História I'm in love with a dancer - Capítulo 18


Escrita por:

Visualizações 5
Palavras 5.865
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: LGBT, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi! Alguém por aí?

Capítulo 18 - Olá Dezembro


Fanfic / Fanfiction I'm in love with a dancer - Capítulo 18 - Olá Dezembro

O mês de dezembro chegou mais rápido do que Melissa esperava. Ela amava esse mês não só por causa de seu aniversário, mas também do Natal e das festas de fim de ano. Eram suas favoritas. Porém Melissa não estava tão animada quanto os outros anos. Ela tinha voltado pra casa a pedido de seu pai, mas sua mãe continuava do mesmo jeito. A relação delas estava bem abalada e as duas mal conversavam. Era difícil manter um diálogo porque Fernanda sempre dava um jeito de criticar tudo que a filha fazia, e Melissa como não gostava de discutir, apenas deixava a mãe falando sozinha. Não ia adiantar brigar.

E para completar estava doente. Sua garganta resolveu “dar defeito” há alguns dias e ela estava ralando para comer, beber e até mesmo falar por conta do inchaço e dor. Até emagreceu nesse período. Já tinha ido ao médico e o remédio que ele receitou estava ajudando bastante. O inchaço de sua garganta já tinha diminuído, mas ainda doía e isso a deixava irritada, pois ainda não podia comer direito. Era quinta feira e ela estava jogada em sua cama desde que chegou da faculdade. O dia estava frio e ventava forte, ela nem queria mais sair de casa. E nem poderia. Vestiu um moletom, calças confortáveis, meias e foi pra debaixo das cobertas, assistir filmes em seu notebook. Seu celular começou a tocar e depois de pausar o filme, ela atendeu. Era Natalie.

- Oi amor!

- Oi Nat! – respondeu fazendo uma careta. Ainda sentia dor ao falar.

- Como você está? Está conseguindo comer melhor? – perguntou preocupada.

- Mais ou menos. Tenho comido apenas coisas líquidas e isso é um saco.

- Eu imagino o quanto isso deve estar sendo horrível pra você.

- Está mesmo, eu não aguento mais. – reclamou.

- Ai amor! Eu esperava que você estivesse melhor e pudesse vir pra cá hoje. – lamentou a dançarina.

- Por que você não vem pra cá? A gente pode ficar agarradinha vendo filme. Está um dia ótimo pra isso.

- Mas e a sua mãe?

- Ela está trabalhando, amor. Só a Lara está em casa.

- Tem certeza?

- Tenho! Ela vai chegar mais tarde pode vim.

- Está bem! Daqui a pouco estou aí.

- Ok, estou te esperando. Beijo.

- Beijo!

Desligou o celular e o deixou de lado voltando a ver seu filme.

(...)

Em seu apartamento, Natalie rapidamente trocou de roupas para sair. Estava realmente frio lá fora. São Paulo era imprevisível quando se tratava do clima.

Colocou uma calça confortável, um moletom vermelho por cima da blusa que vestia e calçou um all star branco. Saiu do apartamento e depois de trancar a porta, guardou seu celular e suas chaves nos bolsos.  Dirigiu por alguns minutos e logo estacionava em frente à casa de Melissa. A dançarina estava um pouco receosa por causa da mãe de sua namorada. Não a viu durante a semana, porque ela estava doente e não saiu de casa. Não podia simplesmente aparecer lá para vê-la e isso a deixou preocupada. Queria cuidar de Melissa, estar com ela, mas Fernanda não facilitava nem um pouco as coisas.

Apertou a campainha sendo recebida por Lara, que sorriu ao vê-la.

- Oi Natalie! Tudo bem?

- Oi Lara, tudo ótimo e você?

- Estou bem. Entre, está um frio aí fora.

- Está mesmo. Esse vento está carregando a gente. – Lara riu.

- É verdade. Ótimo dia pra ficar em casa debaixo da coberta.

- Sim! – Natalie concordou.

- A Mel está no quarto dela fazendo exatamente isso. Pode subir lá.

- Ela está mais que certa. Ainda mais com aquela garganta inflamada.

- É mesmo. Agora ela está melhor, mas nos primeiros dias foi horrível. Ela mal conseguia falar e chorava de dor. – Natalie sentiu seu coração apertar só de pensar nisso.

- Eu imagino. – disse compreensiva. – Vou subir lá.

- Ok.

Seguiu para as escadas e subiu rapidamente. Chegou ao corredor e ouviu uma gargalhada e depois um xingamento, mesmo com a porta do quarto fechada. Abriu-a devagar.

Melissa estava debaixo da coberta como Lara havia dito, deitada toda torta com a cabeça apoiada em uma almofada de pescoço. Seus olhos presos na tela do notebook mal notaram a dançarina se aproximar da cama.

