História Imagine- Comeback For Me. Oneshot: Taeyang - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Big Bang
Personagens Taeyang
Tags Bigbang, Happybirthdaytaeyang, Romance, Taeyang, Você
Visualizações 45
Palavras 4.132
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeeeeeeeeeong. Como cês tão? Bem? Espero que sim.

Sei, sei que demoro uma vida pra postar ou continuar algo aqui. Sorry kkkk mas, dessa vez tenho uma ótima desculpa. Vejam só, eu viajei. Pois é, eu viajei e não tive tempo pra escrever nada.

Mas, terminei de escrever e tô postando agora, meo essa oneshot deveria ter sido postada no aniversário do Taeyang lkkkkk véi, eu sou muito incompetente mesmo, desculpem-me mais uma vez.

É sério gente, leiam essa OS. Tá top, juro pra vocês.

É isso, leiam e me digam o que acharam.

Boa leitura.


~ Não sejam leitores fantasminhas ~

Capítulo 1 - Capítulo Único;


Fanfic / Fanfiction Imagine- Comeback For Me. Oneshot: Taeyang - Capítulo 1 - Capítulo Único;

"Já fazem dois anos que você foi sem nem deixar vestígios. Sinto sua falta."

 


Dois anos se passaram desde que Taeyang foi embora. Tae e eu éramos melhores amigos de infância. Quando começamos uma certa amizade colorida, decidimos que para não causar problemas na nossa amizade, seria apenas isto, sem envolver sentimento algum. Apenas isso, sexo sem compromisso. Mas é claro que com o tempo, fui deixando meu coração se acomodar mais ao dele, não posso negar que fiquei mais envolvida, talvez umas aceleradas no coração de vez em quando. Mas não me permiti deixar algo tão sério acontecer, gostava de sua amizade e do que tínhamos, não iria deixar terminar por um sentimento bobo. Então, apenas deixei fluir. Lembro como se fosse hoje, num pleno sábado a tarde marcamos de nos encontrar, mas, quando cheguei ao local nem vi sinal de Taeyang. Tudo bem, ele poderia ter esquecido, coisa normal da vida, mas não quando ele esquecia de me ver durante uma semana. Nem responder minhas mensagens respondia, só visualizava, o famoso "vácuo". Já estava ficando incomodada com aquilo, até que de tanta insistência ele me respondeu, mas uma resposta que eu não gostaria de ter recebido  "Sinto muito por não ter ido. Daqui um mês prometo voltar". Poxa, nem se despedir ele veio. Um mês? Já se fazem dois anos. Quando a saudade bateu na porta não pude mais aguentar e acabei chorando por dias, a falta que ele me fazia e faz é enorme, um vazio no peito grandíssimo. Quando percebi que ele realmente não voltaria mais, me deixei ser tomada pela raiva. Raiva dele, raiva de mim, raiva dele ter ido embora, raiva de não poder ter feito nada quando ele se foi, raiva de ter gostado dele por tanto tempo para acabar assim, raiva de tê-lo por longos dias, apenas raiva, raiva de tudo. 

Após dois anos, cá estou eu, morando com minha melhor amiga e tentando superar a falta que ele me faz. 

Olho para a janela e suspiro pesado, o clima estava frio. Ótimo para estar enrolada nas cobertas assistindo um bom filme.

-Bom dia. - Viro-me para olhar a dona da voz. Sam desce as escadas esfregando os olhinhos sonolenta.

-Bom dia. Dormiu bem?- Pergunto-lhe. Ela se senta na cadeira a minha frente e pega uma torrada. 

-Ô se dormi... E você? 

Assinto e olho novamente pra janela.

-Xiih já vi, acordou pensativa. Está pensando em alguém... E esse alguém é...!? Taeyang. -Encaro-a raivosa. -Bingo. -Gargalha suavemente.

-Aish, deixe de falar besteiras... T-taeyang é passado. -Me levanto. -Coma logo, temos muita coisa pra fazer hoje.

-Hum, você não me engana não Srta.S/n. -Dá mais uma mordida na torrada. Reviro os olhos.

 

 

(...)

