1. Spirit Fanfics >
  2. (If) You Met Me First >
  3. Tomorrow

História (If) You Met Me First - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Amores, eu voltei. Um pouco atrasada no horário mas cá estou eu kkkkk

E enfim, o grande dia do noivado. Todos preparados? Haha Acho que sou capaz de jurar que alguns estão mais nervosos do que a própria Jessica. Bom, li os comentários do capítulo anterior rapidamente e vi que a expectativa é grande. Então, chega de enrolações.

Sugestões de músicas de hoje:
- Standstill by Beth Clowley
- Battle Scars by Daisy Clark

E agora, apreciem o PENÚLTIMO capítulo de (If) You Met Me First:

Capítulo 5 - Tomorrow


Yuri

 

De todos os dias que passei quando voltei a Seul, o dia e noite anterior haviam sido os melhores. Assim que Jessica deixou a casa de Tiffany, adicionei o número de Hyoyeon e logo, criamos um grupo de chat para nós, todas nós com exceção de Seohyun que ainda não havíamos encontrado, mas que eu esperava ser questão de tempo para encontrarmos.

Rimos por muito tempo enquanto relembrávamos algumas outras histórias de nossa infância e adolescência até cada uma começar a despedir-se para dormir. Pelo menos, com essa despedida, tínhamos a certeza que ainda manteríamos contato no dia seguinte, e no próximo, e no dia depois dele e para sempre se assim tivesse que ser.

E enfim, o dia do noivado.

Queria poder dizer que estava feliz por Jessica, aliás, eu estava. Não completamente, mas ela ao menos havia conseguido alguém que parecia tornar toda a vida complicada a dois um desafio bom, pelo menos. Considerando tudo que havia sido feito para o tão esperado dia, eu poderia garantir que esforços e dinheiro não haviam sido poupados.

Já que eu estava na casa da organizadora e, considerando o fato de que ela passaria o dia todo no clube, participando, inclusive, da festa, eu certamente perderia minha carona até lá – mesmo que não fosse muito longe – o que resultou que eu fosse com Tiffany, cedo o suficiente para chegarmos antes de todo mundo.

O tempo assim como havíamos observado no dia anterior, encontrava-se fechado. O céu em tonalidades cinzas e a ausência do Sol nos indicava que seria uma noite chuvosa. As mesas que haviam sido dispostas no lado de fora, foram realocadas para dentro do clube como prevenção caso realmente chovesse o que não parecia ser algo tão impossível.

Eu estava sentada a uma das mesas vendo Tiffany andando de um lado para o outro quando um estrondo soou vindo por cima de mim. Uma das lâmpadas led que fazia parte da cascata de luzes brancas no teto – cujo rapaz que era responsável, havia acabado de colocar – simplesmente queimou soltando faíscas.

— Grande dia! — Respondi, levantando-me da cadeira onde estava para que ele pudesse trocá-la.

Tiffany, que estava no andar superior, desceu as escadas de forma tão rápida que quase poderia jurar que havia voado, tudo por conta do barulho. Mesmo que mínimo, ela havia ouvido.

— O que foi isso? — Peguntou.

— Uma das lâmpadas queimou — O rapaz comentou. — Já estou consertando.

Ela parecia ofegante.

— Ótimo. Jessica já está quase chegando para se arrumar. — Respondeu de forma rápida. — Tudo precisa estar pronto até lá. Onde está o projetor? — Gritou para outro rapaz ao canto que caminhava com uma enorme bolsa em mãos e uma tela branca em outra. — Teste o projetor. — Ordenou. — Não teremos tempo para erros.

Eu estava ao canto, observando tudo e apenas cruzei os braços rindo. Tiffany estava à beira de um surto.

— Já pensou em relaxar? — Questionei recebendo um olhar de reprovação.

— Não há tempo para relaxar. — Disse correndo para a direção da porta. — Concordando ou não com o casamento, esse é o meu trabalho.

Sua frase soou estranha ao meu ouvido, mas no segundo que olhei para a direção a qual ela estava indo, eu simplesmente não consegui me lembrar de mais nada.

A porta do clube se abriu com Jessica passando por ela. Já eram por volta das 14 horas e sua expressão não parecia tão alegre como era esperado. Vestia roupas casuais que eu tinha certeza que trocaria na hora do evento e, somente quando seu olhar seu elevou e eu tive a certeza que ela havia me visto, pude quase jurar que vi o esboço de um sorriso enquanto ela mexia no cabelo.

