História "I'm fucking gay!" - Steven Demayo - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Helloooooo!!

Capítulo 2 - Traição


A noite, Steven ficou em seu quarto mexendo em seu Notebook. Estava lendo o seu conto favorito por um site de histórias bem conhecido. A história se tratava de um bardo que se apaixona por um príncipe. Basicamente um clichê entre a pessoa pobre e humilde, e a pessoa rica e poderosa, porém, era um romance homossexual, então este detalhe trazia uma originalidade amais para a trama da história. 

Depois do acontecimento de ter flertado com Kevin, Steven resolveu continuar aquela história e até mesmo, experimentar algumas coisas que sentia falta de fazer. Mas, algo ocorre enquanto o mesmo lia. Connie manda uma mensagem no Whatsapp do rapaz. Tirou o celular do bolso e visualizou a mensagem da namorada. 

 

 

[Connie]: "Oiii, mozão! Estou chegando em casa. Não poderei passar aí, tenho umas coisas para estudar. Mas podemos conversar pelo celular. 

 

[Steven]: "Oi, bebê. Podemos, sim. Eu adoraria conversar com você. A situação está boa demais pra não conversar com o amor da minha vida S2," 

 

[Connie]: "Pare, Steven! Kkkkk. Estou na estação, os outros vão perceber que eu estou ficando vermelha."

 

[Steven]: "Qual o problema nisso?"

 

[Connie]: "Podem pensar que eu recebi nudes seus. Lembra da última vez que você me mandou enquanto eu estava na aula e um colega viu?"

 

[Steven]: Eu lembro. Depois desse dia, só passei à mandar nudes quando você estivesse completamente sozinha."

 

[Connie]: "Cheguei no meu ponto. Vou pra casa tomar um banho e volto em uma hora ou mais."

 

[Steven]: "Está bem, amor. Volta logo. Já tô com saudades."

 

 

Parou de enviar as mensagens e se recompôs na cama. Como estava completamente sozinho, Steven resolveu tomar uma atitude bem diferente do esperado. Ele e Connie tinham o costume de ficar sozinhos e trocar mensagens safadas um para o outro. Para esta tarefa, ele a surpreenderia com um fetiche bem pervertido que a namorada tinha. Cross-Dresser. Steven é um rapaz afeminado e às vezes, passa um batom, rímel, entre outras coisas para agradar a namorada, e ele não via problema nenhum em fazer esse tipo de coisa. Mas, faria diferente. Além de passar o rímel nos olhos, colocar cílios falsos e batom nos lábios, vestiu uma roupa feminina. Pegou uma calcinha branca e um tope branco e os vestiu. Em seguida, tirou de sua gaveta de meias duas meias longas de arco-iris. Vestindo-as, jogou-se na cama e abriu um site pornô, para ficar excitado o bastante para quando a namorada retornasse. 

 

 

- Hoje a Connie terá uma surpresinha bem safada! — Colocando num pornô, foi mexendo no pênis pode dentro da calcinha, sentindo ele rapidamente ficar ereto e volumoso. 

 

 

Mas, algo interrompe. Batidas na porta da frente são escutadas e Steven desce para ver quem era. Ainda vestido daquele jeito, olhou pelo "olho mágico" ver quem estava o chamando. Era Kevin, aparentava estar furioso. Assustado, Steven tinha que atendê-lo, não podia ignorar o rapaz. Então, pegou um roupão e cobriu seu corpo, colocou óculos escuros para disfarçar o rímel e os cílios e por último, uma máscara médica, para tampar os lábios com batom. 

Suspirou e abriu a porta, nervoso. 

 

 

- O-Oi, Kevin. — O cumprimentou. 

 

- Steven, você não ia lá em casa!? Estou esperando à horas! — Disse, zangado. 

 

- Desculpe, eu fiquei doente. — Tossiu. 

 

- Pra quê tudo isso? — Perguntou. 

 

- O roupão é porque estou passando muito mal e sentindo calafrios, e a máscara, é porquê não quero passar nada pra você. 

 

- Mas, e os óculos? 

 

- B-Bem... — Começou à suar frio. 

 

- Acho que está mentindo! — Adentrou a casa do rapaz e fechou a porta. — Pare de dar desculpas e me diga o porquê de não aparecer no nosso encontro! Estava me enganando, é isso!? 

 

- Você sabe muito bem que eu namoro! Por que acharia que eu fosse no seu encontro idiota!? 

 

- Seu desgraçado! — Aproximou-se de Steven. — Ninguém me engana! — Deu um soco na bochecha de Steven, fazendo-o cair no chão.

