História I'm Not A Error - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias TWICE
Personagens Chaeyoung, Dahyun, Jihyo, Jungyeon, Mina, Momo, Nayeon, Personagens Originais, Sana, Tzuyu
Tags 2yeon, Chaeyoung, Chaeyu, Dahmo, Dahyun, Jeongyeon, Jihyo, Michaeng, Mina, Momo, Nayeon, Sana, Satzu, Tzuyu
Visualizações 665
Palavras 2.352
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Drama (Tragédia), Ecchi, FemmeSlash, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hellou Serumaninhos, Tudo bão?

Chegay finalmente com mais um capítulo desta fic maravilhosa rsrs

Obrigada a todos os favoritos e comentários, serião nunca vou parar de amar vocês, cês tem um lugarzin guardado aqui nesse coraçauzin (Quando a nordestina vem a tona)

Enfim, aproveitem o capítulo e desculpem os erros

•Nota [28/04/2018]: Este capítulo foi revisado, editado e atualizado para o estilo de escrita atual•

KISSUS^^

Capítulo 3 - 02 - DaeHyun


Chaeyoung acordou com os gritos da irmã, "Chaeyoung adianta, eu tenho que sair logo". Levantou da cama com preguiça, coçando os olhos enquanto se espreguiçava. Ainda com os olhos fechados foi para a cômoda e como sempre, pegou uma cueca e outra faixa, foi direto para o banheiro onde tomou uma banho gelado para despertar.


— Chaeyoung cadê você? Tem certeza que vai cortar esse cabelo hoje? — Jeongyeon gritava na porta do quarto do garoto.


— Espera Jeongyeon, eu estou tomando banho caramba, já vou sair.


— Ah, você está aí seu merda— Jeongyeon pensou alto e foi até a porta do banheiro — Já chamou alguém pra ir com você?


— A Tzuyu vai — Gritou do banheiro e desligou o chuveiro, começando a se vestir.


— Vou esperar na sala — Chaeyoung esperou no banheiro até ter certeza de que sua irmã já havia saído.


Odiava a sensação de ser observado, principalmente quando não estava devidamente vestido. Sentia vergonha, não das pessoas o encarando mas de sí próprio. Não tinha como negar, independente do lugar ou situação, ele sempre era mal visto, houve até uma vez em que o garoto foi socado nas costas por um senhor na rua, este que chamava o garoto de "Erro" ou de "Vergonha" no meio de muitas pessoas. Chaeyoung pegou um tipo de "trauma" por andar sozinho na rua, para ele, é melhor andar com uma pessoa, e sem ser nessa situação, é melhor andar armado. Por isso sempre sai de casa com Jeongyeon, ou com uma de suas "embustes".


Correu para o quarto, trancando a porta. Passou direto pelo espelho sem prestar atenção no mesmo, e foi até o guada roupas. A roupa escolhida, uma camisa com estampa do exercito (camuflagem), uma bermuda marrom clara com um cinto preto, vestiu tudo e pegou seu óculos que estava jogado na cama


— Chaeyoung adianta! — Jeongyeon gritara desligando a televisão da sala.


Ouviu Jeongyeon gritar e bufou, pegando o celular que também estava na cama. Saiu do quarto e foi até a sala onde a irmã esperava impaciente.


— Até que enfim. Achei que tivesse morrido.


— Você viu meu sapato? — Chaeyoung perguntou procurando o calçado pela casa.


— Aquele alí serve? — Jeongyeon apontou para um dos pares de sapato no canto da sala.


Chaeyoung chacoalhou a cabeça e foi até o canto da sala, calçando o sapato preto, o vans totalmente desgastado. Olhou para trás viu Jeongyeon já saindo, correu até a mesma seguindo seus passos com o olhar,  a mais velha seguiu até o carro que já estava na frente da casa. Chaeyoung fechou as portas de casa e foi até o automóvel.


— Não podia ter pedido para a Tzuyu vir aqui em casa? Pouparia tempo — Jeongyeon falou observando o irmão mandar mensagem para alguém no celular, enquanto dava partida no carro.