- Oi amor! – Natalie deitou sobre seu corpo, abraçando-a.

- Oi linda! Que saudade. – fez um pequeno bico.

- Muita! – beijou seu bico. – O que você está assistindo, pequena? – Melissa sorriu. Adorava quando Natalie a chamava assim. Sentia-se protegida.

- Harry Potter. Estou querendo fazer maratona, faz tempo que não vejo. Acabei de começar.

- Então vamos maratonar Harry Potter. Eu amo pouco. – brincou.

Natalie deixou seu celular e suas chaves na mesinha ao lado da cama e tirou seus tênis. Elas se ajeitaram de maneira que ela ficou deitada de lado, abraçada em Melissa.

- Você está tão quentinha. – Natalie comentou, ajeitando a coberta.

- E você está gelada. – apertou-a em seus braços. – Mas logo você esquenta. – beijou seus cabelos.

Melissa deu play no filme. Natalie também gostava bastante dessa saga e adorava os livros e os filmes. Aliás, já tinha assistido várias e várias vezes com Melissa e Lavínia.

- Awn esse Olívio Wood é tão fofo. Sempre achei ele lindo.  – comentou distraída. Natalie encarou-a com cara de tédio.

- Oh really? – debochou. – E você está me dizendo isso por que mesmo?

- Só estou comentando! – Natalie rolou os olhos e voltou-se para o filme.

Uma das cenas que as duas mais gostavam chegou e elas sorriram, provavelmente pensando a mesma coisa. Quando a personagem começou a fala elas terminaram, falando juntas.

- “E você está falando errado. É leviôsa, e não leviosá.” – ambas gargalharam. Era automático repetirem as falas dos filmes, faziam muito isso.

Continuaram a assistir o filme, até que Melissa novamente fez mais um de seus comentários.

- Ah, mas esse apanhador da Sonserina também é lindo. Olha só!

- Você está falando muito pra quem está com a garganta doendo, não acha? – Natalie disse sem olhá-la. Melissa riu, mas arrependeu-se em seguida, reclamando de dor.

- Ai que saco. Eu não posso nem rir. – lamentou fazendo a dançarina gargalhar.

- E não pode falar também, então quieta. Ninguém aqui quer ouvir seus comentários sobre os personagens de Harry Potter. Me poupe.

- Ciumenta! – provocou-a.

O filme continuou e quando Natalie achou que Melissa finalmente iria ficar quieta, ela abriu a boca para falar de novo.

- Viu só amor, unicórnios são criaturas puras. Por isso sou um. – comentou divertida.

- Tu tá bem, bem boa né? – gargalhou alto e encarou-a. – De uns dias pra cá você tem sido tudo menos pura, Melissa.

- Quê isso? Sou uma menina comportada, me respeita!

- Comportada uma ova. Na hora de tirar o meu juízo você não tem comportamento nenhum. Sua cínica.

- Eu? Tzz... – fez-se de ofendida.

Mas Natalie tinha razão. Ultimamente Melissa andava bem saidinha e apesar de estar se esforçando para se controlar, ela estava adorando. Aquela fotógrafa sabia tirá-la do sério como ninguém.

- Você não me provoca hein dona Melissa. Não começa algo que você não pode terminar. – avisou roçando seus lábios.

- Ai amor no momento eu não estou podendo começar nem terminar nada, infelizmente. – disse virando o rosto.

- Infelizmente né sua babaca. A sua sorte é que você está doente.

- Ou azar! – falou calmamente e Natalie fitou seu rosto com os olhos estreitos.

Como Melissa reclamava de dor o tempo todo até por falar, Natalie estava com receio de até mesmo beijá-la direito, mas via em seus olhos que ela estava louca por um beijo e resolveu usar isso contra ela. Se Melissa queria brincar, ela entraria em seu jogo.

Com a ponta da língua, ela contornou os lábios de Melissa, apenas atiçando-a. Desceu para seu pescoço e sugou seu ponto de pulso lentamente. Depois roçou novamente seus lábios, sentindo a pulsação dela aumentar.

- Amor. - resmungou. - Estou com saudade do seu beijo. Por favor. – pediu com a voz baixa.

- Você mal está conseguindo dar risada e já reclama de dor. Só estou te poupando. – beijou o canto de seus lábios.

- Eu vou parecer louca, mas tenho certeza que essa dor vai valer a pena.

- Ok. – Natalie finalmente juntou seus lábios.

