História I'm Here - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Derek Hale, Scott McCall, Stiles Stilinski
Tags Ajuda, Dor, Proteção, Sterek, Trauma
Visualizações 673
Palavras 4.500
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Essa é a minha maior one e uma das mais pesadas e intensas.
Espero muito que goste dela!

Tentei transmitir o máximo de dor.

Desculpe pelos erros e caso se depare com um, peço que me avise ^^
Boa leitura <3

Capítulo 1 - Eu te protegerei


Quem bate tão violentamente na porta?

Derek acorda assustado, não estava esperando ninguém as 2h de uma madrugada chuvosa. Desce as escadas de seu quarto e vai rapidamente até a grande porta de metal de seu loft. Quando ele vê o garoto ali, com o corpo encharcado e a boca ensanguentada, seu coração para.

Stiles desmaia na sua frente, Derek é mais rápido e o segura em seus braços. O que houve? Porque ele está assim? Scott sabe que seu melhor amigo está nesse estado?

O lobo o leva até seu sofá e o deita calmamente, sem saber o que fazer ou o que dizer.

- O que aconteceu? – ele pergunta afastando seus cabelos molhados da testa do menor. – Stiles, fala comigo.

- Eles... me machucaram.

Eles? Eles quem? O coração de Derek dispara ao ver as lágrimas quentes do garoto irem de encontro com as gotas gélidas da chuva.

- Sti... Quem te machucou?

- Eles me machucaram.

Agora não apenas algumas lágrimas, mas o garoto começa a chorar desesperadamente. Envolto de sangue, medo e vergonha, Stiles desaba em frente ao lobo que sem pensar duas vezes o abraça. O humano deixa que Derek o toque, apenas ele, mas ainda se sente enjoado.

- Não deixa eles me machucarem – pede em prantos e assustado com o menor dos barulhos. Os trovões não ajudam.

- Não, não vou. Você está bem, está comigo. Eles não irão te machucar.

Derek sabe que o menor está com dor. Não recua em segurar sua mão e sugar todas as dores possíveis. As dores na barriga, nos braços, na boca, no quadril...

Um lobisomem forte e carrancudo que nem Derek nunca choraria, mas ao não só sugar suas dores, mas também seus sentimentos, uma única lágrima escapa pelo seu rosto.

- Stiles? – ele pergunta, mas o garoto, agora mais aliviado, dorme profundamente. O lobo acaricia seus cabelos e chora mais um pouco em seu ombro molhado.

Como foram capazes de fazer isso? Quem foi o monstro? Derek está transtornado. A raiva o consome de uma forma que nunca imaginaria ser capaz. Tanta, que deve controlar sua transformação e não sair caçando os miseráveis que machucaram Stiles.

No momento, o humano precisa dele. Derek sabe o que é precisar de ajuda e não irá abandona-lo num momento desses.

Corre até seu quarto e pega roupas limpas suas. Uma blusa e uma calça de moletom. Deve acordar o garoto? Afinal, não pode ficar assim, pegará um resfriado ou até mesmo coisa pior.

- Sti, você precisa tirar essas roupas – ele diz com uma calmaria invejável. – Por que não toma um banho?

- Eu não... não consigo – responde ainda de olhos fechados, não apenas pelo cansaço, mas pelo medo de abri-los.

- Eu te ajudo.

- Derek Hale me ajudando... O mundo está insano – ver um pequeno sorriso no rosto do menor aquece o coração gelado de Hale.

- Sim, o mundo está insano.

Antes que Stiles se sente, Derek é mais rápido e o pega em seus braços, levando-o escadas acima até o seu quarto. O garoto não se importa, pois sabe que não tem forças suficientes. Derek está com nojo do cheiro em seu corpo.

O lobo o leva até seu banheiro que por sorte é espaçoso. Quando o menor é colocado de pé no chão, ele se olha no espelho e desvia o olhar.

- Pode não contar isso para ninguém?

- Mas Stiles...

- Por favor.

- Deveríamos ir para um hospital, ou para uma delegacia prestar queixa...

