História Imagine Hot - Oh Se-hun - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Sehun
Tags Exo, Imagine Hot, Imagine Hot Exo, Oh Sehun, Sehun
Visualizações 331
Palavras 2.007
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Fantasia, Ficção, Hentai, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Cadê as Exo-l??? 💁❤

Capítulo 1 - Yes Sir! - Hot


Fanfic / Fanfiction Imagine Hot - Oh Se-hun - Capítulo 1 - Yes Sir! - Hot

Tento arrumar meu cabelo desgrenhado várias vezes seguidas. O espelho do elevador parecia gritar: "BRUXA! TACA FOGO!"

Rio de mim mesma. Enrolo meu cabelo e prendo-o num coque. Bem melhor, apesar de não curtir muito meu cabelo preso.

As portas do elevador se abrem e eu saio apressadamente, atrasada. De novo. Estou nessa empresa do Sr. Sehun há cinco anos, e ainda não consigo acertar meus horários... Sinto que minha demissão está próxima.

-S/N! - escuto a ruiva peituda gritar. 

Ela trabalha aqui há três meses. Dá vontade de virar pra ela e dizer: "Enquanto você preparava a farinha, eu já tinha o bolo!". Ok. Sou péssima com ditados... E horários... E com a vida. 

-Ahh... - suspiro. 

-Assim você será demitida... - ela faz um beicinho. Falsa.

-Eu sei, Dorothe. Eu sei.

Ela arruma uma papelada enquanto eu dirijo-me para o seu lado, me ajeitando na cadeira e começando meu trabalho.

-A propósito... - ela vira-se para mim - vou tirar férias na semana que vem - sorri. - Preciso que dê conta das coisas por aqui.

Não consigo disfarçar minha indignação com a notícia. Ela percebe e ri.

-De dar inveja né?

-Você já tirou férias mês passado!

Ela não volta a me olhar, olha atentamente para a tela do seu computador. Segundos depois Dorothe ajeita seu decote e fala:

-Sr. Sehun é um ótimo patrão, não acha? - sorri ironicamente.

PUTA! PUTA! PUTA!

-Put...tz - corrijo. - Que legal.

Seguro-me para não amassar os papéis que seguro. Que raiva!

Ouço uma chamada familiar e atendo antes que Dorothe tenha chance. A chamada é da sala do chefe.

-Sim, Sr. Sehun? 

-Dorothe?

Trinco os dentes, sou capaz de cuspir fogo. Que cretino!

-Ah, - dou uma risadinha forçada. - Não senhor, sou a secretária S/N. O quê deseja?

Silêncio. 

-Ele quer que eu fale com ele, não é? Passa pra cá! 

Dou um tapa no braço de Dorothe, e afasto minha cadeira da dela.

-Venha à minha sala, e traga a papelada que preciso assinar para amanhã.

E desliga.

Viro-me para Dorothe e sorrio da forma mais sinica possível. Veneno escorre pela minha boca, haha!

-Viu? Tudo certo. 

Ela me fuzila enquanto arrumo a papelada e me direciono para à sala do chefe. Rebolo de propósito, e solto meu cabelo, mesmo sabendo que é contra as regras. Bato na porta e escuto um "entre", e assim faço. Sehun está atrás de sua enorme mesa de vidro, escrevendo algo em um caderninho. Seu terno está maravilhosamente passado e arrumado. Parece ser um inferno para o corpo dele estar dentro daquele terno...

-Trouxe?

Acordo do meu devaneio. Sehun me encara, ainda com sua caneta na mão. Ele parece ter parado no meio de uma frase.

-Ah, sim... Sim. - Coloco a papelada na mesa e afasto-me. - Deseja mais alguma coisa, Sehun?

AAAAAAAAAAAAAH!!!!! Respira, poha. Que linguaruda! Ele vai me demitir, agora é certeza. Ele PROIBIU seus funcionários de chamá-lo apenas de Sehun... F-O-D-E-U.

Vejo-o erguer uma sobrancelha e cruzar as mãos sobre a mesa. Fodeu...

Seus olhos me analisam de cima a baixo, me causando arrepios e corando minhas bochechas.

-Eu já não disse que é proibido me chamar assim? - Sua voz é severa.

Curvo-me e peço desculpas várias vezes, até que ele manda eu calar a boca.

-S/N... Hm? Não é de hoje que você vem errando com a minha empresa. 

Fico sem palavras, o olhar dele me paralisando completamente. Meu coração está a mil, e seguro lágrimas rebeldes.

-E-eu sinto muito... Sr. Sehun...

-Você deveria aprender mais com a Dorothe.

Sinto uma chama se acender pelo meu peito. A raiva toma conta de mim, fazendo com que eu tome coragem e passe dos limites.

-Aprender com a Dorothe? A única coisa que eu posso aprender com aquela kenga é como chupar você bem o suficiente para ganhar férias duas semanas por mês!

