História Imagine Bts (J-hope) - Amor pela dança! - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jung Hoseok (J-Hope)
Tags Bts, Exo, Hyuna, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Kihyun, Kim Taehyung, Lalisa, Monsta X, Romance, Sehun, Shownu, Wonho
Visualizações 82
Palavras 1.318
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Aqui esta meus amores. Desculpe não ter postado antes, muita coisa acontecendo e isso esta me deixando com problemas para poder escrever.
Espero que possam entender.
Espero que gostem, e desculpe qualquer erro escrevi meio que na pressa.
bjs da bunny!!!

Capítulo 32 - Cap 32 - Quero voltar!


O dia que eu iria viajar com a Mei chegou. Eu pensei que ia ficar na casa dela, mas a casa a qual ela se referiu, e em outra cidade. Vamos de trem, só eu e ela, os pais dela vão na frente acho que e para receber o resto da família. Jin me implorou pra ficar, mas eu já tinha dito pra Mei que ia, no final ele aceitou, mas disse que não era pra eu fazer nenhuma besteira.

Estava arrumando minha mala, Yoongi estava no quarto comigo. Adivinha. Estava tentando me convencer de ficar.

- Você sabe que pode se arrepender né? – disse me olhando de maneira autoritária.

 - Eu não vou me arrepender Yoongi oppa. – disse sorrindo.

- Por que as mulheres são tão difíceis de convencer? – disse negando com a cabeça, ele não estava muito contente com a ideia de eu ir viajar.

- Vai saber. Mas agora se já terminou, me ajuda a fechar a mala? – pedi com um olhar de cachorrinho.

- Ta bem. – deu um sorriso que e difícil de aparecer.

...

- Pra que tanta coisa Mirana? – Jungkook perguntou enquanto pegava a segunda mala.

- Eu não vou ficar alguns dias. – disse incrédula.

- Vai ficar quanto tempo? – Jimin estava bem triste e ele não era o único.

- Não sei. – disse e eles se olharam – Mas volto assim que puder.

Me despedi deles, mas Hoseok não estava lá. Yoongi disse que ele estava chateado comigo, mas que não era pra eu me preocupar ele e os outros iam ter uma conversinha com ele em relação á briga que tivemos.

Espero que essa viajem seja melhor do que eu to pensando. Namjoon me levou ate a estação de trem, Mei já estava lá me esperando, ela estava impaciente.

- Demorou bastante hein. – ela estava irritada, e normal dela Mei detesta esperar.

- Desculpe, demorei a arrumar as malas. – disse e ela me olhou seria.

- Tenham uma boa viajem meninas. – Namjoon disse se afastando aos poucos.

- Vamos nos divertir muito. – Mei disse agarrando meu braço e dando pulinhos de alegria – Vou fazer você esquecer essa semana horrível.

- Espero, se não e só me dar uma garrafa de tequila que eu mesma esqueço oque fiz. – disse e Mei começou a rir.

Entramos no trem e cara, precisam fazer isso no brasil. O trem era bem mais confortável que um ônibus de viajem, tinha assentos para todos. A viajem iria demorar umas duas horas e meia, aproveitei para dormir um pouco, passei a maior parte da noite acordada.

...

Acordei ouvindo pessoas andando, quando olhei em volta percebi que tínhamos parado na estação final. Acordei Mei e ela demorou um pouco a voltar pra terra.

- Me diz que estamos na estação certa Mei. – pedi e ela olhou em volta, parecia perdida.

- Vem. – disse apenas isso.

- Mei, oque aconteceu? – perguntei com medo da resposta.

- Calma, não estamos perdidas. – disse Mei rindo da minha cara de desespero – Só estou procurando minha família.

Respirei aliviada, era só oque faltava ficar perdida. Saímos do trem e Mei foi em direção aos pais dela, essa era a segunda vez que via a mãe de Mei. Elas são bem parecidas, não tinha reparado nisso antes, ou apenas não me lembrava.

Fomos de carro até a casa deles, era enorme parecia mais um palácio oque uma casa. Assim que entramos varias pessoas vieram ajudar com as malas. Agora se acha que a vida vai me dar uma folga dessa vez. Esta enganado, adivinha quem também esta aqui.

- Mei oque ele esta fazendo aqui? – puxei ela para um canto qualquer e quase fiz ela atravessar a parede por causa da brutalidade com que ela bateu na parede.