 


Hoje a lanchonete estava lotada, pelo visto não terminarei aqui tão cedo. E pra piorar, só tem grupos de adolescentes mimados no local, se empanturrando de refrigerante e fritas. Quando penso que não pode piorar, uma garota que acredito ter uns quinze anos esbarra em mim derrubando todo o seu café, a menina fez um maior show, como se tivesse caído a estátua da liberdade em cima dela. E nem adiantava falar nada, primeiro que não quero perder meu emprego e segundo, que não irei discutir com crianças, afinal os argumentos dela eram dos piores, melhor deixar pra lá e terminar de limpar esse chão grudento de café. 

Termino a limpeza e peço desculpas ao restante dos clientes, ou melhor, os adultos que realmente merecem meu respeito. Vou para trás do balcão novamente e apoio minhas mãos sobre a madeira.

-Argh.

-Hoje tá pesado né? -Sam para ao meu lado com um copo de suco e uma porção de batatas.

-Nem me fale, nem era pra mim estar fazendo papel de garçonete ou ao menos limpando a sujeira dessa criançada. Deveria estar apenas aqui, fazendo meu trabalho de balconista. -Respiro fundo e reviro os olhos.

-Se as outras meninas não tivessem faltado. Sinto muito S/n, mas fazer o que né. -Ela entrega a bandeja com os aperitivos para o cliente a sua frente. -Vou lá, tenho mais oitocentos pedidos, boa sorte amiga. -Dá um leve tampinha em meu braço e se retira. 

Olho pro balcão e o vejo sem cardápios, me agacho para pegar mais alguns no pequeno armário embaixo.

Ouço um tossido levíssimo, mais um cliente.

-Posso ajudar? O que deseja? -Me levanto e ainda sem olhá-lo coloco os cardápios sobre a madeira maciça.

-Pode, me vê uma porção de abraços, um copo com muito beijo... Aaaaah é claro, desejo você na minha cama. -Me assusto com o seu timbre, levanto meus olhos rapidamente e o vejo. Era ele o homem que mais pensei por tanto tempo, que mais desejei ver, e que mais senti falta durante dois anos. 

-T-taeyang!? 

Ele sorri, e que sorriso. O sorriso que tanto esperei ver por tanto tempo.

-Oi meu amor.

-Q-que? Não, como? Quando voltou?

-Voltei hoje e a primeira coisa que fiz foi vir te ver. Senti tanta a sua falta.

Abaixo meus olhos confusa.

-Espera, espera um minuto.

Vou até a cozinha para falar com Sam. 

-Sam. 

-O que aconteceu? Que cara é essa? Parece que viu um fantasma.

-É quase isso, você pode ficar no meu lugar? Prometo que não vou demorar.

-Aaaaah não S/n, você não tá me pedindo uma coisa dessas, né? Só se você tiver uma desculpa muito boa.

-Taeyang está aí. -Ela arregala os olhos e toca os meus braços.

-Por essa eu não esperava, tudo bem vai lá.

-Obrigada. -Beijo sua bochecha e caminho novamente até ele.

Paro na entrada da cozinha e o vejo. 


"Será que eu devo? Tudo bem, você merece pelo menos uma explicação! Coragem, fighthing S/n!" 


Continuo caminhando em sua direção. Paro em sua frente.

-Vem, vamos para outro lugar. -Ele assente e me acompanha para fora do estabelecimento. Depois desse susto tudo veio novamente em minha mente, todos esses anos, a promessa não cumprida dele, a tristeza que passei, a ida repentina. E fui tomada novamente pela raiva. 

Assim que saímos, continuamos caminhando para um local menos movimentado.

-Você ficou mais bonita. -Respiro fundo. -Senti tanta a sua falta. 

-Não pareceu. - Viro-me para ele.

-Que cara é essa? Por que tão séria? É verdade, senti. Muita.

-Não quero conversar aqui, vamos.


Fomos para minha casa, é o melhor lugar. Sem ninguém pra interferir e por ser um lugar meio isolado. Sem vizinho chato pra espiar o que pode acontecer aqui. Sem contar que me sinto mais confortável.

