1. Spirit Fanfics >
  2. Ilhas dos Dragões >
  3. Cinco anos

História Ilhas dos Dragões - Capítulo 3


Escrita por: Rosas_negras

Capítulo 3 - Cinco anos


Fanfic / Fanfiction Ilhas dos Dragões - Capítulo 3 - Cinco anos

Passei a semana vendo um jeito de devolver o bebê para os dragões sol, e todos acabavam com ele sendo descoberto. Comecei a perguntar ao meu pai sobre as embarcações e sobre os caminhos para a outra ilha.

- Nossas embarcações de pesca não aguentaria cargas muito pesadas?

- Não, não aguenta nem nosso peixes. - Ele carregava uma cesta de frutas e legumes.

- Mas por que o interesse? - ele estava curioso.

- Pensei em aumentar as construções nos túneis e preciso de barcos resistentes para as pedras que quero.

- Certo. - ele pensou um pouco. - Por que não pede emprestado um para a sua amiga Nicky da ilha de terra, os barcos de deles são feitos pra isso.

- Verdade papai, posso usar um pássaro pra isso? - eu estava muito animada.

- Claro. - sorriu.

- Pai tem mais uma coisa.

- Pode falar.

- Queria passar essa noite nas montanhas aquele lugar me faz muito bem e queria ver como é a noite. - Ele gargalhou.

- Não. - foi firme. - Somente se levar...

- Eu levo um sinalizador. - fui mais rápida que ele.

- Tudo bem, leve o dobro de coisas e cuidado minha filha.

Sai correndo para arrumar minhas coisas, escrevi logo um recado para Nicky e enviei, confiava nela mais que tudo nessa vida. Assim que cheguei expliquei para o Sol nosso plano de fulga. Desceriamos até a ilha de água, assim que a lua estivesse no ápice os guarda trocariam de turno, e Nicky estaria nos esperando com a embarcação no porto.

Ele pareceu não entender, mas deitou a cabeça em meu colo como sinal de confiança. E assim que anoiteceu eu coloquei o meu plano em prática o levei até a ilha, esperamos a troca de turno e partimos ao pier porém paramos pois ele queria os peixes que haviam em um barril congelado. Tive que levar o barril e assim que cheguei no porto Nicky não estava lá.

- Nicky, por favor, não me decepciona. - começava a ficar desesperada quando avistei ao longe minha amiga.

- Alguém pediu um barco. - parou no porto, mas ficou muda ao ver o bebê dragão atrás de mim. - Piper o que significa isso? - sussurrava pois o bebê não parava de cheirar ela.

- Deixa ele te sentir e ver se confia em você. - tentei acalmar ela.

- E se ele não confiar? - continuava a sussurrando.

- Nunca cheguei nessa parte. - coloquei a mão no queixo.

- Piper. - ele cheirou ela mais um pouco e deu uma longa lambida no cabelo dela.

- Ele confia em você, vamos.

- Você tem que me explicar direitinho essa história Piper.

- Eu sei, mas agora não só me ajuda a colocar ele ai e depois te explico. - Balançava os peixes para ele vir atrás e em segundos ele entrou no barco, que deu uma afundada, mas levantou.

- Se a gente não morrer afogado, os pais dele vão matar a gente.

- Pelo menos fizemos a coisa certo. - Dizia pegando uns cobertores do barco e colocando em cima dele.

- Isso era pra me consolar? - Revirei os olhos.

- Você acha que vai demorar?

- Uma ou duas horas, quem sabe três com o pesadão ai. - ela ficou em silêncio por um tempo. - Seus olhos estão mais azuis e brilhando?

- Nos conectamos, eu não sei como isso funciona, mas aconteceu e meus olhos ficaram iguais ao dele.

Depois disso fui explicando para Nicky tudo o que aconteceu do momento em que achei o Sol até aquele que estávamos no barco, com tudo esclarecido Nicky foi o caminho todo conhecendo o bebê dragão, passava as mãos nas escamas e via os dentes deles.

- Isso tudo por que ele é só um bebê. - Estava admirada com o enorme dragãozinho.

Quando estávamos perto da ilha do sol o bebê começou a se animar, mexia muito a embarcação. Queria começar a voar, mas sua asa quase curada não deixava, ele deu um gritinho bem alto que tivemos que tampar os ouvidos e vimos os dragões, pais do bebê, chegarem a margem da ilha eles urraram e o bebê ficou ainda mais feliz.

