História Imagine Bts: SN e os 7 anões - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Anões, Bts, Conto, Daegu, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Kpop, Madrasta, Namjoon, Pd Min, Princesa, Reino, Suga, Taehyung
Visualizações 80
Palavras 1.615
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Hi! Tudo bom com vocês?
Uma moça hoje me deu uma sugestão me fazendo um pedido de imagine, fiz pra ela e resolvi também colocar aqui pra vocês e espero que voces possam curtir bastante!
♥♬😘

Capítulo 1 - O começo...


Fanfic / Fanfiction Imagine Bts: SN e os 7 anões - Capítulo 1 - O começo...

S/n: Seu Nome.

S/a:Seu Apelido.

Havia uma garota singularmente linda e amorosa, seus cabelos eram negros e sua pele clara, sua mãe falecera quando criança e vivia com seu pai e sua madrasta.

Branca se neve ou melhor ainda: S/n.

Porém quando a mesma completou 18 anos se viu desesperada e desamparada para continuar com sua vida no castelo, seu pai havia morrido inesperadamente e sem deixar rastros do real motivo pelo qual veio a óbito, Branca de neve suspeitava abertamente de sua madrasta que sempre quando elas estavam juntas sua madrasta fazia questão de humilha-la e cobrar além do esforço da pobra moça, que era encantadora e dava inveja a qualquer uma, inclusive a sua madrasta.

Um dia antes do seu pai ter morrido, s/n passava por um dos corredores do castelo quando ouviu uma risada maléfica de dentro do grande quarto do corredor.

-Espelho espelho meu! Existe alguém mais bela do que eu? -A voz soou seguida de uma risada desaforada como se fosse um"muahahaha",s/n tremeu e se assombrou um pouco assustada com a voz da mais velha e se encolheu ainda ouvindo tudo atrás das porta.

-Ó majestosa rainha, sim, há alguém cuja beleza ultrapassa a sua. -O espellho respondeu meio receoso e com um típico pavor. S/n engoliu em seco e escutou o som de um murro sendo dado contra a mesa. Sua madrasta havia ficado uma fera!

-Quem? Quem é mais bela do que eu? -Continuei em silêncio e respirei fundo sentindo uma tensão percorrer por meu corpo, "que não seja eu, que não seja eu, que não seja eu, que não se eu, por favor que não seja eu",-Diga seu espelho mágico inutil! -Pude imaginar ela deferindo aquelas palavras ao espelho que estava prestes a virar cacos pelo chão do quarto dela.

-Branca. Branca de neve,  a s/n, além de toda pureza e bondade que ela leva consigo possui uma exuberância e beleza de outro mundo,  s/n é surreal. -Sorri com o elogio mas logo minha madrasta ficou revoltada e gritou alto, ouvi o som insurdecente de objetos sendo quebrados pelo ambiente e sai correndo para o meu pai.

Mas o copeiro disse que ele estava em uma reunião muito importante do reino e eu decidi não atrapalha-lo porém eu estava disposta a contar a ele sobre a verdadeira versão de aberração e mal caráter que aquela mulher estava sendo. Ela enganou a todos, mas no fundo eu sabia que havia algo de errado por trás daquele sorriso fingido dela.

S/n foi fazer suas higienes, se trocou e vestiu um vestido florido, colocou um laço em seu cabelo quase que como uma bandana de cor vermelha e ficou olhando fixa para o espelho até que algo de inesperado aconteceu quando ela viu seu reflexo novamente.

-S/N!!! -Uma voz saiu do espelho e ela encarou com grande espanto seu espelho que agora falava e ficou se perguntando se ele havia visto ela sem roupas. -S/N!!! -Ele a chamou novamente fazendo a mesma dispersar seus pensamentos sobre a visão que ele poderia ter visto dela e ficou envergonhada, suas bochechas ganharam um tom vermelho tomate e ela não havia dito uma palavra, seu coração disparava em seu peito quase pulando pra fora.

-O-O que... O que você quer? -S/n perguntou se aproximando mais do espelho.

-S/n você precisa sair daqui o mais rápido possível por favor! -Fiquei por um momento sem entender e só me permitir continuar escutando. Pra onde eu iria além do castelo? Aqui sempre foi meu lugar! -S/n sua madrasta vai fazer de tudo pra ver você morta, ela vai a qualquer momento fazer qualquer atrocidade sabe se lá como mas ela é maluca s/n. -Falou demonstrando lamento e tristeza.

-Pra onde eu vou? Que loucura toda é essa? Eu não fiz nada pra essa mulher! O que ela quer de mim? Será que eu não posso viver em paz nao? -Indaguei ao espelho que suspirou rapidamente e me interrompeu.

-Você precisa conversar com seu tio! Agora s/n! -Ele disse sumindo depois que escutou um grito provavelmente da minha madrasta e eu saí dali o mais rápido possível  e antes de falar com meu pai fui ver meu tio.  Ele estava na biblioteca.

-Tio Pd-Min? -Ele era baixinho, tinha uma barriguinha fofa que chegava a ser sexy, ele era o único irmão do meu pai e meu único tio já que as outras tias que eu tinha eram anciãs, governantas ou até mesmo rainhas de outros impérios.