— Finalmente você chegou. — Tiffany a abordou dando ordens por meio de gestos para aqueles que a seguiam e não demorou muito para que cerca de seis pessoas passassem por mim carregando algumas malas que, se eu não havia ficado doida ainda, serviriam para Jessica se arrumar. Eu apostava. — Vamos deixar tudo pronto no segundo andar.

Jessica assentiu para Tiffany que, assim como as outras seis pessoas, também passou apressadamente por mim. Fiz um gesto para Jessica indicando que Tiffany estava maluca e ela sorriu. Não demorou muito para caminhar em minha direção e, assim como no dia anterior, abraçar-me.

Eu adorava seu abraço.

— Oi! — Disse, soltando-me do abraço. Eu ainda conseguia senti-la em meus braços bem como seu inconfundível perfume.

— Como se sente? — Questionei vendo-a respirar fundo e prender a respiração por alguns segundos antes de soltá-la.

— Eu não sei.

Acho que eu não esperava por essa. Em poucas horas, ela tornaria a vida dela um passo mais perto de oficializar uma união que, em tese, deveria durar para sempre, na saúde ou doença, riqueza ou podreza.

É normal estar nervosa, é normal ter medo, é normal estar um pouco apreensiva, talvez insegura. Mas não saber como se sente talvez fosse o primeiro motivo para poder reconsiderar o que estava prestes a fazer.

Mas eu não tinha coragem de dizer algo a ela. Não tinha coragem de estragar algo ou talvez, estragar tudo.

— Então espero que possa dizer no fim do dia. — Comentei, estendendo minha mão para que ela pegasse. — Agora vamos, ainda temos cabelo, maquiagem e roupa.

Jessica olhou para mim e sorriu mais uma vez. Talvez Taecyeon fosse sortudo por tê-la olhando-o daquele jeito e sorrindo para ele desse jeito também.

— Obrigada por estar comigo agora, por ter estado ontem e de alguma forma, mesmo distante, por ter estado comigo durante todos esses anos.

Devolvi-lhe o sorriso.

— Sempre estarei. — E era verdade. Respirei fundo tentando não deixar com que meus sentimentos mais profundos me guiassem naquele momento. Eu precisava manter os pés no chão. Precisava aceitar que hoje era o noivado dela e por mais que eu desejasse, não era comigo. — E o sortudo? — Questionei. — Onde ele está?

Jessica respirou pesado.

— Trabalhando. — Comentou. — Só virá na hora certa.

Não quis estender sobre o assunto, mas acredito que ele deveria estar aqui com ela enquanto preparam-se para um grande evento que comemora a união dos dois. Mas fico feliz por poder estar.

Conduzi-a em direção às escadas e, posteriormente, à espécie de camarim onde poderia se arrumar. Toda uma equipe já estava ali, dentre cabeleireiros, maquiadores, manicure e tudo que Jessica tinha direito. Sentei-me no banco ao canto deixando-a ser preparada por todos aqueles profissionais ficando com o trabalho apenas de admirá-la.

 

[…]

 

Os primeiros pingos de chuva começaram por volta das 18h30min. Na hora que Jessica havia passado para as meninas, faltavam apenas meia hora para o início oficial do evento, mas de acordo com algumas visitas de Tiffany ao camarim, alguns poucos convidados já estavam chegando o que resultava na música alta que já tocava no andar inferior.

Eu estava na janela da sala encarando o céu completamente escuro enquanto os pingos da chuva começavam a engrossar e, antes que eu pudesse prever, um clarão ocasionado por um relâmpago iluminou todo o céu por poucos segundos. Uma grande chuva estava prestes a começar.

— Pronta. — Disse a maquiadora em sua última pincelada antes de guardar todos os materiais utilizados. O cabeleireiro já havia acabado também, assim como Jessica já havia vestido sua roupa para a noite. Contrariando o que eu estava esperando, algo como um blazer talvez, Jessica vestia um lindo vestido branco tomara-que-caía na altura dos joelhos.

O resto da equipe deixou a sala logo depois e eu finalmente parei de olhar para a janela, fechei a cortina e me virei para a direção dela no minuto exato para conseguir vê-la levantar-se da cadeira e virar-se em minha direção.

