1. Spirit Fanfics >
  2. Imagine >
  3. Ela é complicada

História Imagine - Capítulo 9


Escrita por:


Capítulo 9 - Ela é complicada


Capítulo 9 - ela é complicada 

 

 

FLASHBACK ON:

 

 


Boston MA

 

 


Por Sasuke Uchiha 

 

 


Quando cheguei em casa Konan não estava esperei ela chegar do trabalho para conversarmos. Tinha planejando tudo na cabeça como me defenderia e o que falaria, sei os seus “argumentos” e o que responder.

Fiquei meia hora sentando no sofá esperando ela chegar. 

– Que porra você tá fazendo aqui — Joga as chaves na mesa junto com a bolsa — Vai embora daqui.
– Para com isso Konan é só um vídeo, você que está sonhando com as coisas — Falo calmo sem me alterar deixando ela mais brava.
– Eu não quero saber, eu vi o que vi e nada vai mudar — Puxa o ar e vai soltando — Porque ela?
– Tá maluca? Não tem nada a ver eu com ela, Sakura e eu é um relacionamento profissional. 
– Sakura? Já está chamando no primeiro nome? Quer saber vai lá com ela — Joga as mãos pra cima — Foda-se não quero saber. 
 
Respirei fundo e baguncei meus cabelos.

– O que que tenho que fazer pra você me perdoar? 

O melhor a se fazer é assumir a culpa. 

– Podemos mudar pra NY e fazer a inseminação — Fala baixo — A única coisa que vai salvar esse noivado é o filho que a gente tanto quer, não é? 
– É amor... — Suspiro — Tenho uma noite de folga por semana, eu faço o espermograma no pote e você vai na clínica e faz a inseminação.
– Tudo bem — Respira mais calma e vem até mim — Vamos superar isso, certo? 

Sorri fraco e a abracei. 

– Vamos. 

Não tenho dúvidas que as coisas só vão melhorar se estivermos juntos e com o bebê que a gente tanto sonha.

– Tenho que voltar, deixei Hinata no meu lugar e não é obrigação dela.  
– Tá — Revira os olhos — Vou pra NY amanhã, vou começar empacotar as coisas e ligar pro dono do apartamento.
– Tudo bem — Beijo sua testa — Eu te amo muito.
– Eu também. 

A abracei mais uma vez e me despedi dela. 

Sai do prédio e fiquei andando pela calçada procurando um táxi. Até que um carro preto parou na minha frente, que saco. 

Abro a porta e entro.

– O que quer pai... — Franzi a testa sem entender — Mãe? 
– Oi querido — Sorri — Precisamos conversar.
– Eu voltar pra NY agora. 
– Eu imagino o motivo da sua vinda até aqui, foi por causado do vídeo que Sakura Haruno postou, ai a louca da sua noiva surtou por que apareceu em um vídeo — Fala calma. 

Fico em silêncio e acabo confirmando tudo que disse. 

– E ela só te perdoou por que disse que um filho é a única coisa que pode salvar esse noivado — Diz ironicamente — E você caiu na historinha esfarrapada dela não é? 
– A senhora não entende mãe.
– O medo dela Sasuke é que você a deixe pela Haruno, ela pode te dar o que a Konan não.
– Mãe não confunda as coisas, meu relacionamento com a Haruno é profissional e nada muda — Fico irritado com as conclusões que tira. 

O carro para, olho pelo vidro e era o aeroporto.

– A Haruno pode te dar a liberdade do seu pai, ela é a única que vai bater de frente com ele. Não vou perder outro filho que não seguiu o sonho que quis por causa do Fugaku — Pausa e sorri fraco — Boa viajam amor. 
– Tchau mãe. 

Bati a porta do carro e entrei no galpão. O avião do governo me esperava. 

Não sei por que raios minha mãe tirou o deu pra falar esses absurdos. Meu pai adora a Konan por ela ser educada e concordar com tudo que diz, agora dona Mikoto não suporta ouvir a voz dela. 

Eu e Sakura não temos nada a ver, ela é o oposto de mim nunca daríamos certo.

 


[...] 

 

 

Washington D.C

 

 

 

Li no voo as notícias do dia do presidente e pelas fotos descobri que a irritante da Haruno estava lá. 