Iniciaram um beijo cheio de saudade, onde suas línguas e bocas se moviam de uma forma nada gentil. Melissa ignorou completamente a dor que estava sentindo, focando somente naquele beijo. Logo as mãos da dançarina desceram por seu corpo e começaram a passear por sua silhueta. Ela não conseguia se controlar, precisava tocá-la e  sentir suas reações. Desceu suas mãos até as coxas de Melissa, cobertas pela calça acariciando-as e depois subiu um pouco e apertou seu bumbum. Ela gemeu baixo, mordendo os lábios de Natalie, fazendo-a sorrir no meio do beijo. Melissa separou suas bocas, ofegante e com as bochechas levemente coradas, mas tinha um sorriso nos lábios.

- Desculpe! Eu não consegui me controlar. – Natalie disse divertida. – Você é muito gostosa. – sussurrou em seu ouvido.

- Você adora me provocar isso sim. Sabe o que causa em mim e fica me testando. – mordeu de leve o lábio dela.

- Sim e amo cada uma de suas reações. Você foge, mas seu corpo te denuncia e eu poderia continuar, porque sei que mais um pouco e você estaria entregue. – beijou seu pescoço e ela se encolheu, corando mais ainda. – Mas eu sei que ainda não é a hora. E te respeito.

- E se eu te disser que não quero mais fugir? Que eu quero isso tanto quanto você e que a única coisa que me impede é o fato de estarmos aqui em casa e que alguém pode aparecer. - Natalie sorriu largamente.

- É sério isso? – Melissa assentiu sorrindo. – Ai eu não creio. Nunca quis tanto estar em casa. – quase gritou.

- Boba. – negou com a cabeça. – Mas temos todo o tempo do mundo não é mesmo?

- Claro que sim amor! – beijou seu rosto.

Há essa hora o filme já tinha acabado e os créditos subiam na tela. Elas ficaram deitadas ali trocando carinhos e beijos, esquecendo-se da maratona de filmes, até começar a anoitecer e Natalie ter que ir embora. Afinal, Fernanda poderia chegar a qualquer momento. Levantaram da cama e depois de Natalie calçar seus tênis e pegar suas coisas, saíram do quarto de mãos dadas. Quando chegaram ao fim das escadas, a porta da casa foi aberta e as duas ficaram alarmadas, mas Melissa logo aliviou a expressão ao notar que era seu pai e ele estava sozinho. Natalie também respirou aliviada.

- Natalie!? Que bom te ver! – Otávio disse assim que a viu e andou até ela para abraçá-la.

- Oi Seu Otávio, é muito bom vê-lo também. – ela disse quando se afastaram.

- Veio visitar a doentinha aqui? – ele bagunçou os cabelos de Melissa que estava ao lado dela, agarrada em seu braço.

- Sim! – Natalie riu. – Estava preocupada.

- Pois é. Essa garganta dela deu um pouco de trabalho, mas a Mel já está quase 100% de novo.  

- A visita da Nat me fez melhorar ainda mais. – Melissa disse.

- Tenho certeza que sim. – Otávio piscou um dos olhos para Natalie, que sorriu tímida.

- Tenho que ir. Até mais Seu Otávio.

- Até mais querida. – respondeu e despediu-se dela. Otávio queria muito poder dizer “Volte mais vezes” ou “Fique para o jantar”, mas infelizmente não podia. Não quando sua esposa ainda estava cega pelo preconceito. Ele suspirou triste e subiu as escadas.

- Eu te levo até o carro. – Melissa ofereceu.

- Nada disso. Está frio lá fora e você ainda está se recuperando.

- Mas amor... – foi interrompida.

- Mas nada Melissa. Não seja teimosa. Você tem que melhorar logo porque semana que vem é seu aniversário e depois tem o evento do CC.

- Está bem. Pelo menos até a porta então.

- Ok. Mas assim que eu sair, você vai voltar pro seu quarto. Sem discussão.

- Tá bom!

Caminharam até a porta e antes que Natalie saísse, Melissa envolveu sua cintura e lhe deu vários selinhos, se demorando um pouco no último.

- Tchau amor! Se cuida tá. – beijou sua testa. – Eu te amo.

- Tchau! Eu te amo. – selou seus lábios novamente. – Eu te amo. – e de novo. – Eu te amo.

Natalie sorriu e depois de acariciar as bochechas dela, abriu a porta e saiu. Correu até seu carro se protegendo do vento e dirigiu de volta ao seu prédio. Chegou ao apartamento e aproveitou para tomar banho e preparar o jantar. Enquanto comia olhou em volta, achando aquele silêncio um pouco incômodo. Sentia falta de Melissa ali e suspirou ao pensar nisso. Seria um longo final de semana sem sua namorada para lhe fazer companhia.