- Não vai resolver, Derek. Ninguém vai se importar e não quero que meu pai saiba. Eu só quero tomar um banho e... Fingir que nada disso é real.

Seus olhares se encontram no espelho e Derek assente.

- Está bem. Por ora.

Derek liga o chuveiro para esquentar numa temperatura ideal. Ao se virar para o garoto, vê que ele tenta tirar seu casaco, mas não consegue por conta da dor.

- Deixe que eu te ajudo.

O lobo se aproxima, mas institivamente Stiles se afasta.

- Confie em mim – Derek nunca antes foi visto tão frágil e solidário.

Suas mãos abrem o zíper do agasalho vermelho e o jogam num canto do banheiro. Stiles prende a respiração quando Derek segura a barra de sua camisa e a sobe, relevando seus hematomas. O lobo, que já viu tanta coisa ruim, já causou tantos ferimentos em outros, se arrepia ao ver o corpo do garoto.

- Stiles, o que...

- Agora não. Por favor, Derek.

Ele insistiria, mas ao ver que o humano em frente a si estava prestes a chorar de novo, não pressiona mais. Logo suas mãos vão até a barra da calça e a abaixa lentamente, olhando nos olhos do garoto. Apenas de cuecas, ele o conduz até a água quente e convidativa.

Derek, ainda vestido com uma blusa e samba-canção, pega seu sabonete e esfrega as costas do garoto que chora baixinho. Com uma calma e delicadeza que muitos duvidariam que o lobo tem, ele ensaboa seu corpo. Cada toque, o garoto deixa escapar um suspiro de dor, nem sempre física, mas emocional.

Mas só quando Derek olha para o chão e vê que gotas de sangue no chão, que escorrem de entre as pernas de Stiles, que não consegue se controlar. Ele se vira bruscamente e soca a parede com uma força que mataria três homens sem dificuldade. Stiles se assusta, mas permanece calado. Derek volta a socar a parede até que se lembre que o garoto ainda está ali e que ele precisa dele.

- Eu vou mata-los.

- Der...

- Eu juro – o maior se vira para Stiles, seus olhos estão vermelhos, com ódio. – Ninguém vai me impedir.

Stiles, mesmo fragilizado e sem energias, abraça Derek com a maior força que pode. Ele sabe, mesmo sem dizer, que veio ao lugar certo.

- Não faça isso agora, fica comigo.

Ouvir tais palavras faz Derek ficar completamente desarmado. Essas palavras já foram ditas a ele antes.

- Eu ficarei. Eu prometo – ele nunca quebra uma promessa feita a alguém que se importa.

Derek auxilia Stiles no resto de seu banho. Ele massageia seus cabelos com shampoo e condicionador, fecha os olhos quando o garoto pede e aguarda. Stiles não se importou de ficar nu em frente a Derek, depois de hoje, ele não se importa com muita coisa. O lobo também não se importou em vê-lo assim, tudo o que se importa agora é o bem estar do menor. Antes de desligar o chuveiro, Derek coloca a mão em seu pálido rosto e novamente retira sua dor. É preciso muita calma para isso.

Logo que não suporta mais, ele pega uma toalha em seu armário e seca suas costas, cabelo e ombros, ao fim a pondo em volta de sua cintura. De volta ao quarto, Derek lhe entrega suas roupas. Quando ele se veste e entrega a toalha para Derek, também o tira de um devaneio que estava tendo. Seus pensamentos estão a todo vapor, mas todos voltam para um único ponto: vingança.

- Deite-se na cama, vou pegar meu saco de dormir.

- É sua cama, não te deixaria dormir fora dela.

De certa forma, Derek não insiste. Quer dormir ao lado do garoto, quer garantir que ele estará bem.

- Certo. Tem fome? Sede?

- Apenas água.

- Está bem. Deite-se, vou busca-la.

Um minuto depois e ele está de volta. Stiles está sentado na cama, encarando o nada e abraçado de suas pernas. Bebe metade de uma garrafa inteira e observa o lobo se sentar ao seu lado e entrar debaixo das cobertas.

