História I'm in Love With a Monster - Capítulo 13


Escrita por: e SSJauregui

Postado
Categorias Avril Lavigne, Fifth Harmony, Garota conhece o Mundo (Girl Meets World), Rowan Blanchard, Sabrina Carpenter, Scarlett Johansson
Personagens Ally Brooke, Avril Lavigne, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais, Rowan Blanchard, Sabrina Carpenter, Scarlet Johanson
Tags Avril, Bissexualidade, Camren, Drama, Família, Fanfic, Fifithharmony, Homossexualidade, Norminah, Romance, Rowbrina, Terror, Tortura, Trolly
Visualizações 91
Palavras 5.817
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa Noite Littles...

Como estão passaram bem.. essa semana??? Olha quem voltou, desculpa a demora mas esse capítulo está digno de coletes os tiros estão soltos..

Não esqueçam de colocar!

Enjoy It

Capítulo 13 - Welcome To My Life


Fanfic / Fanfiction I'm in Love With a Monster - Capítulo 13 - Welcome To My Life

Capítulo 11 - Welcome To My Life…

 

Tudo ia bem na família Cabello Jauregui, os dias eram divertidos, cheios de amor e de novas descobertas, apesar de muito cansativos, entretanto esse mar de calmaria se foi assim que…..

 

Miami - setembro de 2021

Narradora P.O.V.

    ... o primeiro grande trauma que mudará a história dessas duas mulheres aconteceu. Já estávamos em Setembro de 2021, Lauren e Camila já caminhavam para seu segundo ano de casamento e sua filha agora tinha um ano quando houve então o primeiro episódio fatídico da história delas como esposas.

O primeiro ano de vida da pequena Cabello-Jauregui havia sido relativamente tranquilo, a menina possuía saúde quase impecável graças ao cuidado das mães, de forma que adoecia com pouquíssima frequência, porém era uma menina agitada e muito esperta, que gostava de explorar o mundo a sua volta, mostrando desde cedo que seria uma garota um pouco mais rebelde e trabalhosa, entretanto nem mesmo essa constatação que gerava alguns fios de cabelo a menos em Lauren e risadas leves de Camila tentando a acalmar sobre isso, fazia com que as mães a amassem menos, ou a tratassem de forma dura.

Lauren era a mais perfeccionista e reguladora, estava sempre de olhos bem abertos para tudo, mas não se podia dizer que era controladora com a filha, afinal a menina era apenas um bebê. Com Camila toda a super proteção e cuidado excessivo haviam diminuído, afinal agora ambas eram adultas e mães.

Camila por sua vez era a mãe mais "tranquila" ou "liberal", o que acabava deixando sua esposa de cabelo em pé em alguns momentos, mas apesar disso elas tinham uma harmonia incrível na criação de sua primeira filha e procuravam sempre fazer tudo em acordo mútuo com relação a menininha. Em resumo, ambas eram muito carinhosas, atenciosas, amavam sua filha tanto quanto amavam a si mesmas, não faltava a pequenina carinho, afeto, e principalmente amor.

Contudo, não se enganem com a aparência "perfeita" da vida do nosso casal. Por trás da calmaria, existem dramas e eis que surgem as consequências de atos impensados.

Camila era ainda recém saída da adolescência quando engravidou e deu à luz sua primeira filha, Lauren ainda a via como uma criança e apesar de grande parte dessa carga ter dissipado-se com o nascimento da bebê, Lauren por muitas vezes ainda tratava Camila como antes, principalmente se tratando de tarefas a serem feitas em relação a casa e também a bebê. Um dos momentos em que isso mais acontecia era quando a pequena estava assistindo seus desenhos, várias vezes Camila ia ver como a filha estava e se perdia observando o que passava na televisão, e quando Lauren percebia isso ficava irritada, já que sua esposa era adulta demais para se perder em frente a um desenho infantil.

Isso era apenas uma das coisas que fizeram parte da receita para o problema que viria a seguir. Camila se sentia internamente nova demais para ser mãe, mesmo que já fosse e mesmo que não dissesse isso a ninguém. Ally, Dinah e Normani sempre estavam presentes na vida do casal e sempre se preocupavam com isso, mas Camila mentia dizendo estar lidando bem e alegando que não era mais criança, porém em seu íntimo ela se sentia ainda imatura demais e vivendo uma vida de adulto cedo demais, dentro de si ela se sentia despreparada.