- Piper o que a gente faz agora? - Nicky se tremia.

- Não olha pra eles e se ajoelha. - Eu fiz primeiro e Nicky em seguida, logo nosso barco parou na margem da praia.

E o pequenino saiu correndo para seus pais, levantei a cabeça para ver o reencontro e achei a coisa mais linda, o que aparentava ser o macho veio até o barco nos cheiros e empurrou a embarcação de volta ao mar.

- Tchau pequenino. - Ele veio até a margem e deu o mesmo gritinho quando viu os pais. Não evitei de chorar, e Nicky viu.

- Você sabe que fez a coisa certa não é? - ela me abraçou.

- Sim, eu sei. - sorri.


Demorei para subir as montanhas novamente, estava triste pois não veria meu pequenino novamente, porém as ervas medicinais começaram a acabar e eu precisava subir novamente.

Quando estava no topo procurando por ervas resolvi passar no lago onde o pequenino ficava, olhei minha mão e toquei, vi a marca brilhar e depois senti uma lambida no meu ouvido e ao olhar pra trás vi o pequenino e o pai dele que era ainda maior pessoalmente.

- Oi Sol. - O abracei.

Com a volta do bebê os dragões não atacaram mais as ilhas e a paz foi restabelecida.

E seguiu dessa maneira, no começo ele vinha com o pai ou a mãe que era maior que o pai do bebê, depois de um ano ele veio sozinho e comecei a anotar em um caderninho que andava comigo curiosidades dos dragões, dois anos depois de achar ele, o pequeno me levou até as ilhas e os dragões que se curvavam ao pequeno, conheci os dragões da água, ar, terra e fogo.

Com três anos nossa conexão começou a aumentar ele sempre sabia quando eu estava em perigo e vinha até mim para a minha sorte meu perigo era sempre em cima da montanha, no quarto ano levamos Nicky aos dragões de terra e um pequeno do mesmo tamanho de sol se encantou por Nicky e eles viraram super amigos.

No quinto Sol começou a soltar fogo pela boca e eu sempre tinha que viver com um balde, mas eu amava meu dragão brincavamos todos os dias. E eu tive que ter mais papel na ilha de água, isso incluía as festa das ilha, eu sempre odiei essas festas. Um homem de cada ilha vinha me cortejar e eu sempre odiei ter que dar fora nas pessoas, eles chegariam a tarde.

- Papai vou meditar. - dei um beijo em meu pai.

- Tudo bem, mas não se atrase para o festejo.

- Pode deixar. - sai correndo.

Assim que cheguei no topo da montanha coloquei a mão na marca e ele apareceu em cima de mim me dando um enorme e quentinho abraço.

- Como você está? - Fiz carinho em sua cabeça e ele espirrou.

- Não! Você está doente? - Ele fez uma carinha triste.

- Vou fazer um chá pra você.

Depois de passar um longo tempo com meu dragão, vi os barcos das outras ilhas e fiquei triste em já me despedir do meu amigo, mas antes de ir por estar cansada resolvi tirar um cochilo com ele, o Sol fez um ninho com o corpo e dormimos. Acordei no susto vendo que o sol já se punha, olhei meu dragão me despedi dele e fui pra casa.

                               XXXXXXXX

- Elmo quanto tempo. - o ancião da ilha de fogo ia até o pai de Piper com os braços abertos. 

- Ancião. - Curvou-se e logo depois o abraçou.

- Essa é minha bisneta e chefe da ilha de fogo Alex. - cruzaram os braços.

- Minha filha já está chegando. - Ele sorriu. - Será uma sabia chefe.

- Será uma honra conhecer ela. - sorriu.

- Claro. - o pai da loira foi apresentar a cidade para as pessoas da ilha de fogo e das outras ilhas.


A festa se iniciou e todos dançavam pelo enorme salão, cada chefe ou filhos dos chefes ficava na cadeira mais alta. Todos os povos curtiam a celebração que envolvia comida de cada ilha e costumes também.

- Agualio onde está sua irmã? - Elmo começava a ficar vermelho.

- Um dos soldados disse que ela chegou e tinha ido pra casa. Já já ela chega papai.

O ancião da ilha de fogo chegou perto da chefe e ficou nervoso.

- Onde já se viu uma filha de chefe não estar na festa de recepção.

