História I'm not him - Taekook. - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Visualizações 78
Palavras 1.747
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Bishounen, Comédia, Crossover, Drabble, Drama (Tragédia), Fluffy, Harem, Lemon, LGBT, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Self Inserction, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi!

Capítulo 4 - Three.








— Taehyung, você não é Jesus Cristo, sabia? — Jungkook disse com uma desdém aparente na sua voz e suspirei desanimado. 


Havia explicado a situação Heejin para ele assim que chegou e com a atenção recebida pelo mesmo, fui crente de que não precisava esperar piadas desconexas de Jeon, mas parece que tem coisas que não mudam. 


— Jungkook… — O fitei com cara de cachorro pidão e o mais novo apenas revirou os olhos. 


— Vou ver o que posso fazer, Taehy. — Ele bagunçou meus fios. — E você sabe que nós temos que conversar ainda. 


— Deixa isso pra' lá, não estamos podendo falar sobre isso agora. — Olhei para Heejin de soslaio. — Vai lá ajudá-la, por favor. 


— Droga, Taehyung! Por que você tem que complicar tudo, porra? 


Jungkook assim que terminou de proferir — lê-se cuspir na minha cara — tais palavras, fora de encontro a Heejin que ficou na defensiva. Ficaram longas horas demorando e nem tive tempo de agradecer Jeon, já que este trouxe roupas da sua mãe para que a mais nova pudesse vestir — soube deste fato quando conversei com ela antes da chegada do rapaz, ou seja, me sentia um paizão alí já que ambos presentes eram mais novos do que eu —. 


— Você tá' com dinheiro aí? — Jungkook indagou do nada e saí do meu transe imediatamente. 


— Uhum, por quê?


— Heejin aceitou ficar em um hotel do centro. — O menor explicou, se aproximando novamente. — E você quem vai pagar. 


— Sem problemas. — Abri um sorriso aliviado, afinal ela aceitou tão facilmente com Jeon que fiquei até invejado. 


Ele sempre teve esse poder persuasivo com as pessoas, e bem, comigo não foi diferente. 


— Vamos logo ou o casalzinho vai ficar de conversinha aí? — A morena se levantou com dificuldade e olhei para Jungkook que corou. 


— Somos só amigos. 


Dei de ombros, mesmo sentindo uma dor boba com as palavras que fui obrigado a dizer e me aproximei de Heejin que se encolheu. 


— Desculpe, eu não estou acostumada com… Você sabe, aproximação de rapazes. 


— Eu que peço perdão, só quero te ajudar a caminhar. Você parece meio debilitada. — Comentei e quando tive a permissão dela, continuei a aproximar e a tomei para o meu colo, estilo noiva. — Você é uma pena de tão leve. 


— Cuida da sua vida, Taehyung. — Ela revirou os olhos. — Vamos logo porque estou me sentindo constrangida e seu namoradinho pode ficar com ciúmes. — Heejin provocou e olhei para Jungkook que tinha um sorriso nos lábios. 


Que tipo de brincadeira é essa?


— Eu confio no meu taco, more'. 


 Ele pareceu entrar no joguinho dela e entre farpas por parte dos mais novos, chegamos no hall do hotel em que Heejin ficaria. Não que eu fosse milionário, mas a estabilidade financeira da minha família me permitia a ter uma boa quantia de dinheiro guardado na carteira, então não poupei esforços para procurar um lugar de boa recepção. 


— Fique aqui com ela até que eu faça a reserva dela. 


— Taehyung… — Heejin me chamou baixinho e me virei para fitá-la. — Você não vai me deixar sozinha aqui, né…? — A mais nova parecia meio incerta, me encarando com um medo visível em seus olhos e a puxei para um abraço. 


— Vou reservar outro quarto para mim, bebê. Não precisa se preocupar. — Garanti e sorri quando pude sentir a menor se relaxando em meus braços. 


— E o Jungkookie? Está meio tarde para ele andar por aí, não acha? — A garota desviou seu olhar para o citado que me olhava tímido. 


— Ele pode dormir junto comigo. — Forcei um sorriso, me afastando para que pudesse finalmente fazer nossas reservas, mas escutei com clareza Heejin falando algo relacionado em como Jeon tinha sorte de me ter. 


Mal sabe ela que o sortudo da história sou eu. Jungkook, embora aparenta ter uma pose de durão badboy, é um garoto sensível que lutou muito para se tornar esse humano exemplar que é. Portanto, o fato dele não me corresponder não foi o suficiente para que eu tomasse nojo ou repulsa da cara dele, Jungkook acima de tudo, é meu melhor amigo e não me vejo sem ele. 


Quando fiz as reservas e tomei a chave, ignorando totalmente os flertes diretos da recepcionista, virei em direção aos dois e pude sentir meu coração amolecer quando notei que ambos se encontravam dormindo, um usando o outro de escoro. 


— Jungkook, Heejin. — Chamei-os baixinhos, com receio de assustá-los. — Vamos subir, hm? — Fiz cafuné nos fios sujos de Heejin e um carinho na cicatriz de Jeon que acordou no mesmo instante. 


— Ela está exausta… — Ele falou em meio a um bocejo quando se afastou com cuidado. 


— Tome as chaves do nosso quarto, pode ir dormir que eu cuido dela. 


— Deixa eu te ajudar, hyung… — Pediu em um tom dengoso e neguei com a cabeça. 


— Você já fez demais hoje, Jungkook. Apenas ligue para os nossos pais e avisa que não vamos dormir em casa hoje. 