-Entre. -Abro e o mesmo passa por mim. Faço o mesmo que ele e fecho a porta. -Fique a vontade pra começar a me contar. -Cruzo meus braços.

-Hummm... Nem um beijo pra começar? 

-Estou com cara de que está pra brincadeira? Fala logo.

-Tudo bem, o que quer saber? -Ele me olha curioso.

-Tudo. Por que... Por que você foi embora?

-Eu precisava de um tempo, sei lá. Apenas um tempo. -Senti que não era verdade o que ele estava dizendo, seu olhar estava longe. Mas continuei.

-Você... Você sabe o quão duro foi pra mim? Taeyang, você foi embora, sem deixar um rastro, nem se despediu, não respondeu uma mensagem se quer e ainda por cima mentiu pra mim.

-O que? Eu não menti pra você S/n.

-É mesmo? E quanto ao "daqui um mês PROMETO voltar"? -Gesticulo com as mãos e dou ênfase no 'prometo'.

-Aa isso. Eu sinto muito. Não queria que as coisas tivessem acontecido assim, mas elas saíram fora do controle.

-Fora do controle? O que aconteceu que saiu fora do controle? Estava correndo tudo bem, não tinha nada. Pensei até que eu fosse o problema, mas não, eu não achei nada que eu pudesse ter feito pra que te incomodasse tanto. 

-Você não é o problema, quer dizer... Por parte sim. -Ele suspira e passa a mão nos cabelos. 

-Por que por parte? 

-Porra para de complicar.

-Eu não tô complicando nada, só quero saber qual foi o motivo de você ter ido embora. -Me altero.

-Eu voltei num voltei? Por que a gente não pode viver o agora caramba.

-Porque não consigo viver o presente, quando o passado tá mal resolvido. Eu só preciso que me explique, o que custa?

-Muito, custa muito. Não dá pra falar, não agora. -Sinto seu nervosismo.

-Tudo bem, mas enquanto eu não souber como resolver isto. Esqueça o presente.

-Espera. 

-Esperar? Já cansei de esperar.

-Eu prometo que...

-Não prometa nada, não preciso das suas promessas. -Digo raivosa.

Ele abaixa o olhar tristonho, olha para seus pés e continua quieto. Me enraiveço com seu silêncio.

 -Dois anos, dois malditos anos esperando você voltar Taeyang.

Ele que permanecia olhando para o chão, olhou pra mim e tentou se aproximar, mas me afastei um pouco para trás.

-Eu sei, me desculpe S/n. -Disse passivo com um olhar tristonho. -Sei que demorei, me desculpa.

-Me desculpa? -Jogo a cabeça para trás e gargalho. -Você foi embora sem me dizer nada, tudo bem... Eu sei que nós não namorávamos, mas... Custava? Te mandei uma mensagem e você me prometeu voltar em um mês. -Suspiro pesado. -Se passaram dois anos pra te ver de novo. Esperei por você esse anos todos. -Uma lágrima solitária desliza por meu rosto, limpo-a brutalmente. 

-Eu sei que errei caramba, acontece. O que eu poderia fazer? Eu precisava desse tempo pra mim, pra pensar. -Ele se altera.

-Tudo bem, mas a parte que complica é o por que de não vir falar comigo. 

-Eu não conseguia, não dava pra falar com você. Quando o problema era você.

-Você disse...

-Dane-se o que eu disse, era isso... Foi por você que eu fui embora, foi por você que eu permaneci em silêncio.

-Mas por que? -Agora os dois já estavam alterados.

-Eu me apaixonei... Me apaixonei por você. Foi por isso que fui embora.

Me assusto com suas palavras, não conseguia raciocinar direito. Um trilhão de coisas passou pela minha cabeça.

-O-oque? Você?