-Estou aqui S/n. -Escutei sua voz perto das estantes laterais da biblioteca e fui ao seu encontro lhe dando um forte abraço de urso. -S/n tem algo de muito sério acontecendo agora... -Levei meus olhos até ele e o mesmo voltou a olhar o livro. -Você tem que sair dentro de algumas horas, você já deve saber que sua madrasta ela...

-É,  eu sei, eu escutei aquela bruxa falando e o espelho também.-Falei passando a mão em meus fios e pressionando os lábios nervosa.

-Pois é, estive procurando um lugar onde você pudesse estar segura e parece que achei o lugar ideal. -Me entregou o livro e apontou pra uma figura naquele livro cheio de gravuras e legendas embaixo das fotos de cada página, passei meu olhar por aquela casinha que parecia pequena ou até mesmo um chalé, tinha chaminé e tudo o mais.

-Eu vou ter que me abrigar aqui? Sozinha? -Perguntei franzindo a testa e meu tio deu uma risada quase inaudível.

-É a solução-fiz biquinho. -Mas você não estará sozinha.-Arqueei uma sombracelha e fiquei com a maior cara de dúvida olhando ele buscando uma explicação breve, ele não percebia que meu medo a cada segundo só aumentava? -Sete garotos estarão com você,  te dando cobertura. -Eu acho que já estava começando a me interessar melhor nessa idéia mas e meu pai?

-Sete garotos?  Hum... Parece que a qualquer momento eu poderia morrer estrupada não é mesmo? -Ele gargalhou. -Prefiro continuar aqui e esperar que aquela doida faça logo o que quer.

-Não S/n! Posso garantir que eles são ótimos meninos! -Meu tio ficou tentando me convencer de ir para aquela mini casa e eu S/n não me importava nem um pouco com a comodidade ou coisa do tipo, eu sabia que não teria mais as mesmas regalias de sempre. Eu estava preparada para ao menos morrer de maneira digna por 7 jovens.

Fiz minha bolsa de modo simples sem levar muita coisa, eu iria morrer e não levaria nada mesmo, estava prestes a ser levada ao matadouro então me resta aproveitar meus ultimos momentos ainda viva e por que não passar esse pinguinho de tempo arrumando uma bolsa não é mesmo?  Se eu S/n estava fazendo o maior drama? Provavelmente sim.

Meu tio dissera que já desconfiava da mulher que meu pai havia tomado para sí e com aquelas magias dela com certeza afeiçoou ele a ela, não adiantava dizer nada a ele, pois o mesmo estava perdido de amor por ela.

Falei com meu pai e tentar convencer ele mas o mesmo não acreditava no que eu lhe dissera.

-Ela não seria capaz de fazer nada contra você filha, você não está nem um pouco bem. -Falou caminhando até seu quarto enquanto tirava seu manto de seus ombros e eu segurava o seu cetro de rei.

-Pai o senhor precisa confiar no que lhe estou dizendo-Ele revirou os olhos -Não só eu mas todos, essa mulher não é quem você ta pensando pai acorda! -Falei estalando os dedos na frente do rosto dele.

-Olha aqui S/n! Escuta só, você deve ta com raiva da sua madrasta só porque ela deve ter te dado algum castigo e vem descontar em mim é isso? -Falou brigando- S/n minha filha o que aquele meu irmão tem te falado heim? Vai acreditar mesmo nele? -Era chocante como meu pai chegava a ser egoísta.

Só abaixei minha cabeça, encarando meus próprios pés e ele me abraçou de ladinho.

-Tudo bem então... Já entendi. -Falei passeando a mão sobre meu braço direito meio emburrada. Nada do que eu falaria mudaria o ponto de vista do tonto e cego do meu pai. Ele beijou a ponta da minha cabeça e em seguida minha testa antes de entrar.

-Eu só quero o seu bem s/n... Você está se tornando uma jovem livre, aproveite sua liberdade minha princesa! -Eu não estava com minha coroa naquele momento mas meu pai sempre me chamava carinhosamente daquela forma, ele trancou a porta do seu quarto e eu senti duas mãos repousarem em meus ombros.

-Se você quiser acreditar nele s/n... Tudo bem... Entenderei... Ele é seu pai e eu só sou seu tio e...

-Eu quero ir embora daqui, só irei saber o que é liberdade quando eu me ver fora desse cativeiro, longe da cegueira e egocentrismo do meu pai e longe das palavras ruins e maldições daquela mulher ordinária. -Falei colocando toda raiva pra fora e mais do que nunca em todos os meus 18 anos eu estava decidida!

Decidida a mudar.

Decidida a ser livre.

Decidida a me permitir mais, serei que nem meu pai: pensarei mais em mim.

Dói dizer que ele não me colocou como prioridade, eu não sei o que se passa na mente daquela cobra daquela mulher, mas eu precisava sair dali urgentemente que já me sentia agoniada.

03:30PM eu partiria.

Meu tio me acompanhou sigilosamente depois de alguns trocados para os soldados,  estava com um cappus e ninguém me reconheceu quando eu desfarcei minha voz. Uma hora daquelas no dia seguinte eu já estaria longe do castelo mas perto da minha liberdade ou mais perto de ser assassinada por 7 rapazes.

É S/n... A escolha que seu pai fez foi amarga...

×××Continua×××


Notas Finais


Desculpa qualquer erro. Logo revisarei: certamente! Rs até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...