Quando ela e Lauren brigavam, vez ou outra a "imaturidade" de Camila entrava em pauta, algumas vezes mesmo que isso sequer tivesse a ver com o motivo real da discussão, o que ia desgastando a mais nova por dentro e a fazia se sentir sufocada.

A latina revertia toda essa sensação de sufocamento em pressão para se portar como adulta, para provar que não era mais a menina de 13 anos do passado, e por várias noites ela chorava escondida no banheiro, ou no quarto da filha enquanto as outras duas dormiam.

Eis que tudo isso somado, e mais o fato de ter de lidar também com sua carreira, fizeram com que a mais nova entrasse em uma depressão leve e quase imperceptível, mas que traria catástrofe dali a pouco. Poucos meses após o aniversário de um ano de sua filha, Camila numa noite pegou algumas de suas coisas, tudo o que coubesse em uma mochila e fugiu, deixando Lauren com a menina.

Esse foi o primeiro grande impacto na vida do casal Camren.

Se imaginem acordando e percebendo que, a pessoa a quem você havia escolhido para passar sua vida ao lado e que você acreditou que estaria com você durante toda a jornada, agora já não estava mais ali? É uma sensação desesperadora ao meu ver, ainda mais quando você acorda e olha para a sua filha de 1 ano e pensa que agora está sozinha para cuidar dela e lhe explicar que sua outra mãe havia fugido. Essa era exatamente a situação da morena de olhos verdes na manhã seguinte a fuga.

Os dias iam se passando, a princípio ela ainda tentava acreditar que a esposa apenas havia tido algum problema e teve de sair as pressas, porém semanas se foram, já começavam a passar meses do desaparecimento da de olhos castanhos e ela então se percebeu realmente sozinha com a pequena. Recorreu a suas primas e irmã e foi atendida, mas nem mesmo isso diminuía o peso de agora cuidar de tudo.

As 3 mulheres sempre ajudavam quando podiam, estavam sempre por perto e tentando diminuir o peso de Lauren, mas ter ajuda em alguns dias ou algumas situações não supre a falta que uma pessoa a menos faz no dia-a-dia. Sua filha crescia e ficava cada dia mais esperta e sentia falta da mãe, perguntava por ela, e demonstrava em certos momentos uma falta tão grande que nenhuma das 4 conseguia a fazer se acalmar.

A mais velha estava a ponto de um possível surto nervoso por não saber se conseguiria ou não cuidar da filha sem Camila, e nada sabia sobre Camila. As primas e irmã sempre alegavam não saber dela, o que a deixava ainda mais aflita.

A verdade, no entanto, era um pouco diferente do que ela sabia. Apenas uma das 3 meninas sabia sobre Camila, porém ela teve que jurar não contar nada. A latina não desapareceu do mapa, mas fugiu sim para longe, para tentar superar o que sentia e tentar de uma vez por todas se tornar a mulher madura e adulta que na cabeça dela ela queria e precisava ser, mas que na verdade quem queria eram todos menos ela. Novamente ela baseava suas ações no querer dos outros e não exatamente no seu, mesmo que ela de fato precisasse crescer, afinal era mãe e não podia fugir da sua filha para sempre.

Um ano longo e doloroso para ambas as partes passou, a mais nova dava notícias sempre que se sentia bem para isso, e do outro lado, sua irmã e primas tentavam a todo custo ajudar Lauren e a menina que se desenvolvia rápido.

Certo dia nesse um ano, Lauren acabou por descobrir que sua cunhada Dinah sabia sobre a esposa e claro, ficou irada com a cunhada que tentou argumentar sobre não ter tido escolhas se não jurar que não contaria, mas sem sucesso. Por muito tempo elas ficaram brigadas, sempre que lembrava que fora enganada, a de olhos verdes se sentia traída e aos poucos foi afastando uma das pessoas que a ajudava de si, restando apenas sua irmã e prima.

Inesperadamente cerca de um mês após o aniversário de 2 anos de sua filha, Camila reapareceu pedindo perdão pelo que havia feito e pedindo também uma nova chance para se redimir e fazer as coisas da forma certa. A mais velha, que ainda se sentia muito machucada acabou por aceitar o pedido de perdão e permitiu que a de olhos castanhos voltasse ao seu papel de esposa e de mãe, determinada a deixar o acontecimento no passado, porém por medo fez Camila prometer que não repetiria o erro e foi clara ao dizer que se acontecesse novamente, ela não a perdoaria.

