História I'm stronger (Jikook) - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Colegial, Jikook, Jinmin, Namin, Namjin, Sope, Taegi, Taeyoonseok, Vhope, Vmim
Visualizações 55
Palavras 1.762
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Enjoy....

Capítulo 11 - Capítulo XI


Apesar de toda a confusão, os socos, e o choro, Jimin se sentia incrivelmente bem. E é aí que entra a frase, que nem todo mundo quer o seu bem, ou até mesmo nem todo mundo é seu amigo.

E mesmo após dessa confusão, ele queria ficar sozinho, mais não porque estava triste, longe disso, Jimin estava até bem feliz. Mas precisava pensar sobre sua atual situação mental, que essa sim era confusa.

Tantas coisas, seu pai, sua mãe, Taemim, Jinyoung, sua nova dieta e a ansiedade de sim ter um amigo pela primeira vez. Mas principalmente o que estava sentindo em relação a jungkook.

Confusão

Confusão

E mais confusão

Por isso que mesmo depois da ajuda de Taehyung ele se sentia na vontade de ficar sozinho.

E foi isso que ele fez, logo após a escola, assim que acabou a aula, Jimin não foi pra casa. Pediu para o amigo se não fosse muito incomodo tomar conta de seu irmão.

Ele tinha ido para o seu lugar de refúgio. Um lugar onde ele não ia faz muito tempo.

A casa da sua avó lhe trazia boas lembranças, isso o relembrava a época em que sua família era unida.

A melhor lembrança que tem ali, é de quando ele era criança, e seus irmãos também.

Os três brincaram o dia todo de brincadeiras que não poderiam fazer na cidade, e no final do dia o jantar em família foi melhor do que o energético mais forte do mundo.

Nada melhor do que os dias qm que a gente não brigava...Pensou Jimin.

Jimin sentia falta daquilo, dessa união de família. Hoje é tudo mais complicado.

Jimin pegou a bicicleta, e foi para a casa de sua avó, a sensação de liberdade que o ciclismo lhe trazia, nem ele sabia explicar, só sabia que fazia bem a sua alma.

Chegando lá a casa estava do mesmo jeito que ele se lembrava, só que dessa vez, a áurea da casa era mais triste, pois não havia mais ninguém morando naquela casa.

Os avós de Jimin faleceram, e ninguém mais da família queria voltar naquela casa.

No dia da morte, Jimin percebeu que deveria ter aproveitado mais seus avós.

Mas ele não se arrepende dos momentos em que passaram juntos, das noites de filmes, das noites de pijamas, dos dinheiros dados escondidos, dos doces comidos escondidos, das pegadinhas com sua avó, das receitas com seu avô...

O sentimento foi se tornando uma bola de neve, saudades, problemas em casa, preocupação com a escola, aceitação própria, no final do morro já havia se tornado uma avalanche.

Ao subir na antiga casinha da arvore um cheiro nostálgico o invadiu, apesar de fazer anos que ele não ia ali, e apesar do mofo também, o lugar lhe causava euforia.

De que tudo isso que viveu com a família na infância, ele vá viver de novo no futuro.

- Ah me desculpem. - Pede Jimin, deitado no chão da casinha. - Mas agora eu me sinto bem, acho que é esse o problema das amizades tóxicas.

- Elas te destroem por um completo...e fica difícil pensar sozinho novamente, eu não imaginava que era tão dependente do Taemin até ele começar a se afastar de mim, e ainda levou o Jungkook.

- Eles eram as únicas pessoas que eu tinha. - Disse suspirando. - Tinha minha família sempre, mais não é a mesma coisa, a gente se afastou.

- Agora eu tô um pouco magoado, e com medo do Taehyung fazer a mesma coisa, mais apesar de tudo eu estou feliz, e me sentindo livre.

.....

Jimin estava no portão da casa, quando Taehyung abriu a porta da casa dele com os olhos arregalados.

- O que foi? – Perguntou Jimin largando a bicicleta no chão.

- Seu pai apareceu por aqui...e eu sei que ele mora aqui! – Disse ele, um pouco alterado. – Mas ele me disse coisas ofensivas, mas eu não ligo pra isso...com homofóbico já estou acostumado...

Essa frase intrigou Jimin, como assim acostumado, ninguém deveria estar acostumado a uma coisa dessa.

- Mas você deveria conversar com seu irmão, ele pareceu meio mal com a situação. – Disse saindo já da casa agora com sua mochila.

- Como meu pai descobriu sobre você?

- Ele preguntou. – Respondeu Taehyung dando de ombros. – Ele disse que queria saber com que tipo de companhia o filho dele estava andando.

Jimin respirou fundo, mesmo sendo filho sabia que seu pai havia ultrapassado todos os limites do bom senso.

- Eu vou resolver isso não se preocupe...e desculpe por isso! – Disse um pouco envergonhado pela atitude do pai.

- Sem problemas.

- Olha que depois eu quero saber. – Disse, e viu o rosto do outro adquirir um semblante confuso. – Tae, não é normal alguém está acostumado a ouvir coisas homofóbicas.

Taehyung que sempre olhava nos olhos de uma pessoa em uma conversa, dessa vez desviou o olhar, o que deixou Jimin mais confuso ainda.

- Você vai me contar! – Disse o mais baixo, já pensando em mudar de assusto para não deixar o outro mais desconfortável do que estava. – Não quer dormir aqui? Tá muito tarde para você voltar sozinho.

- Não se preocupe. São apenas sete e meia da noite. – Disse Taehyung já no portão da casa. – Boa sorte! – Gritou ele, e saiu correndo.