— Ela mora na esquina, nós passaríamos na casa dela de qualquer jeito — Chaeyoung falou e Jeongyeon ficou resmungando baixo.


•Chaeyoung•


Mandei mais de cinco mensagens para aquela embuste e nada. E antes que se pergunte o porquê do apelido, deixe me explicar. "Embuste", é só o meu apelido "carinhoso" para as duas, Dahyun me chama de Chaengie enquanto Tzuyu me chama de "endiabrado". Isto porque o irmão mais velho dela é um porre com ela, do mesmo jeito que eu sou "as vezes", por isso o nome. Pedi para Jeongyeon parar na frente da casa de Tzuyu, e depois de muito bate boca ela finalmente fez. Desci do carro e fui até a porta da casa da mesma e bati na mesma, esperei alguns segundos e logo a Sra Chou, mãe da Tzuyu, apareceu.


— Chaeyoung, meu filho, quanto tempo — Sorriu ao me ver.


A Sra. Chou, em seus 45 anos, consegue ser a mulher mais adorável que eu conheço. Ela sempre me fala que eu seria um namorado perfeito para a filha dela e que daria de tudo para me ter como genro, mas claro, ela diz isso por não saber da minha real identidade, para Sra. Chou eu sou um garoto bem cuidado e que puxou o rosto da mãe. Eu poderia levar em consideração que a Tzuyu é muito legal e bonita, mas não existe na galáxia, um planeta em que nós possamos ficar juntos sem nos matar. Ou seja, um namoro com ela está fora de cogitação.


— Desculpe a incomodá-la a está hora da manhã, Sra Chou. Mas eu estou procurando a Tzuyu — Sorri de volta.


— Ela ainda está dormindo, mas espere um pouco, eu vou chama-la.


~Que ótimo, eu converso com ela e no outro dia ela dorme


— Desculpa a demora endiabrado, eu acabei dormindo demais — Tzuyu apareceu dez minutos depois, com a maquiagem borrada e faltando em algumas partes do rosto, o cabelo desgrenhado nas pontas e a cara de sono.


— Anda logo sua embuste, ou a Jeongyeon vai embora e deixa a gente aqui.


•-•


— Tomem cuidado vocês dois. Te vejo mais tarde Chaeyoung! —Jeongyeon falou quando saímos do carro.


Me despedi da mesma e adentrei o salão junto com Tzuyu, confirmamos nosso horário na recepção e fomos para as cadeiras afim de começar os tratamentos. Meu cabelo ainda estava úmido do banho então foi um processo a menos, Tzuyu precisou lavar então enquanto ela estava lavando eu já estava cortando


— Estou pensando em mudar meu nome — Comecei falando em mandarim.


Eu tive a brilhante ideia de aprender a falar Mandarin apenas para poder conversar com Tzuyu sem que as pessoas entendessem, mas especificamente falar sobre assuntos relacionados a mim, até porque, quanto menos gente souber sobre mim, melhor. E depois de muito tempo preso em um quarto com ela -sofrendo, diga-se de passagem- , eu finalmente consigo falar. Poderia ter sido outra língua mas Tzuyu ainda não aprendeu totalmente o coreano, então não quis sobrecarregar a mente dela. Eu sou um bom amigo no fim das contas.


— Por quê? — Continuou.


— O meu está me incomodando — Falei pausadamente, tomando cuidado para não me mexer muito e acabar fazendo a cabeleireira me ferir com a tesoura.


— Já está um pouco tarde para mudar seu nome, não acha? — Tzuyu falou e em seguida riu ao ver a cara da cabeleireira através do espelho.


— Talvez, mas se começarmos agora pode não ser tarde demais.


— Você pode estar certo. Qual nome escolheu? — Parei para pensar um pouco, antes de responder.


— DaeHyun — Um sorriso mínimo se formou em meu rosto ao pronunciar o nome.


— Devo começar a te chamar de DaeHyun agora? — Tzuyu perguntou sorrindo.


