História I'm not her - Jerrie - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Little Mix
Personagens Jade Thirlwall, Jesy Nelson, Leigh-Anne Pinnock, Perrie Edwards
Tags Jerrie, Little Mix, Romance
Visualizações 58
Palavras 3.617
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), LGBT, Romance e Novela, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu sei que faz muitoooo tempo, mas eu não tive muito tempo ou inspiração, estou precisando me dedicar a minha Fic ASA - Lerrie que é meu carro chefe aqui no spirit e esta em fase final, mas eu realmente gosto de escrever essa daqui e vou continua-la, peço apenas que tenham paciência e valerá a pena. ^.~
E por favor comentem, favoritem se curtirem a fic, pois eu preciso de incentivo, então se gostam continuem dando Fedbacks. :)

Capítulo 6 - Strike III


Fanfic / Fanfiction I'm not her - Jerrie - Capítulo 6 - Strike III

   

 

     Cruzando os braços sobre o peito Perrie levou a taça de vinho à boca displicidamente, sua atenção agora estava na meninha pulando divertidamente no colo de jesy sua amiga, era quase impossível distinguir quem era a criança ali a advogada preenchia a casa com sua risada alta e contagiante enquanto Claire tentava vencê-la em seu já conhecido jogo de caretas, todas ali já sabiam que Jesy era a rainha das expressões com seu rosto único de expressões dramáticas Jéssica jamais seria facilmente esquecida.

   Jéssica levantou a cabeça para encarar sua amiga - e agora seu alvo - vislumbrou o liquido rubro descer suavemente e sumir entre os lábios rosados da loira, relaxou os ombros ouvindo o próprio suspiro, Perrie estava entrando em um caminho perigoso, há muito que seu problema com o álcool não aparecia e a julgar pela data das recaídas recentes seu uso era inversamente proporcional à ausência de Leigh-Anne, a promotora de sucessos forte e independente jamais assumiria um resquício por menor que fosse da falta de autocontrole, definitivamente vulnerabilidade não deveria existir no dicionário de Perrie Edwards, entretanto para Jesy era visível que apesar de seus esforços a bebida a estava dominando.

   - Okay, Claire. Seja uma boa garota e vá para a sala ver tevê, tia Jesy precisa ter conversa de adulto com a mamãe agora. – Claire emitiu um resmungo em breve protesto antes de descer com um pulinho e um tapinha de Jéssica. Perrie revirou os olhos presumindo o sermão que viria a seguir. – Inacreditável Louise!

  - Argh, eu detesto esse nome.

  - E eu detesto estas suas atitudes. – Perrie virou-se para a amiga apoiando a cintura na pia, a sobrancelha franzida era questionadora. – Você sabe exatamente do que estou falando, Pezz... Você esta começando a perder o controle.

  - Ah, Jesy vamos começar com isso de novo? Quantas vezes eu tenho que dizer, eu estou bem crescida pra saber o que eu faço, a Claire precisa de uma babá não eu.

  - Eu não tenho tanta certeza disso.

  - Claro, por que você é tão adulta! – Perrie virou-se de costas servindo-se de mais uma taça. – Fala sério, você vive num vai e volta interminável com o Logan e ninguém nunca fala nada então eu tomo umas tacinhas a mais e bum! Todos resolvem dar palpites na minha vida.

  - Aw, Perrie não venha com essa agora... – Jéssica olhou por cima do ombro em direção a sala, em frente à tevê Claire parecia extasiada pela doutora brinquedos. -... Acho que nós duas sabemos o porquê disso tudo.

  - Não venha você com essa Jéssica, mas que merda! Agora tudo que eu faço na droga da minha vida têm haver com a Leigh? Que droga eu tenho controle sobre a porra das minhas escolhas! – Exaltada Perrie bateu com força a base da taça contra o mármore gelado, o sangue claro e fluído escorreu sobre a superfície branca com rapidez. – Merda!

   - Mamãe, está tudo bem?

   - Está sim querida. – Jesy gritou sorrindo para Claire. – Mamãe é apenas muito desastrada. – A morena aproximou-se tocando a mão da amiga que gemeu baixo ao toque. – Muito mesmo!