- O que houve?

Curiosidade não é do feitio de Derek, mas nessa situação é impossível não tê-la. Stiles tem vergonha de contar e esse sentimento é captado por Derek, que percebe e entrelaça seus dedos aos dele, tentando transmitir conforto e confiança.

- Hoje começaram as férias, eu deveria ter ido passar duas semanas com Scott. Meu pai está viajando. Embora tenhamos planejado isso a semanas, ele cancelou tudo de última hora para ficar com Alisson.

“Eu fiquei triste. Não queria ficar em casa durante a noite, o tédio estava me consumindo. Peguei meu casaco, minha identidade falsa e fui pra um bar um pouco afastado. Lá eu liguei para todos que conheço, mas todos estavam ocupados, ou com outra pessoa. Desisti e enchi a cara. Alguns minutos depois, eles apareceram. Dois caras puxaram papo comigo. Ficamos ali conversando por um tempo, até que eu paguei minha parte e me despedi, mas eles me seguiram. Tentaram a todo custo me convencer a ir para a casa de um deles, mas eu não quis. Então eles me espancaram até eu ficar desacordado. Tudo o que eu lembro é de ser jogado em um carro e...”

Sua fala é interrompida pelos seus soluços.

- Não precisa dizer mais nada – Derek o abraça e o permite chorar em seu peito.

- Eles me jogaram na rua – cada palavra faz o sangue de Derek ferver. O lobo rasga uma parte do cobertor, mas sem o menor perceber. Stiles se acalma e apenas o abraça. – Não tinha mais para onde ir, não queria ficar sozinho. Acho que por causa das pancadas, mas eu ouvi sua voz.

Derek se deita junto a ele e o abraça, deitando sua cabeça em seu peito e envolvendo o menor o máximo que pode.

- Durma. Eu estou aqui. Não vou sair do seu lado.

Dito e feito, Derek não saiu de seu lado até que enfim Stiles adormecesse. Quando viu que o garoto estava dormindo, se levantou com bastante cuidado para não acorda-lo e saiu do quarto, indo até o centro do loft, aonde ligou incessantes vezes para o celular de Scott. Todas as ligações davam na caixa postal.

- Eu juro que se você não atender esse telefone, McCall, eu vou acabar com você, seu garoto idiota – repetia Derek segurando-se para não atirar seu próprio celular pela janela.

O lobo já não sabia mais o que sentir. A raiva se acumulou com a tristeza e com o sentimento de incapaz. Incapaz por que não sabe como cuidar de Stiles, não saber como acabar com essa dor.

- Derek? Scott? – Stiles começa a gritar. – Derek!

O maior não demora mais que 5 segundos para chegar ao quarto e encontrar Stiles se debatendo na cama, completamente suado e ainda dormindo.

- Hey, hey – ele se deita ao seu lado e o abraça. – Eu estou aqui.

- Derek... – ele chora e faz Derek o proteger em seus braços ainda mais. O garoto ainda dorme. – Der...

- Dorme, eu estou aqui.

O lobo acaricia seus cabelos até que ele se acalme e volte a dormir. Derek está lá.

[...]

Pela manhã, Stiles está sendo abraçado por Derek em uma conchinha mais que aconchegante para ambos. Com sua audição apurada, o lobo ouve passos em direção ao seu loft e o cheiro do traidor, como passou a chamar Scott em sua cabeça.

Como fez horas atrás, ele se levanta com o máximo de cuidado, mesmo que o garoto esteja dormindo que nem uma pedra.

Scott não bate, apenas entra no lugar, sendo recebido por um Derek com raiva no olhar vindo em sua direção e um soco em seu maxilar.

- Que porra... o que está fazendo? – ele pergunta confuso. Derek ergue seu punho para mais um de seus murros, mas para ao ouvir a respiração do garoto que dorme tão calmamente em seu quarto. – Você está chorando?

Quem imaginaria que precisaria uma situação tão horrenda para fazer Derek mostrar tal lado de si.