Ela estava linda.

O scarpin bege em seus pés a deixava quase da minha altura já que eu também já estava pronta e nem mesmo meu calçado fora suficiente para fazer-me ser mais alta. Eu vestia uma roupa mais simples como calça jeans escuro, uma blusa branca e jaqueta combinando com a calça. Foi o mais próximo da elegância da festa que consegui chegar.

— Como estou? — Ela comentou, abrindo os braços em minha direção e girando para que eu a visse.

Apenas sorri conforme ela se aproximava.

— Perfeita!

— Você também.

No look de Jessica, só faltavam os detalhes. Os mesmos que ela estava prestes a colocar. Caminhando de volta para a mesa, haviam um par de brincos, um colar e uma pulseira. Mesmo que eu soubesse que seu item mais importante da noite – o anel de noivado – seria colocado apenas mais tarde, era apenas um detalhe.

— Quer que eu a ajude? — Ofereci recebendo um aceno de cabeça em resposta tendo o colar entregue em minhas mãos enquanto ela retirava seu cabelo de seu pescoço e virava-se de costas para mim. Tive o prazer de colocar o colar em seu pescoço e receber seu sorriso em troca. Tomei a liberdade e ajeitar seu cabelo novamente da forma que estava antes além de colocar-lhe a pulseira também.

— Obrigada. — Ela disse quase como um sussurro e eu senti sua respiração quente sobre mim. Respirei fundo e ofereci-lhe meu braço para conduzi-la para a festa que estava se iniciando.

 

[…]

 

A festa deveria ter começado oficialmente há mais de 30 minutos se não fosse pelo simples detalhe: a chuva.

Acho que não poderíamos prever que se intensificaria de modo que atrapalhasse, inclusive, o trânsito na cidade. A última vez que conseguiram comunicação com Taecyeon, o noivo que deveria estar aqui, ele alegou estar preso no meio da cidade assim como, inclusive, a maioria dos convidados.

O clube estava com menos da metade da capacidade de convidados esperada. A maioria, eram amigos de Taecyeon fora do âmbito empresarial tirando uns três ou quatro engravatados que consegui observar pelo salão. Fui à cozinha e busquei duas taças de vinho enquanto voltava para o térreo. Lembro-me que vinho fora a primeira bebida que experimentamos, todas juntas.

Jessica estava sentada a uma mesa ao canto conversando com Tiffany quando cheguei. A conversa cessou quase instantaneamente.

— Beba um pouco. — Disse, estendendo-lhe a taça. — Talvez te ajude a relaxar.

— Está tudo em ruínas. — Tiffany comentou. — Todo o planejamento.

Tiveram que fechar os portões por conta dos ventos fortes, toda a apresentação e recepção para os convidados havia sido retirada já que, tecnicamente, não estava chegando ninguém que já não estivesse ali.

— Veja pelo lado bom. — Comentei atraindo a atenção das duas sobre mim. — Ninguém novo está chegando então, a recepção seria em vão.

Jessica riu da expressão que Tiffany fez. Ela aparentava estar mais tranquila do que Tiffany estava.

— Será que as meninas virão mesmo? — Jessica perguntou. — Queria tanto vê-las.

— Não perca as esperanças. — Respondi. — Todos estão presos no trânsito, elas também devem estar.

Mas não esperávamos que o pior ainda estava por vir. Ao soar de um trovão ao fundo, um dos garçons da festa aproximou-se correndo. Vinha da parte exterior e estava encharcado, respirando água de chuva pelo chão e trazia consigo, novidades não muito boas.

— Noona. — Chamou Tiffany para conversar ao canto, procurando não deixar que Jessica ouvisse. Mas Tiffany se recusou. A música alta impossibilitava que os demais convidados pudessem ouvir, mas não tinha porque esconder de Jessica. — A piscina... — Antes que ele pudesse terminar de dizer, soubemos exatamente do que se tratava quando, pela porta da frente, a água começou a invadir o interior do clube.

Tiffany levantou imediatamente caminhando para a frente, por onde a água estava entrando. Eu a segui e, ao soar de mais um trovão, Tiffany abriu a porta para ver o estado. Por conta da forte chuva que caía, a piscina havia enchido e transbordado. O gramado da frente do clube estava alagado e toda o excesso de água vinha em nossa direção.