 

 

[...]

 

   - Obrigada, mas não era preciso tudo isso. – Ranzinza a loira exibiu o punho enfaixado

   - Diga isso para o corte enorme do seu punho ao mindinho e veremos se ele não infecciona. – Jesy sorriu irônica. – Não seja um bebê, afinal a única que precisa de babá aqui é a Claire, não é mesmo?

    Perrie bufou, estalando a língua.

  - Que inferno, eu sou mesmo uma idiota já são quase sete horas e eu não poderei cozinhar com a mão assim! Logo Claire estará reclamando de fome precisarei pedir um delivery.

  

   Jesy não podia acreditar na força que o destino a estava dando, aquela era a desculpa perfeita.

 

   - Nada disso, tenho uma ideia melhor. Eu estava mesmo com um jantar marcado para esta noite, você e Claire podem vir comigo!

   - Oh, claro eu estou com a mão completamente ferrada a última coisa que eu quero é passar um jantar inteiro de vela pra você e Logan ou arbitra de briga dependendo do humor do casal, não obrigada.

   - Eu não marquei com Logan. – Jesy sorriu maliciosamente. – Marquei com uma amiga.
 - Ah, claro agora entendi. Não, Jéssica. – Jesy protestou com olhar pidão. – Não, você precisa dar um fim nessa tua síndrome de santo Antônio e querer me juntar com toda mulher que vê pela frente!

  - Mas, Perrie me escuta amiga, você precisa de um tempo para si.

  - Eu tenho muito tempo para mim, acredite, para mim, para Claire, eu estou ótima não preciso de mais ninguém.

  - “Não preciso de mais ninguém” – Jesy repetiu com voz afetada, mas Perrie permanecia séria. – Perrie eu não estou pedindo pra você desposar uma virgem prometida da Malásia. – Perrie riu Jéssica ia fundo em seus exemplos. – Estou querendo apenas que você se dê uma chance... Olha você precisa se abrir novamente para o amor.

  - Jesy eu estou bem de verdade, quando eu sentir a necessidade de me envolver novamente, então eu conseguirei a mulher que quiser num estalar de dedos, mas não agora, não desse jeito.

  - Perrie meu amor é apenas um jantar, um jantar! Além disso, eu não armei nada, é você quem se machucou e agora precisa comer fora e já faz tanto tempo que não saímos juntas, vamos, por favor! – Jesy tomou fôlego antes de dar o golpe de misericórdia. – Se você vir comigo eu prometo que não direi mais nada a respeito do vinho.

      Perrie esfregou o rosto com uma das mãos relutante, mas ponderou era uma boa proposta e era apenas um jantar inofensivo, rezando para não ser uma dessas mulheres atiradas que a fizesse se arrepender a loira acenou afirmativamente.

  - Você venceu Sr. Nelson defendeu bem sua causa, eu vou. – Apontado o dedo fino ela advertiu. – Mas é melhor pra você que não tente nenhuma gracinha, se eu sentir qualquer pressão sua por mínima que seja para me unir a essa mulher eu juro que me levanto e vou embora com Claire.

  - Entendido, promotora, mas lembre-se de ser educada não vá assustar a coitada logo na primeira vez.

 - Primeira e única.

 - Como quiser.

 

  [...]

- Reservas no nome de quem senhora? – O homem com sotaque francês carregado perguntou solicito. O lugar era extremamente elegante mesmo ali dentro daquele elegante vestido de seda Com belo corte Jade sentia-se a encolhida introvertida garota campestre.

  - Nelson. Jesy Nelson.

  - Ah, sim Jéssica Nelson? – Jade confirmou. – Ela chegou a pouco, já esta a mesa acompanhe-me, por favor.