E eu não consigo mais me controlar. As palavras saem da minha boca antes que eu possa pensar direito.

Vou até sua mesa e apoio as duas mãos, encarando-o com o mesmo olhar que ele dirigiu para mim antes.

-Se quiser me demitir, faça. Nem me importo mais. Mas nunca, NUNCA me compare com a Dorothe! Entendeu? - tomo fôlego. Começo a sentir o nervosismo e a culpa, mas é tarde demais.

Por segundos pensei que ele fosse me bater, me xingar, chamar os seguranças. Esperava tudo, menos que ele risse da minha cara...

Ele cobre a boca com as duas mãos de tanto rir.

-Ta rindo do quê, palhaço? 

Mas acabo rindo junto com ele. O que estamos fazendo?

-Tenho que admitir que é a primeira vez que alguém ousa falar comigo desse jeito. 

Sorrio.

-Deve ser por isso que você é tão idiota. - Levo minha mão para minha boca rapidamente. Ele novamente ri de mim.

-S/N...

Ele começa a bater a ponta da caneta na mesa, me encarando e mordendo seu lábio. Aah... Deus me dê forças pra não pular nesse homem.. 

Ele levanta e dá a volta na mesa, ficando poucos passos de onde eu estou parada. 

-Achou injusto as férias que Dorothe ganhou?

-Achei - respondo sem hesitar.

-E você pretende fazer o quê a respeito? - ele cerra os olhos, parecendo ansiso pela minha resposta.

Eu fico calada por alguns segundos. Eu seria capaz de fazer alguma coisa? Me parece que não... Qual o objetivo dele com essa pergunta?

- Eu não posso fazer nada - digo por fim. - Apenas dois bonecos de vodu... - brinco

-Dois? - ele franze o cenho.

-Um pra você e outro pra ela.

Ele ri.

-Entendo...

Antes que eu possa assimilar o que está acontecendo, Sehun me ergue e senta-me em sua mesa, ficando de frente para mim e apoiando suas mãos em minhas coxas.

-Sinto muito pelo incômodo. Realmente sua situação me comoveu. - seus olhos brilham, e seu sorriso é de alguém safado.

-Imagina... - arrumo o cabelo disfarçadamente. Eu não me sentiria bem pegando meu chefe com o cabelo todo alvoraçado. 

-Então não há problema? - ele coloca as mãos no bolso, com sua sobrancelha erguida.

Cruzo oa braços e respiro fundo.

-Claro que há. Mas será que você é capaz de resolvê-l...

Tomo um susto quando ele bate suas mãos na mesa, uma de cada lado meu, e aproxima seu rosto do meu.

-De tudo o quê você me falou até agora, isso foi o pior. Minha paciência acabou. - ele me empurra com força e caio de costas na mesa. Ai. - Como seu chefe, devo puni-lá.

É agora pohaaaaa!

Ele se curva até chegar bem perto do meu rosto, suas mãos deslizam facilmente minha saia para baixo, em seguida joga-a para trás. Suas mãos vão para minhas pernas e as apertam com força, subindo devagar.

Fecho os olhos e suspiro. Nem em meus sonhos isso era tão prazeroso.

Seus dedos seguram minha calcinha, e em um instante ele a tira. Tento esconder minha intimidade, mas ele me impede. Sua cabeça vai por entre minhas pernas, seus lábios molhando a parte interna de minhas coxas... Um beijo é depositado em minha intimidade, e ele sorri dizendo:

-Mal comecei e olha só você... Toda molhadinha... - e ele abocanha minha intimidade.

Tento abafar meu gemido desesperadamente. Eu não esperava por aquilo, nem por sua língua passear e entrar em mim tão maravilhosamente, sabendo exatamente onde e como fazer.

-Se...hun... - contorço-me na mesa, e robolo em sua boca.

Ele pára com a língua e acerta um tapa violento em minha coxa. Solto um gritinho. 

-Eu já não disse que não é permitido me chamar assim, garota? - sua voz rouca e severa faz com quê meu desejo por ele cresça mais.

-Sinto muito... Sr. Sehun...

Ele endireita seu corpo, suas mãos começam e desabotoar sua camisa, e seu paletó é jogado no chão. Ele desce para o zíper da calça, abre-o e volta para mim.

-Você toma anticoncepcional?

Faço que sim.

-Boa garota. 

Sou atingida por mais um tapa, dessa vez na outra coxa.

Ele me observa abrir os botões da minha camisa e deixar o sutiã preto, de renda, visível. Abro o fecho, que felizmente fica na frente, e exponho meus seios medianos.

Sehun passa a língua pelos lábios.

Sento na mesa e puxo-o para mim, começando um beijo selvagem. Nossos lábios deslizam e nossas línguas se encontram. Sehun me puxa para a ponta da mesa, começando a descer seus beijos pelo meu pescoço, abocanhando meu seio logo depois. Gemo em resposta. 