- Se acalme vovô ela deve chegar a qualquer momento. - a mulher se divertia com a música.

- Hey rapaz. - o avô da moça chamou um rapaz da ilha da água. - O que a filha do chefe tanto faz nas montanhas?

- Ela medita, se conecta com a natureza e trás as ervas medicinais lá de cima.

- Meditar? - A chefe questionou.

- Sim. - o homem disse saindo.

- Sabe vovô irei dançar. - olhou todos os filhos e chamou Nicky para dançar.


A chefe da ilha de fogo e Nicky andavam de um lado a outro do salão em uma alegria só, era evidente que a mulher sabia se divertir.
A porta do salão principal se abriu e todos pararam para ver a bela e jovem Piper. Nicky parou a dança e sorriu.

- Minha amiga que chegou. - Nicky sorria abertamente.

- Quem? - A chefe se virou.

E seus olhos fixaram na bela loira que atravessou o salão e foi até Elmo, jurou ver a loira andar de forma lenta. Sorriu de maneira abobalhada.

- Onde estava? - O pai da loira deu um falso sorriso e continuou a acenar ao povo.

- Eu me perdi ao voltar, mas agora estou aqui. - sorriu.

A chefe ficou olhando para a jovem que fez o salão parar por um longo tempo, teve a intenção de ir até ela, mas se conteve continuou a curtir a festa. Resolveu dançar mais um pouco com o povo, Nicky terminou a dança ao lado de Alex, agradeceu pela dança e foi chamar a amiga. O gesto vez com que os filhos dos outros lideres se animar também.

- Dança com sua melhor amiga? - ela estendia a mão.

- Claro Nicky. - segurei sua mão e fui dançar com a minha amiga.

Me divertia muito com Nicky dava altas risadas, ela menor que eu tentava me rodopiar e quase caiamos, isso me ajudava muito e ela é minha melhor amiga que eu pretendia levar pra vida interia.

- Queria te apresentar uma pessoa. - Disse seria. - Ela é da minha ilha e queria que conhecesse ela,  quero sua aprovação.

- Sei que ela será perfeita pra você Nicky. - sorria e a gente se abraçou.

- Obrigada. - ela disse depois que saímos do abraço.

Íamos dançar mais um pouco quando um mulher alta, de cabelos pretos e olhos verde veio até a gente, por suas vestimentas ela deveria ser da ilha de fogo.

- Posso roubar o seu par? - Disse com uma voz rouca.

- Claro. - Nicky se afastou.

- Me concede a dança? - Me estendeu a mão.

- Seria uma honra. - sorri.

Colocamos uma mão para trás e com a outra encostamos as pontas dos dedos, senti um choque, mas ignorei, seguimos dançando.

- Como se chama? - questionei.

- Alex. - sorriu. - E você?

- Piper. - também sorri. - Sabe que sou a filha do chefe né?

- Não me diga, é um prazer filha do chefe. - Sorriu.

- E você quem seria? - estava curiosa para saber quem seria aquela linda mulher.

- Eu sou uma pessoa, que tem um cargo importante. Parecido com o trabalho do...

- E vamos acender as troxas do festival da paz!!! - Meu pai gritou. - E como tradição nossos filhos acenderam as fogueiras de cada ilha.

- Me desculpa, eu tenho que ir. - Sai de perto dela e fui até o lado do meu pai.

Abrimos a porta do salão e saimos meu pai muito atencioso, me chamou primeiro acendi a flecha com uma vela e estique o arco e flecha e atirei, acertando em cheio a flecha na fogueira que ficava em cima da bandeira da nossa ilha, logo em seguida meu pai chamou Simum, e Nicky. E assim que acenderam as fogueiras ficaram ao meu lado.

- Alex de filha Hefesio e irmã de Heleno agora chefe da ilha de fogo.

E a morena que dançava comigo a instantes atrás veio e pegou o arco e a flecha, e apontou para a fogueira, disparou e acertou em cheio. Foi andando até o lado de Simum e sorriu, foi então que todos da ilha comemoraram o ato de paz.

- Thor!! THOR! THOR! - Gritaram todos das ilhas.

Os músicos começaram a tocar e todos se dispersaram, fui junto aos outros para a mesa onde tinha um baquete para todos.

- Por que não me contou quem você era? - fiquei ao lado dela.

- Gosto de causar impacto. - sorriu.