   As pessoas sentadas pareciam muito envolvidas em suas próprias conversas havia uma mistura de perfumes caros e exclusivos no ar, ao fundo soava violinos era uma ambiente muito acolhedor e ao mesmo tempo muito excludente para Jade que encolhia-se dentro de si mesma a cada passo, conforme avançavam a voluptuosa cabeleira castanha brilhante de Jesy apareceu, sentada Em uma mesa de boa localização perto de uma janela lateral, ela tinha um sorriso aberto e parecia conversar animadamente com alguém, era o suficiente para gelar as pontas dos dedos dela.

    Um choque ressoou dentro de sua caixa torácica, sua ansiedade atingia níveis estratosféricos em questão de segundos, enquanto seus nervos viravam geleia percebeu que a frente da animada colega havia duas cabeças, a primeira era um cabelo loiro escorrido e luminoso como o de uma estrela de cinema, não dava para ver direito que roupa a mulher usava, pois estava de costas para ela, mas a estranha possuía um belo par de pernas torneados vazando por um dos lados da mesa, Jade engoliu em seco e ignorou a adrenalina que percorria cada centímetro de sua pele desviando o foco para a ocupante do assento ao lado, pela estatura Jade julgou tratar-se de uma criança, ao contrario da moça que mexera com ela a garotinha tinha maciços cabelos cacheados e negros, conforme iam se aproximando ela ia notando que se tratava de uma meninha de pele negra, de perfil era possível ver que tinha um belo sorriso e caprichosos olhos negros.

     Os olhos verdes de Jesy captaram a movimentação a frente, Ethan o simpático metre sorriu curvando-se em direção a mesa dando espaço para a jovem avançar, Jade abriu os lábios em uma risada genuína, Jéssica notou seu desconforto no brilho de seus olhos como se engessada ela ignorava a presença das convidadas extras da mesa, a morena curvilínea levantou-se dando –lhe um abraço amável, depois tomou um espaço e olhou através dela.

    - Jade eu quero que você conheça minha melhor amiga, promotora de sucesso e com certeza uma futura Juíza...

    - Já pode parar o puxa-saquismo, Jéssica. – A voz metálica e acentuada fez com que Jade quase expulsasse as pupilas de seu globo ocular, com um impulso rápido ela se virou para confirmar seu pesadelo. – Perrie Edwards... É um prazer, Jade. – Ela sorriu nociva, as palavras dançavam em seus lábios com sensualidade, o modo como ela havia pronunciado seu nome com uma nota de malícia no fim da última sílaba, aquela mulher era diabólica.

   - Jade... Jade! – Jade olhou confuso para trás Jesy deu uma de suas risadas sibiladas apontando para a mão estendida de Perrie esperando pelo aperto de mãos. Acorda Jade! Sua consciência mandou o sinal para o cérebro e timidamente ela obedeceu, a palma da mão dela apertou a dela, a pele fria contra a dela só aumentou seu nervosismo ali espelhada nas pupilas coloridas deixe se perguntou por que a mulher não surtara ao vê-la. – Isto o começo de uma bela amizade e Pezz a mudinha ai é a Jade Thirlwall a nova promessa do direito no departamento de policia.

   Jade encolheu-se envergonhada talvez estivesse incomoda com a pressão azul inquisidora que a observava, Perrie não estava exatamente preocupada em ser discreta tudo que ela queria saber agora era que diabos aquela mulher estava fazendo ali, a única razão para que ela fingisse demência diante daquela garota era a promessa estupida que fizera a Jesy sobe não ser rude a sua convidada, pois bem o que ela não esperava era que sua resguarda lhe permitisse analisar a situação um pouco mais meticulosamente, era quase impossível que todos aqueles encontros se tratassem apenas de uma mirabolante e nada feliz coincidência, enquanto Jéssica puxava assunto com a recém chegada, a loira continuava em sua furtiva espreita, por sobre o cristalino vidro de seu tinto, ela guardava cada pequeno detalhe da inimiga em sua mente.

