1. Spirit Fanfics >
  2. I'm not your dear >
  3. Oneshot

História I'm not your dear - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Eu adoro A Seleção....
Adoro MoDao...
É assim que as coisas funcionam cmg kkkkk bizarro
Tem várias referências a frases, se você nunca leu, não tem problema :>



Mentira, tem sim. É mt pft e vc precisa ler.

Boa leitura :>
Ah, é XiCheng, acho que deu pra perceber. Eu tava querendo fazer algo relacionado a essa história e pensei em um casal de MDZS, então veio um "Há XICHENG" e cá estamos.

Capítulo 1 - Oneshot


Fanfic / Fanfiction I'm not your dear - Capítulo 1 - Oneshot

 

 

Eu não sabia o que estava fazendo ali, nem o motivo de meu pai ter insistido tanto nessa palhaçada, mas o faria.

Sou considerado um dos jovens promissores da época, me caracterizam como um garoto um tanto arrogante e, de fato, mentalmente cansado. Minha mãe e meu pai foram bem claros ao me encaminhar para um futuro próspero em nome da família,

Você irá participar da Seleção.

Óbvio que qualquer um iria querer se casar com o príncipe de Gusu, e futuramente, o rei. Dar herdeiros e virar um escravo da nobreza era o que qualquer um iria querer, mas eu não. Estou plenamente satisfeito com minha casta que, pela luta de meu pai para chegar nesse nível, é a dois.

Minha irmã, Jiang Yanli, já é prometida para outra pessoa de nossa mesma casta, um jovem filho de um ator famoso, Jin Zixuan. Sei o quanto Shijie ama esse rapaz, então aceitou de bom grado ter seu futuro decidido assim.

Wei Wuxian, meu meio irmão, já está em outro nível. Enquanto o segundo príncipe Lan, Lan Wangji, estava em sua seleção – A qual Wei Wuxian se recusou participar, vale ressaltar -, acabaram por se esbarrar em eventos sociais da vida. A partir de então, se encontravam frequentemente no castelo ou até mesmo em outros locais que ainda eram de propriedade real, se apaixonaram e um tempo depois, casaram.

E a seleção? Você deve estar se perguntando.

Lan Wangji dispensou todos os candidatos, homens e mulheres, e declarou o fim dela. Lan Qiren, regente e tio dos príncipes, ficou uma fera em razão da quebra total da tradição, mas não pode fazer muito.

E aqui estou eu, no quarto do príncipe consorte e, meu irmão, reclamando da merda que está sendo.

- Entendo que está chateado, A-Cheng, mas não é tão ruim assim – Falou sentado na cadeira em frente a sua penteadeira enquanto me olhava pelo reflexo do espelho. Mesmo tendo quartos separados, Wei Wuxian me disse que não ousavam dormir longe um do outro, ainda mais agora que esperava uma criança.

- Cala a boca, você nem participou dessa merda – Reclamei – Não tem moral para falar qualquer coisa.

- Veja bem, eu não passei por isso, mas fui mil vezes mais alfinetado pela imprensa do que você – Falou se virando na cadeira para me olhar de frente – Não parece tão ruim assim ser o favorito do Zewu-Jun – Deu de ombros – Tens mais chance.

- Eu não quero porra de chance – Revirei os olhos – E nem sou o favorito do príncipe, você deve ter lido as notícias, óbvio – Suspirei e me joguei em sua cama extremamente macia. Mesmo a casta dois sendo algo surreal comparada com as outras, o nível da nobreza é diferente.

- A-Cheng – Deu um suspiro cansado – Você sabe que, como príncipe, ele precisa fazer algumas coisas antes de escolher alguém – Pausou – Não é como se ele fosse ficar com Jin Guangyao só porque o beijou, como dizem as fofocas.

- Ah não? – Levantei abruptamente – As pessoas costumam se beijar porque se gostam! – Falei em um tom mais alto, diminuindo em seguida – Hanguang-Jun não deixou nem dar um mês de seleção e já escolheu casar com um aleatório.

- Eu não sou aleatório – Resmungou irritado.

- Você nem estava participando!