— Eu agradeceria — Respondi com outro sorriso.


Na última semana essa questão do nome tem me incomodado, não que eu não goste do meu nome de nascença, é só que, não da mais. Ver a mãe de Tzuyu me chamar de Chaeyoung, mesmo depois de já ter falado muitas vezes, foi o estopim. Agora é só tentar explicar para as pessoas que eu mudei de nome sem parecer estranho. Missão impossível. Mas eu vou começar aos poucos, primeiro a família e amigos, depois o resto.


No final do cabeleireiro tanto eu como Tzuyu saímos satisfeitos, Tzuyu tinha suas madeixas na cor azul esverdeada, enquanto eu apenas havia mudado o corte do meu cabelo e platinado as pontas.


Saímos do salão e ela me chamou para ir a um lugar, estranhamente era uma academia. Nunca em toda a minha vida pensei em ver Tzuyu em uma academia, não ela, a princesinha que tem nojo até do próprio suor. A pincesinha que finge que torceu o o tornozelo, ou finge que quebrou todos os ossos do corpo só para não fazer a educação física do colégio, me trouxe em uma academia?


Eu fico uma semana suspenso e de castigo em casa e até as personalidades das minhas embustes mudam?


— Só uma pergunta, o que estamos fazendo aqui? — Perguntei a vendo deslumbrada com o local.


— Eu preciso da sua ajuda, e esse lugar está relacionado com o meu problema — Olhou esperançosa para mim.


— Ei! Seja lá o que for, minha resposta é, não!


— Hyungiie~ — Ela fez um aegyo horrível me deixando espantado — Você nem sabe o que eu vou pedir.


— Realmente, mas eu já estou adiantando a resposta.


— Yahh, me ajuda, só dessa vez — Emburrou a cara.


— Tá, o que você quer, embuste? — Perguntou sem emoção.


— Namora comigo? — Eu juro, senti até que estava sem ar depois dessa pergunta.


— O que? — Arregalei os olhos com a pergunta.


— Não é de verdade, é só que eu estou em problemas, e minha mãe confia em você então...


— No que você se meteu garota? — Perguntei um tanto espantado e, preocupado talvez.


— Vem cá — Ela me puxou pelo braço até o salão principal da academia, onde pelo horário talvez, tinham apenas duas pessoas malhando, um homem e uma mulher — Está vendo alí? — Apontou para as duas pessoas malhando — Eu estou de olho naquela pessoa e...


— Espera aí! Você quer fingir namorar comigo pra sair se pegando com qualquer homem? Tá louca? — Acabei me alterando um pouco e ela pareceu perceber.


— Ele não, seu idiota, ela, eu tô de olho nela — Explicou.


— Eu sabia que você gostava dessa fruta — Sorri.


— Me ajuda? — Perguntou com esperança no rosto.


— Não — Falei, indo até a saída da academia enquanto era puxado por ela.


— Yahhh, por favor DaeHyun-ssi — Pediu.


— Eu não vou servir de disfarce pra sua mãe não descobrir que você gosta de mulher, porra! — Tentei sair novamente mas ela foi mais rápida e se pôs a minha frente me impedindo.


— Eu faço o que você quiser! É só por um tempo, depois eu vou contar pra ela, eu prometo!


— Qualquer coisa? — Perguntei desconfiado.


— Qualquer coisa.


— Então tá — Concordei.


— Sério?! — Perguntou espantada.


— Sim, mas óbvio que eu tenho minhas condições — Falei e ela me olhou pedindo para que continuasse — Enquanto estiver "namorando" comigo, você vai me tirar de toda e qualquer roubada. E vai assumir estar namorando comigo em casa e principalmente no colégio. Se sua mãe descobrir que eu não sou o principezinho que ela acha que eu sou, você se vira.


— Só isso? — Uau, não achei que ela estivesse tão desesperada a ponto de não surtar com minhas exigências.


— Por enquanto sim. Enfim, o que estamos fazendo aqui?


— Vamos nos escrever na academia — Falou sorrindo.


— Você é mais dura do que eu, como vai pagar uma academia?