Lauren se entendeu com sua cunhada Dinah depois de saber ambas as versões da história e enfim parecia que as coisas iriam entrar em ordem.

Meses se passaram e tudo demonstrava ter retomado seu equilíbrio normal, mas isso era o que todos achavam e não o que acontecia realmente. A mais velha começou a não saber lidar com o medo de perder a esposa novamente, mesmo que tivesse em mãos uma promessa de que isso não aconteceria e assim, aos poucos ela voltava a tratar Camila exatamente da mesma forma que tratava quando se mudaram para Los Angeles, no início de suas carreiras como banda.

De início a mais nova entendia e não se importava muito, mas apesar dessa regressão de comportamento, era algo muito leve, que não chegava a incomodar tanto assim. Com cerca de 4 para 5 meses que elas haviam voltado, em uma noite elas decidiram por aumentar a família de novo. A ideia foi da mais velha, ela estava disposta a confiar de novo e deixar o passado para trás. Camila sabia disso e se sentia mais confiante que dá primeira vez, e com medo de deixar dúvidas para sua mulher sobre a sua mudança, ela aceitou.

Mais uma vez elas eram agora grávidas, sendo desta vez a pessoa a engravidar, Lauren. A mais nova passou a cuidar de muito mais coisas sozinha, e ia bem, se sentia feliz e acreditava que conseguiria lidar com tudo. Sua irmã e suas primas também ajudaram muito, durante o período inicial da gravidez, de modo que não foi pesado para a mais nova lidar com sua filha, e com a esposa grávida.

Todavia, a calmaria e a tranquilidade que se estabelecera tão recentemente, começaram de novo a ruir quando em um ultrassom de rotina, descobriram que seriam mães de gêmeos. De um lado, Lauren se sentia radiante, mas sentia o medo de ocorrer tudo outra vez batendo ainda mais forte na porta de sua mente, do outro lado, Camila se viu de novo desesperada internamente, ela não esperava gêmeos e sequer havia considerado a possibilidade, não se preparando psicologicamente para que isso acontecesse.

Quase um mês se passou do exame e elas ainda tentavam aquietar os sentimentos e temores que sentiam dentro de si mesmas enquanto acompanhavam o desenvolvimento das novas vidas ali presentes. Entraram então no 3°, depois 4° mês e parecia que o equilíbrio interno de cada uma delas havia ressurgido, e nesse período descobriram que novamente seriam mães de meninas, o que foi uma felicidade enorme.

Uma gravidez de gêmeos pode ser bem mais complicada que uma gravidez de um único filho, porém fora leves complicações e algumas dificuldades a mais, pois eram 2 crianças se desenvolvendo e não apenas uma, a gravidez de Lauren pôde ser considerada ótima e então vieram a nascer as duas filhas mais novas do casal, uma mais parecida com Lauren, loirinha e de pele tão branca quanto a mãe e a outra mais puxada para Camila, com cabelo castanho e a pele um pouco mais morena.

Aqui as coisas novamente começaram a desandar, as gêmeas exigiam tudo em dobro comparado a primeira experiência delas e ainda tinha a mais velha que agora estava com 3 anos e que também demandava muita atenção e já começava a iniciar sua vida acadêmica que é um novo desafio para a criança e também para os pais.

Agora todos os temores e sentimentos haviam ganhado forma e se faziam mais presentes do que nunca, Lauren começava a entrar em um estado de pânico e medo absolutos, voltando a ser boa parte da garota super protetora e exagerada com Camila, e essa por sua vez se sentia de novo sufocada e muito pressionada com o exagero da esposa e também com sua constante cobrança de crescer.

As brigas se tornaram mais frequentes do que antes, o bom humor era raro, os momentos de afeto e carinho também, em compensação as cobranças e até algumas alegações de irresponsabilidade, exagero, dentre várias outras passaram a ser quase diárias, e desse modo chegamos ao segundo marco trágico dessa história, novamente Camila fugiu, dessa vez para muito mais distante e sem que absolutamente ninguém soubesse de seu paradeiro. As filhas mais novas dela tinham cerca de 7 meses quando ocorreu o fato.