Tiffany voltou a fechar a porta para evitar que a água entrasse tão rapidamente como estava enquanto todos no interior começavam a levantar tudo que poderia ser afetado. Consegui ver dois ou três engravatados com ternos caros e sapatos importados fugirem da água correndo para as escadas que levava ao andar superior.

Estava um verdadeiro caos.

— Alguém consegue esvaziar aquela piscina? — Tiffany disse em um tom alto. Não demorou muito para que um dos rapazes também responsáveis pela organização se prontificasse a sair e resolver o problema da piscina transbordando. — Ótimo! — Ela completou, dando-o a autorização para iniciar o trabalho e assim, ele fez, saindo pela porta da frente. — Preciso de rodos e panos. — Dessa vez, a equipe responsável pela limpeza se prontificou.

Jessica caminhou até onde estávamos e para o desespero de Tiffany que estava à beira de um surto, ela mantinha um sorriso engraçado no rosto como se estivesse se divertindo com a situação. O noivado dela estava indo, literalmente, por água a baixo e ela conseguia rir enquanto caminhava por sobre a água.

Notei que ela havia começado a sorrir assim que as coisas começaram a dar errado, quando Taecyeon ligou dizendo que se atrasaria e quando a chuva começou a se intensificar.

— Você está com frio? — Perguntei enquanto a via abraçar a si mesma passando as mãos sobre os braços. Seus ombros e braços estavam expostos e, assim que ameacei retirar minha jaqueta para colocar sobre ela, protegendo-a do frio, a porta do clube voltou a se abrir e dessa vez, não era alguém saindo, mas sim, entrando.

Taecyeon apareceu à porta, seu terno estava encharcado por conta da chuva. Seus sapatos estavam sujos de lama e seu estado em geral, deplorável. Mas ele havia chegado e era o suficiente para que eu recuasse com o que estava fazendo enquanto ele caminhava em nossa direção.

Seu rosto escorria água da chuva.

— Me desculpa, me desculpa! — Ele começou a repetir, direcionando-se à Jessica enquanto trouxeram, imediatamente, uma toalha para que ele se secasse. — Eu não deveria ter ido trabalhar. — Continuou, aproximando-se dela. Diferentemente do resto da noite, Jessica desfez seu sorriso, substituindo-o por um que julguei um pouco estranho. Não era digno do incrível sorriso de Jessica Jung e, quando Taecyeon ameaçou beijá-la, ela desviou alguns centímetros, fazendo-o beijar sua bochecha.

— Já estamos resolvendo o problema da água. — Tiffany disse, fazendo-o acenar com a cabeça.

Taecyeon passou a toalha que entregaram a ele algumas vezes em sua cabeça para secar seu cabelo enquanto caminhava para a direção de seus convidados para recepcioná-los.

— Meus parabéns. — Disse um dos engravatados, apertando sua mão. Jessica revirou os olhos virando-se para mim e eu ri.

O rapaz que havia saído para resolver o problema da piscina voltou, estava encharcado mas a água já não mais entrava o que fez com que a equipe da limpeza entrasse em ação, com rodos e panos, começaram a secar o lugar.

Os engravatados começaram a descer as escadas e assumir seus assentos de antes enquanto Taecyeon terminou de subir as escadas. Provavelmente, trocaria a roupa para algo menos molhado antes de continuarem com o evento.

 

[…]

 

O evento estava atrasado em mais de uma hora já quase chegando em duas. Cerca de 10 minutos atrás, um dos garçons desceu as escadas chamando Jessica para o andar superior. Óbvio, seu futuro marido a estava esperando e por lá ela permaneceu.

A chuva já estava começando a diminuir o que possibilitou que toda a recepção fosse remontada na entrada e que, além disso, alguns poucos convidados também pudessem chegar. Nenhum que eu conhecesse e quando digo isso, refiro-me às meninas.

De repente, a música agitada que estava tocando fora substituída por uma lenta quando, ao alto da escada, podíamos ver o casal tão esperado da noite. Os demais convidados vibraram com a chegada deles e tudo que consegui ver foi Jessica e tinha quase certeza de que, mesmo de forma discreta, ela me olhava.