*

Logo o dia 13 de dezembro chegou. Natalie e Lavínia tinham preparado uma festa surpresa para Melissa no CC. Ela já estava totalmente curada de sua inflamação na garganta. Mesmo indo quase sempre ao Centro, por conta do projeto de Dona Ester, este que seria na próxima semana, Melissa não tinha desconfiado de nada. A dançarina estava agora em sua sala, onde aconteceria a festa, juntamente com Lavínia. Os convidados iam chegando aos poucos. Dona Ester fez questão de liberar todos para festejar com a fotógrafa. Sabia o quanto ela era especial para todos ali. Quer dizer, nem todos. Alana não fazia parte desse grupo, mas também era a única. Natalie nem se deu ao trabalho de convidá-la mesmo sabendo que ela estaria no CC e seria muita cara de pau dela, se aparecesse.

A sala de dança estava toda decorada. No centro de um dos espelhos os dizeres, “FELIZ 21 ANOS” estavam colados com algumas bexigas roxas ao lado e algumas espalhadas pelas paredes também. Embaixo, uma mesa com vários docinhos e no meio o bolo de aniversário. Havia pufs e cadeiras espalhadas pela sala e no canto perto da porta, outra mesa continha salgadinhos e bebidas. Todos ajudaram na preparação da festa, mas a ideia partiu mesmo de Lavínia e Natalie.

Lavínia ligou para Melissa, e depois de alguns minutos seu celular vibrou com uma mensagem dela, dizendo que tinha chegado. Todos se posicionaram e Natalie fechou a porta da sala indo para perto da mesa do bolo em seguida.

Ficaram em silêncio até que a porta foi aberta e quando Melissa colocou os pés para dentro eles gritaram.

- SURPRESA! – ela arregalou os olhos por conta do pequeno susto, mas logo sorriu largo.

- Feliz aniversário Mel! – Lavínia disse e a puxou para um abraço.

- Obrigada Lav! – se afastaram. – Você armou isso tudo?

- Eu e a senhorita apaixonada logo ali. – apontou para Natalie perto da mesa. Melissa olhou para ela e sorriu mordendo o lábio inferior, recebendo um aceno da dançarina.

- Aproveite! – mandou-lhe um beijo no ar e saiu, colocando uma música animada que preencheu a sala.

As pessoas foram se aproximando e parabenizando Melissa. Ela abraçava e agradecia a todos com uma alegria imensa. Nem sabia que era tão querida. Após as felicitações todos se dispersaram e foram curtir a festa e Melissa se dirigiu à mesa do bolo, no exato momento em que Natalie pegava um dos docinhos discretamente e enfiava na boca.

- Arrá eu vi isso mocinha! – brincou.

- Ei! Feliz aniversário! – mudou de assunto e a abraçou apertado, ainda mastigando.

- Obrigada meu amor! – se afastaram e Melissa selou seus lábios. – Hm... você tem gosto de chocolate. - Natalie riu.

Todos ali já sabiam que elas estavam namorando, portanto não precisavam se preocupar com olhares indiscretos. Eles foram compreensivos e Dona Ester adorou quando soube. Sempre notou que elas se tratavam diferente.

- Gostou da surpresa? – Natalie perguntou acariciando sua bochecha e segurando uma de suas mãos.

- Eu amei! Obrigada, vocês são as melhores.

- Nós sabemos! – disse Natalie e Lavínia aparecendo ao lado delas.

- E as mais humildes também! – as três deram risada. – Eu nem desconfiei. E olha que estou aqui praticamente todos os dias.

- Você é lerda né Mel. Vamos combinar, foi fácil. – Lavínia provocou. Melissa rolou os olhos.

- Não seja chata comigo no dia do meu aniversário Lavínia. – reclamou.

- Whatever. Mas é um fato. – a fotógrafa lhe mostrou a língua.

- Chega vocês duas! Vem amor, vamos aproveitar sua festa. – Natalie a puxou pela mão até a mesa de comes e bebes.

Melissa aproveitou e muito a festa. Comeu, bebeu, dançou com seus amigos, deu muita risada, com Natalie sempre ao seu lado. Elas não se desgrudaram. Na hora de cantar parabéns ela posicionou-se atrás do bolo, com a dançarina ao seu lado e corou quando as atenções foram direcionadas a ela. Cortou o bolo e distribuiu para os convidados.

A festa teve fim e as pessoas iam embora aos poucos depois de se despedirem da aniversariante. Até que só restaram as três amigas na sala. Natalie sentada em uma das cadeiras com Melissa, que comia seu quinto pedaço de bolo, em seu colo. E Lavínia em um dos pufs, comendo brigadeiros.

- Gente, esse bolo está maravilhoso! – Melissa exclamou lambendo os lábios. – Nem sei quantos pedaços comi.

- Cinco! – Natalie e Lavínia disseram juntas.

- Af vocês contaram?

- Não tinha como não perceber você voltando na mesa de 10 em 10 minutos Mel. – Lavínia comentou.

- Vocês sabem o quanto sou louca por chocolate.