Assim que pousei liguei pra Hinata perguntando como estava indo a convivência com a filha da presidente, ela disse que ia bem e as duas viram boas amigas, estranhei sendo que eu tive dificuldades de socializar com ela sem receber uma resposta irônica. 

Parei em um bar e tomei duas doses de tequila pra esquentar o dia.

– Sasuke? 

Por um segundo me faltou o ar. 

– Itachi. 
– Podemos conversar? — Sentou no banco do lado — Vai ser rápido.

Uma hora ou outra acabaríamos tendo essa conversar.

– Me vê duas doses de whisky — Faz um sinal pro garçom — Como está indo as coisas? A mamãe está bem? 
– Está, vi ela faz duas horas — Falo seco. 
– E o papai? 
– Normal, reclamão como sempre — Dou de ombros e dou um gole no destilado. 

Era estranho conversar com ele depois de tantos anos. 

– Então virou mesmo policial, pelo que eu me lembro gostava de música. 
– Não me conhece mais, gosto do meu trabalho. 

Pra quem eu to mentindo? Eu odeio o que faço. 

– Entendo, tem namorada? 
– Uma noiva, e você.
– Esposa ela está pra ganhar o bebê daqui uns dois meses — Diz orgulhoso — É nosso primeiro filho.
– Eu e Konan minha noiva, estamos tentando engravidar, ela tem ovário policístico e isso dificulta...
– Foda mano — Toca no meu ombro — Vai dar tudo certo. E como está sendo trabalhar pra Sakura?
– Complicado...

Ele solta uma gargalhada alta.

– O que foi? 
– Nada, só é comum que digam isso eu mesmo demorei pra me acostumar com a personalidade difícil dela, e claro a beleza e sucesso dela facilitou muito.
– É complicado ela é difícil de lidar e minha noiva piora a situação.
– Ciúmes não é? — Balanço a cabeça — Izumi também era assim no começo depois teve que aceitar ninguém paga melhor do que ela, 
– Verdade. 

A conversa ia bem, Itachi não queria forçar e eu muito menos. O assunto ia e as doses aumentavam o problema é que misturei com a cervejas por conta de beber whisky demais. 

– Acho melhor não ir assim pra casa Branca vão acabar te prendendo.
– Relaxa eu to bem — Limpo a boca com as costas da mão. 
– Boa sorte com ela — Tira a carteira do bolso pagando.
– Por que? 
– É da natureza humana ser livre, e não importa por quanto tempo você tente ser bom, você não pode reprimir uma garota má. Nada mais define ela melhor do que isso — Levanta do banco — Foi bom te ver irmãozinho, vamos se ver mais vezes — Sorri. 

Dei uma leve contraída no lábio pra ele. Não o perdoei completamente o fato de termos a mesma “chefe” não muda nada, se tiver uma próxima vou abrir o jogo de tudo que aconteceu. 

Entrei andando meio torto, mas como estava tarde ninguém reparou. Fui direto pra casa principal entrei sem esforços já que tinha liberdade pra sair e vir. 

No caminho até a cozinha a procura de mais bebida desabotoei minha camisa tirando de dentro da calça e afrouxei a gravata. Meu corpo estava quente. 

A encontro comendo sorvete se deliciando com o gelado. 

– Essas horas acordada? 

A pego de surpresa.

– Sentiu saudade Uchiha? — Virou a cabeça pra me olhar melhor parado na porta.

Olha minha roupa e conclui:

– Está bebado? — Pergunta incrédula.
– Um pouco. 

Minha voz estava embargada e meu pisar tropeçado. Dei a volta na bancada indo até a geladeira abri e procurei por qualquer bebida. 

– Eu queria te pedir desculpa por ter postado o vídeo, foi impulsivo da minha parte — Diz sincera e nem sou atenção. 

A olho sentada daquele jeito, a boca carnuda levemente aberta convidativa. Fechei a geladeira deixando tudo escuro.

– Não sabe do que sou capaz no escuro — Zomba da situação.
– Nem você. 