Lauren se via novamente sozinha e abandonada, agora com 3 crianças, mas ela agora também se sentia traída, sentia ódio e jurou que não perdoaria a ex mulher e muito menos permitiria que ela se aproximasse novamente de si e de suas filhas. Ela se destituiu de tudo o que pode da ex esposa, e o que não conseguiu trancou em um quarto que somente ela poderia entrar.

Ela foi se afastando de tudo e de todos, até que outro fato, que despertou ainda mais um medo antigo seu fez com que ela desmoronasse de uma vez e se tornasse como é hoje. Eu me lembro bem desse último acontecimento, afinal eu estava nele, eu fui personagem principal dele.

 

Flashback on

 

Eu estava passando muito mal já havia alguns dias, não conseguia ir a escola, tinha febre alta todos os dias e só ficava na cama, minha mãe não sabia mais o que fazer e então me levou ao hospital e como não tinha com quem deixar as minhas irmãs, fomos todas para o hospital mais próximo de casa.

Lá eu fiquei sentada em uma cadeira colorida enquanto minha mãe falava com uma moça na recepção do hospital, minhas irmãs dormiam no carrinho de bebê ao meu lado e eu me sentia fraca e só queria ir para casa. Depois de alguns minutos mommy se sentou do meu lado e ficamos esperando até que um médico todo de branco me chamou.

-Avril Ramona Cabello-Jauregui.

Mommy se levantou e eu também, eu fui andando devagarzinho e ela veio do meu lado com o carrinho das minhas irmãs. Seguimos ele até uma sala toda branca com vários desenhos e brinquedos que eu até gostaria de brincar, mas estava cansada demais para isso então só sentei no colo da minha mãe e respondi algumas perguntas que ele fez.

Depois disso ele perguntou mais algumas coisas para a mommy, mas eu não prestei atenção, estava ficando com sono. Ele disse que eu precisava fazer alguns exames e eu não queria que ninguém me furasse com aquelas agulhas, mas acabei não tendo escolha e eles me furaram.

Minhas tias apareceram depois lá no hospital e ficaram com a gente, o médico disse que eu ia ter que dormir no hospital e de novo eu não tive escolha, eu não gosto de hospital e não queria ficar lá, mas a mommy disse que eu precisava e assim eu fiquei lá com ela e as minhas irmãs foram embora com minhas tias.

 

Flashback off

 

Ao todo eu passei quase uma semana no hospital e só depois de muitos anos que eu realmente descobri o que aconteceu naquela época e porque a minha mãe ficou tão estranha depois daquilo. Eu estava com uma doença séria e infelizmente tinha pego também o tipo contagioso, ou seja, que poderia passar para outras pessoas. Eu não tinha mais do que 4 anos na época e a minha mãe Camila tinha fugido de novo a pouquíssimo tempo.

Quando eu tinha 14 anos eu descobri tudo isso. Quando a Lauren soube que era uma doença contagiosa e que minhas irmãs tinham corrido muito perigo no tempo que eu fiquei em casa sem ir ao médico ela surtou, e foi a tia Dinah que me contou porque ela surtou tanto, ela me contou do acidente que a mama teve na viagem delas, e disse que o medo daquela época de perder quem ela ama voltou com tudo quando ela soube que os dias que eu fiquei em casa podiam ter gerado algo mais sério para mim e para as minhas irmãs.

Eu me recuperei, apesar de quase ter ido a loucura naquele hospital e ter saído de lá com ainda mais pavor do que eu já tinha. E minhas irmãs, bom elas não tiveram nada. Mas esse episódio da nossa história fez minha mãe perder mais um fio de autocontrole e ela ficou ainda mais rígida, mais fria, e passou a controlar tudo nas nossas vidas dali em diante.

Ela se afastou de todos e de tudo, deixou de lado de uma vez a carreira de cantora e decidiu se tornar médica para cuidar de suas filhas de perto e ter certeza de que elas estariam sempre bem e de que não correriam risco nenhum de novo. Foram 6 anos muito puxados, mas o resultado para ela era o que importava e ao fim de todo esse tempo ela era agora médica e trabalhava no hospital próximo a sua casa durante algum tempo. Sua formação original foi em clínica geral, porém com o passar dos anos ela foi se especializando um pouco em cada área.

Pouco tempo após concluir esse curso, ela decidiu fazer outra graduação, uma que ela já tinha desejo a anos e guardava apenas para si e então se foram mais 5 anos até que se tornou dentista. Ao concluir a segunda graduação, ela, que já não trabalhava mais no hospital a bastante tempo, montou um consultório também perto de casa e atendia a princípio em meio período.