- E daí? – Bufou.

- Você disse várias coisas quando veio pela primeira vez, era visível que não gostava. Odiava ver que qualquer um competia pela atenção de Hanguang-Jun, odiava as regras, odiava a fama e... até a comida você odiava!

- Aprendi a lidar com isso – Deu de ombros – E Lan Zhan começou a cozinhar também, ou eu o matava com pimenta.

- E aquele papo de “príncipe nenhum tira minha liberdade”? – Questionei arqueando a sobrancelha, meu irmão deu uma risada antes de falar.

- Não sei se você sabe, mas quebrei várias regras antes mesmo de pisar nesse castelo – Sorriu apoiando os braços na cadeira – E não parei desde que cheguei – Deu uma risada diabólica.

- As regras aqui são duras, você é louco? – Obviamente ouvi algumas histórias assustadoras das coisas que havia feito no ambiente real.

- Ah A-Cheng – Deu uma risada mais calma – Ele é o príncipe, pode apenas me perdoar.

- Vocês são insanos – Tentei tirar as imagens de suas histórias em minha mente, lembrando claramente que, dessas várias quebras de regras, Hanguang-Jun estava presente em algumas.

 

 

 

 

- Vou ser sincero, tenho certeza que Jin Guangyao será o escolhido – Ouvi uma voz baixa falando.

- Como pode afirmar isso? O príncipe parece muito próximo daquele Jiang.

- Guangyao é muito mais gracioso e educado, por que o príncipe escolheria alguém como Jiang Cheng? – Pela voz, parece ser um aleatório chamado Xue Yang.

- Tem razão, mas isso não exclui o fato de que o Jiang ainda parece um concorrente difícil – Provavelmente Mo Xuanyu falou.

- Nenhum deles deveria vencer essa merda – Ouvi a voz alta de Wen Chao – Todos sabemos que os Jin não se dão bem com a coroa, e Jiang Cheng é um mal amado qu-

- Alguém já jogou o milho do dia para vocês? – A voz irritada de Nie Huaisang se fez presente – Selecionados não deveriam ficar falando assim um do outro, tomem vergonha – Bradou tentando alterar o tom suave da voz.

- Ah claro, com quem você pensa que está falando, bichinha de casta inferior? – Wen Chao zombou.

- Chega – Falei levantando do pufe onde tentava manter a paciência – A-Sang, ignore esses degenerados – Segurei pela barra de sua manga e o trouxe até onde eu estava. Meu amigo tinha uma mania de proteção tremenda, mas dava tanto medo quanto um pinscher.

- Não aguento mais essa gente desagradável, a comida aqui é boa, mas não o suficiente para me fazer aguentar mais alguns meses – Reclamou se jogando.

- É pela sua família, lembre-se disso – O repreendi.

- Como se eu fosse ganhar – Revirou os olhos – A-Cheng, me promete uma coisa? – Me olhou com brilho no olhar.

- Urg, vou pensar – Sempre me pedia coisas bizarras e impossíveis.

- Quando virar o rei consorte, você pode ajudar o seu irmão com a situação das castas? – Arregalei os olhos, engasgando com a saliva.

- O que te garante que vou ganhar? – Questionei nervoso.

- Não tente me enganar, sou um homem sábio e observador – Pegou o leque que sempre usava e o abriu, cobrindo metade do rosto – É óbvio que o príncipe vai escolher você, não percebe como ele te olha?

- Como um idiota – Revirei os olhos.

- Exatamente! Esse príncipe é completamente idiota por você.

- A-Sang, eu só tenho um coração, e quero poupá-lo para a pessoa certa – Bufei apoiando meu rosto na mão – Não o entregaria para alguém que sai beijando outra pessoa por aí.

- Mesmo se esse alguém estivesse vindo até aqui agora mesmo? E parecendo que rejeitou o outro? – Falou em um tom mais animado, sem entender, levantei meu olhar para reparar na entrada do salão dos selecionados. Lan Xichen passava pelas meninas, pelos garotos, passou por Guangyao que chorava copiosamente em um canto e se aproximava cada vez mais de nós – Acho que vou levar um copo de água para acalmar Guangyao – Huaisang falou se afastando – Ou só jogar naquela cara nojenta dele mesmo – Deu de ombros e saiu rapidamente enquanto se abanava com o leque.

