falso cortez e trancando a porta.

Seja bem– vinda, colega de quarto!

Min Yoongi

2 de março de 2019, Sábado - 13h00. BigHit Entertainment, Seoul, Coreia do Sul.

Com a nova tour “Love Yourself Speak Yourself” chegando a todo vapor, todos nós precisamos estar na mesma velocidade. Ensaios, gravações, sessão de fotos e produções ocupam todo o nosso tempo, e isso as vezes faz com que nós todos fiquemos juntos o dia todo ou às vezes completamente separados com cada um fazendo uma coisa diferente. E eu, como não gosto muito de tirar fotos, sempre faço a primeira sessão de fotos individuais e vou para a prática ou para o meu estúdio, voltando apenas para o dia de fotos do grupo. Sem desperdício de tempo!

E mesmo durante toda essa correria, os meninos ainda conseguem ficar atentos as fofocas que tem no “trainee world” - como eles gostam de chamar - e o papo sempre é a Hannah e as maldades que a garota é capaz de fazer. Mesmo que Namjoon insista que ela é uma boa pessoa, eu ainda sinto que tem algo nela que sempre vou odiar. Ela é tão grossa e debochada que é impossível conviver. E, além do Namjoon, outras pessoas que são cegas por ela são os garotos do EXO e do NCT que dizem que ela não é nada do que parece ser e que toda essa fama que tem foi formada por outros trainees, mas é uma coisa que eu só acredito vendo e não tenho o mínimo interesse de o fazer. Ou de saber alguma coisa sobre ela. Mesmo que digam que somos parecidos, eu não acredito. Como se eu fosse ser tão insuportável assim.Não tem como sermos parecidos, isso é impossível, não é?


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...