Mas vamos falar do outro lado das formações acadêmicas da minha mãe, como eu disse antes, ela se formou médica para cuidar de nós 3, mas eu suspeito que as milhares e milhares de aulas que ela fez, e tudo o que ela aprendeu, além de tornarem ela uma profissional excelente (porque eu não posso negar que isso ela é), fizeram dela também ainda mais apavorada pelo medo de termos algo e como consequência, ainda mais paranóica do que quando ela entrou na faculdade.

Sim, nossa mãe simplesmente morre de medo que tenhamos qualquer coisa e se vocês supõem que ela ficou exatamente igual na área odontológica, acertaram em suas suposições. Depois que ela se formou como dentista ela ficou ainda mais rígida com isso em relação a nós 3. No início ela fazia inspeção todos os dias e isso era insuportavelmente chato, mas com o passar de um bom tempo ela foi diminuindo isso. Ah eu esqueci de dizer que ela montou dois consultórios em casa, um normal e um odontológico. Pois é, ela realmente cuidava da gente o tempo todo e de perto.

De acordo com os anos passavam, cada vez que falávamos da Camila nossa mãe ficava mais irada, eu descobri o quarto que ela escondia as coisas da mama e sempre que eu podia eu pegava a chave escondida e ia até lá para olhar as coisas da minha mãe e descobrir como ela era. Outra coisa que mudou também foi o humor dela, que ficava cada vez mais sombrio, ela só ficava no escritório, trancada quando não estava na clínica.

Nossas tias nós víamos muito pouco, e quando víamos era cheio das recomendações e dos horários. Nossa vida era absolutamente regrada e isso é simplesmente um saco.

(...)

Agora vamos voltar para o presente momento em que me encontrava quando tudo o que tenho a descrever começou, falando de algo que aconteceu a algum tempo aqui em casa.

 

Flashback on

 

Canadá – 05/07/2038 – Alguns meses atrás

 

Dias atrás, a mídia havia divulgado que a Camila havia vindo para o Canadá, depois de anos longe para reconquistar a família e algumas outras coisas, desde então a Jauregui estava muito mais assustadora, ainda não haviam provas concretas sobre isso, eu realmente torcia para que fosse verdade, mas Lauren provavelmente se tornaria um verdadeiro demônio, os paparazzi estavam vasculhando a cidade como se fossem agentes do FBI à procura de um criminoso.

Normalmente Lauren não costumava assistir TV, mas dessa vez ela tinha o olhar vidrado na tela da enorme TV da nossa sala de estar, o programa que estava sendo transmitido foi interrompido no exato momento em que eu iria atravessar o cômodo, com o meu taco de Basebol apoiado sobre o ombro direito, logo surgiram na tela algumas fotos de Camila e Chelsea Briggs começou a dar as suas fofocas de última hora. Minhas pernas pararam de me obedecer e eu acabei parando bem próxima de Lauren e também fixei meus olhos na imagem que estava na tela, ao contrário de Lauren que fervia de raiva, eu transbordava em admiração por Camila, obrigada Deus por Lauren não ler pensamentos.

“Ao que tudo indica a super famosa Camila Cabello, ex-integrante da inesquecível Fifth Harmony e ex-mulher de Lauren Jauregui, está de volta ao Canadá. De acordo com as fontes um dos paparazzi que a cercaram na rua perguntaram sobre o motivo da sua volta e a musa afirmou que veio reconquistar sua família...”

Chelsea não havia acabado seu discurso, mas antes que eu pudesse pensar, Lauren arrancou o taco de basebol das minhas mãos e simplesmente destruiu a TV.

- Eu não acredito! – Vociferava enquanto acertava seguidas tacadas na TV. – Isso tem que ser mentira! Aquela vagabunda!!! – Sua voz aumentava gradativamente, acabei arriscando levar uma tacada, mas entrei na frente dela.

- MÃE, PARA COM ISSO! – Berrei e Lauren me fitou cheia de raiva...

 

Vocês provavelmente estão achando que eu morri e estou aqui do céu contando a minha história fúnebre para vocês, mas na verdade eu fui mesmo foi salva pelo gongo, que no caso tem nome e sobrenome e atende por Ally. Pois é, minha tia me salvou de ser morta, mas acreditem que passei bem perto. Continuando a minha história, foi mais ou menos assim.