-Sim, eu amo você. -Ele se controla ao máximo, mas em poucos segundos o vejo começar a chorar. Fiquei mais surpresa ainda, nunca havia visto Taeyang chorar. -Quando comecei a gostar de você, foi complicado pra mim. Eu sabia que poderia te ver quando quisesse, mas, não queria apenas aquilo. Queria mais. Eu... Eu fiquei com medo de acabar com tudo, eu gostava tanto de você. Não podia destruir tudo dessa maneira, sem contar que prometemos não sentir nada um pelo outro. Eu sabia que você não sentiria o mesmo que eu, por essa simples razão. Mas eu não manteria o autocontrole e a qualquer momento eu poderia deixar escapar o quanto eu te amava. Não queria destruir nossa amizade. Então preferi ir embora, pra poder tentar te esquecer, e só voltasse se meu coração já estivesse mais tranquilo. Eu... Preferi que você me odiasse por algo que não fizesse sentido, do que ser rejeitado pela única garota que amei e amo até hoje.  

-Taeyang eu... Eu.

-Não precisa falar nada. Eu já entendi, sempre soube que você não corresponderia aos meus sentimentos, mas mesmo assim eu tentei. Voltei, porque senti muito a sua falta, e seria pior ficar lá com meu coração apertado. Me desculpa. -Eu estava em choque, não sabia o que falar e não conseguia organizar meus pensamentos, estavam todos embaralhados e uma confusão de sentimentos.

-Eu me sinto culpada agora. -Respiro fundo. -Te culpei esse tempo todo, senti raiva de você por tanto tempo e não passava de... 

-Amor. -Ele me interrompe, Taeyang caminha em minha direção e para em minha frente. Pega uma mecha de meu cabelo e põe atrás de minha orelha. -Amor.

Ele acaricia minhas bochechas, fecho os olhos recebendo o carinho. Seguro em sua mão e a retiro de meu rosto.

-Por favor... Não. Tá tudo muito confuso pra mim, não consigo organizar meus pensamentos. Por favor.

-Tá tudo bem. -Ele sorri de canto, um sorriso tristonho. -É melhor eu ir. -Assinto, ele vem até mim e me abraça. Correspondo ao seu abraço, afinal, era o que eu mais 
estava precisando naquele exato momento. Desfaz o afeto e deposita um beijo em minha testa. - Posso te fazer um pedido? -Assinto novamente. -Venha me ver hoje, só para conversarmos, naquele lugar de sempre. Vou dar esse tempo pra você respirar. - Concordo. Pode não ser uma má idéia. Se despede e vai embora logo depois. 

Quando o vejo passar pela porta, tento refletir sobre o que aconteceu, mas meus pensamentos estavam uma completa bagunça e mais uma vez, desabo a chorar, pelo mesmo homem que me fez chorar anos atrás.


"Por que é tão difícil ficar em paz? Por que é tão difícil pra mim? O que fiz pra merecer isso?"


Me sento no sofá e ponho minhas mãos na cabeça, vou ao banheiro lavar meu rosto e ouço a porta ser aberta.

-S/n? Tá aí? -É Sam.

-Estou aqui. -Abro a torneira e despejo a água que escorrega por minhas mãos em meu rosto.

-O que aconteceu? Tá tudo bem? Taeyang fez algo com você? -Entra no banheiro e com seu jeito de sempre dispara perguntas preocupada.

-Fez.

-Aaa se eu pego esse garoto, o que ele te fez, vou ir lá agora.

-Ele roubou meu coração.

-Aaaah S/n, não fique assim. -Volto a chorar, ela puxa minha mão de leve e me leva para o sofá novamente, onde nos sentamos. Puxa minha cabeça para seu colo e acaricia meus cabelos. -Vai ficar tudo bem.

-V-você n-não sabe o p-porque ele foi e-embora. -Digo entre soluços.

-E por que?

-Ele me ama. 

-E o que tem de mau nisso?

-Você ouviu o que eu disse? Ele está apaixonado por mim Sam. -Me levanto de seu colo bruscamente.

-E o por que isto é um problema? Vocês se gostam. É normal gostar de alguém, é normal se apaixonar, é humano.

-Mas, por que dói tanto? -Pergunto tristonha. Pouso minha mão em meu peito e aperto ali. Meu coração estava disparado e doía como se eu tivesse sido rejeitada pelo homem da minha vida. Mas, era totalmente ao contrário.