— Olha alí, aulas de dança ou luta os primeiros candidados ganham um ano grátis, e a academia é liberada para quem participar — Tzuyu lia um poster no balcão da recepção.


— E porque EU tenho que participar?


— Aparências meu querido, aparências — Sorriu de lado.


— Me chama de tudo, menos querido — Neguei com a cabeça.


— Meu amor?


— Isso também não.


— Aish garoto chato, então não é tudo! — Deu um tapa na minha cabeça e se afastou de mim.


Suspirei a vendo ir até a recepção do estabelecimento, ela voltou com dois folhetos para preencher. Fiz tudo e ela logo voltou, com a notícia de que fomos dois dos primeiros candidatos. Ótimo, agora vou fazer duas coisas que eu nunca pensei que faria na minha vida, namorar a Tzuyu e fazer aulas de luta. E isso pra que? Manter as aparências. Tenho que andar mais com a Dahyun, eu vou estar sujeito a coisas menos "absurdas" andando com ela. Andar com a Tzuyu é pedir para cair em um poço de ciladas.


^^


— Ei endiabrado, você vai sair para algum lugar? Eu não quero ir pra casa agora — Tzuyu disse enquanto tomava um gole de seu café — Eu estava planejando ir pra casa, já fiz tudo o que tinha de fazer hoje.


— Oh! É a Dahyun alí! — Ela rapidamente foi na rua e puxou Dahyun para a cafeteria. Até eu me assustei com o ato repentino.


— Ei! Que susto, pensei que ia ser sequestrada agora — Dahyun falava assustada - O que estão fazendo aqui? Quais são as novidades?


— Ele mudou de nome, agora se chama DaeHyun, e nos estamos namorando — Abaixei a cabeça na mesa enquanto escutava Dahyun se engasgar com o café que ela tomou de Tzuyu.


— Você e ele? Namorando? — Ela começou a gargalhar alto — Quando foi que isso aconteceu? Eu soube que você estava dando encima da novata da sala.


— O que, mal começamos a namorar e você já está dando encima de outra? — Tzuyu falou com uma falsa expressão surpresa — Seu safado!


Basicamente, foi com essa simples conversa que eu percebi que apenas eu vou saber as reais intenções de Tzuyu. Nem Dahyun, que é quase irmã de Tzuyu vai ficar sabendo. E isso significa que se der errado, a minha lista de amigos que já é pequena, vai diminuir mais.


Já sei que essa conversa não vai ter um rumo bom. Nunca dá certo conversar sobre essas coisas com Dahyun. Ela e Nayeon são as pessoas mais escandalosas que eu conheço, se você disser alguma coisa que vá as deixar empolgada saiba de uma coisa, você vai passar vergonha. E com tudo isso na cabeça eu já consigo até me preparar para o que já está vindo


— Eu não estou dando encima de ninguém, eu nem conheço ela direito — Me pronunciei.


— E nem vai conhecer, lembre-se que eu estudo com você e que eu vou estar de olho — Me olhou ameaçadora.


— Cara, isso é tão estranho — Falou   Claramente essa relação de vocês é falsa. Tzuyu, você sempre disse que namoraria qualquer pessoa no mundo, menos o Daehyun-ssi. Já podem me dizer o que está por trás disso — Dahyun concluiu.


— Eu sei disso e nós realmente estamos namorando, DaeHyun se declarou, e eu pensei um pouco melhor. Ele é um garoto legal e minha mãe gosta dele — Tzuyu falou e eu a encarei de canto de olho arqueando uma sobrancelha.


— Ah é, ele se declarou? — Dahyun falou e eu senti um chute na minha perna, logo concordei com a pergunta - Provem!


Eu sabia, sabia que esse momento uma hora chegaria, só não imaginei que seria agora, assim tão rápido.


— Como assim? — Perguntei.


— Prove que vocês estão namorando — Dahyun falou.


...









Notas Finais


Vish, só eu que acho que esse namoro uma hora vai dar merda?

Até semana que vem

BYYEE^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...