 

“- MÃE, PARA COM ISSO! – Berrei e Lauren me fitou cheia de raiva…

- SAI DA MINHA FRENTE AGORA, OU VOCÊ TAMBÉM VAI DEFENDER ESSA VAGABUNDA? – Ela tinha sangue nos olhos, era possível notar a quilômetros de distância.

- Não fala assim dela Jauregui! Querendo ou não ela ainda é nossa mãe e você sabe muito bem que ela tenta manter contato regularmente há anos, mas você, com esse seu ego idiota e essas atitudes nazistas, deu um jeito de ela quase nunca conseguir! – Rebati sem ao menos pensar e quase tive certeza de que seria morta a tacadas.

- Eu vou te dar uma lição Ramona, você não deveria ter me desafiado dessa forma! – A cada palavra pronunciada, Lauren se aproximava mais, falando cada vez mais baixo e em um tom assustador.

- Vai me espancar com esse taco? – Desafiei com o restante de coragem que eu possuía.

- Eu sou sua mãe Avril Ramona, eu nunca te machucaria dessa forma, sabe bem disso, mas eu posso fazer coisas que vão te ensinar de uma maneira melhor, rápida e indolor! – Suas feições estavam de por medo até em assombração.

- Você é pior que o Voldemort, a Camila é nossa mãe, você não pode fazer nada contra isso, aposto que ela teve bons motivos para fugir de você duas vezes! – Disse cara a cara com a Jauregui.

Ela ergueu a mão lá no alto e eu sabia o que aconteceria em seguida, apesar de não ser uma mãe carinhosa, Lauren nunca ergueu a mão para nos dar um tapa, porém para tudo há uma primeira vez, não é mesmo? Eu tinha certeza de que o tapa, que atingiria meu rosto em cheio, deixaria uma bela marca, isso se Ally não tivesse passado pela porta.

- Maninha eu vim visitar as mi... – Ela cortou a frase no meio e correu para perto de nós assim que notou o que aconteceria, a loira chegou bem a tempo de me salvar, pois assim que ela se aproximou Lauren abaixou a mão. – O QUE VOCÊ ACHA QUE ESTÁ FAZENDO LAUREN?? – Tia Ally gritou.

- Eu ia ensinar essa pirralha a não me desafiar! – Respondeu com o olhar em chamas.

- Batendo? Lauren, você nunca fez isso! Olha o caos que está essa sala, o que aconteceu aqui? – Ally olhava tudo ao redor.

- A sua irmã surtou, porque viu na TV que Camila está no Canadá e quer reconquistar a sua família, ela é uma louca tia, ela simplesmente quebrou a TV com tacadas, todas as vezes que a mama tenta entrar em contado ela dá um jeito de nos deixar isoladas, sem nada, sem poder conversar com ela. – Começo a contar me afastando de Lauren e andando em direção a porta.

- Onde você pensa que vai??? – Lauren tentou me alcançar, mas Ally a segurou.

- Eu vou até a casa da tia Dinah, vou ligar para a Camila e vou ir vê-la! Ela é minha mãe também e você não vai me privar de manter contato com ela! – Apontei o dedo para ela. Tornei a andar em direção à porta, mas tia Ally me segurou.

- Avril vai para o seu quarto que eu vou conversar com a sua mãe. – Minha tia disse de maneira suave e eu cogitei interrompê-la, mas ela foi mais rápida. – Por favor, não complique as coisas. – Pediu e assim eu fui para o meu quarto em silêncio.”

    Flashback off

Bom depois disso tudo eu recebi um belo de um castigo, fui privada de ir aos jogos de basebol do meu time, o que foi um desfalque e fez o time ser eliminado, considerando que eu sou a melhor batedora, sem contar que eu podia apenas ir para a escola e voltar diretamente para casa, e também tinha o fato de que ela me levava ao consultório todos os dias para fazer inspeções, eu definitivamente odeio aquele lugar.

Lauren pediu desculpas, bom, mais ou menos, por conta do tapa não dado e afirmou que apesar de tudo nunca seria capaz de fazer algo assim, que ela não me bateria realmente e que não deveria nem sequer ter ameaçado, porém me privar de ir jogar, praticamente me trancar dentro de casa sem poder mexer no celular ou no computador e me levar ao consultório todos os dias era algo super leve no ponto de vista dela, não me interpretem mal, eu amo a minha mãe, mas pelo que minhas tias contam ela nem sempre foi essa louca psicótica.