-Eu também não entendo, o porquê machuca tanto e o porquê da gente sofrer, parece ser ruim, mas, quando você deixa acontecer, deixa a pessoa te amar como você a ama, o coração se aquece e para de sentir aquele sofrimento todo, s/a você... Você só precisa dele e do amor dele, se não seu coração nunca vai se aquietar. Você me entende?

-Mas, eu não sei se eu o quero. 

-Ah s/n, isso eu já não sei. Vai ter que conversar muito com seu coraçãozinho pra tentar resolver essa situação, o que eu não quero é ter que te ver triste, hum!? 

-Não precisa se preocupar Sam, mas obrigada.

-Estou aqui sempre... Ahm, o que quer fazer? 

-Humm... Ele me chamou pra conversar. -Me endireito no sofá enquanto enxugo minhas lágrimas.

-E que tal a mocinha ir tomar um banho e vir se arrumar aqui, enquanto assiste um filme comigo? -Sorrio e assinto. -Vai lá, vou preparar algo para comermos enquanto isso. -Ela sai de imediato para a cozinha. Respiro fundo, está tão difícil fazer isso. 

 

(...)

 

Termino com um perfume suave, sobre a pele. Olho-me pela última vez no espelho. Estava usando um vestidinho amarelo com umas florzinhas brancas e uma jaqueta jeans por cima, e nos pés uma botinha marrom. Minhas bochechas estavam levíssimas coradas. Meu olho já não estava mais inchado. Pego minha bolsa e me retiro do quarto. Desço as escadas e vejo Sam arrumando a sala.

-Uau, está linda. -Para na ponta da escada e cruza os braços com um sorriso satisfeito no rosto.

-Obrigada, mas pode tirando esse sorriso do rosto. Vamos só conversar. -Termino de descer as escadas e procuro pela chave de meu carro. Pego a chave e vou até Sam. -Me deseje boa sorte.

-Aish. -Ela me puxa para um abraço. -Odeio esse seu 'drama', boa sorte s/a querida. Pare de ficar se lamentando, isto está me irritando. -Gargalho e ela me solta de seu abraço.

-Vou indo. -Deposito um beijo em sua bochecha e saio de casa. Entro em meu carro e dirijo até o lugar onde nos encontrávamos antigamente, apenas para conversar. Meu coração já estava mais tranquilo e o que eu mais pensava era em o que iríamos conversar.

Paro o carro na calçada do lugar e desço. Pego minha bolsa e caminho por todo aquele matagal. Paro em frente à lagoa dali. Uma fogueira estava acesa e Taeyang estava sentado por perto. 

-Oi. -Ele olha pra mim e eu desvio o meu olhar do seu.

-Que bom que veio. Vem, senta aqui. -Ele bate na madeira ao seu lado. Sento-me no outro tronco de madeira a sua frente. Ele olha para o seus pés e vejo um sorriso brotar no canto de seus lábios. Ele olha para cima e fica encarando por um tempo. -Aqui nunca muda. Só fica mais bonito, eu amo esse céu estrelado.

-É lindo mesmo. -Olho para o céu também. 

-O que houve durante esse tempo que fiquei fora? -Olho para ele e Taeyang se encontra me encarando sério e com um olhar curioso.

-Comecei a morar com a Sam, e... E só isso, e você? -Ouço um grunhido vir dele.

-Eu passei esses anos todos pensando em você, estava com medo de voltar e ver você com outro, ou até mesmo nunca mais querer olhar na minha cara. Eu também conheci umas pessoas lá, fiz bons amigos... -Ele encara o chão.

-Ficou com alguma garota? -Olha pra mim surpreso.

-Como eu podia? Só conseguia pensar em você, em como você estava, o que estava sentindo, se estava bem, saudável. Não conseguia me relacionar com ninguém.

-Alguma vez tentou?

-Umas três vezes, mas não consegui... Você vinha na minha cabeça toda às vezes, era um sentimento incomodo como se eu estivesse te traindo.

-Humm... Você falou mais cedo, que queria ir embora pra poder me esquecer e voltar quando já o tivesse feito. E então, conseguiu? -Perguntei com medo de sua resposta. Por mais que tudo isso estivesse acontecido, eu continuava tendo sentimentos e sei que a única resposta que eu gostaria que viesse dele, seria um não.