Passamos o resto da festa juntas, dançamos, conversamos, nos conhecemos e ficamos juntas uma ao lado da outra até não ter quase ninguém no salão, passamos a noite nos conhecendo. Porém vi que estava amanhecendo e fui pra casa, não queria deixar meu dragão esperando. Nos depedimos com um abraço e a promessa de nós vermos amanhã nos jogos.

Logo subi as montanhas para contar ao Sol sobre ela, passei um longo tempo deitada ao lado dele falando o quanto havia achado dela perfeita e simpática. Ele somente acompanhava minha fala com um enorme sorriso. Quando o sol apontou no alto resolvi ir embora me despedi do meu pequeno dragãozinho com um enorme abraço fiquei ali dentro por um tempo e parti.

Assim que voltei pra ilha os jogos estavam terminado de ser montado, fui me trocar e a vi conversando com meu pai. Assim que me viu deixou o olhar fixo em mim e deixando meu pai falando sozinho, vindo ao meu lado.

- Posso saber onde estava a manhã toda? - Sorria.

- Eu lhe devo satisfação? - perguntei com tom de brincadeira.

- Só queria saber onde a mulher que passei a noite estava. - Ela respondeu da mesma forma.

- Fui meditar. - Continuei andando e ela me acompanhando.

- Posso te acompanhar amanhã? - perguntou de forma educada.

- Não! - Respondi rapidamente e nem notei que tinha sido um pouco rude. - Me desculpa, mas gosto de ficar lá em cima sozinha.

- Tudo bem. - me entregou uma flor de neve. - Te vejo daqui a pouco?

- Sim. - Dei um beijo em seu rosto como forma de agradecimento.

Coloquei a minha roupa mais leve, os jogos eram uma disputa saudável entre todos os povos. Fui ao lado do meu pai que estava sentado na cadeira mais alta e os outros chefes com seus filhos também, como sempre eu estava sentada ao  lado do meu pai.

- E que os tributos sejam oferecidos. - Meu pai se levantou. - Da ilha da água, oferecemos as joias mais belas.

- Da ilha do ar oferecemos a mais pura seda com fios de ouro. - Simum mostrou o pano.

- Da ilha de terra oferecemos o mais belo mármore. - Nicky mostrou.

Alex seria a próxima, ela sorriu, se levantou e estalou os dedos.

- Nos da ilha de fogo oferecemos. - Ela tinha um enorme sorriso. - Um dragão. - mostrou o animal preso. - Ele é um animal de estimação claro, precisam construir uma jaula para ele, mas lembre-se não será fácil domésticar. Mas podem fazer outra coisa com ele como matar ou vocês escolher.

Olhei para Nicky e ela viu em meus olhos o desespero, teria que fazer algo por aquele dragão. Alex parecia satisfeita e isso estava estampado em seu rosto, e minha cara estava seria.

- Não pode deixar uma criatura dessa presa, ele só ira ser irritar conosco. - Meu pai disse serio.

- Ele será dócil, eu garanto. - sentou-se em sua cadeira.

Foi ai que nossos melhores guerreiros se apresentaram, meu irmão, um soldado da ilha de ar, terra e fogo também se mostraram em nossa frente.

- E vamos a demonstração!!! - Meu pai gritou.

E no enorme circuito cada um dos soldados tentavam alcançar o leitão do outro lado, meu irmão mostrou grandes habilidades de força, e concentração, mas falhou no equilíbrio. O soldado da ilha de ar mostrou ser próspero na concentração e no equilíbrio, porém foi falho na força. O soldado da ilha de terra mostrou maestria em força e equilíbrio, mas concentração foi mal.

Já o soldado da ilha de fogo foi preciso, passou por cada etapa com tudo milimetricamente calculado e foi o que pegou o leitão do outro lado. Vi Alex comemorar animada, ela sorriu para mim, mas estava emburrada.

Depois disso fomos comer, Alex se aproximou e eu me afastei, fiz o mesmo quando ela tentou me tirar pra dançar a ignorei durante toda a festa. Não estava aguentando ficar ali e sai, não parava de pensar no pobre dragão e em minha cabeça veio Sol.

- Agora não tem pra onde fugir. - Alex estava atrás de mim.

- Eu não quero falar com você. - Disse firme.

- Mas o que eu fiz? - questionou. Fiquei em silêncio. - É pelo dragão?