Talvez alguns segundos até o homem chegar até onde eu estava, mas esses segundos pareciam horas, anos, séculos. Estava tão bonito e radiante – Como sempre, né, Jiang Cheng – Andava como se as pessoas ao redor fossem míseras formigas, ignorando qualquer chamado ou tentativa de cortejo.

- Querido – Falou, quando percebi, já estava na minha frente.

- Eu não sou seu querido – Falei com a voz um tanto rouca, mas tentando soar confiante – O que faz aqui? Não estava em um encontro? – Arqueei a sobrancelha direita, cruzando os braços. Lan Xichen deu um sorriso culpado e levou uma mão até a outra, as massageando como se estivesse nervoso.

- Descobri que sou um completo fracasso em ficar longe de você – Olhou nos meus olhos – Que tal passear no jardim?

- O sol está muito forte.

- Podemos ir na estufa então – Tentou.

- Abafado.

- Meu escritório?

- Muito fechado.

- Que tal o meu quarto? – Deu um sorriso tímido.

- Não era A-Yao a quem deveria oferecer esse convite? – Sinto que minhas linhas de expressão estão gritando, não aguento mais arquear as sobrancelhas. Zewu-Jun ficou alguns segundos em silêncio, soltando o ar logo em seguida com um riso.

- Você realmente acredita nesses boatos? – Questionou se aproximando, enquanto eu dava um passo para trás.

- Por que não acreditaria? Me pareceu convincente e condizente com a realidade – Cruzei os braços – Vocês estão bem próximos.

- Só porque temos encontros com frequência não quer dizer que eu o ame – Falou calmo.

- Nós também tínhamos encontros frequentes – O fitei – E você disse várias coisas idiotas – Revirei os olhos.

- Não eram coisas idiotas, são meus sentimentos verdadeiros – Falou soando ofendido – Você não deveria dar tanta atenção ao que falam por aí.

- E por que cargas d’água vocês estão saindo juntos o tempo todo? E por que ele voltou chorando? – Questionei irritado, Xichen segurou o meu braço e pediu para que saíssemos do salão, não era um lugar muito privado, e ele sabia bem o quanto eu não gostava de atenção.

- Meu tio... – Começou a falar depois que subimos para o terceiro andar do castelo – Eu já havia escolhido a pessoa com quem queria casar, mas ele pediu para que eu desse uma chance ao jovem Jin – Falou com um sorriso – Ele é realmente muito educado e elegante, nunca reclama ou fala alto. Não costuma expressar suas emoções fortes, é bem pacífico e inteligente – Começou a falar as qualidades do rapaz.

- Por que está me contando isso? Está esperando a minha bênção ou algo assim? – Estava me sentindo cada vez mais irritado, Lan Xichen não era burro, já deve ter percebido o quanto gosto dele e ainda fica falando várias merdas desnecessárias. Não poderia partir meu coração mil vezes se desejasse, afinal, nunca permiti que fosse dele para fazer o que quisesse.

- O que? Não, claro que não – Começou a negar de forma exagerada – A-Cheng, as vezes você é tão cabeça dura que me surpreende – Suspirou dando uma risada.

- E daí irmão? – Foda-se se estava falando com o futuro rei de Gusu, eram os meus sentimentos em jogo – Só porque viramos amigos, não significa que eu quero ouvir essas porras saindo da sua boca.

- Você... – Arqueou levemente uma sobrancelha – Está com ciúmes, querido? – Deu um sorrisinho de lado.

- Ah vai a merda Zewu-Jun – Falei estressado – Se for ficar falando idiotice, vou descer e continuar conversando com A-Sang, licença – Me virei para sair, mas senti sua mão segurando levemente o meu pulso.