-Eu... Não... Não te esqueci, foi ainda pior, me fez gostar ainda mais e fazer a saudade me matar por dentro. -Confesso que senti meu coração aquecer naquele momento, fiquei até mais tranquila.

-Aah. -Me levanto. -Eu tenho que ir.

-Não, não vai. Você acabou de chegar. -Odiava quando ele usava essa voz vitimizada totalmente sexy, a rouquidão de sua voz me deixava quente. -Por favor, fica mais um pouco.

-Sabe o que mais me doeu? Não foi nem você ter ido embora, foi o medo de ter perdido você, pra sempre. -Quando me dou conta já estou com lágrimas nos olhos novamente. Ele me abraça.

-Não chore, odeio ser o motivo do seu choro. -Ele se afasta e passa seus dedos por meu rosto e pousa sua mão ali, coloco minha mão sobre a sua. -Eu gosto muito de você, é por isso que não quero mais vê-la chorar. Você entende?

-Entendo, porque eu sinto o mesmo. -Ele olha em meus olhos e sinto seu olhar perfurar o meu. Sinto meu coração acelerar rapidamente. -É tão real. -Pego sua mão e pouso em meu peito. Ele se assusta com os meus batimentos acelerados, estava tão rápido que meu peito subia e descia rapidamente. Nunca me senti tão envergonhada. Sorrio.

Ele se aproxima devagar, devagar quase parando, como se estivéssemos em um filme. Me incomodo com a lentidão e ataco seus lábios. Senti tanta falta de sua boca macia, de seu beijo adocicado. Era delicioso poder beija-lo novamente. Nossas línguas se mantinham em perfeita sincronia, se deliciando com os lábios um do outro. Nos afastamos por falta do fôlego. 

-S/a, eu não quero mais fazer sexo com você, eu quero... Eu quero fazer amor contigo, pela primeira vez. -Ele me encara e puxa minha cintura contra seu corpo. Assinto e ele logo toma meus lábios para si. 

Ele acaricia minhas costas por cima do pano e puxa minha jaqueta para baixo lentamente. Apoio minhas mãos em seus ombros, quando ele me deita sobre o gramado delicadamente. Ficando por cima de mim.

-Senti tanta a sua falta. -Ele para o beijo e me olha, seu olhar transmitia saudade, desejo e ansiedade. Sorri.

-Também senti a sua. -Assim que termino de falar, ataco novamente seus lábios. Com ajuda de Taeyang retiro sua camiseta, deixando seu abdômen exposto para mim. Passo minhas mãos pelos seus gominhos. Não havia mudado nada, ele continuava maravilhoso, ainda mais com essa pele mais escura.

Ele passa a beijar o meu pescoço com delicadeza, me contorço e deixo um gemido baixo escapar.

Com uma rapidez instantânea ele retira meu vestido. Restando apenas minha calcinha, já que eu estava sem sutiã, por conta do vestido. Ele continua seus beijos por meu corpo, me fazendo delirar. Senti tanta falta dos seus toques, que estava ansiosa a cada toque seguinte.

Ele levanta o corpo de cima do meu, por um minuto. Apenas para tirar a calça. Tudo estava tão diferente de quando transávamos, nada era fofo e calmo como está sendo agora. Tudo que estamos fazendo agora, contém sentimento. Algo forte, não consigo explicar. A cada beijo eu queria mais e mais, só que não num desejo carnal, e sim, com os profundos sentimentos que estamos transmitindo agora.

-O que tanto pensa? -Paro um segundo com os meus pensamentos e vejo que Taeyang está me encarando com aquele sorriso lindo no rosto.

-Nada. Por que parou? -O beijo novamente e tento trocar nossas posições. Mas ele segura meus braços e minha cintura, me impedindo. Ele continua olhando no fundo dos meus olhos, perfurando meu olhar. Ficou tanto tempo assim, que pensei que ele estava conseguindo enxergar minha alma. Ele se agacha até minha barriga, sem tirar os olhos de mim, e deposita um beijo sobre minha pele. E beija até chegar na barra da minha calcinha. Minha respiração já estava descompassada.