— Tudo bem, Taehyung. — Ele se levantou e deixou um beijinho bem no canto da minha boca, o que por hora, me deixou todo desorientado. — Boa noite, eu te amo. 


— Boa noite e eu também te amo. 


Eu só fiquei forte naquele instante por ter Heejin adormecida em meus braços, esperei que Jungkook subisse para que eu também fosse logo atrás. Peguei um quarto no segundo andar para não precisar usar o elevador e cerca de poucos minutos, já estava no quarto com Heejin que acordou assustada. 


— T-tae. — Ela me chamou chorosa e a apertei em meus braços para lhe passar confiança. — E-eles querem me tocar, não deixa, p-por favor. 


— Shhh, eu vou te proteger, fique calma. — Deixei um beijo na sua testa antes de soltá-la. — Vai lá tomar um banho que vou separar uma roupa para ti que Jungkook trouxe. 


— Obrigada por tudo que tem feito por mim, você nem sequer me conhece e… 


— Heejin, ninguém merece passar pelo o que você passou e estou disposto a te ajudar em tudo que for preciso. 


— Você é um anjo. 


— Você também é, um anjo que terá uma vida melhor daqui por diante. 


Me surpreendi com o abraço forte dado por ela, logo ele se desfez para que Heejin fosse diretamente para o banheiro. Enquanto ela se encontrava lá dentro, separei as roupas que ficariam largas no corpo dela e desci para comprar algo que ela pudesse comer. 


Olhando no relógio de pulso, já marcava as dez horas da noite e neste horário, se fosse uma noite normal como qualquer outra, eu estaria dormindo. Pensando assim, no outro dia, teria de faltar de aula para resolver as coisas com Heejin e espero que Jungkook não saía prejudicado nisso.


— Aqui, comprei um lanche para ti. — Anunciei quando voltei para o quarto, vendo Heejin toda empacotada na roupa larga. — Que fofura! 


— Tae-oppa! Para. — Ela resmungou, fazendo um biquinho. — E obrigada. — Entreguei a sacola para a menor que sorriu, passando a devorar tudo aquilo. 


Observando a situação, Heejin era tão nova que tivera de passar por várias coisas a fim de se safar. Eu cuidaria dela a partir dali e ninguém iria me impedir, criei um afeto de irmão pela mais nova e conversaria com a minha mãe para entrar com papelada de adoção. Temos tudo o que é preciso, então peço a Deus que não seja tão difícil para tê-la com o sobrenome Kim. 


— Vou ver como Jungkook estar e dormir também. — Avisei quando ela estava se ajeitando no colchão. — Vai ficar tudo bem? Estou no quarto ao lado, se precisar. 


— Obrigada mesmo por tudo, Tae… Eu nem sei o que seria de mim sem você e pode ir lá ver seu marido. 


— Ele é meu amigo! 


— Guarde o que eu vou falar, oppa. — Me sentei na ponta da cama. — O amor, às vezes, costuma machucar, sabe? E nós o julgamos a partir daí, mas não é bem assim. Ele é lindo, ele é espontâneo e é a única coisa que temos nessa vida de merda. Então, não desista de Jungkook tão facilmente agora. Afinal, ele é a única coisa que você tem. — Ela piscou, mandando um beijinho no ar para mim. — Vai lá, ele está te esperando. 


— Como você tem tanta convicção em dizer isso? 


— Porque você também é a única coisa que ele tem, Taetae. 


∆ 


Dito e feito, ao entrar no quarto, Jungkook parecia meio inerte aos seus pensamentos e bati palminhas para que tivesse sua atenção. 


— Seu ato foi bem bonito. — Ele sussurrou tímido, se deitando na cama e deixando um espaço para mim. 


— Qualquer um no meu lugar faria o mesmo. — Tirei a minha camiseta, mas antes olhei para ele como se fosse pedir permissão e o mesmo apenas deu de ombros. 


— Taehyung, sobre Jimin… — Senti meu coração apertar e me deitei ao seu lado. 


— Jungkook, eu não posso te obrigar a me amar, eu sempre-... — Nem pude terminar de formular minha frase já que os lábios macios de Jungkook se chocaram contra os meus em um beijo calmo, porém sedento. 


Gostava de trabalhar com a sua língua, causando uma fricção gostosa entre ambos músculos ágeis que buscavam por espaço, deixando o beijo mais afoito, o que arrancava suspiro por ambas partes. Minhas mãos exploravam o corpo de Jungkook com precisão e porra, como eu ansiava para aquilo. 


— Meu coração sempre foi seu, hyung. — Ele roçou nossos narizes quando o beijo findou entre selinhos demorados e senti meu coração palpitar mais forte como de costume. 


Se eu tivesse um ataque cardíaco ou uma arritmia, com certeza, culparia Jeon por causa disso. 


— Vamos dormir, hm? Estamos cansados e hoje o dia foi cheio. — Alisei sua bochecha e fiquei alí todo bobão, observando sorridente Jungkook se aconchegar em meu peito. 


— Boa noite de novo, hyung. — Ele sussurrou sonolento, afundando seu rosto na curvatura do meu pescoço. 


— Boa noite, Kookie. — O apertei em meio ao abraço e fechei meus olhos.  


Talvez, Heejin estivesse certa quanto ao amor. E bom, nunca é tarde para se entregar para a pessoa certa. 


Notas Finais


mamão com açúcar não faz bem, hein. aproveitem esse momento taekook porque não vai ser tão fácil assim q


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...