- Sabemos! – Natalie falou beijando sua bochecha.

- Obrigada mesmo meninas. Esse foi meu melhor aniversário.

- Que bom que gostou.

- Queridas, preciso ir. Tenho muita coisa pra fazer em casa. – Lavínia levantou-se e foi até a mesa pegar mais doces.

- Lógico que não Lavínia. Você vai me ajudar a limpar essa bagunça aqui.

- A Mel te ajuda! Tchau. - Natalie tirou Melissa de seu colo e levantou, indo atrás dela, mas não adiantava mais. Ela já tinha saído e fechado a porta.

- Que filha da mãe. Ela disse que me ajudaria. – bufou.

- Eu te ajudo amor. Agora, traz mais um pedaço de bolo pra mim, por favor? – pediu sorrindo de olhos fechados.

- Outro, Melissa? Meu Deus! – negou com a cabeça e foi até a mesa partir o bolo.

- Ué, o aniversário é meu, o bolo é meu. Eu tenho mais é que comer mesmo. - Natalie parou em sua frente e lhe entregou o pedaço. – Senta aqui.

- Só um minuto.

Foi até sua bolsa e pegou uma pequena caixa. Voltou para perto de Melissa e sentou em seu colo.

- O que é isso? – perguntou curiosa.

- Seu presente.

- Mas e a festa?

- A festa foi presente meu e da Lavínia. Esse aqui é só meu.

Melissa terminou de comer seu bolo, limpou as mãos no guardanapo e pegou a caixinha que Natalie segurava. Era lilás e tinha um laço de fita em cima.

- Abra.

Ela abriu e olhou surpresa para o objeto dentro dela. Era um colar prata com um pingente de uma bailarina. Mais delicado impossível.

- Pra você carregar um pedacinho de mim com você. E esse é o meu... – Natalie disse retirando de dentro de sua blusa um colar também prata, só que seu pingente era uma mini câmera com uma pedrinha roxa no lugar da lente. - Pra eu carregar um pedacinho de você comigo.

- É lindo, amor. Eu amei. Mas já tem um pedacinho meu contigo, bem aqui. – Melissa comentou emocionada indicando seu coração, vendo Natalie sorrir abertamente. – Me ajuda a colocar?

- Claro! – a dançarina pegou o colar de suas mãos. Jogou os cabelos de Melissa para o lado e colocou em seu pescoço, deslizando os dedos pelo pingente. – Eu amo você. – beijou sua testa.

- Eu te amo! Obrigada por fazer meus dias melhores. E por ser a melhor namorada desse mundo. – Melissa segurou seu rosto com ambas mãos.

- Eu disse que iria te provar todos os dias o quanto te amo e é isso que vou fazer. – Natalie selou seus lábios.

Melissa nunca imaginou que encontraria alguém que mudasse sua vida do jeito que Natalie mudou. E apesar do medo que ela sentia de sua mãe nunca as aceitar, ou da opinião do resto de sua família, sabia que ela sempre estaria ao seu lado. O amor de ambas sempre seria mais forte do que qualquer obstáculo e era isso que mantinha aquela jovem estudante confiante.

*

A semana do evento no CC finalmente chegou. Todos estavam entusiasmados e ansiosos. Seriam quatro dias de evento. O primeiro com exposições das turmas de artes, o segundo com exposições de fotos, incluindo algumas de Melissa e os dois últimos seriam as apresentações das turmas de dança.

Era fim de tarde de terça-feira. Melissa estava no CC e juntamente com Lavínia, escolhia suas melhores fotos para poder expor. Tinha que confessar que estava sendo um pouco difícil, afinal as fotos que havia feito ao longo do ano ficaram ótimas e se pudesse escolheria todas, principalmente as de Natalie. Sorriu ao pegar uma delas onde a dançarina encarava a câmera com um grande sorriso.

- Sua baba está escorrendo, Alves! – debochou Lavínia ao seu lado.

- Palhaça! – rolou os olhos rindo.

- É sério. Você está com uma cara de trouxa apaixonada.

- Você fala isso porque não vê a sua cara quando está falando do Ian. – rebateu provocando-a.

- Opa! E quem disse que eu estou apaixonada pelo Ian?

- Me poupe dessa ceninha Lavínia! Você é uma péssima atriz. – Melissa disse.

Há algumas semanas Lavínia tinha conhecido Ian. Ele fazia odontologia na mesma faculdade que elas, mas nunca tinham se visto. Se conheceram em uma festa que Lavínia tinha ido com alguns colegas de sua sala uma vez e acabaram ficando. Depois começaram a se conhecer melhor e ela descobriu que ele estudava lá. Melissa sabia que ela estava gostando dele, pois viviam conversando, seja por mensagem ou quando ele ia ao prédio de psicologia para vê-la ou vice-versa. Ian era muito engraçado e simpático, e ela percebia o quanto sua melhor amiga sorria quando estavam juntos.