Eu agora estava na escola e na verdade nem deveria estar aqui, mas meu professor de biologia está quase dormindo em sua cadeira e justo hoje minha melhor amiga decidiu falar a escola, parece que Kylie sabe os dias mais entediantes para não aparecer nesse lugar.

Não sei se minha inquietação tem a ver com o tédio de estar em sala de aula, ou se tem relação com o que eu vou fazer depois que sair da escola, bom, eu havia dito à Lauren que sairia da escola e passaria na casa das minhas tias Alexa e Keana, para poder ter uma conversa melhor com Kylie sobre a organização de um trabalho da escola, não imaginava que minha amiga não apareceria, mas disse para minha mãe que na escola fica complicado de organizar tudo corretamente, bom isso não deixa de ser verdade, mas eu não vou ficar por mais que 20 minutos na casa de Kylie.

Eu vou até a casa da tia Dinah, que não fica muito longe dali e vou tentar me encontrar com Camila em algum lugar. O máximo que consegui, desde a notícia de que ela havia retornado em busca de reconquistar a família, foi uma troca de sms quando fui lá a última vez, até Lauren aparecer feito uma doida e me arrastar para casa, o motivo? Não faço ideia de como, mas ela descobriu que Camila iria jantar na casa da irmã.

Dessa vez não tem como dar errado, eu sei que Dinah vai me ajudar, ela ainda se sente triste pela atitude da irmã, ela não deveria ter fugido e deixado tudo para trás, mas passaram-se tantos anos e o máximo que ela tinha da irmã eram algumas cartas e ligações de números sempre diferentes.

Parece que teve uma vez que Camila apareceu por duas horas no seu aniversário de 26 anos, ela não queria ser encontrada e Dinah afirma que a irmã parecia diferente, mais decidida, mesmo que não tivesse mais o mesmo brilho no olhar, bom eu lembro parcialmente da festa de 26 anos da tia Dinah, eu tinha uns 5 anos.

Ela conta que quando chegou em casa Camila estava lá com um sorriso amarelo e um livro embrulhado em papel de presente, Dinah disse que não quis abrir o livro quando soube que a irmã não tinha voltado, mas sim aparecido apenas para lhe parabenizar e comprovar que estava tudo bem, confesso que sinto certa mágoa toda vez que ouço essa história, afinal ela não foi procurar à mim e às minhas irmãs.

Minha tia conta que só abriu o embrulho no seu aniversário de 27 anos e que se surpreendeu ao ver um tipo de diário onde Camila detalhou tudo o que sentia a cada dia que passava longe da família, pequenas frases, alguns textos maiores, tudo contando que não estava sendo fácil, mas que ela não merecia a família que tinha, o que eu acho um absurdo, pois creio que ela tenha boas explicações para ter fugido e creio que ela vá me dar elas hoje.

(...)

Sabe quando seu celular vibra com uma notificação de mensagem e você sente seu coração ir a boca por não fazer ideia de quem seja, ou sobre o que seja? Bem, eu tive essa sensação assim que o sinal da escola soou a exatos 15 minutos atrás e a cada minuto que passa essa sensação só aumenta, eu me apressei o quanto pude na casa de Kylie e disse que daria um jeito de passar o final de semana na casa dela para resolvermos o trabalho direito.

Eu estava a poucos metros da casa da tia Dinah, e mesmo que eu ainda precisasse ir até lá para ligar para Camila e aí sim ir encontrar ela, meu coração estava feito um louco tentando perfurar meu peito para fugir dali, minhas pernas pareciam feitas de gelatina quando eu bati na porta da minha tia.

- Oi pequena. – Tia Dinah diz assim que abre a porta para mim. – Parece mais pálida que o normal. – Diz risonha.

- Eu estou nervosa e ansiosa para falar com a mama, vai ser o primeiro contato cara a cara que a gente vai ter. – Digo entrando ao lado de minha tia e dando um abraço na tia Mani que estava descendo as escadas.

- Não vamos perder tempo anjo, pode ligar para ela. – Dinah me entrega o celular e faz sinal para que eu suba e fale sozinha com Camila.

(...)