- Eu não ligo para a educação ou elegância, gosto quando você reclama e fala alto, sempre expressa suas emoções da forma mais espontânea e defende o que acha certo. Você é estupidamente lerdo, mas é tão inteligente que é considerado um dos jovens mais capazes no ramo político – Falava rápido e de forma nervosa, descendo de meu pulso até minhas mãos e as segurando fortemente – Por que eu iria outra pessoa, se não você? – Falou enquanto olhava nos meus olhos.

- ... – Não consegui falar nada, apenas continuei encarando as orbes em tom mel.

- Saí esta tarde com Jin Guangyao para explicar que não poderia o escolher, pois amo outra pessoa – Falava enquanto subia uma das mãos até minha bochecha esquerda, depositando um carinho agradável – E ela está bem na minha frente – Sorriu aproximando o seu rosto cada vez mais, até ficar impossível não sentir as respirações um do outro – Nós dois nunca fomos apenas amigos. Desde o primeiro momento em que o vi, o amei – Sussurrou enquanto levava a outra mão até minha cintura, dando um leve aperto no local.

Eu provavelmente não estava em meu perfeito estado mental, nem lutei contra aquela aproximação repentina do príncipe, apenas fechei os olhos e deixei que fizesse o que bem entendesse. Senti os lábios macios de Xichen encostando nos meus, de forma suave e carinhosa, apenas um selinho. Zewu-Jun puxou minha cintura, acabando com qualquer distância existente entre nossos corpos e buscando iniciar um beijo mais profundo, o que eu não recusei. Levei meu braço até seu pescoço, fazendo o contorno no local enquanto sentia o beijo ficar cada vez mais quente. Não me arrisquei em abrir novamente os olhos, talvez acabasse com a mágica desse primeiro beijo, sim, primeiro, mas não contaria isso para Lan Xichen, ou iria se gabar eternamente.

Com o tempo, a necessidade de oxigênio se fez presente, então paramos o beijo a contragosto, fazendo um som lascivo. Fiquei alguns segundos com os olhos cerrados, apenas removi meus braços do homem a minha frente e fiquei parado, até decidir abrir aos poucos.

Lan Xichen estava com um sorriso enorme e um rosto levemente corado, parecia uma criança que acabou de ganhar o seu sabor favorito de sorvete e mais algumas guloseimas adicionais.

- P-por Deus, pare de sorrir assim – Desviei o olhar e cobri parcialmente o rosto com uma das mãos, senti tudo esquentar.

- Por que faria isso? Estou completamente feliz e satisfeito com o nosso desfecho – Sorriu mais ainda se aproximando abruptamente e me puxando para um abraço apertado, até demais. Ficamos assim por um tempo, o príncipe ria e eu, bom, ele tinha uma risada contagiante, então o acompanhei por algum tempo.

 

 

 

- U-uh, caham – Ouvi e levei um susto, me afastando rapidamente apenas para encontrar o rosto um tanto acanhado do regente Lan Qiren – Creio que já tenho a resposta do meu pedido, não é, príncipe? – Questionou alternando o olhar entre Lan Xichen e eu.

- Você sempre soube que essa era a minha primeira e única opção, sempre foi – O olhei e percebi seu sorriso voltando ao normal, ficando mais leve.

- Bom, então não há mais necessidade de uma seleção – Falou em aceitação – Já possuímos um vestígio de Jiang na família real, mais um não faria mal algum – Sorriu na direção do sobrinho – Seu irmão já fez o favor de trazer o mais agitado, então sua escolha me é mais agradável – Olhou para mim – Espero que se esforce, mesmo que um pouquinho, para seguir as regras – Falou a última frase um pouco mais alto, olhando para uma direção específica. Viramos para onde olhava e entendemos ao que se referia. Atrás de um dos pilares distantes, Wei Wuxian e Lan Wangji nos observavam, meu irmão logo deu um sorriso nervoso e saiu do local, puxando o marido até onde estávamos.

- Culpados – Levantou as mãos em rendição, enquanto o Lan continuava sem expressão, apenas seguindo o outro – Velho Qiren, os Jiang vão dominar essa geração e a próxima, espere e verá – Deu um sorriso ladino – Logo terão mini Jiangs correndo pelo castelo – Deu de ombros olhando a cara pouco irritada do homem – Não se preocupe, será um bom vovô.