- É verdade. – Lavínia deu risada. – Não é como se você não soubesse de nada.

- Exatamente. – sorriu convencida. – Mas e aí, como vocês estão? Faz um bom tempo que vocês ficam né?

- Sim. – sorriu. – Eu gosto tanto de estar com ele e me divirto com suas palhaçadas.

- Até eu me divirto. Ele é muito debochado, igual você mesmo.

- Eu nem sou debochada, garota!

- Imagina. Eu que sou. – rolou os olhos. – Fico feliz por você e espero que ele faça esse pedido de namoro logo.

- Eu também! – as duas riram. – Eu o chamei pra vir ver as apresentações. Ele disse que está ansioso para me ver dançar.

- Se eu fosse ele, não se animava muito sabe... – brincou a fotógrafa recebendo um tapa no braço.

- Para de ser chata Melissa. A minha professora é a mesma que a sua.

- Eu sei e é a melhor que você poderia ter.

- Puxa saco.

- Só digo verdades. – deu de ombros.

- Você é uma trouxa pela Natalie, isso sim!

- O que vocês estão falando de mim aí? – Natalie entrou na sala de repente e andou até elas, sentando no colo de Melissa, que abraçou sua cintura.

- Estava apenas ressaltando o fato de sua namorada ser uma puxa saco. – Lavínia disse.

- Eu não tenho culpa se minha namorada é a melhor dançarina que você respeita. – Melissa comentou, divertida o que fez Natalie sorrir bobamente e encher seu rosto de beijos.

- Meu ego agradece o elogio. – disse depois de selar seus lábios rapidamente.

- Af me poupem dessa melação. – Lavínia rolou os olhos, sendo ignorada pelo casal.

- Vocês vão demorar muito aí? – Natalie perguntou.

- Acho que não, por quê? – Melissa encarou-a.

- Porque eu estava querendo ir comer pizza. Vamos Lavínia?

- Por que está perguntando só pra mim?

- Porque pra Melissa não precisa nem perguntar. Ela não recusa pizza. – a de óculos fingiu uma cara de surpresa.

- Ah claro. Eu adoraria, mas não quero ficar de vela. – Lavínia sorriu falsamente.

- Você não vai ficar de vela, amiga!

- Claro que vou Mel. Vocês duas me dão enjoo com tanta melação.

- Para de ser implicante, Lavínia. – a dançarina reclamou. – Por que você não chama o Ian pra ir com a gente então?

- Até que não é uma má ideia. Vou mandar uma mensagem pra ele.

- Ótimo. Vou só pegar minhas coisas e já vamos.

Natalie saiu da sala, indo até o terceiro andar pegar sua bolsa e fechar sua sala, enquanto Melissa e Lavínia organizavam as coisas na sala onde estavam. As apresentações de dança aconteceriam no auditório que ficava no primeiro andar mesmo e a dançarina estava ajudando nos últimos detalhes. Como ela tinha várias turmas, resolveu juntá-las, dividindo-as em dois grupos, apresentando-se nos dois dias.

Já em sua sala, pegou suas coisas e logo saiu de lá trancando a porta. Andou até o elevador e quando as portas se abriram, ela deu de cara com Alana, que estava saindo.

- Oi Natalie! – a professora cumprimentou sorrindo exageradamente.

- Oi Alana! – respondeu apenas por educação.

- Nossa! Vai me tratar mal agora só porque sua namoradinha quer? – desdenhou. Natalie suspirou, não estava interessada em discutir com ela.

- Não estou te tratando mal. E não haja como se você fosse uma santa. – entrou no elevador e apertou o botão, mas antes que as portas se fechassem, Alana segurou-as.

- Você mal olhou na minha cara!

- Eu fui educada. – rolou os olhos. – Minha namorada tem todo o direito de querer você longe de mim e você sabe bem o motivo.

- Se ela não se garante eu não posso fazer nada ué. – Alana provocou. – Ela deve saber que você mere...

- Não ouse terminar essa frase. – irritou-se. – Você não conhece a Melissa, não fale sobre o que você não sabe. Estamos muito bem juntas e eu agradeceria se você parasse de provocá-la e de tentar estragar o nosso namoro. Isso não vai acontecer. Agora se me der licença. – olhou para as mãos que seguravam a porta. Alana estreitou os olhos e tirou-as de lá. – Obrigada!

As portas fecharam e Natalie respirou fundo. Estava cansada de ficar repetindo sempre a mesma coisa para tentar afastar Alana. Ela era irritantemente insistente. Esperava que dessa vez, ela as deixasse em paz. Saiu do elevador e encontrou com as amigas na saída do Centro.