A casa dele não era tão longe, o que deixou Jimin mais tranquilo.

- Vou precisar. – Disse ele baixinho, já entrando na casa.

Ao entrar na casa, Jimin notou seu pai sentado na sala, assistindo televisão. Era a única coisa que emitia som naquele ambiente.

- Que bom que chegou! – Disse o mais velho. – Onde estava?

- Precisava de um tempo para mim. – Respondeu simples.

- Um tempo pra você? – Ele riu em escarnio. – Você não tem problemas Jimin, porque precisaria de um tempo?

Esse é o problema da maioria dos adultos achar que ia adolescentes não tem problemase... Pensou o Park mais novo.

- Claro. – Respondeu. – Cadê o Chanyeol?

- No quarto dele! – Respondeu Chanjin. – Ele saiu assim que eu falei umas coisas para aquele seu amiguinho. Porque você só anda com gente estranha?

- O que quer dizer com gente estranha?

- Esse viados...ou melhor homossexual, o novo termo para eles.

Jimin respirou bem fundo, não poderia perder a sua calma, não naquele momento.

- Appa, já se perguntou porque o Jinyoung nunca apresentou quem ele namorava? – O mais velho apenas emitiu um som negativo com a boca. – Ou porque ele saiu de casa com um cara, e ainda não voltou.

- Ele ainda não voltou desde aquele dia? – O mais velho pareceu em choque ao ouvir isso.

- Nem isso o senhor repara nos seus filhos. – Disse Jimin, já começando a perder a paciência. – Ele já está em férias na faculdade dele Appa.

- Porque ele não ficou em casa com a família dele?

- Talvez, seja porque o senhor não o aceita.

- Porque não aceitaria meu próprio filho? – Questionou Chanjin confuso.

- Appa relembre a maneira que o Jinyoung olhava pro Jackson quando eram crianças, a maneira que ele olhou pro Mark no jantar, ou a maneira que os três se olhavam quando faziam os trabalhos no jardim. – Jimin já havia perdido a paciência, ninguém era tão burro.

- Ou a maneira que seu filho mais novo olha pro seu melhor amigo, ou como até eu mesmo olhei para o jungkook a vez que ele veio aqui fazer o trabalho, e o senhor estava na nossa frente.

Depois de um tempo o homem arregalou os olhos, e mudou sua expressão confusa para uma com raiva.

- Não pode ser... Vocês não podem fazer isso comigo! – Disse ele desligando a televisão.

- A gente não está fazendo nada! – Respondeu ele. – Estamos apenas sendo a gente.

- Não! – Disse ele ainda tentando assimilar tudo. – Vocês têm...

Jimin não o esperou terminar de falar, pois havia subido as escadas e estava na porta do quarto do irmão, onde deu duas batidas.

- Vai embora Appa! – Exclamou o garoto com a voz um pouco embargada.

- Sou eu! - Disse Jimin simplesmente.

Logo em seguida o irmão abriu a porta, com os olhos inchados, e o rosto um pouco vermelho.

- Que horas você chegou? – Perguntou o mais novo.

Jimin ignorou por um instante essa pergunta do irmão, e foi abraça-lo. Uma das coisas que Jimin gostava muito, era essa amizade que tinha com seu irmão mais novo.

Os dois entraram no quarto, e ficaram abraçados por um tempo, até que o mais novo, que se encontrava em deitado em cima de Jimin, enquanto o mesmo mexia em seus cabelos, se pronunciar.

- Eu não sei porque fiquei tão mal. – Disse ele com a voz ainda meio baixa, devido ao choro.

- Eu acho que você sabe sim. – Respondeu Jimin. – Você sabe que pode me contar qualquer coisa não sabe?

Disse o Park mais velho, tentando trazer o máximo de conforto possível ao irmão mais novo, que apenas concordou com a cabeça.

- O Baek me faz sentir coisas estranhas. – Disse ele. – Aí, eu e o Tae Hyung estávamos jogando, e eu perguntei como é gostar de alguém.

- Ele descreveu perfeitamente o que eu sinto pelo Baek. – O garoto parecia confuso ao contar para o irmão. – Mas eu fiquei com medo logo depois disso.

- É normal ter medo. - Disse o mais velho. - Mas porque o medo?

- Sim eu sei. - Respondeu. - E se ele não gostar de mim?

Ficaram por mais um tempo em silencio, antes de alguém falar alguma coisa.

- Primeiramente, impossível alguém não gostar de você. – Disse Jimin fazendo o rosto do irmão ficar quente de vergonha. – Segundo, se ele não gostar de você...a gente vai te ajudar, e vocês dois vão continuar sendo melhores amigos. Porque apesar de tudo, é isso que vocês são.

Chanyeol soltou uma pequena risada, fazendo ele se sentir melhor do que antes.

- E outro detalhe. – Disse Jimin. – Não liga muito pro que o Appa diz a respeito de coisas assim.

- Aquelas palavras dele realmente me deixaram triste.

- Apesar de todo esse tamanho aí. – Disse Jimin fazendo o irmão revirar os olhos. – Você é um bebê que precisa de carinho.

- Aish Hyung! – Disse ele rindo. – Eu já tenho quatorze anos!

- Com certeza um grande adulto você é.

- Mais alto d que você eu já sou. - Disse rindo enquanto viu o irmão revirar os olhos.

Os dois garotos ficaram assim brincando por um tempo, uma coisa que Jimin tinha certeza, e não queria que mudasse com o tempo, era a sua relação com o seu irmão.


Notas Finais


Ahhh aproveitem...e me digam se estão gostando.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...