Eu estava quase morrendo, faziam exatos 30 minutos que eu estava em uma lanchonete, no centro da cidade, esperando por Camila, eu estava com medo de que a mesma não fosse aparecer, aí eu teria que ligar para a tia Dinah me buscar.

Estava prestes a me erguer da cadeira para sair da lanchonete quando senti uma mão suave tocar meu ombro, eu senti meu coração parar por alguns segundos quando virei meu rosto e encontrei Camila sorrindo com os olhos marejados, eu mal pensei, apenas fiquei de pé e a abracei com todas as minhas forças, Camila me apertava em seus braços.

- Você está tão linda. – A voz da mulher saiu embargada, eu sentia suas lágrimas molhando meus ombros. – Eu queria ter acompanhado sua vida desde criança. Me perdoa. – Senti ela estremecer.

- Está tudo bem. – Respondi com a voz igualmente embargada.

Ficamos alguns minutos abraçadas em silêncio, até que Camila sentou de frente para mim e começou a fazer perguntas sobre mim e as meninas, eu expliquei que era muito raro conseguirmos tocar no nome dela sem que Lauren iniciasse uma guerra, eu contei que Lauren era assustadoramente ditadora e Camila riu da forma que eu contava as coisas.

- Por que você fugiu? – Questionei após vários assuntos terem sidos tratados, Camila me fitou e deu sorriso triste.

- As coisas eram mais fáceis no começo, sua mãe começou a mudar, eu ainda não era adulta o suficiente quando decidimos ter você, eu estava surtando com a pressão e o medo de ser uma criança para a Lauren, então eu fugi pela primeira vez e quando eu retornei as coisas começaram a andar bem novamente, então decidimos ter mais uma criança, só que eu surtei quando Lauren descobriu estar grávida de gêmeos, ela estava se tornando cada vez pior, eu não podia sair sozinha, quando eu falei sobre começar uma faculdade, porque Fifth Harmony não seria eterno, Lauren pirou e disse que ela poderia me sustentar e não admitiu quando eu disse que não queria isso para mim, ela não parecia minha mulher, estava sendo pior que a minha mãe, então a Sabrina e a Rowan nasceram e eu não sabia o que fazer, estava sendo pressionada a crescer, Lauren estava cobrando muito de mim, eu me sentia insuficiente e eu achei que seria melhor se eu desaparecesse da vida de vocês, apesar de tudo Lauren ainda não era como você descreveu, digo, não tanto, mas eu estou disposta a lutar para ter a minha família de volta, a Lauren é o amor da minha vida e vocês são minhas filhas, pequenas partes de mim das quais eu fiquei, por tempo demais, afastada. – Camila diz tudo segurando a minha mão e olhando no fundo dos meus olhos.

- A Lauren não nos deixa saber nada sobre você, não nos deixa tocar no seu nome e nem te chamar de mãe, não vai ser nada fácil mama, pode apostar. – Respondo e vejo Camila sorrir de maneira larga.

- Você me chamou de mama. – Sussurra sorrindo cada vez mais.

- Eu nunca dou ouvidos a Jauregui, eu falo de você as vezes e me refiro como mama, porque você é nossa mama. – Afirmo.

Quando Camila vai dizer mais alguma coisa meu celular notifica a chegada de uma nova mensagem, de Lauren que diz me aguardar em casa e que espera que eu chegue dentro de no máximo 15 minutos, eu senti meu sangue sumir do meu corpo, até tia Dinah chegar aqui levaria esse tempo.

- Eu vou ser morta e jogada aos cães! – Digo em desespero.

- O que houve, filha?? – Camila rapidamente se põe ao meu lado e lê a mensagem. – Me diz o endereço e eu te levo.

- Não acho uma boa ideia, a Lauren vai tentar te matar e depois vai me deixar de castigo até eu completar 84 anos. – Digo rapidamente começando a pegar minha mochila para ir embora.

- Ela não pode fazer nada e eu vou te levar querendo, ou não! – Camila diz teimosa e me puxa até seu carro.

Em 10 minutos estávamos em frente à minha casa, eu desci do carro e Camila também, estávamos abraçadas quando a porta da frente foi aberta por Lauren.

- MAS QUE DROGA É ESSA???

Continua...


Notas Finais


E aí o que acharam???? Gostaram? O que acha que vai acontecer?

Lauren e Camila depois de tanto tempo?

Até semana que vem meu dragoezinhos e obrigada por todo o apoio com essa fic!

Amo vocês!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...