Avance nela beijando com vontade. Seguro sua nuca com possessividade trazendo pra perto, puxando o cabelo. Deixou o pote cair no chão com a supresa. Passou as pernas pela minha cintura e arrastou a bunda pra borda. Estava atrapalhando ela ali ,a pego no colo colando suas costas na geladeira derrubando alguns imãs, não nos importamos com o barulho só intensificamos mais ainda. 

Puxava meu cabelo e mordiscava meus lábios. O gosto claro de sorvete de menta deixa o beijo ainda mais sexy. A segurava com força pela bunda e coxa apertando e apalpando, desci com a boca pelo pescoço e parou nos seios.

– Não para — Pede.

Coloco no chão, mas ainda encostada na geladeira. A seguro pela nuca e subo até o coque soltando seu cabelo, encosto nossas testa e olho nos seus olhos. Sorrio vendo sua cara explícita de tesao, a respiração ofegante os lábios inchados. 

Uma parte da cozinha fica iluminada pela luz do corredor, a solto na mesma hora. 

– Vai pro seu quarto. 

Ela obedece e vai pelo outro corredor. 

 

 


FLASHBACK OF:

 

 


– Sasuke? 
– Hina — Respiro aliviado — Que bom que é você.
– Tá bebado? — Vem até mim e olha os imãs e o pote de sorvete no chão — O que houve aqui? 

Não sabia como explicar, minha cabeça estava confusa e cansada.

— Vai pro quarto depois conversamos, vou limpar isso aqui.

Voltei pelo caminho que vim e subi pro segundo andar me arrastando no corrimão. Cai na cama morto de sono e cansaço. 

 


[...]

 


Minha cabeça nunca doeu tanto como dói agora. Meu estômago revirava e uma ânsia  de vomito subiu repentinamente, corro pro banheiro levanto a tampa e vômito. 

Tomei um banho frio pra acordar, fiz a barba e escovei os dentes. Sai do quarto encontrando minha amiga de pé na frente do espelho alisando o cabelo.

– Tem remédio no criado mudo pra dor de cabeça e ressaca. 
– Obrigado. 

Tomei os dois comprimidos e um gole de água.

– Quer me contar sobre ontem e motivo de chegar bebado na casa branca — Senta na cama.

Sem escolhas conto sobre minha conversa com Konan, meu encontro com a mamãe e a parte do bar com Itachi. 

– Ela estava sentado na banca e não sei... algo dentro de mim mudou quando vi aqueles olhos verdes.
– Vocês ficaram — Afirma brava — Porra Sasuke você tem noiva e responsabilidades com a presidente.
– Eu sei disso, não se preocupa vou fingir que não lembro. 
– Não faz isso é ainda pior, seja maduro e diga que aquilo não pode acontecer.
– Eu vou. 

Seria muita filha da putagem minha fingir que não houve nada. Vou conversar com ela e dizer que foi um erro. 

 

 

[...]

 

 

Bati na porta e espero autorização pra entrar. 

– Entre. 

Abro a porta e vejo Sakura e Ino conversando, um casaco de pele estava esticado ao lado delas.

– Desculpa atrapalhar — Pigarreio — Podemos conversar? 
– Claro, pode ir porca. 
– Eu vou. 

Elas trocaram rápidos olhares e a Yamanaka sai. 

– Olha ontem foi um erro, não podia ter acontecido tenho uma missão a ser terminada — Digo firme a olhando nos olhos. 
– Tudo bem Uchiha, imaginei que viria até aqui pra me pedir desculpa. 

Levanta da cama e pega o casaco.

– É proibido se envolver com sentimento — Sorri — Lembre-se disso. Agora se arrume temos um voo pra pegar. 
– Sim senhorita. 

Ela foi mais compreensiva do que imaginava. 

 

 


Por Sakura Haruno 

 

 

Sabia que quando nos víssemos ele diria que foi um erro, típico de homens. Não me importei porque só o vejo como um desafio com o prêmio muito importante. 

Ino trouxe o casaco que eu tanto quis, ele era de edição limitada ela ganhou do ex e eu não consegui comprar a tempo. Bom agora é meu. 

Quando chegasse em Nova York iríamos pra Paris pro desfile que fui convidada, depois planejaria com Temari o meu aniversario tinha que ser tudo perfeito e obviamente o mais falado. 


Notas Finais


Até quinta

Comentem e favoritem ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...