— Eu peço desculpas pelo ocorrido de mais cedo. — Taecyeon começou a dizer. — Mas infelizmente, eu não controlo o tempo e até ele quis comparecer. — Arrancando algumas risadas de seus convidados eu só conseguia me sentir mal. Sabia que a hora tão aguardada da noite estava se aproximando e, depois de toda a intensa semana que tivemos, eu não tinha certeza se queria estar presente quando a hora chegasse. — Bom, agradeço aos que estão presente e até aos que não conseguiram chegar, afinal, eu também quase não cheguei.

E novamente, risadas.

Estava chegando a hora. A tão temida hora que eu tinha a certeza de que perderia Jessica para sempre e só senti que precisava ir. Estava perto das 21 horas, no dia seguinte, eu viajaria logo cedo pela manhã e definitivamente, não queria que a última imagem de Jessica em minha mente fosse de uma aliança entrando em seu dedo.

Minha hora havia chegado.

Eu queria me lembrar dos dias que passamos juntos, das conversas que tivemos, dos olhares e sorrisos que trocamos além de, claro, toda a história que já tivemos anterior a isso. Queria ter boas lembranças dela, lembranças que me fizessem dormir à noite não lembranças que me trouxessem lágrimas aos olhos por nunca ter tentado.

— Fany! — Chamei minha amiga que estava a pouco mais de três passos de mim. — Eu já estou indo.

Ela se assustou.

— Como assim? E o resto da festa? — Acenei cabisbaixa e acho que ela entendeu o recado. Lágrimas já começavam a surgir em meus olhos. — Eu não posso te dar carona ainda. — Seu olhar assustado deixava tudo pior do que já era. — Preciso ficar até o fim da festa.

— Não se preocupe. — Eu já tinha pensado nisso. — Eu vou andando.

Virei-me em direção à porta preparando para puxar minha jaqueta a altura da cabeça para que assim, eu pudesse me proteger da chuva.

— Espera! — Tiffany disse e, por sorte, a música estava alta o suficiente para que ninguém pudesse notar. — Yuri, está chovendo.

Virei uma última vez a tempo de ver Taecyeon aproximando-se dela. Eu desejava que Jessica fosse feliz pelo tempo que pudesse, mas não suportava ficar e assistir.

Eu estava decidida.

— Eu sei. — Disse apenas, antes de sair.

 

[…]

 

Jessica

 

Eu não imaginava que Taecyeon esperava fazer o pedido tão rápido e de forma tão inesperada. Ele havia me chamado no andar superior para desculpar-se do atraso, saber como eu estava e como estavam as coisas até ele chegar, mas assim que voltamos a descer, ele iniciou seu discurso. Um que eu, sequer, estava prestando atenção.

Eu tentava disfarçar mas meu olhar ia, imediatamente, para onde Kwon estava. Ela parecia incomodada e de fato, eu também estava. Desde o início da noite. Tudo estava dando errado, tudo parecia contribuir para que eu tomasse alguma atitude. Tudo parecia contribuir para que eu fizesse o que eu estava pensando. Eu tentava enganar a mim mesma fingindo que não, mas era impossível.

Yuri estava conversando com Tiffany mais à frente e, simplesmente, virou-se em direção à porta. Ninguém notou já que estavam mais interessados nos futuros noivos, claro. Mas eu notei, principalmente quando ela virou-se uma última vez antes de sair, exatamente ao mesmo tempo que Taecyeon aproximou-se de mim.

— Enfim, acho que já esperamos demais. — Comentou, pegando minha mão enquanto eu via Yuri sair pela porta. — Jessica Jung...

Eu tive poucos segundos entre o momento que ouvi Taecyeon começar a dizer, o momento que olhei para a direção da porta e o momento que olhei para Tiffany. Eu precisava fazer algo. Era o último dia dela aqui e eu simplesmente não poderia permitir que tudo acabasse dessa forma.

— Desculpa! — Foi tudo que fui capaz de dizer antes que meus saltos ecoassem pelo clube enquanto eu corria o mais rápido que conseguia. Eu precisava alcançá-la. A chuva ainda caía, mas não muito distante eu a vi. Segurava sua jaqueta sobre a cabeça para não se molhar e caminhava para longe. — Yuri! — Eu gritei.

Eu não conseguiria explicar sua expressão quando se virou novamente na minha direção. Por um segundo, senti como se fosse a primeira vez. O primeiro olhar, o primeiro toque e o primeiro sorriso. Ela parecia não acreditar que eu estava mesmo ali, e nem eu mesma conseguia, mas ela ofereceu-me abrigo embaixo de seu casaco.