- Eu nunca mais quero olhar para a sua cara. Você nunca mais vai chegar perto do Stiles. Está me ouvindo? – embora abalado, ele mantém a seriedade na voz.

- O que? O que aconteceu? Você não decide isso – Scott se levanta e arruma sua camisa.

- Só... saia daqui antes que ele acorde.

- Acorde? Ele está aqui? Me deixe falar com ele...

- Scott?

Stiles aparece no alto da escada. Seus cabelos estão bagunçados e ele ainda está pálido, mais que o normal, mas mesmo assim, bonito. Derek perde o foco por um segundo, mas volta a olhar para Scott.

- Saia daqui, agora – dessa vez não só sua voz sai grossa, mas juntamente com um rugido baixo.

Os dois melhores amigos se encaram e o outro vai embora. Derek tranca a porta e sobe de encontro a Stiles.

- Você está bem? – ele pergunta passando o polegar pelas pintinhas do rosto do garoto.

- Eu não o culpo, Derek.

- Mas eu sim. E continuarei culpando. Vem, vamos cuidar desses machucados no seu rosto.

Sem ter o que dizer, Sti apenas assente e segura sua mão para acompanha-lo.

- Tenho um kit de primeiros socorros em algum lugar, só não sei por que – eles riem e Derek vê o quão bonito o sorriso do outro é e vice-versa.

Derek procura em um armário e ao encontrar ele se senta junto a Stiles na cama.

- Toque meu rosto – pede Derek, deixando Sti sem entender. – Se sentir dor, eu irei absorver.

- Certo.

O lobo coloca um pouco de álcool em uma gaze e passa sobre o ferimento na boca e no maxilar do menor. Percebe que ele sente um incômodo, mas o absorve de imediato, não quer que ele sinta nem isso. Depois, coloca um curativo no do maxilar.

- Pronto – ele diz baixinho, a mão continua em seu rosto, seus olhares fixos.

- Pronto – repete o garoto. Mais alguns segundos e ambos quebram a conexão.

- Eu vou comprar algo para comermos e vou passar na sua casa para buscar algumas de suas roupas – diz Derek se levantando.

- Por que?

- Como assim por que? Você vai ficar aqui até seu pai voltar.

Stiles é pego de surpresa. Derek sorri.

- Eu não vou te deixar sozinho – ele bagunça os cabelos castanhos e pega sua jaqueta de couro. – Não abra a porta para ninguém, ninguém mesmo.

- Está bem...

O garoto deixa um sorriso escapar e se sente seguro, verdadeiramente seguro.

- Você tem as chaves? – pergunta Derek de volta.

- Acho que estão nas minhas roupas.

O lobo tem que prender a respiração para pega-la entre os tecidos sujos e ainda molhados. O cheiro de sangue, dor e daqueles que fizeram aquilo está muito impregnado. Junto a chave, ele encontra o celular de Stiles, completamente encharcado.

Ele roda as chaves no ar e enfim vai.

[...]

Derek entra na casa do filho do xerife e logo depois em seu quarto. Ao olhar para a janela do garoto, lembra-se da noite que ele subiu nela e observou Stiles dormir. Até hoje não sabe o por que fez aquilo. Era Lua Cheia, então ele não se importou em descobrir o motivo.

Em uma mochila ele coloca algumas blusas e calças, embora tenha adorado ver Stiles em suas roupas. Ele fica adorável com os tecidos maiores que si.

Derek afasta esse pensamento com uma tosse. Teria vergonha de mexer na gaveta de cuecas, mas depois de tê-lo visto nu e dormido abraçado a ele, não acha que vergonha é algo realmente impressionante. Isso o faz pensar no tanto que aconteceu em menos de 24 horas. Metade de tudo ele preferia que não tivesse de fato acontecido.

Dali, ele vai até uma loja e compra um celular novo para o garoto e por fim vai em uma padaria e compra coisas diversas. Não demora muito para que ele chegue em casa e se depare com um Stiles experimentando sua outra jaqueta.

- Ficou bonito – diz ele assustando o garoto. – Desculpe, não era minha intenção.