 

Não foi só Steven que caiu. Os óculos haviam sido jogados no chão, e assim que Steven ergue seu corpo, Kevin pôde ver a maquiagem do rapaz. 

 

 

- Que negócio preto é esse na sua cara? 

 

- A-Ai, meu Deus! — Tampou os olhos. 

 

- Mas que... — Levantou Steven e o jogou na poltrona, tirando a máscara e tendo em vista o batom vermelho marcado na boca do jovem. — Que porra é essa!? — Mais desconfiado ainda, abriu o roupão de Steven, vendo as roupas que o jovem vestia. — S-Steven... que negócio é esse...!? — Olhou, chocado. 

 

- É pra minha namorada... — Steven cora. — Por favor, não conte pra ninguém sobre isso! — Tampou as suas vestimentas fechando o roupão novamente. 

 

- Você se veste, por quê!?

 

- Deis da minha adolescência, eu tenho me interessado mais por coisas femininas. Então, resolvi experimentar roupas, maquiagens, sapatos, entre outras coisas femininas. Eu gosto disso. 

 

- Sinceramente, você está muito sexy usando isso. — Vidrava os olhos no rapaz. 

 

- Obrigado, mas é para a Connie. — Suspirou. — Pode sair, por favor? 

 

- N-Não! — Negou. — P-Pode me mostrar de novo? 

 

- Kevin, eu tenho namorada! 

 

- Por favor. Ela não precisa saber. Você é tão... bonito! Não aguento olhar pra você sem querer ter a visão de tudo isso. 

 

- Não sei, não. — Deu a face. — Por favor, não insista. 

 

- Você me deve! Me enganou e eu quero receber o que mereço! — Retrucou. 

 

- Kevin, eu não vou transar com você! 

 

- Não quero transar. Apenas faça um Strip, que eu vou embora. 

 

- Um Strip? — Arqueou a sobrancelha. — Cara, você tem fetiches nessas coisas? 

 

- A-Acho que sim... — Revirou o olhar, corado. — Eu sempre fiquei na dúvida em qual sexualidade eu me encaixo. Bissexual, pansexual, até mesmo acho que sou gay! O meu interesse por garotas tem diminuído cada vez mais. 

 

- Eu... não sabia disso. — Disse, impressionado. — Sei que é difícil tomar essas escolhas sobre a sua sexualidade, mas garanto que logo irá se descobrir. Eu gosto de mim assim e amo os outros aceitarem o fato de eu ser bissexual. Mas, o lance de me vestir desse jeito, ainda é um segredo. Só a Connie e agora, você, sabem disto. 

 

- Prometo não contar pra ninguém sobre isso! — Ajoelhou-se. — Apenas, quero ter o gosto disso uma única vez... 

 

- Você quer mesmo que um garoto rebole pra você? 

 

- Steven, você é sexy. Eu vi as suas curvas e a enorme bunda que você tem. Difícil eu não me sentir atraído por um corpo fantástico como esse! — Steven cora ao ouvir esses elogios do garoto que o segurava fortemente nos dois braços. 

 

- Nem sei o que dizer. — Revirou o olhar e soltou um riso. — Está bem. Mas, só uma dança. 

 

- Obrigado! — Sorriu para Steven.

 

 

Steven levou Kevin até o sofá. Sentou o mesmo nas almofadas, assim começando à retirar o seu roupão. Revelou a vestimenta novamente, mas também, as meias arco-iris que usava. As coxas de Steven eram bem grossas, mesmo tendo um corpo robusto. 

 

 

- U-Uau! — Kevin olha maravilhado para o corpo sensual de Steven. — Você está tão... 

 

- Gostoso. Eu sei que iria dizer isso. — Corou. — Bom, quer que eu comece? — Jogou o roupão no chão. 

 

— Sim, sim! — Disse, animado. 

 

 

Steven se aproximou de Kevin e virou-se de costas para o homem. Começou à rebolar a sua bunda até o chão, bem como aqueles rebolados de Funk brasileiro. Kevin encarava o rebolado dele com um olhar maravilhado. Nunca viu algo tão sexy quanto aquela dança de Steven. Prosseguindo, Steven foi até o colo de Kevin, subindo encima do mesmo e ajoelhando-se no sofá. Naquela posição, o garoto foi rebolando diretamente na virilha de seu "espectador", e na mesma hora, pôde sentir o membro de Kevin bem duro. O pênis do "dançarino" também se encontrava no mesmo estado, mas como Steven não queria deixar exposto o volume do membro ereto, fez-o ficar para o lado. O volume era tão detalhado que era visível as veias através da calcinha. Mas Kevin nem reparou nisso, apenas apreciou o rebolado de Steven enquanto olhava o rosto corado dele, que por sinal, era bem fofo. 