Estava um pouco escuro, mas a pouca iluminação da rua fazia com que eu conseguisse enxergar seus olhos brilhando em minha direção. Era o bastante para mim.

— O que faz aqui? — Ela perguntou, incrédula.

Não conseguia conter seu sorriso. Eu também não.

— Eu te vi saindo. — Comecei a explicar mesmo que o impulso que me forçou a ir atrás dela fosse inexplicável. — Eu precisei te alcançar.

— Ficou maluca? — Ela disse, cobrindo-me mais a fim de me proteger da chuva. — Seu cabelo, sua maquiagem, sua roupa...

Neguei com a cabeça.

— Eu não me importo.

— Mas eu sim. — Ela respondeu. Nossos rostos estavam próximos o suficiente para que eu sentisse sua respiração sobre mim. Uma respiração quente sob uma chuva gelada.

— Eu não poderia deixar você ir antes de... — Falei sem pensar e tirei dois segundos para considerar todas as minhas possibilidades se eu terminasse essa frase.

— De?

— Antes de... — Eu respirava ofegante. — Me confessar. — Decidi que era hora. — Eu sei que você leu a carta. — Sua expressão mudou. — Eu era muito nova, estava tentando entender o que estava acontecendo ainda, mas... — Ainda ofegante. — Tudo que foi descrito lá, eu ainda sinto. — Seus olhos brilharam. — Talvez mais forte e maior.

— O quê? — Yuri estava prestes a chorar quando dei um passo a frente. Acabei com qualquer espaço que havia entre nós duas e fiz o que estava querendo fazer a semana toda.

Eu a beijei.

Nosso beijo foi calmo e suave e, contrariando qualquer reação que esperei receber em troca, ela me devolveu o beijo na mesma intensidade. Nossas bocas se encaixaram como se fossem feitas uma para a outra. E sim, eram. Eu tinha certeza.

— Eu não poderia viver uma vida sem saber como é o sabor de seu beijo. — Confessei, ofegante, assim que nos separamos. Yuri sorria e eu também. — Seja feliz em sua viagem amanhã, Yuri. — Toquei seu rosto, acariciando-a.

Era óbvio que tudo isso não seria capaz de mudar o fato de que ela estava indo embora, mas mudava para mim. Ela deveria seguir o sonho dela e eu deveria dar um rumo diferente para minha vida. Eu não sei o porquê de ter feito isso, mas eu sentia que precisava. Eu estava feliz por ela e agora, por mim mesma.

— Você fez com que eu tivesse os melhores dias da minha vida. — Respondeu.

Essa havia sido a intenção, que ela se lembrasse de como nossa infância havia sido boa e com isso, com o ontem conseguisse trilhar o seu amanhã e eu quis que sua mais recente lembrança de mim fosse algo que a marcasse. Não era o fim, eu sabia que não. Nos reencontramos depois de muitos anos e continuaremos nos encontrando de novo e de novo.

— Vou esperar por sua visita. — Mordi o lábio inferior enquanto acenava positivamente com a cabeça. — Sentirei sua falta até lá, Sica. — E, pela primeira vez durante todos esses dias, Yuri me chamou por um apelido que ninguém mais me chamava há muito tempo. O meu apelido. O apelido que eu mais gostava,

— Também sentirei a sua. — Eu a respondi enquanto ela se afastava. A chuva voltava a cair totalmente sobre mim e parecia não ter sensação melhor. Havia sido um desastre, o dia inteiro havia sido desastroso, mas a chuva havia vindo para me salvar. Eu sabia disso. — Não é o fim.

Talvez se a chuva não tivesse aparecido e nos feito adiar as comemorações, talvez agora eu não estaria aqui e ao contrário de qualquer coisa que considerei antes de fazer, eu não me arrependia.

Taecyeon saiu do clube logo depois e correu imediatamente em minha direção com um guarda-chuva em mãos, protegendo-me da água fria que caia.

— Jessica? — Ele parecia confuso e assustado. — Eu sei que deu tudo errado e sei que a semana foi bem estressante... — Ele começou a dizer. Eu realmente gostava muito dele, talvez eu não pudesse ter escolhido um rapaz melhor, mas não era para eu noivar, não nessa noite. Talvez nem em outra. Mas só o futuro poderia nos responder. — Talvez devamos adiar o noivado.