- Está tudo bem – ele tira a jaqueta e pega sua mochila.

- Vem, vou preparar nosso café.

Os dois descem e Derek faz café, ovos, bacon e panquecas, além de algumas frutas para Stiles. Enquanto isso o garoto espera observando.

- O que tem naquela sacola?

- Seu celular novo. O antigo não funciona mais e não é bom perder o contato com seu pai.

Stiles fica boquiaberto, mas não reclama. Retira o aparelho da caixa e depois de configura-lo, ele manda uma mensagem para seu pai dizendo que o seu quebrou e este é o novo.

- Obrigado – diz ele encarando as costas de Derek.

- É só um celular.

- Não só por isso. Obrigado por estar fazendo isso tudo. Você não precisa.

Derek para o que está fazendo e se vira para ele, apoiando-se no balcão e sorrindo de lado.

- Eu não preciso, eu quero. Não precisa agradecer, só... fique seguro.

[...]

Aquela manhã foi ótima. Depois de comerem, os dois jogaram vídeo games e assistiram a filmes – escolhidos por Stiles – e assim ficaram durante o dia.

Derek não disfarçou sua felicidade em ver que mesmo passando por um trauma daqueles, o garoto não deixou ser abalado. O resto da semana também foi muito bom. Infelizmente, todas as noites Stiles acordava com pesadelos no meio da noite, mas não houve uma delas que Derek não estava ao seu lado.

Eles próprios não entenderam o que estava acontecendo. Viraram amigos, isso é fato, mas por que uma simples troca de olhar era tão poderosa?

Derek tentou aconselhar Stiles a ir em grupos de apoio para pessoas que passaram pelo mesmo que ele, nem que fosse do outro lado da cidade, ele o levaria. Mas o garoto simplesmente não quer.

Uma coisa que Stiles não sabe é que todas as vezes que Derek saía, ele estava caçando os monstros que fizeram aquilo. O garoto havia pedido para que as roupas que usou naquele dia fossem queimadas, mas o casaco foi poupado pelo lobo que seguiu sem descanso os rastros. Derek não descansaria enquanto não os fizesse pagar.

- O que acha de irmos no cinema? – o lobo o convida quando eles zeram juntos mais um jogo.

- Cinema? Lá... fora?

Embora esteja forte, Stiles teme o exterior, principalmente durante as noites.

- Quer tentar?

- Depende. Está me chamando para um encontro, Sr. Hale?

O lobo abre a boca para falar algo, mas por fim apenas expira.

- Eu só quero que saiba que pode contar comigo para te proteger.

E lá estava, o mesmo olhar estranho, sentados no sofá e a uma curta distância.

- Posso tentar.

Ainda era de tarde, então se arrumaram e saíram no carro de Hale. A todo momento Stiles pensava que logo seu pai chegaria e teria que voltar para casa. Não é um bom pensamento. Ele se sente seguro com Hale, sabe que pode contar com ele. Tem medo de perder sua proteção e até mesmo sua amizade.

Derek mantém os olhos na estrada, mas sempre que pode olha discretamente para o garoto no banco do passageiro. Como que ele, um lobo desgovernado e sozinho, poderia se encantar por um garoto como Stiles?

Ao estacionar, Stiles olha para as ruas movimentadas e fica um pouco ofegante.

- Hey – Derek segura sua mão, chamando sua atenção. – Eu estou aqui.

Um sorriso é o suficiente para o humano dizer que sabe disso. Juntos eles saem do carro e vão até a bilheteria, aonde compram os ingressos de um filme de ação.

- O que vai querer? – Derek pergunta quando a vez deles chega na fila para comprar pipoca e guloseimas. – Pode pedir o que quiser.

- O que for pedir.

Hale então pede uma pipoca grande e alguns chocolates que viu Stiles encarando, além de dois refrigerantes grandes.

Ao entrar na sala e se acomodarem, o garoto fica um pouco receoso com o escuro.

- Está confortável? – o lobo se preocupa.