Ele puxa o tecido rendado para baixo lentamente, fazendo-me ficar irritada. Logo em seguida ele levanta seu tronco novamente até minha orelha.

-Quero que feche os olhos e só sinta, huh?! -Morde levemente o lóbulo de minha orelha. Assinto e fecho os olhos em seguida.

Sinto ele se afastar e me deixando ansiosa para saber o que ele estava fazendo, quando penso em abrir meus olhos, sinto seus lábios sobre minha intimidade, circulando meu clitoris.

-Aah... -Arfo.

Ele continua me estimulando, ora mordendo, ora deixando leves beijinhos sobre a pele fina e ora deixando uma sucção por ali. Já não conseguia mais controlar meus gemidos, todos saiam roucos e como se estivessem rasgando para sair de minha garganta. Tento recuperar meu fôlego, sem sucesso. Quando Taeyang insinua sair, abro meus olhos e o vejo me encarando, me contorço quando ele ataca novamente meus lábios vaginais, me deixando totalmente extasiada, sinto uma onda percorrer por meu corpo e meu orgasmo chegar como um vulcão entrando em erupção. Respiro fundo e o olho novamente. Ele permanecia me encarando, subiu seu tronco novamente em direção ao meu, enquanto sua destra deslizava sobre minha cintura até chegar em meus seios. Ele morde meu lábio inferior levemente e se abaixa até a altura de meu busto e deposita beijos e mais beijos, até partir para chupões, os quais deixaram minha pele totalmente arroxeada.

-Eu te amo. -Ele fala me encarando.

E logo estávamos ali, os dois completamente nus sobre aquela grama toda. E quando eu menos espero, Taeyang me invade com seu membro mais que duro de excitação. Respiro fundo quando ele começa a se movimentar, lentamente. Estava tão lento, mas tão bom, que eu gostaria de parar o tempo agora, neste exato momento. Ele beija minha bochecha esquerda e a direita, beija meus olhos e minha testa, até finalmente beijar meus lábios, em um beijo longe de ser afoito, um beijo fofo, romântico e com muita paixão. 

Finalmente, estávamos sentindo o que gostaríamos de sentir, um com o outro.

Suas estocadas permanece firme e prolongadas pela lentidão, sinto novamente meu ápice chegar, mas antes que possa, o dele chega primeiro que o meu, preenchendo-me. E logo em seguida meu clímax chega em disparada. Ele deixa seu rosto na curvatura de meu pescoço e sinto sua respiração pesada e exausta ali, me arrepio. Ele se retira de dentro de mim e se deita ao meu lado, me puxa para deitar em seu abdômen e me abraça.

-Me deixe... -Ele nega com a cabeça, já sabendo o que eu gostaria de fazer. -Oppa. -Falo manhosamente e ele nega novamente.

-Outro dia, me deixe aproveitar esse momento que te tenho em meus braços. -Sorrio e me aconchego mais em seu abraço. 

-Eu amo você. -Digo relaxando meus olhos.


-Eu também amo você.


Notas Finais


Eai, gostaram?

Não se esqueçam de me perdoar essa e todas as vezes que eu vacilar. Me digam o que acharam.

Amo vocês. ~Popo


Outras histórias:

🌸 Lovely Smile - Imagine com Park Jimin (+18): https://www.spiritfanfiction.com/historia/lovely-smile-park-jimin-8991090

🌸 A Letter To Yoongi - Oneshot com Min Yoongi (+16): https://www.spiritfanfiction.com/historia/imagine-a-letter-to-yoongi-oneshot-min-yoongi-12340158

🌸 Good Night, Baby - Oneshot com Daesung (+18): https://www.spiritfanfiction.com/historia/imagine-good-night-baby-oneshot-kang-daesung-12833976

🌸 My Dear - Imagine com Jung Hoseok (+18): https://www.spiritfanfiction.com/historia/my-dear-imagine--jung-hoseok-12330292

Sigam-me no Twitter: @j_jflorzinha


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...