1. Spirit Fanfics >
  2. I'm just a florist (Renjun X Haechan) >
  3. Semente da Discórdia

História I'm just a florist (Renjun X Haechan) - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Olá,pessoas! Tudo bem com vocês? Espero que sim. Aqui está mais um capítulo para vocês,tenham uma boa leitura 💕🐻

Capítulo 3 - Semente da Discórdia


Fanfic / Fanfiction I'm just a florist (Renjun X Haechan) - Capítulo 3 - Semente da Discórdia

Walk in your rainbow paradise,Strawberry lipstick state of mind.I get so lost inside your eyes, Would you believe it?

You don't have to say you love me.

Renjun estava com um semblante preocupado,talvez até desesperado para encontrar uma saída. O barulho e as batidas frenéticas na porta só aumentavam. Olhei para a janela e aparentemente parecia ser uma boa ideia. Ela não era larga e o mesmo não passaria facilmente mas por enquanto era a única coisa que nos restava naquele momento. Eu entrelacei os meus dedos deixando os polegares de fora,na tentativa de fazer o famoso "pézinho".

- Pula da janela. -eu disse enquanto movimentava minha cabeça para o lado,tentando lhe mostrar a "saída".

- Mas é pequena! -ele me alertou.

- Ótimo, então passe pela porta. -eu dei de ombros,na tentativa de fazer com que o mesmo mudasse de ideia e essa tão renomada técnica deu certo.

- Está bem,está bem. -Renjun finalmente se rendeu mas olhou curioso para minhas mãos entrelaçadas- Acha que consegue me levantar?

- Ah,Renjun. Você não viu nada ainda; Mal sabe oque essas mãozinhas podem fazer. - eu desfiz o sorriso vitorioso após relacionar em meu cérebro miúdo que aquilo soou muito pejorativo. Olhei apenas de relance para o Astro mas pude perceber que ele ria baixinho enquanto se preparava para subir.

- Posso ir? -seu semblante mudara ,agora estava confiante.

- Claro. -me aproximei um pouco mais perto da janela,esticando meus braços,como se fosse algum tipo de sinal para ele ir. 

O mesmo subiu e encaixou seu corpo no local,e eu empurrava seus pés no intuito de ajudá-lo a se equilibrar melhor.

- Renjun,consegue sair? -perguntei preocupada,afinal não queria que ele se machucasse por minha causa.

- Sim,consigo. -ele ia rastejando o resto do seu corpo e quando seu tronco estava firme e pronto para cair,ele se virou para mim,aquela cena era constrangedora e engraçada ao mesmo tempo.

- Muito obrigado,novamente. Senhorita florista. -ele sorriu para mim e voltou sua atenção para a janela.

Foi ali que eu percebi que... Renjun tinha um bumbum maravilhoso,pelo amor de Cristo.

- Não há de que,Astro que não entende de flores. -eu sorri para o nada,envergonhada demais com a minha própria atitude. 

- A gente se vê por aí,talvez numa situação mais confortável.-ele disse antes de segurar no que seria uma espécie de "trinco"  da janela e elevar seu corpo para cima,já estando lá fora,na tentativa de colocar seus pés para fora também,para que pudesse se equilibrar na queda.

- É,sim,claro. -eu complementava sem a mínima noção do que estava acontecendo. E enfim ele pulou. Eu parecia mais um canguru,pulando várias vezes tentando enxergar se ele estava bem. Não era um plano muito bom. Mas consegui ver ele acenando. 

As batidas na porta,já haviam se cessado há um tempo. Mas não percebi pois estava tão fora da casinha...

Me dirigi até a mesma,estava tão sorridente e boba; como iria explicar para Jaemin? Destranquei-a e me surpreendi. Estava tudo vazio apenas um grupo de três,pareciam ser uma família. Estavam sentados e bem tristes na verdade,ao olhar um dos integrantes da família pude notar que seu rosto era bem familiar. Mas não dei atenção pois estava tentando encontrar Jaemin,e curiosamente não o achava. Até caminhar um pouco mais em direção a saída,um segurança me parou.