 

 

- Está gostando? — Perguntou Steven

 

- Estou amando. — Respondeu, corado. — Eu... posso te tocar? 

 

- Pode, sim. Você merece. Mas, não avance muito o sinal. — Steven abriu um sorrisinho bobo, aparentemente, estava gostando muito de dançar para aquele homem. 

 

 

Um pouco afobado, Kevin leva as suas mãos até as nádegas de Steven. Apertou levemente a bunda gordinha dele, podendo sentir aquela camada de pura gordura preencher as suas mãos por inteiro. Steven gemeu, bem delicado, se passando por um Uke ("Passivo" no japonês). Kevin foi levando a mão esquerda até o peito do rapaz, mesmo que ele fosse um homem e não uma mulher, queria sentir do mesmo jeito as "tetinhas" suaves de Steven. 

 

 

- Seu corpo é perfeito, Steven. — Corou. — Nenhuma outra garota que eu fiquei era tão boa quanto você. 

 

- Talvez seja porque elas insistem em caprichar no que não precisa. — Steven estica os braços, os deixando bem curvados atrásde suas costas. — Olha, você pode ir um pouquinho mais além, se quiser. Depois de me tocar, acho que um toque oral não seria ruim. 

 

- "Toque oral"? 

 

 

Steven tira o seu tope, revelando os seus peitinhos robustos e gordinhos. 

 

 

- Você quer? — Deu a face para Kevin. 

 

- Quero, sim... — Engoliu a saliva à seco, nervoso. 

 

 

Kevin avança, e abocanha o peito de Steven. Steven solta um gemido alto, o que o fez sentir uma leve agonia repentina. Kevin foi chupando intensamente, até mesmo, revirava a língua em movimentos circulares em volta do mamilo do rapaz, para provocá-lo um sentimento ainda maior. Com a mão direita, Kevin foi alisando as bolas de Steven, que ainda estavam cobertas pela calcinha. Aquela atitude foi tão inesperada, que estrelas se formaram no olhar de Steven, tanto pela surpresa, tanto pelo toque. 

 

 

- I-Isso... — Gemeu. — Kevin, está tocando no lugar certo! — Abri um sorriso satisfatório. 

 

- Então, não vai se importar se eu for mais além. — Kevin pega nos braços de Steven e o deita no sofá. 

 

- O que vai fazer...? — Perguntou, corado. 

 

- Vou te mostrar o que mais eu posso pôr a boca. — Lambeu os beiços, assim levando o seu corpo até o pênis. 

 

 

Puxou a calcinha do rapaz, revelando o enorme pênis que Steven tinha. Tinha 17 centímetros de cumprimento e três de grossura. Kevin pega no pau do rapaz e foi o masturbando levemente, além de ter a vista de uma secreção gosmenta e transparente ser expelida do canal uretral. Pôs a língua pra fora e deu uma lambida naquela secreção. A língua deslizou pelo pescoço do pênis com uma vontade, Kevin até salivava. Mas, não queria perder mais tempo, então, abocanhou o pau de Steven, chupando a cabeça bem forte. 

Mas, as coisas se prolongaram demais. Então, Steven se afasta de Kevin e cobre as suas partes íntimas. 

 

 

- K-Kevin, é melhor pararmos. — Disse corado. — Acho que está na hora de você ir embora, tenho muita coisa pra fazer por aqui também. 

 

- Oh. Eu... eu entendo. — Kevin ficou um pouco decepcionado, mas feliz ao mesmo tempo por ter conseguido o que queria. — Mas... você nem pode sequer ver o que eu tinha pra mostrar. 

 

- Eu rebolei encima de você. Sei bem o tamanho da "coisa" que estaria lidando se continuássemos. — Soltou risinho safado. — Quer que eu te acompanhe? 

 

- Não, tudo bem. — Sorriu. — Até, Steven. Espero te ver em breve. — Abriu a porta. — Ah... e... fala pra Connie que peço desculpas por ter quebrado os óculos dela. — Saiu da casa, fechando a porta. 

 

 

Ouvindo aquela última frase de Kevin, o corpo de Steven arrepia bastante. Suou frio e o seu corpo todo começou à tremer. Estava tão entretido com Kevin que esqueceu de um detalhe... 

 

 

- Eu... eu traí a Connie... — Tampou a boca. — Meu Deus... o que... o que eu fiz!? 

 

 

 

Continua...


Notas Finais


Bye. bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...