- Ora seu...

- A-Xian tem razão, tio – Me assustei com Lan Xichen se metendo na conversa – Os Jiang trazem mais alegria pra esse lugar, e Jiangs em miniatura vão trazer três vezes mais alegrias – Sorriu em minha direção, eu e Wei Wuxian que nos cuidemos.

- Tô afim de avisar a cambada que essa merda acabou – Meu irmão falou animado, percebi o olhar assustado e irritado do velho em sua direção – Vamos Lan Zhan, vamos espalhar o caos no meio dos selecionados de novo – Sorriu para o marido e não o esperou, apenas correu para descer as escadas, seguido por Lan Qiren.

- A-ahm, bom – Me curvei levemente na direção de Lan Wangji – Alteza.

- Não é necessário – Tocou em meu ombro – Vamos ser família, e já nos conhecíamos – Deu um sorriso fraco.

- Tudo bem, desculpe – Falei nervoso. Meu cunhado se despediu e saiu na mesma direção de meu irmão, provavelmente tentando evitar um desastre.

Querendo ou não, me sentia triste pelos outros selecionados. Não lembro de Lan Xichen ter saído com muitas meninas e, os garotos, quase nenhum.

- No que pensa? – A voz grossa, mas suave, de Xichen se fez presente. Tirei meu olhar da escada e levei até o homem ao meu lado, virando em sua direção e cruzando os braços

- Tenho algumas condições – Falei o encarando com superioridade.

- O que quiser, querido – Deu um sorriso de lado, céus, nunca enjoaria desse sorriso.

- Começamos por aí, pare agora mesmo com essa merda de “querido”, já falei que não sou seu querido – O olhei irritado – E você chamava os outros assim também.

- Oh – Falou surpreso – Certo, exclusividade então, não é? Que tal... amor? – Questionou se aproximando.

- Não pode só continuar me chamando de A-Cheng? – Bufei virando o rosto, tentando esconder a vergonha – Mas tanto faz – Revirei os olhos, voltando a encará-lo e vendo seu sorriso alegre – Segundo, vou participar com meu irmão no projeto para dissolver as castas – Falei com confiança, observando seu sorriso e aceno compreensivo.

- Sempre achei uma ótima ideia – Pronunciou.

- Claro que é, foi planejada por nós antes mesmo de eu entrar nessa seleção – Sorri vitorioso – Por último – Olhei bem no fundo de seus olhos – Nunca me magoe. Eu sou completamente bobo por você, mas não vacile, Lan – Ameacei.

- Bom saber dessa informação – Aproximou seu rosto repentinamente – Saiba que também sou completamente bobo por você – Levou o dedo gelado até meu nariz, dando uma apertada – E, nós dois sabemos que se eu pensasse em magoar você, ou fizesse qualquer coisa desagradável, A-Xian faria meu irmão destruir esse reino – Sorriu afagando meu rosto – Mas eu nunca faria isso.

- Sei disso, é apenas precaução – Respondi dando uma risada. Nos encaramos por alguns segundos, levei minha destra até a sua, que repousava em minha bochecha, e a acariciei – Você é incrível, bobo, mas incrível – Sorri passando minha mão livre em seus lábios macios, os contornando com o dedo.

- Sei disso – Deu uma risada e se aproximou de meu rosto, iniciando outro beijo lento e carinhoso, mas não durou muito pois Xichen se apressou para falar algo – Só para você saber, A-Xian me disse que nunca beijou – Sorriu vitorioso – Muito interessante isso, não? – Revirei os olhos e o puxei novamente para um beijo – Eu amo você – Falou entre nossos sorrisos e selares quentinhos.

- Eu também amo você – Respondi olhando em seus olhos, sentindo seus braços circularem a minha cintura com ainda mais força e trilhar seu caminho até a minha boca novamente, reiniciando nossa sessão quente de carinho.

 

Porque então eu era dele. Eu sabia,

Nunca estive tão certo.


Notas Finais


Eh isto, espero que tenham gostado *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...