- Estou, é que... Nunca gostei do escuro.

Derek pensa por alguns segundos e olha ao redor, vê que está seguro e chama novamente o garoto tocando seu braço. Então Hale brilha seus olhos, dando a eles uma tonalidade azul muito bonita e, embora carregue uma história e um grande significado, deixa Stiles mais aliviado.

O filme é bastante legal. As cenas fazem Stiles esquecer de certos momentos e Derek sorrir com as reações exageradas do menor. Ao fim, saem lado a lado do cinema. Um vento forte lhes encontra e o garoto estremece. Derek sequer pergunta, apenas tira sua jaqueta e coloca em seus ombros.

- Por que fez isso? – pergunta Stiles envergonhado.

- Não queria te ver com frio.

Ali estava, mais uma vez, o olhar. O lobo olha para todos os lados e vê que não há praticamente ninguém nas ruas. Foi na frente daquele cinema e sendo assistidos pela Lua que Derek tomou a iniciativa de beijar o garoto que tanto queria.

Claro que Stiles foi pego de surpresa, mas ao tocar o rosto daquele que o beijava e permitir a aproximação, foi o suficiente para Derek saber que fez a coisa certa.

[...]

Ao chegarem em casa, não disseram muita coisa. Quando estavam na cama, ambos apenas se encararam no escuro e começaram a rir até pegar no sono.

Agora de manhã, Derek prepara o café enquanto Stiles termina de arrumar a cama e desce ao seu encontro.

- O que achou de ontem á noite? – pergunta o lobo preocupado que houvesse arrependimento.

- A melhor que tive em anos.

Isso deixa ele feliz. Esse momento é interrompido por batidas na porta.

- Fique aqui.

Derek diz e vai até ela. Sua felicidade se esvai quando vê quem é. Scott está parado ali, esperando alguma reação.

- Eu só quero ver ele. Por favor.

- Eu já disse que...

- Derek – Stiles o interrompe, surgindo atrás dele. – Está tudo bem.

- Mas Sti...

- Por favor.

Seu olhar... Derek não conseguiria dizer não para ele.

- Está bem. E quanto a você – o lobo deixa um rosnado escapar – eu não estou bem contigo.

Scott engole em seco e acompanha seu amigo até o quarto de Derek. Mesmo que Stiles não tenha dito nada, ele não ouvirá a conversa, o que o deixa mais ansioso ainda.

Derek reconhece que eles são muito amigos, mas não consegue parar de culpar Scott. Se ele tivesse simplesmente passado aquela noite com Stiles, apenas aquela, o garoto não teria vivenciado aquilo. Estaria bem mentalmente.

Os longos minutos passam e nada acontece, até que Derek ouve um choro e imediatamente sobe as escadas. É seu quarto, então não se importa de abrir a porta e encontrar Stiles sentado na cama com a cabeça baixa e Scott sentado no chão, com os olhos molhados e o olhar vago, completamente vago.

- Sti...

Derek se senta ao seu lado e o abraça, beijando o topo de sua cabeça e sentindo o cheiro de seus cabelos.

- Me desculpa – pede Scott antes de se levantar e andar rapidamente até a saída.

Os dois o segue e Stiles o chama antes que ele abra a porta de entrada.

- Não se culpe – pede o humano, mas Scott já colocou em sua cabeça que ele fez aquilo.

McCall apenas o abraça por uns bons segundos e olha para Derek.

- Vocês estão juntos?

Isso deixa os dois sem reação, mas Scott apenas sorri de lado e seca as lágrimas.

- Protege ele.

Dito isso, o jovem apenas sai do lugar, deixando-os novamente sozinhos.

[...]

Scott voltou dois dias depois. Trouxe pizza e vídeo games inéditos, doces que Stiles ama. Passaram a tarde e a madrugada inteira assim e falando de assuntos aleatórios, como amigos que se conhecem a décadas. Derek era o novato ali.

O resto da semana foi muito bom. Embora não tenham tido mais beijos por parte dos dois, o olhar sempre esteve ali.

