História I'm Moving On - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Arch Enemy, Asking Alexandria, Black Veil Brides (BVB), Evanescence, Guns N' Roses, Kiss, Nickelback, Skillet
Personagens Andrew "Andy" Biersack, Ashley Purdy, Christian "CC" Coma, Denis Stoff, Duff Mckagan, Gene Simmons, Jacob "Jake" Pitts, Jeremy "Jinxx" Ferguson, Paul Stanley
Tags Bvb, Evanescence, Kiss, Rock
Visualizações 60
Palavras 2.457
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu já havia postado essa fanfic em 2016, porém a repercussão dela foi bem fraca. Mas eu recebi algumas mensagens de antigos leitores me pedindo para escrever o final dessa história, então eu resolvi em fim dá o desfecho final que ela merece, mas vou começar repostando desde o capítulo 1.
Espero que dessa vez a historia de certo, sem mais delonga vamos ao capítulo <3

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction I'm Moving On - Capítulo 1 - Prólogo

¨Por mais que eu quisesse,

Que o passado não existisse,

Ele ainda existe!

E como eu gostaria,

De sentir como se eu pertencesse aqui,

Eu estou tão assustada quanto você.

 

 

Fuja, fuja!

Um dia não sentiremos mais essa dor,

Afaste todas essas sombras para longe de você,

Porque elas não vão me deixar.

 

Eu não tenho mais nada sobrando,

Tudo o que eu sinto é esse desejo cruel,

Nós estávamos caindo por todo esse tempo,

E agora estou perdida... No paraíso. ¨

 

 

 

20 de agosto, 2016.

 

Era madrugada em New York City, os ponteiros do relógio marcavam exatamente cinco horas e o sol começava a nascer sutilmente e quase imperceptível diante das constelações de luzes que ofuscava a cidade. Delicadamente abro as cortinas escuras do quarto que estava, e depois de uma noite fatídica paro para comtemplar a imensidão ao meu redor.

 Me chamo Katherine Stanley, tenho 24 anos, branca de estatura média e cabelos longos e pretos, olhos de cor verdes muito fortes que devido a genética da minha mãe nasceram assim. Sou vocalista e líder da banda de rock Metal Forever, e filha caçula de Paul Stanley vocalista do Kiss.

 Acabamos de terminar nosso show nesta cidade e estávamos em nossos camarins se aprontando para ir para casa. Eu estava exausta e tudo que mais desejava era apenas dormir por longas horas. Após um bom banho fui ao closet em busca de algo para vestir, me deparando com uma calça jeans preta e rasgada nos joelhos e um moletom cinza escuro, visto-me rápido e calço minhas botas de cano curto e salto.

 Sai em direção aos corredores do palanque mandando uma mensagem para meu motorista me esperar em frente a saída, por mera distração esbarro em alguém enquanto caminho.

_ Ei... Pra onde vai com toda essa pressa? _ Disse uma voz familiar.

_ Desculpe Thales... Não estava prestando atenção. _ Digo sorrindo, já era normal esbarrar nele de vez em quando. Ele era o tipo de cara que sempre se mantinha por perto das pessoas que ama, isso era uma característica bem peculiar dele.

 Thales Ryan era guitarrista e back vocal da minha banda, tinha seus 26 anos, alto com pele parda, cabelos pretos, barba feita, braços fortes, sem dúvida o rockeiro bonitão que toda garota sonharia. Ele era brasileiro e nos conhecemos na adolescência, de todos era o mais próximo de mim.

_ Você já vai viajar para Los Angeles? Achei que ia dormi na mansão que o seu pai tem aqui! _ Ele falou cruzando os braços.

_ Mudei de ideia... Já que não temos mais shows nesse mês pensei em ir para o meu apartamento descansar. _ Disse e me escorei na parede.

_ Não sei não Kate... Viajar nesse horário não é uma boa ideia.

_ Qual é? Pare de bancar meu irmão super protetor! Meu motorista é quem vai dirigir... _ soquei seu ombro de leve para descontrair.

_ Acho bom mesmo.