- Onde ele está? -o homem de vestimenta preta e de semblante sério me encarava.

- Quem? - eu perguntei realmente confusa por um momento mas depois entendi.- Eu o ajudei a escapar pela janela,deve estar próximo ao estacionamento. -assenti e retomei meu caminho,desta vez com passos rápidos pois não estava afim de mais questões indagadoras. Ao chegar próximo ao estacionamento tentei procurar pelo astro mas não o vi de início,apenas vi o carro de Nana ligado e seu reflexo no banco de motorista mexendo no celular. Eu conhecia o meu melhor amigo,ele estava triste. Já estava me preparando mentalmente para a situação toda. Tirei os saltos na tentativa de não fazer barulho fui caminhando escondida entre as cabines já que só restara dois carros,um desconhecido (aposto que daquela família) e o de Nana. Sem atrair a atenção do mesmo cheguei até o carro,na traseira. E agachada fui seguindo até o banco do passageiro,o ao lado do motorista. Subi rapidamente e gritei BOO,tentando assustá-lo mas não deu muito certo. Já que as janelas estavam fechadas e,por um segundo me esqueci também que o vidro que havia no carro era á prova de som. Apenas recebi um sorriso cansado de Jaemin e escutei a trava se abrindo. Ao entrar no carro percebeu-se o silêncio mortal.

- Por quê saiu do banheiro? -eu perguntei enquanto colocava o cinto.

- Eu vi pelo reflexo do espelho a nossa mesa. A garçonete estava indo recolher a comida,a velhinha pensou que não havia mais ninguém por ali. -ele riu.

- Foi salvar a comida,está certo. - eu o encarei,parabenizando.

- Eles evacuaram totalmente o restaurante porque disseram que aquele cantor Renjun estava por ali e os fãs descobriram. -ele agora complementou,porém triste.

- Foi bem louco nosso jantar,hein Nana. Eu salvei um astro,que bacana,não é? -desviei totalmente o assunto- Mas eu ainda estou morrendo de fome.

- Eu também. 

- Vamos comprar uma pizza. 

- Okay. -ele assentiu rápido e deu a partida,e foi dirigindo calmamente para uma pizzaria próxima. - Não é coincidência você sempre estar no mesmo lugar que ele,né? 

- Nana...

 Na Jaemin,não sei nem por onde começar quando falar dele. Eu o conheço desde sempre; nossas mães eram grandes amigas e portanto éramos muito próximos também. Ele havia uma irmã mais nova,mas infelizmente ela faleceu de câncer quando ele ainda era bem pequenino,uns cinco anos eu diria. Desde então ele cuida de mim como se eu fosse a sua irmã mais nova. Quando todas as desventuras em série da minha vida surgiram ele sempre esteve lá. Mas assim como todo ser humano,Nana tinha seus defeitos; para ele era como se eu fosse um objeto raro de vidro,os outros não poderiam mal olhar-me,muito menos me tocar. Ele era ciumento demais,porém eu o entendia. Ele perdera muito do que amava e tinha medo de perder a única coisa cujo lhe restava. Conversamos tantas vezes sobre esse assunto;tantas longas noites discutindo sobre isso que eu já havia desistido há muito tempo. Eu estava indo para a faculdade e mal tinha ficado com alguém. Tinha dado alguns pegas no ensino médio mas isso não era nada,e fazer Jaemin aceitar que eu de fato já era uma mulher, não seria fácil.

- Acho melhor não discutirmos sobre isso. -complementei,já que estava cansada.

- Mas...

- Na Jaemin,será que uma vez na sua vida,você pode parar de se intrometer no que eu faço ou deixo de fazer? Não tenho nenhum tipo de relação com ele;mas mesmo se tivesse não acho justo você querer opinar a respeito. Eu não me envolvo nos seus relacionamentos,por quê se envolve tanto nos meus? - suspirei fundo após dizer todas aquelas palavras. Fechei os olhos e tentei me acalmar. Fazia tempos que eu não aumentava o tom de voz com o Nana. Mas eu estava cansada de ser tratada como criança,e talvez todo aquele meu estresse fora por causa dessa obsessão ridícula dele.