- O que acha de morar comigo? – pergunta Derek enquanto eles veem um filme. Ele está com a cabeça deitada no colo do humano.

- Morar... com você? Definitivamente? – Stiles ergue uma sobrancelha e o lobo se senta.

- Eu não consigo me acostumar com a ideia de você voltando para sua casa, onde seu pai raramente está. Você vai ficar sozinho, desprotegido.

- Eu sei me cuidar, Derek – diz revirando os olhos.

- Eu sei que sabe, mas eu meio que me acostumei a isso. Além do mais, eu tenho medo.

Ouvir isso de um cara grande que nem Derek é surreal, ainda mais conhecendo ele e sabendo que esse lobo não tem medo de nada.

- O que quer dizer para o meu pai?

- Isso.

Derek o beija calmamente. Seus lábios se tocando e transmitindo uma mensagem, uma eletricidade que só os dois conseguiriam produzir.

- Podemos fazer isso dar certo – diz o lobo em um quase sussurro.

- Tem certeza que quer tentar?

Derek o coloca em seu colo, suas pernas ao redor de seu corpo e sua mão em seu rosto. Apenas um roçar de lábios faz ambos arrepiarem.

- Você não imagina o quanto.

 

5 meses depois

 

O xerife nunca soube o que aconteceu com o filho. Demorou um pouco para se acostumar com ele indo morar com Derek Hale e ainda mais para entender que o filho o ama. Hoje o loft é o lar deles e o lobo tem planos para se mudarem assim que o seu humano terminar o colegial e ir para a faculdade.

Apenas depois de 2 meses Stiles se sentiu confortável em terem relações sexuais. Derek em momento algum se mostrou impaciente, muito pelo contrário, sempre que ambos estavam para chegar lá, ele perguntava para o menor se realmente estava pronto.

Quando enfim estava, foi uma das melhores noites de Stiles. Embora tenha derramado lágrimas em alguns momentos, ele atingiu um máximo de prazer que só Derek conseguiria lhe dar.

- O que acha de nos casarmos?

- É o que?

Stiles deixa um prato cair justo quando ele estava para colocá-lo em uma caixa.

- Desastrado – Derek cata os cacos, não deixando que Stiles faça isso.

O garoto foi aceito em uma faculdade em Seattle e Derek comprou um dos apartamentos de Peter. O xerife quase atirou no lobo, mas no fim deu tudo certo.

- Casar? Derek, eu ainda farei 18 anos.

- Eu não disse que tem que ser amanhã – Hale revira os olhos e se levanta.

- Derek Hale querendo se casar comigo – Stiles coloca a mão na testa, claramente sem acreditar. – Eu quero um pedido formal, com fogos de artifício, num prédio alto, tem que ser de noite...

O lobo cala o humano com um beijo.

- Eu te amo, garoto.

- Eu também te amo, Hale.

 

Naquela noite, a última noite que passariam em Beacon Hills, uma chuva muito forte tomou conta. Stiles não se tocou que noite parecia, mas Derek sim. Dessa vez, quem ouviu as violentas batidas na porta foi o humano. Ele procurou Hale na cama, mas não o encontrou. Desceu as escadas e ao abri-la, o encontrou completamente encharcado de água e sangue. Não era seu sangue e ele não tinha um arranhão sequer.

Stiles soube naquele momento que os homens que o machucaram meses atrás numa noite chuvosa já não estavam mais vivos. Seu lobo cumpriu sua promessa.

 

            Derek para sempre protegeria Stiles.

 


Notas Finais


Como muitos sabem, eu amo minhas ones com todo o meu coração. É nelas que eu coloco todo o meu talento e os meus sentimentos. Nesta não seria diferente.

Leia também "Mapas", "Ás vezes é preciso chorar", elas também falam sobre as diferentes formas de dor. Acho que um dia conseguirei escrever sobre todas kkk <3
Quero aproveitar e divulgar minha outra recente one original "On Your Knees", uma intensa leitura e de tirar o fôlego.

Espero, do fundo do meu coração, que tenha gostado desta.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...