    Os olhos grandes e castanhos que se concentravam em Jesy e não a viam, seus lábios cheios de um cobre enferrujado, a música soava cálida ao fundo como um soneto leve e doce “Eu não posso evitar me apaixonar por você...”, a voz macia da cantora seduzia o cérebro de Perrie, enquanto os olhos de Jade piscavam no ritmo da música, novamente a loira se viu arrastada para a boca entreaberta enquanto ela pronunciava as palavras com entusiasmo contido, as bochechas pequenas que se acumulavam na lateral de seu rosto todas vezes que ela sorria. O vinho acabou junto com a música, uma ambiente parecia voltar ao normal aos poucos, as vozes ao redor aumentavam gradativamente e  Perrie finalmente parecia desperta, sacudiu a cabeça odiando-se sem saber ao certo o porquê de repente analisar aquela advogada não parecia tão divertido, estava mais para perigoso.

    Jéssica foi interrompida no meio de seu discurso por um pigarreio que vinha de Perrie, a promotora impaciente olhou na direção da filha e por um momento Jesy não pode acreditar em sua distração havia esquecido de apresentar a convidada a Claire, a pequena por sua vez não se fez de ofendida a brincar com o cardápio da mesa como um aviãozinho improvisado, ela levantou a cabeça ao ouvir seu nome e sorriu quando Jade lhe deu um animado oi.

   - Oh, que belo nome Claire é mesmo um prazer conhece-la.

   - Se gostou do nome deveria ver o sobrenome, Claire Edwards é perfeito não? – Perrie perguntou provocativa para Jade. – Claire Pinnock Edwards, mamãe! – Claire corrigiu sorrindo.

   - Oh, é mesmo? É de fato um bonito sobrenome... Pessoalmente acredito que Claire Pinnock soe melhor. – Jade devolveu a provocação.

   - Engraçado a mãe da Leigh vive dizendo a mesma coisa. – Jéssica riu da aparente coincidência. – Ela e Perrie não se dão muito bem, sabe...

       Jesy confidenciou a Jade num sussurro.

   - Bom ambos os sobrenomes são bons... Sabe às vezes eu posso ser muito supersticiosa, creio que esse tipo de coisa tenha influência na vida adulta de alguém. – Apesar da face despreocupada, havia ironia no tom brincalhão de Perrie.

  - Oh, é mesmo? – Jade retornou com entusiasmo exagerado.

   - Sim, Thirlwall, por exemplo, não gostaria que minha tivesse um nome assim cheira a fracasso... - O queixo de Jéssica havia literalmente ido ao chão, ela não acreditava no que Perrie estava dizendo. -... Claire Thirlwall, já posso imaginar minha filha com esse sobrenome dirigindo uma lata velha qualquer.

    Jade retrocedeu em sua cadeira parecia ligeiramente ofendida apesar de esforçar-se para se conter.

   - Superstições são para desiquilibrados. – Jade endireitou-se, encarando Perrie com indiferença. – Aquelas pessoas que não sabem conviver devidamente em sociedade, fechados em seus umbigos frígidos, agindo como se tivessem todo o conhecimento do mundo às mãos.

   - Alguns deles realmente os têm. – Perrie abaixou a taça devagar após um grande gole, lançando a Jade um sorriso unilateral. – É preciso mais do que coragem para ser um desequilibrado... É preciso talento.

  - Pode ter razão, mas este tipo de talento eu dispenso. – Inexperiente Jade tentou tomar um pouco de sua taça, mas engasgou com a bebida, não esperava o azedume do tinto. Perrie deu uma risada debochada acompanhada de Claire que achara a situação divertidíssima, até mesmo Jesy que procurava auxiliar Jade com o guardanapo deu um sorriso discreto. – Enfim... Como eu dizia esse tipo de pessoa pode conseguir ir muito longe na carreira, mas jamais teria sensibilidade para com os outros.

   - Melhor do que ser uma fracassada. – Perrie sorriu presunçosa, Jade se calou constrangida, Ela certamente não venceria aquela mulher, ela nunca seria pareo para alguém como ela. A promotora sabia que havia ganho aquela batalha quando Jade se calou, Perrie poderia ser boazinha e deixar pra lá, mas não seria divertido. – O que foi Thirlwall? Engasgou-se com o vinho ou será o fracasso que não lhe deixa falar?

   - Perrie já chega!