Não ouviu se quer nenhuma palavra após. Se escutava apenas os mínimos sons que nós mesmos fazíamos. O jantar não foi diferente,apenas os personagens do programa de televisão conversavam entre si. Eu olhava vez ou outra pra ele mas estava muito chateado. Fiquei me perguntando se fui dura demais com ele? 

Cerca de meia-noite percebi que Nana estava dormindo. Me levantei do chão e deitei-me ao seu lado no sofá,me espremendo para caber. Estendi a coberta que eu estava usando para que ele ficasse coberto também e enfim adormeci.

[P.O.V HAECHAN]

- Estou morrendo de fome. -reclamei após terminarmos o trabalho duro que estávamos a fazer. O grafite era uma arte muito bonita mas pouco reconhecida. Não éramos uma espécie de pichadores,mas sim pintores de muito prestígio aham. Mas naqueles tempos de guerra;ninguém sabia.

- Vamos até o centro de conveniência,tenho dinheiro para Ramen. -disse Jeno,tirando uns wones amassados do seu bolso.

- Não estamos lucrando nada essa semana. -eu completei,pegando a mochila com o nosso material e caminhando ao lado dos dois,indo até a loja de conveniência mais próxima.

- Devíamos tentar convencer Jaemin á voltar para os negócios. O trio de ouro já não está dando certo. -quem disse agora foi Jisung,chutando lixo qualquer que estava no chão.

- Verdade. Deveríamos ter falado com ele antes de ter ido embora com aquela florista. 

- Você acha que eles namoram? -Jisung e Jeno ficavam se indagando quando eu tive uma ideia brilhante.

- Devíamos usar ela como um instrumento de chantagem,ora. -disse simples- Seja qual a relação que eles possuem,ela parece ser muito importante para ele.

- Tem razão. -os dois assentiram.

- Vamos na floricultura amanhã bem cedo.

- Apenas tome cuidado para não levar outro tapa ou coisa pior. - Jisung zombava de mim enquanto todos riámos da situação anterior.

Eu havia gostado do que acontecera hoje,geralmente sou o tipo de galã que não se rejeita,modéstia à parte. Mas ela era diferente,era toda rebelde mas ao mesmo tempo certinha com as coisas; me despertou algo diferente. Talvez eu estivesse usando Jaemin e nossos negócios como pretexto para vê-la mais. Talvez.

Ao chegarmos na conveniência nos sentamos juntos numa mesa qualquer. Não fazia diferença,já que apenas um atendente velho e carrasco estava no lugar. Ele estava distraído vendo um documentário chato qualquer. Pegamos Ramen e queijo. Digamos que o refrigerante foi um brinde;agradecemos pela atenção,Sr.Atendente. Foi difícil comer com os dois do meu lado;eles eram sempre muito engraçados. Momentos assim que eram os mais memoráveis e incríveis para mim. 

Talvez Donghyuk não fosse tão ruim quanto você pensa. Talvez.

[...] Ao terminarmos o nosso jantar  seguimos cada um para sua casa. Quando cheguei na minha vi apenas a luminosidade da televisão. Abri a porta central e enxerguei meus pais cochilando no sofá de couro. Ainda não entendo o quão grande pode ser o amor e a preocupação dos pais com seus filhos. Eu sempre chegava tarde;mas mesmo assim eles estavam lá,me esperando com o coração na mão. Os cubri com uma manta,poia sabia que não iria demorar muito para acordarem e irem se deitar na cama. Ainda antes de dormir tomei um banho,pois ficar o dia inteiro na rua certamente não era lá muito convidativo. Dei uma passada no quarto dos meus irmãos mais novos;sorri ao vê-los dormirem como anjinhos. Mas eram assim apenas enquanto dormiam. Aqueles gêmeos eram pestinhas quando acordados;puxaram a mim,claro. 