Sua língua desce por minha barriga e ganho outro beijo em minha intimidade.

-Sr. Sehun... Preciso de você dentro de mim, agora.

Ele volta seu olhar para mim, puxa minha coxa e aperta-a. Sehun encaixa-se entre minhas pernas e sussurra em meu ouvido:

-Vamos ver se você continua com esse ar de superioridade quando eu começar a te foder.

Enlaço seu pescoço e apoio meu queixo em seu rosto. Ele beija e morde meu lóbulo.

Sinto seu membro entrar lentamente dentro de mim, e uma dorzinha chata surge. Seu membro é grande e grosso, fazendo eu apertar meus olhos até ele entrar por completo.

-Vou começar a brincadeira, S/N.

Solto uma risada. Apesar de parecer confiante, estou extremamente envergonhada.

Sehun pega seu celular na mesa e procura por algo. Franzo o cenho. Vai responder mensagens agora? Mas não. Logo uma música começa a tocar. Seria Call me Master? Não tenho tempo para decifrar, pois ele começa a se movimentar rapidamente. Nossos corpos se chocam e fazem um barulho excitante. Mordo minha língua para tentar controlar os gemidos, mas Sehun não parece se importar se alguém nos escutar. Começo a distribuir beijos em seu pescoço e morder. Ele prende meus cabelos em seus dedos e puxa com força. Minha cabeça fica levantada e ele mantêm seu olhar em mim. Gememos juntos conforme ele acelera seus movimentos.

-S/N... Você é deliciosa... - começa a distribuir beijos pelo meu queixo e vai descendo.

Chega a minha vez de puxar seus cabelos. Chego perto de seu ouvido esquerdo e digo:

-Me fode com mais força, Se-hun... 

Ele rosna em resposta. Tento disfarçar uma risadinha.

Sehun me pega no colo e vai em direção à sua cadeira. Senta-se e ajeita-me em seu colo. Ele segura seu membro para que eu possa encaixa-lo em mim. Deslizo lentamente, fazendo-o jogar a cabeça para trás e soltar um gemido abafado. Começo a rebolar devagar e logo aumento o ritmo. Tenho quase certeza que podem nos ouvir. Sehun segura minha cintura e me ajuda nos movimentos. Rebolo em seu membro recebendo um sorriso em resposta.

-Goze, daddy - passo um dedo em seus lábios e ele o morde.

Quico com força, seguro em seus ombros e finco minhas unhas em sua pele perfeita. 

O suor começa a escorrer por nossos rostos. Minhas pernas começam a tremer, sinal que eu estou prestes a gozar. Sehun percebe e faz com que seu membro atinja meu pontinho violentamente.

-AAAH... SE-SEHUN... 

-Goze para mim, S/N. É uma ordem!

Mais alguns segundos e eu chego ao meu ápice. Jogo minha cabeça para trás e solto um gemido demorado... Sehun se desfaz dentro de mim em seguida. Seu líquido me preenche, e sorrio. Ele puxa-me para perto e descança a cabeça em meu peito. Enlaço seu pescoço e tento normalizar minha respiração.

-S/N - fico surpresa quando ele me chama - Aceita jantar comigo hoje? 

Mordo meu lábio para não começar a rir de felicidade. 

-Vou consultar minha agenda, Sr. Sehun. 

Ele sorri lindamente e toca meu rosto.

-Esperarei por sua resposta, Senhorita. - ele me beija delicadamente.

Ouvimos batidas apressadas na porta. Pulo do colo de Sehun e procuro por minhas roupas. Sehun pára a música no celular e também vai pegar suas roupas. Nos vestimos o mais rápido possível. Mas não dava pra disfarçar, qualquer um que nos visse nesse estado iria deduzir o acontecido.

-Entre.

Sento-me inocentemente em uma cadeira e observo Dorothe abrir a porta. Ela encara Sehun e depois seu olhar cai sobre mim. A carranca formada em seu rosto. 

-Atrapalho, Sr. Sehun? - sua voz soa rude.

-De jeito algum - Sehun responde. 

Ele volta seu olhar e indica que eu saia. Suspiro e caminho para fora de sua sala, tentando me esquivar de Dorothe. 

-Pode voltar ao trabalho também, Dorothe. 

-Sim, Sr. Sehun... 

Viro-me para olhá-los, e Sehun fala antes que Dorothe feche a porta.

-A propósito, Senhorita Dorothe, suas férias estão canceladas. 

E com isso ele mesmo fecha a porta. Dorothe fica paralisada em frente a porta. Ela vira seu corpo lentamente e seus olhos me encaram com ódio.

Sorrio e digo:

-Sr. Sehun é um ótimo patrão, não acha?












Notas Finais


Espero que tenham curtido. Beijos e flores ❤🌸


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...