- Ta maluca Mirana? – ela me olhou assustada – Ele também e meu amigo, não ia deixar de convidar ele. Fala serio. – ela estava indignada, e eu surpresa.

- Você quer me matar fala logo? Porque não disse que o Sehun também ia estar aqui? – coloquei as mãos nos cabelos quase os puxando.

- Calma, ele não vai fazer nada. – ela disse tranquila – Ele só veio porque não queria ficar em casa sozinho, só isso. – deu um tapinha no meu ombro.

Eu vou cortar a cabeça dela.

Decidi não me importar com isso. Eu vim para esquecer alguns problemas, e não arranjar mais. Mei me mostrou meu quarto, teria que dividir com uma prima dela, mas não vejo problema nisso. Pelo menos não vou dividir a cama com ela.

O primeiro dia foi... bom. Não me estressei e nem fique perdida nos meus pensamentos. Tentei evitar Sehun, mas as vezes pegava ele me encarando.

...

O dia de natal chegou, liguei para meus pais e meus irmãos eles estavam na casa da minha avó fique conversando com eles durante horas. Marcos estava comemorando com os amigos como havia dito, ele não sabe como os meninos estão.

- Ta pensando no que? – Mei surgiu do meu lado com uma cara de curiosa.

- Em como os meninos estão... – disse sem muita animação.

- Quer voltar pra casa? – olhei para Mei surpresa, não esperava isso dela – Percebi que não ta se divertindo muito como nos primeiros dias. – ela deu uma piscadinha para mim.

- Não vai ficar chateada? – perguntei com receio da resposta.

- Você veio comigo e aturou minha família durante uma semana. – disse me olhando – Não posso ficar chateada com você, consegui te tirar de casa. – ela colocou a mão no ombro com um sorriso.

- Mei... se me cobrar depois.

- Não vou prometo. Agora vai arrumar suas coisas, vou pedir que te levem na estação de trem. – ela me empurrou ate as escadas.

Estava arrumando minhas coisas quando percebi alguém parado na porta.

- Sehun? – alguém me socorre aqui.

- Vai embora? – perguntou um pouco desanimado.

- Sim. – disse com um pouco de receio na voz – Digamos que... to com saudade de casa. – acabei rindo por causa disso, não pensei que iria sentir saudades deles.

- Sei. – Sehun não pareceu acreditar nisso – Quer que eu te leve ate a estação de trem? – seu olhar parecia implorar isso.

- Não precisa. – porque ele não vai embora.

- Mirana. – Mei entrou no quarto atropelando Sehun – Sinto dizer, mas não tem quem leve você na estação. – ela parecia não acreditar no que disse.

- Porque!? – levantei os braços sem entender o por que.

- A maioria já bebeu algo, ou não ta com o carro aqui. – ela me olhou triste – Sinto muito.

- Pode deixar, eu levo ela. – Sehun estava com um sorriso de orelha a orelha.

Olhei para ele derrotada e bufei irritada, não queria ter que ir com ele. Mas não posso ir andando.

No caminho Sehun não disse nada, que bom. Mas, ele me encarava o tempo todo, só fiquei encarando a neve na rua e algumas pessoas em restaurantes. Finalmente chegamos na estação de trem, o trem não demorou muito a chegar. Antes de entrar Sehun pegou no meu pulso e me fez olhar ele.

- Tem certeza que quer ir embora? – me olhou aflito.

- Sim. – respondi o olhando nos olhos, Sehun resmungou alguma coisa, mas não consegui entender. Ele se aproximou mais e deixou um beijo no canto da minha boca. Eu demorei a voltar a realidade, entrei no trem sem olhar para trás.

Porque isso tudo tá acontecendo ultimamente?

...

Cheguei na minha estação... fique encarando a escadaria como se não soubesse oque fazer agora. Vou ou não? Volto ou não? Oque eu faço?

- Quer saber? Que se dane! – disse bem alto e as pessoas que estavam a minha volta me olharam torto. Abaixei a cabeça querendo me esganar por isso.

Peguei um táxi e fui para casa. Finalmente na porta do meu destino, e tive que tocar a campainha. Esqueci minha chave. Estava encarando a rua quando ouvi a porta abrir.

- Mirana!?

- Mas.. oque!? – ta brincando né.


Notas Finais


TATATÃÃÃÃ~ Quem sera?
Não me detestem please!!
Vejo vocês no próximo cap, que eu não sei quando vou postar.
bjs da bunny!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...