_ Mas por falar no diabo... Onde está Anton? _ Perguntei.

_ Ele estava te esperando para te dá uma carona, mas já que vai viajar...

_ Avise ao meu irmão por mim, por favor.

_ Tudo bem, mas tome cuidado no caminho até LA... _ Disse e me abraçou forte, ele tinha aquela estranha capacidade de fazer com que eu me sentisse segura.

_ Pode deixar... _ Disse e me afastei.

_ Ligue quando chegar em?! _ Disse alto pois eu já me afastava pelo corredor.

_ Sim pai! Eu ligo! _ Disse brincando e segui meu caminho.

 Antes de mais nada Anthony Stanley é meu irmão mais velho e é baterista da banda, tem 27 anos, pele bronzeada, cabelos e olhos castanhos, alto igual a um poste, e mais chato que o Axl Rose. A banda no total tem cinco integrantes, contando com Juniors Mckagan na guitarra solo e teclado, sendo um dos mais talentosos do grupo é quem coordena nossos ensaios e é meu professor de música acima de tudo, tem 28 anos, branco com cabelos curtos loiros com mexas pretas e olhos azuis. Juniors é filho de Duff contrabaixista do Guns ‘N Roses, todos nós o conhecemos de maneira bem épica história a qual marcou o início da banda.

_ Disse a você que aquela puta não me resistiria! _ Ouvi a voz bizarra do meu contrabaixista, Jeffrey Ohio tinha uma personalidade muito forte e bipolar já que por horas era um emo triste e solitário, ou as vezes era um grande filho da puta. A franja e o cabelo preto liso até os ombros denunciavam o que estou dizendo, é um homem bastante alto e magro, com seus 26 anos de ruindade era o mais problemático de todos nós que o conhecemos através de Thales, pois era da família.

_ Isso não significa que é melhor do que eu no assunto! _ Disse outra voz.

 Observei bem e reconheci quem eram as pessoas que estavam ao redor de Jeffrey, todos eram integrantes do Asking Alexandria. Estavam escorados em uma Van preta já do lado de fora do edifício e me instigava a curiosidade do porque eles estarem aqui.

_ Mudando de assunto... Sua banda vai estar nessa turnê do reckless rock não vai? _ Perguntou Ben Bruce.

_ Ainda não está decidido direito mais provavelmente sim... _ Respondeu Jeffrey. _ Ainda falta conversar com Anton e Kate.

_ Se fudeu... _ Disse James.

_ Por que?

_ Aquela vocalista de vocês parece ser durona! _ Falou Cameron e todos riram.

_ Imagina... Devia ver ela de tpm... _ Brincou Jeff.

  Bom saber que tenho essa moral. Pensei comigo mesma.

_ Eu acho ela doce... _ Citou Denis e eu prestei atenção para ouvir. _ E é muito linda!

_ Vá sonhando! _ Disse Jeff e todos os animais riram de novo.

_ O show de vocês hoje foi incrível! Será uma honra tocar junto dos afilhados do Kiss nessa turnê. _ Falou Ben.

Aquela frase respondia a minha curiosidade, eles vieram ver o show.

_ É uma pena meu contrato já está acabando... Mas estaremos todos juntos do mesmo jeito... _ Disse Denis.

_ Você vai sair do Asking...? Por que? _ Pergunta Jeff.

_ Dany vai voltar para essa turnê, e eu vou para o vocal da Make Me Famous... _ Responde.

_ Vocês são todos uns filhos da puta! _ Jefrey diz brincando.

_ Olha só quem fala... _ Resmungo.

 Sigo novamente meu caminho e logo avisto meu Yvon vermelho me esperando do outro lado da rua, Leonardo meu motorista acenava amigavelmente para mim pelo vidro do carro. Eu retribuo o gesto e acelero os passos em sua direção.