   - Você se acha tão melhor que todos não é Perrie Edwards? – Jade a encarou vencida, mas havia um brilho em seu olhar, algo que a loira teve medo de encarar. – Eu prefiro, ser a Thirlwall, fracassada, em uma lata velha do que ser uma promotora mesquinha e presunçosa que não se importa com nada além de si mesma, eu tenho muita pena dela por ter você como mãe.

    - Cala a boca! – Perrie jogou todo o conteúdo da taça sobre a jovem o liquido escorreu por entre o decote do vestido de alça fina e escorreu até a saia o tecido dourado logo se escureceu, havia respingos por todo o rosto e parte do cabelo.

     - Perrie, meu Deus! – Jesy estava em choque, por sorte apenas um casal na mesa ao lado havia percebido a movimentação. – Você esta louca, por Deus. Jade... Eu sinto muito, eu sinto muito mesmo... Olha ela bebeu demais.

      - Eu ainda estou aqui Jéssica, não fale de mim como se eu fosse uma criança, eu não estou bêbada. – Perrie disse com rancor depois lançou um olhar fulminante na direção de Jade. – Essa mulher não pode simplesmente me ofender e esperar que eu permaneça como um bloco de gelo.

      - Eu não menti. Que tipo de mãe age desta forma na frente da própria filha, você não controla seus atos, não gosta de ser tratada como uma criança, mas só sabe agir como uma. – Jade disse com convicção, o coração de Perrie apertou-se ela sabia que havia verdade naquelas palavras. – E eu não vou cair mais nestes teus joguinhos infantis, a gente se vê no tribunal... Até lá... Cresça.

   - Jade espera...

   - Não Jesy, eu não farei mais isso, vou ao banheiro secar tudo isso e depois irei embora até mais, obrigada pelo convite e me desculpe.

        Jade partiu apressadamente quase correndo pelo salão em direção ao toalete, Jesy olhou severamente para Perrie, a pequena Claire já havia largado o cardápio e agora tapava os ouvidos como se evitasse ouvir mais discussões, minutos depois de Jade deixar a mesa, a morena finalmente se pronunciou estendendo um dos braços em direção a pequena Claire que parecia muita assustada com aquela gritaria.

    - Venha Claire, venha com a tia Jesy.

    - Aonde vocês vão? – Perrie perguntou com receio
    - Eu e Claire iremos pagar a conta no bar, vou comprar um daqueles docinhos que ela tanto gosta. – Claire levantou a cabeça animando-se repentinamente. – E você, trate de se retratar com a senhorita Thirlwall.
      - Ah, você só pode esta de brinca...

       - Agora Perrie! Não me faça vir aqui e obriga-la a ir até aquele banheiro. – Perrie bufou revirando os olhos. – Vamos Claire.

 

   

   Jade ignorou os olhares esnobes quando ela entrou com o vestido manchado naquele banheiro esplendoroso, as duas loiras esculturais que mais pareciam fazer parte do catálogo de top models da Victória Secrets, saíram entre risadas abafadas e trejeitos. Jade encarou-se no espelho, sua imagem patética retribuiu – a em sua análise detalhada, os enormes olhos castanhos agora estavam mergulhados numa ilha de vermelhidão, as lágrimas estavam a ponto de romper as barreiras de seus cílios inferiores como uma bomba prestes a implodir.

   Ela odiava aquela mulher, mas acima de tudo ela se odiava imensamente por ser tão previsível e estar tão a mercê daquela mulher diabólica, Perrie Edwards podia ser linda e provocar respostas involuntárias no corpo dela, mas era inversamente cruel e esnobe quando queria, Jade não precisa de novos dedos acusatórios, ela já havia vencido a morte, poderia vencer Perrie Edwards. A torneira foi aberta e a jovem começara o processo de limpeza com rapidez, esfregando a mão com raiva, ela precisava tirar aquilo de seu corpo, o cheiro de álcool, Jade nunca se dera bem com bebida e aquilo era uma das provas do quão diferente de Perrie mais uma vez ela era.