- Ian disse que encontra com a gente lá na pizzaria. – Lavínia informou.

- Tudo bem.

As três andaram até o carro de Natalie e seguiram para o lugar que costumavam ir. Melissa notou a namorada um pouco tensa, mas preferiu não perguntar. Deixaria para conversarem quando estivessem sozinhas.

O carro estacionou em frente à pizzaria e quando elas estavam se dirigindo à entrada, Ian chegou. Depois de estacionar seu carro ele aproximou-se, cumprimentou-as com um breve abraço e deixou um selinho em Lavínia. Melissa encarou Natalie e arqueou as sobrancelhas discretamente, vendo-a fazer o mesmo. Aqueles dois já agiam como namorados fazia tempo e nem notavam.

Entraram, escolheram uma mesa mais ao fundo e sentaram. Fizeram seus pedidos e enquanto esperavam, mantinham uma conversa animada e descontraída. Como Melissa havia mencionado, Ian era mesmo engraçado e quando se juntava com Lavínia, era inevitável prender as risadas. Os dois formavam um ótimo casal.

As pizzas chegaram e eles comiam e conversavam. Ficaram mais algum tempo lá, até começar a ficar tarde e decidirem ir embora. Lavínia foi embora com Ian, que a deixou em casa e Melissa foi para o apartamento de Natalie. Ela não ia dormir lá na verdade, mas queria saber por que a dançarina estava estranha e resolveu ir de última hora. Ela e Lavínia já tinham fechado suas notas e não precisavam mais ir à faculdade, assim como Ian, portanto já estavam praticamente de férias.

Entraram no prédio e depois de guardar o carro, subiram para o décimo andar e logo entraram no apartamento.

Natalie tomou seu banho e Melissa fez o mesmo. Havia algumas roupas suas ali ainda. Saiu do banheiro e andou até a cama, onde a dançarina estava deitada com os olhos fechados, mas Melissa sabia que ela não estava dormindo, por conta de seus dedos que tamborilavam sobre sua perna dobrada.

Deitou-se ao lado de Natalie devagar e a abraçou, colocando o queixo em seu peito. Ela abriu os olhos e sorriu, começando a acariciar seu rosto delicadamente. Ficaram se encarando por alguns segundos.

- No que você pensa tanto? – Melissa perguntou baixo.

- No quanto você é linda. – Natalie empurrou-a levemente e também deitou de lado, apoiando a cabeça em uma das mãos, e com a outra ela brincava com as mãos de Melissa.   

- Não mais do que você! – beijou as costas da mão dela. – Mas você está estranha desde que saímos do CC. Aconteceu alguma coisa?

- Nada que mereça sua preocupação.

- Tem certeza? Você sabe que pode conversar comigo sobre qualquer coisa né?

- Eu sei, mas não se preocupe! 

- Rum...não gosto de te ver assim! Estou de olho hein? – estreitou os olhos, mas logo sorriu.

- Você sempre está! – Melissa fingiu choque. - Eu amo você. – selou seus lábios. – Muito, muito, muito.

- Eu também te amo. Mais que pizza. E chocolate. – Natalie gargalhou.

- E fotografia? – perguntou.

- Hm... – Melissa colocou a mãos no queixo, fingindo pensar.

Amor?! Não acredito que você está pensando para responder.

- Estou brincando! – riu. – É claro que eu te amo mais do que tudo isso, sua boba.

- Rum! – a dançarina fez um bico.

- Desfaz esse bico. Senão vou te morder. – ameaçou e viu Natalie aumentá-lo.

E como dito, Melissa avançou e mordeu os lábios da namorada, iniciando um beijo em seguida. Envolveu os braços no pescoço de Natalie e suspirou apaixonada. Sentia o famoso frio na barriga, cada vez que tinha os lábios dela nos seus. Ou seus olhos. Ou suas mãos. Todo o seu corpo reagia àquela dançarina e ela não se imaginava mais sem isso.

*

O evento no CC estava sendo um sucesso. Os três primeiros dias foram bastante movimentados e as pessoas adoraram as atrações apresentadas. Melissa não podia estar mais feliz, pois suas fotos, como sempre, foram as mais elogiadas e ela se sentia imensamente agradecida. E hoje era o último dia de evento e também a apresentação de Lavínia. Depois de se despedir da namorada e da melhor amiga atrás do palco, Melissa seguiu para a plateia, sentando-se ao lado de Ian que estava ali para ver Lavínia e guardava seu lugar. Ela não faria fotos hoje. Dona Ester deixou outra pessoa encarregada disso, deixando a fotógrafa “de folga”.

Ela e Ian conversavam distraidamente enquanto a apresentação não começava, até que alguém sentou na cadeira ao seu lado. Ao encarar a pessoa num ato automático, Melissa a reconheceu imediatamente.

