1. Spirit Fanfics >
  2. I'M BAD BOY - MIN YOONGI >
  3. WHAT TO DO? - MIN YOONGI

História I'M BAD BOY - MIN YOONGI - Capítulo 18


Escrita por:


Capítulo 18 - WHAT TO DO? - MIN YOONGI


Fanfic / Fanfiction I'M BAD BOY - MIN YOONGI - Capítulo 18 - WHAT TO DO? - MIN YOONGI

Entre diversas pessoas no mundo, haverá uma pessoa que o chamará atenção. O que muitos esperam dos seu "amor verdadeiro", é que essa pessoa, possa ser formal, educado, e saiba o (a) respeitar corretamente. Só que  em  diferentes  áreas do conhecimento mental, nem todos se importa. 

Palavras sequer saiam de sua boca, o orgulho se faz presente em todas ocasiões.  Tudo vem  caminhando  tão bem, certo? Sinta-se livre  para tudo.  Você consegue. Hey! 

MIN YOONGI SPEAKING:

Não que à vida dela me importe, mas já está na hora de voltar, não acha!? Já está ficando entediate sem ela aqui, para brigar comigo, ou algo do tipo. São exatamente 20:15, e ela ainda não  chegou.

Onde  será  que  ela  está?  Com  certeza  com  outra  cara,  por  minha  culpa.  Você  é  um  idiota,  Min  Yoongi,  como  pode  não  se  importar  com  os  outros?  Mude Isso  de  imediato,  por  favor! 

Já  me  perguntei  isso  várias  vezes,  e  quanto  mais  eu  pergunto,  mais  dá  errado! Por  quê  toda  vez  que  eu  tento  a  negar, eu   não  consigo? Algo  se  recusa  dentro  de mim,  posso  lutar  o  quanto  quiser,  isso  nunca  irá  mudar.  Isso  me  deixa  com  um certo  medo,  pois  nunca  me  acostumei  com  a  idéia  de  amar  alguém, principalmente  alguém  que  me  odeio! Como  é  possível? Ah, God!

Alguém  começou  à  bater  na  porta, o  que  me  fez  saltar  do  sofá  rapidamente  para  atender,  crendo  que  era  S/n. Meus  olhos se cruzaram com o ser humano que estava parado em minha frente, à me encarar com um olhar angelical, não demorando para soltar suas palavras. 

- onde está, S/n? - perguntou o loiro adentrando em minha casa, vasculhando tudo com o olhar, procurando S/n. - tenho que perguntar novamente? - perguntou. 

- está vendo ela aqui? - falei, debochando - então, se não está vendo ela aqui, é por quê ela não se encontra no recinto. - falo me jogando no sofá novamente. - como passou?

- não devo satisfações de como entrei. -sentou na poltrona - já que minha irmã não está, conversarei com você. - disse o loiro soltando essas palavras, seriamente. 

- seja rápido, tenho afazeres. - desliguei à grande televisão, encarando o loiro, o intimidando com o olhar.

- ser breve, é o que mais faço melhor. - indagou o loiro com sua voz firme - aonde está aquele papinho que você disse que iria cuidar dá minha irmã? Que responsabilidade você tem sobre ela? - o loiro soltou essas simples palavras, me fazendo ficar sem respostas. 

- sua irmã é independente. - eu disse - por quê ousa, cuidar dos planos dela? Isso afeta bastante ela, sabia? - pergunto para o maior.

- você não deve opinar como devo criar ela - o loiro prosseguiu com suas palavras - o meu jeito de amar, é cuidando. - indagou o loiro. 

- Ah, claro! E por quê você não deixa de ter esse cuidado tão exagerado? Ah, isso é sufocante. - o loiro me olhou, com seus olhos semicerrados - sua irmã quer ser livre, faça isso por ela.

- aliás, por quê estamos tendo essa conversa tosca? - pergunto incrédulo - sua irmã não me interessa nem um pouco.

- ela não pode valer nada para você, filha dá puta - apontou o dedo para minha direção - mas, para mim, ela tem um grande valor, pois é sangue, do meu sangue. - elevou o tom de voz.