Agora já havia me deitado em minha cama,encarando a grande janela onde não havia cortinas. Apenas encarando o céu estrelado de longe,imaginando mil e uma coisas antes de pegar no sono.

Amanhã seria um grande dia.

[...] Abri os olhos com dificuldade,estava com sono ainda. Percebi que estava dia;ao virar meu rosto e encarar a janela novamente,dessa vez que me apresentava uma visão clara do dia. Me sentei na cama,absorvendo aquele silêncio tentando me despertar. Provavelmente eu estava atrasado,e concluí que meu pensamento estava certo ao olhar no relógio digital que havia ao lado da cama. Fiz toda a cerimônia diária e tomei o café preguiçosamente. Ao sair de casa,já que não havia ninguém,tranquei a mesma e deixei as chaves debaixo do carpete,tudo rotineiro. Segui caminhando em passos leves e devagares,ao receber uma mensagem de texto de Jisung altero minha rota,íamos nos encontrar perto da casa de Jeno para irmos juntos à floricultura. Era comum não irmos as aulas,estávamos acostumados com isso. Não éramos vagabundos,oh nada disso. Apenas caras legais que gostavam de relaxar,huh. Era bem diferente.

Entre uma peripécia e outra,enfim chegamos na floricultura Taeyang. Eu estava todo confiante,entrando com o peito estufado,no estilo macho alfa,mas toda aquela cena pimposa é destruída com uma presença desagradável. 

- Quem é esse cara? -eu disse,parando em frente ao carrinho de rosas;observando aquela cena,ou melhor,aquela catástrofe. A florista cujo EU iria conquistar rindo como se não houvesse amanhã com um rapaz de costas. Não era Jaemin. Era um rapaz magrelo demais e bem alto;seus cabelos eram castanhos e longos. 

- Eu disse para você ativar o despertador. -Jisung brincou;mas desta vez não estava para brincadeira. Estava horrorizado com aquilo tudo;por um momento pensei em desmaiar para chamar a atenção,mas seria muito vexame. Peguei um buquê qualquer e me dirigi ao balcão,colocando-o em cima. 

-Cof,cof. -virei meu rosto para o lado,fingindo estar ali há muito tempo. E recebo apenas um olhar surpreso e de desânimo da florista,que agora eu descobrira o seu nome. Era algo como,S/n. Não li direito.

- Em que posso,ajudá-lo? -ela disse formalmente,tirando o sorriso do rosto,oque me deixou um pouco enciumado.

- Quero comprar essas aqui. -disse com um ar de desentendido,como se nem quisesse saber sobre oque estavam falando. O rapaz se afastara do balcão para que eu pudesse ser atendido. Logo vi seu rosto e percebi que era um cantor qualquer aqui do país,qual eu nem lembrava o nome. 

-5318,60 wones. -ela disse enquanto olhava o catálogo,tendo certeza de que era realmente esse valor. Tão certinha.- Aliás,não aceitamos cheque. -dessa vez ela sorriu,satisfeita com o comentário de deboche que havia acabado de fazer.

- Boas lembranças,certo? -eu retribui o sorriso,pagando pelo buquê.

- Obrigada pela preferência e volte sempre. -ela disse enquanto me entregava o troco.

- Aliás,S/n. -ela se surpreende ao ouvir seu nome tão diretamente.- Diga ao seu namorado que quero falar com ele urgentemente. - Vi o rosto do astro tendo um semblante diferente,óbvio que ele estava afim dela; Não iria ficar ali para descobrir oque ia acontecer comigo. Eu e os meninos saímos da floricultura. Já sentia o cheiro de confusão se espalhando pelo ar.

Ao plantar a semente da discórdia,saia enquanto há tempo.




Notas Finais


Muito obrigada se você chegou até aqui e me perdoe caso haja erros,irei betar os capítulos assim que puder.
Espero que tenham gostado. Beijinhos e até a próxima 💕🐻

| Se quiserem e puderem dêem uma olhada no meu novo imagine com o Jisung:

https://www.spiritfanfiction.com/historia/my-robot-imagine-jisung-19373513


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...