Apenas acenei positivamente. Eu deixaria os detalhes para depois, quando estivéssemos a sós e quando eu estivesse pronta.

Enquanto voltávamos para o interior do clube, um Mercedes preto parou bem à nossa frente e, assim que o farol alto foi diminuído, eu não poderia acreditar em quem eu estava vendo. Taeyeon ao volante, Hyoyeon exatamente ao seu lado enquanto Sooyoung, YoonA e Sunny estavam no bando de trás.

Elas realmente vieram. Atrasadas, mas vieram.

 

[…]

 

— Ainda bem que eu não enfrentei o dilúvio para vir antes. — Hyoyeon comentou no segundo que as expliquei o que havia acontecido antes de chegarem. Para termos certa privacidade, levei-as para meu camarim no andar superior. Assim, conseguiríamos ficar sozinhas.

— Hyoyeon! — Sunny a repreendeu.

Tiffany e Taeyeon estavam ao canto da sala conversando entre si, tão empolgadas que pareciam ignorar nossa presença, Hyoyeon e Sunny eram as únicas que estavam escutando minha história enquanto que Sooyoung e YoonA haviam deixado a sala havia alguns minutos.

— Digo, pelo visto é realmente difícil nos reunirmos em um mesmo lugar né? — Ao terminar sua frase, ela olhou para Sunny que não disse nada dessa vez.

— Yuri saiu pouco antes de chegarem.

De repente, a porta se abriu. Sooyoung e YoonA voltavam após uma rápida visita à cozinha o que não era muito difícil de saber julgando pelos pratos em suas mãos. Depois de todo esse tempo, nenhuma delas haviam mudado e conseguiram fazer-me rir.

— Inacreditável! — Sunny voltou a repreender, dessa vez, Sooyoung e YoonA.

— O que foi? — Soo fingiu estar ofendida. — Não teve noivado, mas a festa continua. Ainda estão servindo a comida.

Taeyeon que encontrava-se ao canto da sala junto a Tiffany, gargalhou.

— Sério? Quem convidou elas? — Voltando à nossa conversa, Taeng comentou.

— A ex-quase noiva. — Hyoyeon voltou a dizer.

Mulheres juntas eram sinônimo de muito barulho, mas nosso grupo junto era sinônimo de caos. Tiffany e Taeyeon ao canto como se fossem duas adolescentes e eu sabia bem como era se sentir assim. YoonA e Sooyoung à minha frente comendo algumas coisas que roubaram da festa enquanto Hyoyeon permanecia fazendo piadas e Sunny a repreendendo.

Mas eu não poderia pedir por um momento melhor para estar com elas. Mesmo que nosso grupo não estivesse completo. Os ânimos se acalmaram um pouco e todas nós nos juntamos, ficando um pouco mais perto umas das outras.

— Então não vai mais casar? — Taeyeon voltou a perguntar enquanto olhava Tiffany rapidamente.

— Eu o abandonei na frente de todo mundo e saí correndo. — Comecei a explicar lembrando da cena enquanto saía e da cena enquanto voltava. Todos os olhares voltados para mim. — Ele concordou que seria melhor adiar.

— E você, o que você quer? — Hyoyeon perguntou, pela primeira vez, não usava seu tom irônico. Ela parecia falar sério ou, pelo menos, sobre um assunto sério. — Quer se casar com ele ou quer ficar com a Yuri?

Suspirei enquanto tinha seis pares de olhos me encarando.

— Esse é o problema. — Abaixei minha cabeça, encarando o chão. — Eu não tenho tempo para pensar ou fazer algo a respeito.

Tiffany sorriu atraindo todos os olhares para ela. Caminhou mais à frente para onde estava sua bolsa e, de dentro dela, tirou um pequeno envelope.

— Então talvez esteja na hora de te dar uma coisa. — Foi tudo o que fui capaz de ouvir antes que eu tivesse que fazer uma escolha.

Apenas uma.

 

 


Notas Finais


O que acharam do capítulo? Adoro os comentários de vocês. Espero ter atendido às expectativas.

O que será que a Tiffany dará para a Jessica?


Vejo vocês amanhã, amores, no último capítulo dessa história curtinha, mas que eu amei de verdade escrever. Bjs e até!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...