- Como conseguiu deixar ele preso?

- Machucamo as asas. - Disse com a cabeça baixa, não me parecia que ela gostava daquilo.

- Você está torturando aquele animal Alex. - Deixei uma lágrima cair sem querer.

- Eu sei que seu povo é pacifista Piper. - Ela limpou meu rosto da lágrima. - Mas aquele animal mata nós a anos.

- E nós matamos eles a séculos Alex. - Me revoltei com ela.

- Seja racional Piper.

- Não.. - A olhei em seus olhos e vi que ela sofria também com aquilo, mas não deixaria de fazer. - Chega isso não daria certo.

A deixei para trás e fui para a minha casa, fiquei virando a maior parte do tempo em minha cama até minha porta ser aberta.

- Nicky? - estranhei.

- A gente achou justo soltar aquele dragão. - Nicky disse bem baixinho.

- A gente? - um mulher veio ao lado de Nicky. - Oi, sou Lorna.

- Ela sabe? - questionei Nicky.

- De Amora? Sim, claro que sabe e Amora ama ela.

- Então vamos. - sorri e fui com elas.

Fomos correndo e distraindo os guardas, o turno mudaria em instantes e seria a hora perfeita, assim que chegamos perto o dragão parecia estar dormindo, mas estávamos  enganamos ele sentiu nosso cheiro e presença rosnando em seguida, ajoelhamos e mostrei minha mão, ele pareceu se acalmar.

- Como tiramos isso? - eu forçava a correntes da jaula.

- Chama o Sol. - Nicky questinou.

- E colocar ele em perigo nunca. - Fui firme.

- E se ele colocar fogo nas correntes? - Lorna disse seria.

- Onde a achou? Eu já a amei. - Sorri muito feliz.

Fui atrás de algo que incomodasse ele, peguei uns galhos e fiz um barulho deles quebrando nas juntas da corrente isso incomodava os dragões e com ele não foi diferente ele jogou uma enorme rajada de fogo nas correntes.

Fiz isso em todas as correntes ele se soltou e ficou nos encarando cheirou todas mostrou que confiava em nos e subimos em cima dele, disparando para o alto da montanha. E assim que chegamos lá, coloquei a mão em cima da marca e o bebê junto a mãe chegaram atrás da gente. Me ajoelhei minhas amigas também, a mãe dragão também se curvou.

- Ele não consegue voar pequenino, será que podem levar ele pra sua ilha? - Ele pareceu entender e confirmou.

A dragão fêmea ajudou o dragão de fogo e o meu pequeno foi ao lado deles, Nicky, Lorna e eu fomos correndo para a ilha não podia voltar com todos acordados. Assim que chegamos o sol dava sinais de que nasceria, dispistamos os guardas e fui me deitar não demoraria muito para a confusão com o dragão de fogo começar.

Dormi cerca de uma hora e acordei com todos da ilha a procura do dragão, desci e fiz meu desejum com minha família que a todo momento reclamava do povo da ilha de fogo, os chamavam de inconsequente e tudo mais. Disse ao meu pai que iria na curandeira, porém subi as montanhas.

                              XXXXXXXXX

Todos da ilha procuravam uma maneira de organizar uma busca pelo dragão, fui até a casa do chefe da ilha para falar com a filha dele sobre o melhor caminho para subir as montanhas.

- Senhor Elmo onde está Piper? - perguntei seria.

- Está ajudando a curandeira. - Ele me respondeu de forma amena.

- Vocês tem duas tendas de curandeiras? Pois acabo de vir de lá.

- Deve ter encontrado Nicky no caminho. - Estava calmo.

Comecei a andar por toda a ilha atrás de Piper, perguntei a metade das pessoas que estavam lá e ninguém sabia me informar. Foi quando um guarda da ilha de terra veio até mim.

- Chefe Alex. - Ele me chamou. - Eu vi a filha de Elma, a quase uma hora subiindo o caminho das montanhas.

- Ela subiu para as montanhas com um dragão a solta? E você não a impediu? - segurei sua gola.

- Eu ach.. Eu acho que sim. - ele me respondeu.

O soltei no chão e verifiquei se minha espada estava firme na bainha e corri pelo caminho das montanhas atrás de Piper.

- Espero que não esteja morta.





Notas Finais


Por hoje é só pessoal
Até o próximo
Beijokas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...