- calma aí, grandalhão - ri, sarcasticamente - o quê acha que estou fazendo com sua irmã? 

- você acha que eu confio ela conviver com você?- riu - eu preferia ela com um filha dá puta, qualquer - gesticulou com às mãos. 

- posso ser esse filha dá puta, qualquer. - o desafiei - e se ela escolher esse filha dá puta aqui? - falo sem referindo à mim - seus cuidados irão acabar? - pergunto rindo.

- não perco tempo, falando com idiotas como você! - levantou - esse é meu número. - me entregou um papel - ligue para mim, só em casa de urgência, e só quando se tratar dá minha irmã. 

- claro! será um prazer, ligar para você e falar que acabei de transar com sua irmã. - pego o papel rindo - Opa! Sem ofensas para seus ciúmes. 

- eu vou ignorar ao máximo, não vou me arriscar à matar alguém tão inútil. - dito isso à porta abre bruscamente, nos dando um susto enorme.

- o que aconteceu com você? - O loiro corre até sua irmã à pegando das mãos de Jimin e Namjoon. Esses dois? Sério mesmo?

- o que fizeram com ela? Que odor de bebidas alcoólicas são essa? - deitou à menina no sofá, que de imediato abraçou o pescoço de seu irmão. 

- por quê ela estava com vocês? - pergunto respirando fundo, para não falar palavras que possam machucar meus amigos - e por quê estão todos marcados de chupões? E Namjoon, por quê está sem camisa, e com o abdômen arranhado? - cruzo os braços, esperando uma resposta adequada. 

- à cara... - Jimin pronunciou suas palavras curtas, passando as mãos por seus fios rapidamente - exageramos na bebida, sacou? Mandamos ela parar, só que ela não quis. 

- namjoon? - O chamo, fazendo ela tirar a vista, para um lugar mais distante -  tem algo para me dizer? - pergunto. 

- eu queria falar que à culpa não é nossa. - namjoon disse - isso foi só uma brincadeira. 

- BRINCADEIRA? - o irmão de S/n, levantou furioso do sofá. - VOCÊ TRÁS MINHA IRMÃ BÊBADA, E AINDA DIZ QUE É "BRINCADEIRA"? - ele caminhava pisando firme em direção à namjoon. 

- relaxa, cara - falo o segurando. - ela vai acordar, e vai nos contar o que aconteceu realmente. - ele puxa seu braço - sussega!

Fui até S/n, me ajoelhando ao seu lado, observando seu rosto avermelhado, e um cheiro de bebida forte, envolveu minhas narinas rapidamente. Pensei que ela fosse mais forte que isso. Por quê ela foi buscar conforto logo na casa do Jimin ou do Namjoon? Ahh!

Coloquei seus fios, que insistia em ficar sobre seu rosto, atrás de suas orelhas, e fiquei à olhando sorrindo mentalidade. No fundo, no fundo, sei que ela me surpreende por em muita coisa, mais se ela quer ver à minha mudança fisicamente, terá que mudar esse jeito dela também. 

- vocês dois, podem ir para suas casas, eu vou ficar com ela aqui. - ordeno ouvindo o silêncio em troca - escutaram? - me viro, vendo que à porta estava fechada e que eu estava sozinho com S/n.

Mas, rapidamente escuta o barulho do chuveiro ser ligado, e seu irmão sair de dentro do banheiro. 

- Ei, cara? - me chamou - se você puder me ajudar a dar banho nela, eu iria agradecer muito. - o loiro pronuncia suas palavras curtas.

- por quê não faz você? - pergunto - quer que eu veja sua irmã nua? - pergunto sem entender. À alguns minutos atrás, esse cara só faltava me matar, e agora quer que eu der banho na irmã dele?

- deixa ela com as roupas íntimas - falou simples. - o importante é eu não ver o corpo dela. - sim, isso é uma verdade!

- tá legal, cara! - levanto sentindo meus joelhos doerem - suba para o quarto dela, e procure roupas confortáveis. 


Notas Finais


aí, aí! Esse namjoon e Jimin, não tem limites, não é? Beijos Chingu ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...