 Leonardo era um dos vários empregados do meu pai e eu o conheço desde os 13 anos, pela confiança o convidei para trabalhar para mim enquanto estivesse em LA, isso o daria um cachê extra e me pouparia de muito estresse. Ele era o que eu chamaria de ¨Coroa Pegável¨ pois tinha seus 40 anos e um belo porte físico, alto, musculoso, loiro dos olhos azuis... lindo igual ao vingador Thor. Lembro-me vagamente que na adolescência tinha uma quedinha por ele.

_ Olá Leonardo! _ O comprimento sorrindo logo me sentando no banco do carona.

_ Olá Srta. Katherine! _ Ele responde amigável enquanto da partida no carro.

_ Desculpe o atraso eu tive que me despedir de Thales no caminho. _ Falo colocando o cinto.

_ Sem problemas... Devo informa-la que vosso pai está descontente com sua viajem. _ Ele disse já nós pondo na estrada para LA.

_ Ele tem sido muito atencioso esses últimos tempos... _ Comento.

_ É apenas uma forma de conquistar seu afeto... _ Disse em um sussurro mais eu consegui ouvir, e sabia exatamente do que ele queria falar com aquilo.

 Me calei por alguns segundos e me pôs a refletir sobre como tudo mudou na minha vida, de quem eu era e quem eu sou agora. A garota assustada e antissocial se transformou em uma estrela famosa intitulada por muitos como uma das melhores vocais femininos do rock. Obviamente eu sabia que aquele título me era dado por ser filha de Paul Stanley, o que para muitos era sinônimo de cobiça para mim nunca significou muito. Todo o sucesso que compartilhava com a banda era fruto de nossos esforços, batalhamos muito para chegar até aqui e crescemos sozinhos sem a sombra do Kiss.

 O início da nossa carreira foi muito difícil, passamos quase quatro anos lutando para promover nosso primeiro álbum, mas as pessoas só nos viam como a imitação dos nossos pais. A alternativa que nos coube foi misturar o estilo de cada um e ver no que resultaria. Eu era a atual referência gótica desse ano, tinha um estilo mais clássico mas gostava da pegada de death metal, Thales era fã incabível de Hard Rock, Juniors era o clássico do rock sinfónico, Anton e Jeffrey só queriam saber de Black Metal. Com todo nosso conhecimento sobre os gêneros que conhecíamos resolvemos compor as músicas em uma forma de metal alternativo com um som pesado. No final a Metal Forever recebeu os gêneros de New Metal e Metal core.

 No fundo do meu coração ainda existia um pouco daquela menina assustada, no caminho até aqui passei por muitas fases difíceis entre elas os meus desastrosos relacionamentos. Era irônico lembrar que assim como muitos eu fracassava vergonhosamente quando o assunto se travava de amor. Mas que com o tempo certo você aprende a lidar com os sentimentos de maneira madura. No final das contas não a dor que um dia não acabe, até mesmo quando tudo parece ter levado seu mundo.

 Mesmo com toda mágoa e tristeza que enfrentei no passado por entregar meus sentimentos a pessoa errada, atualmente eu estava muito bem no relacionamento que mantinha. Encontrei por fim uma pessoa calma e madura que sempre esteve do meu lado por todos esses anos como um grande amigo, mas que hoje ocupava o lugar de namorado.

 Quem ele era...?

 Ao meu ver o guitarrista mais gostoso que já apareceu na américa latina, além de muito bonito e talentoso, Jinx era o responsável de ter me tirado do luto que eu vivia no passado. A banda Black Veil Brides era afiliada com a nossa desde 2010, nosso sucesso começou praticamente iguais e já viajamos três turnês juntos, eles eram sem dúvidas grandes amigos.

 Fora dos meus pensamentos nosso trajeto se aproximava da grandiosa ponte de New York e eu olhava encantada aqueles pontos de luzes que a enfeitavam. Lembrei-me da letra do novo single que vamos lançar para o final do ano, estamos trabalhando nessa música o mês inteiro e a nomeamos de ¨Lost in Paradise¨.

_ Foi meu único erro...

 Mas você não pode me deixar...

O seguirei nesse caminho...

Aonde quer que ele nos leve...

 Nessa estrada solitária...

Nossos corações estão partidos...