     Os saltos ricochetearam contra o piso de cerâmica branca. Um tic tac seco e estático, a figura loira apareceu deslumbrante atrás dela, Jade parou naquela hora a Perrie do espelho parecia um pouco menos ameaçadora, com olhos azuis passivos, os lábios antes furiosos agora em repouso vermelhos, brilhantes de repente ela enrijeceu a expressão novamente, mas aquilo era diferente é como se ela houvesse percebido que abaixara sua guarda, que deixara Jade ver um pouco de um outro lado dela que ela lutava para esconder. Jade bufou desligou a torneira e se secou em seu próprio vestido, antes mesmo de tentar limpar o vestido, então ela saiu do banheiro, mas Perrie a segurou pela mão.

    - Solte-me, o que pensa que está fazendo? Já não foi o bastante Dr. Edwards?

    - Me desculpe senhorita Thirlwall. – Jade olhou confusa, Perrie Edwards, a arrogante promotora estava lhe Pedindo desculpas? Ela deveria estar sonhando. – E então não vai falar nada? Eu estou pedindo desculpas.

      E ela voltou a ser a mesma mulher rude de sempre.

      - Dr. Thirlwall não se esqueça! Eu sou tão competente quanto você, vai saber disso quando eu vencê-la no tribunal.

       - Ah... Okay eu não preciso disso, você é muito irritadiça. – Perrie largou a mão de Jade.

       - Irritadiça? Será que é porque você me trata bem desde que nos conhecemos.

     Perrie suspirou depois estendendo a mão a Jade continuou.

         - Olha, talvez você tenha razão eu posso ter passado um pouco dos limites com você, quando se trata da minha filha... Bom eu só quero... Recomeçar. – Jade flexionou os ombros e a cumprimentou. – Prazer, sou Perrie Edwards.
          - Jade Thirlwall.

           - Belo sobrenome.

            - Aposto que sim. – Jade respondeu ironicamente, voltando-se novamente para a limpeza de seu vestido.

              - Desculpe por isso. Sei como retirar estas manchas, mas é melhor secar ao menos o excesso antes que seque.

               - Você parece saber muito disso, jogar vinho nos outros é um robe?

               A risada musical de Perrie ecoou por algns instantes.

                - Digamos que você foi à primeira vítima. – Ela se aproximou ficando ao lado da morena encarando-se no espelho. Depois ela virou-se em sua direção. – Mas eu tenho treinado muito em mim mesma, posso ser muito desastrada às vezes.

      Perrie permaneceu focada no rosto apreensivo de Jade em alerta a espera de seu próximo passo, a loira encarou como um desafio excitante, o silêncio entre as duas era significativo, envolvente, tenso. Jade segurou o próprio fôlego quando o perfume dela tornou-se mais intenso, mais próximo, havia um pedaço de papel molhado em sua mão pressionado contra o meio de seu decote. Seus olhos cravados nos lábios entreabertos da loira escultural a sua frente, sua desatenção era tanta que ela suspirou assustada quando a maciez da mão dela envolveu a sua.

                 - Deixe-me ajuda-la com isso, é difícil às vezes eu sou desastrada, mas talvez eu ainda seja boa nisso.

                  - De- desastrada? – Jade gaguejou a centímetros dos lábios de Perrie, a promotora sorriu sensualmente e acenou com a cabeça.

                   - É que às vezes... Eu posso perder o controle das minhas mãos. – O papel molhado caiu com a mão livre ela deslizou pelo colo de Jade escorregando alguns dedos para dentro do decote de seu vestido, Jade estremeceu o toque molhado contra a pele quente a arrepiou por inteiro. – Ops, eu fiz de novo.

     Jade a olhou com suplica ela precisava beijar aquela mulher.

       - Está tudo certo por aqui? – Jéssica chegou ao observá-las ela deu uma risadinha. – É definitivamente está...

 


Notas Finais


É isso meus amores, também estou postando no wattapad normalmente posto aqui primeiro, mas se sentirem mais a vontade acompanhando por la, deixem-me saber e posso comeÇar a postar em ambos os sites no mesmo dia. *.*

Beijaços, vejo-os ai embaixo! ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...