- Théo?

- Melissa? – a pessoa disse junto com ela. – Quanto tempo!

- Pois é. Desde a escola. Como você está? – Melissa perguntou simpática.

Théo era seu antigo amigo da escola. Eles estudaram juntos desde pequenos e ele sempre foi muito especial para ela, mas depois de se formarem ele foi embora e os dois não se viram mais.

- Estou bem! E você? Está diferente, mais bonita do que eu me lembrava. – Théo comentou deixando-a sem graça. Ian que estava sentado e observava a cena, pigarreou chamando a atenção dos dois.

- Hm... ah Théo, este é Ian. Um amigo. – ela apontou para Ian que sorriu educadamente. – Ian este é Théo. Um antigo amigo da escola.

- Prazer! – os dois apertaram as mãos.

- Mel, a apresentação vai começar. – Ian informou.

- Ah claro.

Ela se sentou e Théo fez o mesmo. Melissa concentrou sua atenção na apresentação, mas respondia algumas perguntas que o antigo amigo fazia. Era muito fácil conversar com ele, sempre foi.

Ian tinha sua atenção quase completa em Lavínia no palco. Ele ficou admirado em vê-la dançar e notou que ela realmente levava jeito e gostava daquilo, o sorriso em seu rosto não deixava dúvidas. Porém, pelo canto do olho, ele também reparava a interação dos dois ao seu lado, desconfiado. Ian conversava bastante com Lavínia e sabia praticamente tudo sobre a vida dela, isso incluía Melissa e Natalie, que ele também considerava como amigas. Sempre achou muito bonita a relação das duas, pelo que Lavínia contava e depois que as conheceu isso não mudou. Ele podia não conhecer muito bem esse tal de Théo, mas tinha certeza que esse jeito dele não agradaria nem um pouco a namorada de Melissa.

A apresentação teve fim e todos se levantaram para aplaudir. Ian assobiava e gritava para chamar a atenção de Lavínia que ria bobamente. Natalie foi chamada ao palco pelos alunos e os aplausos aumentaram. Foi a vez de Melissa gritar e direcionar sorrisos e beijos a ela.

Após as cortinas se fecharem, ela e Ian foram ao encontro de Natalie e Lavínia.

- E aí gostaram? – Lavínia perguntou assim que os viu.

- Adoramos! Você estava maravilhosa. – Ian respondeu abraçando-a e beijando seus lábios brevemente.  

- Com uma professora dessas, não poderia ser diferente né? – Melissa comentou abraçando Natalie de lado. A dançarina estava estranhamente séria.

- Puxa saco! – Ian e Lavínia disseram juntos.

- E então, vamos a algum lugar? Estou morrendo de fome! – a melhor amiga de Melissa sugeriu.

- Eu também estou faminto! E vamos no seu carro porque estou sem o meu. – Ian disse para Natalie.

- Folgado! Não sou sua motorista, Martins – reclamou sorrindo de lado.

- Você reclama demais Castiel. Vamos logo. – ele passou os braços pelos ombros de Natalie e eles saíram andando e conversando na frente. Melissa ia começar a andar, mas sentiu a amiga segurar seu braço.

- Mel espera aí. – encarou-a. – Quem era aquele que você estava de conversinha na plateia? – Melissa franziu o cenho. – Achou que eu não tinha reparado?

- Na verdade achei sim. Era o Théo, você lembra dele?

- Théo? Théo Vieira? Mentira.

- Ele mesmo.

- Você lembra que ele...

- Eu sei. Foi legal revê-lo e ele meio que flertou comigo, mas a gente só conversou. – Melissa a interrompeu.

- Tudo bem, mas não é pra mim que você tem que dizer isso.

- Como assim?

- A Nat viu você toda alegrinha perto dele e não acho que ela vá gostar quando souber quem ele é.

- Não tem essa Lavínia. Ele é só um amigo antigo, mais nada. É claro que ele foi especial pra mim, mas naquela época. Além disso, eu não esqueci o que ele fez e muita coisa mudou e aconteceu desde então. – defendeu-se.

- Então eu acho bom você dizer isso a ela. Porque a cara que ela fez não foi nada boa. Ela tentou disfarçar, mas tenho certeza que ficou bolada.

- Eu a achei séria demais mesmo.

- Então. Fica esperta.

- Ei vocês duas? Qual parte de eu estou com fome vocês não entenderam? – Ian apareceu chamando-as.

- Estamos indo! – Lavínia respondeu rolando os olhos.

As duas seguiram para a saída e logo estavam todos no carro.


Notas Finais


Gostaria de saber mais a opinião de quem está lendo! Sei que não é muita gente, mas eu queria ter uma noção :)
Até mais.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...