Então pegue a minha mão, e não vá embora sem mim... _ Cantei a letra da música deixando meus sentimentos fluírem através dela. Minha voz soprano e aguda soava de forma clássica pelos meus lábios.

_ Belíssima música. _ Falou Leonardo e eu sorri.

 Amy Lee sempre foi minha grande inspiração e eu ficava feliz quando todos diziam que minha voz parecia com a dela. Sem falar no charmoso vocalista que eu encontrei horas antes, parecia ironia de minha parte que uma grande rockstar como eu tivesse seus próprios ídolos? E eles não eram o Kiss? ...

¨ Eu acho ela doce... E é linda! ... ¨

Se Denis Stoff soubesse quanto fã dele eu sou e como essas palavras não vão sair da minha cabeça a noite toda. Eu simplesmente amava a voz dele, adorava ver seus clips e vislumbrar o quanto ele era talentoso, simplesmente amava aquele homem fantasiosamente e ele nem desconfiava. E esta súbita amizade dele com Jeffrey está desconfortável para mim, não quero que ele descubra essa minha fixação, imagina qual seria a reação dele se visse o seu pôster que eu tenho decorando a parede do meu quarto.

 Sem sombra de dúvidas ele me fazia lembrar de uma certa pessoa que entrou catastroficamente na minha vida, mas deveras mente me ensinou muita coisa. Um ex namorado para ser mais exata, ele sempre dizia que as coisas ruins que já te aconteceram são apenas sinônimos de que você irá prevalecer no final, por conta dessas intuições meus amigos chamavam ele de ¨o profeta¨. Essas convicções as quais pertenciam a ele ainda tento manter, mas me custa acreditar que as pessoas machucadas um dia se libertaram da dor.

_ Você faria o que meu pai fez...? Leonardo. _ Perguntei sutilmente.

_ Seu pai só pensava em protege-los! _ Respondeu-me.

_ Mas faria...? _ Insisti.

_ Se estivesse no lugar dele...? Não sei... _ disse-me.

_ Agora que também sou musicista consigo entender um pouco seus motivos... _ Falei olhando pelo vidro da janela. _ Mas não me afastaria dos meus filhos...

_ Talvez tudo que você passou era apenas uma etapa para chegar até aqui, veja só é uma cantora talentosíssima e famosa agora! _ Ele exclamou.

_ Eu sei... _ Disse. _ Uma vez me disseram que os soldados são fortes devido as batalhas que enfrentam... E que as vezes não podemos desistir delas...

_ Acho que sei quem lhe disse isso... _ Ele me lançou um olhar malicioso e eu sorri ao reviver a lembrança.

_ Faz um tempo que não falo com ele, mas as coisas que ele diz tendem a se cumprir... _ Soltamos uma risada alegre juntos, parecendo que nenhum de nós dois acreditava em tais premonições.

 Pego o celular em minha bolsa e começo a digitar o número de Thales que provavelmente estaria em um bar comemorando o final da noite com o resto daquela mundiça que eu chamo de banda. Encontrando também no wapp uma mensagem de Jinx me perguntando sobre o show. Abro um sorriso debochada e disco o número, mas algo me dizia que eu não completaria aquela chamada.

Isso até algo bater contra o carro enquanto atravessávamos a ponte de New York.

 A força do impacto me fez bater contra o vidro da janela e junto com uma forte dor lasciva minha vista perdeu o foco e eu mergulhei na escuridão do meu subconsciente. Por alguns segundos senti um peso esmagar o meu corpo e abruptamente minha razão volta aos poucos até me fazer abrir os olhos, minha cabeça latejou fortemente e eu só conseguia ouvir os gritos de Leonardo chamando meu nome.

 Olho para cima e encontro estrelas de um céu escuro e nesse instante me perguntei se havia morrido.

 Talvez a batalha de um guerreiro nunca termine, pois, para ser forte é necessário a dor...

Esses foram meus últimos pensamentos, até desmaiar. {...}


Notas Finais


Então é isso meus caros leitores, espero que tenham gostado! Comentem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...