História IMAGINE J-Hope - REGRAS QUEBRADAS (segunda temporada) - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, Monsta X
Personagens J-hope, Personagens Originais, Suga
Tags Bangtan Boys, Exo, Got7, Imagine, Monsta X
Visualizações 218
Palavras 1.467
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishoujo, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eu adoro preliminares pouha *-* so isso mesmo aproveitem

Capítulo 13 - Diversão



Meu batimento cardíaco está fora de controle. Um tambor acelerado em meus ouvidos, um martelar frenético contra as costelas.
Meu Deus.
Ele quer me beijar?
“A menos que eu tenha entendido errado”, ele diz.
Engulo em seco, tentando desesperadamente controlar a pulsação desgovernada. Falar não é uma opção. Minha garganta está bloqueada. Apesar de minhas habilidades motoras não estarem operando em plena capacidade, consigo negar com a cabeça.
Sua risada aquece o ar entre nós. “Isso quer dizer que não entendi errado ou que não devo beijar você?”
Por milagre, consigo produzir uma frase completa em resposta. “Quero que você me beije.”
Hoseok ainda está rindo ao se aproximar, virando-se de lado na cama, à minha frente, e me empurrando com delicadeza até me deitar. Ele paira sobre mim, e todos os músculos do meu corpo ficam tensos por causa da expectativa. Quando descansa uma das mãos no meu quadril, tremo o suficiente para ele perceber.
Um sorriso curva seus lábios. Lábios que estão cada vez mais próximos dos meus. A centímetros de distância. Milímetros.
Então sua boca roça a minha, e, caramba, estou beijando Jung Hoseok.
Quase na mesma hora, minha mente é inundada por tantos pensamentos que é difícil me concentrar num só. Ouço os sermões intermináveis do meu pai sobre me dar ao respeito, me comportar e não perder a linha na faculdade. Então ouço a voz animada da minha mãe, mandando eu me divertir e viver a vida ao máximo. E, em algum lugar entre os dois, alguém está gritando, com empolgação: Você está beijando Jung Hoseok! Você está beijando Jung Hoseok!
Sua boca é quente; os lábios, firmes. Primeiro, ele me beija com delicadeza. Uma provocação suave e sensual que me faz gemer. Hoseok lambe meu lábio inferior, então o morde de leve antes de brincar com a ponta da língua ao redor da minha boca. Seu gosto é doce, e, por alguma razão, isso me faz gemer de novo. Quando sua língua por fim desliza para dentro, ele solta um arquejo gutural que vibra pelo meu corpo e se instala dentro de mim.
Beijar Hoseok é a coisa mais incrível que já experimentei. Esqueça a viagem em família para o Egito quando eu tinha nove anos. A glória das pirâmides, os templos e aquela esfinge idiota não são nada comparados à sensação dos lábios desse cara nos meus.
Nossas línguas se encontram, e ele deixa escapar outro som baixo e rouco enquanto desliza uma das mãos por meu corpo até envolver meu seio esquerdo. Ah, merda. Hoseok está pegando nos meus peitos. Achei que a gente ia só se beijar, mas agora estamos dando um amasso.
Estou sem sutiã, então, quando o polegar roça o tecido fino e pressiona meu mamilo, um raio de calor vai da pontinha do seio até o clitóris. Meu corpo inteiro fica quente e dolorido, apertado de emoção. A língua de Hoseok explora minha boca enquanto ele esfrega meu mamilo rígido, seus quadris movendo-se ligeiramente contra os meus. O pau duro parece ferro quente junto à minha coxa, e fico muito excitada ao saber que ele está excitado comigo.
Ofegante, Hoseok se afasta. “Tenho que me preocupar com a sua colega de quarto entrando a qualquer momento?”
“Não, ela não vai dormir em casa hoje. Foi para algum bar na cidade e depois vai passar a noite na irmandade de uma menina chamada Kethy. É uma péssima ideia, porque, da última vez que saiu com a Kethy, Fran quase foi detida por embriaguez, mas depois ela deu em cima do policial e…”
Hoseok me cala com outro beijo. “‘Não’ teria bastado”, ele murmura contra meus lábios. 
Então pega minha mão e a coloca diretamente sobre o volume dentro da sua calça. Um instante depois, pega meu sexo por cima do pijama.
Ai, droga. Está acontecendo.
Não estou preocupada com minha resposta à mão dele — basta um movimento lento para que uma explosão de prazer ocorra dentro de mim. É a minha mão que desencadeia a onda de nervosismo. A mão que está acariciando o pau duro sob o zíper.
Já fiz isso antes, e também já fiz boquetes que sei que estavam certos, porque… bom, o cara gozou e tal. Mas não tenho experiência suficiente para me considerar uma especialista neste tipo de carícia.
Todos os meus encontros com um pau envolveram o mesmo cara, Bruno, meu namorado da época do colégio, que era tão inexperiente quanto eu.
Se os boatos que ouvi a respeito de Hoseok forem verdadeiros, o cara já dormiu com metade das meninas da BigHit. Isso me parece uma estatística insanamente alta, então tenho certeza de que não é muito precisa, mas com certeza ele já pegou mais gente do que eu.
“Tudo bem se eu fizer isso?”, ele pergunta, acariciando entre minhas pernas.
Faço que sim e retribuo a carícia, então um gemido reprimido escapa de sua boca.
“Caralho, espera.” Hoseok se ajeita sobre o colchão, e meu coração para enquanto abre o zíper. Ele abaixa a calça o suficiente para liberar a ereção da cueca e também abaixa o elástico do meu pijama e da calcinha.
Um segundo depois, sua mão roça meu sexo nu, e meus quadris se erguem involuntariamente, buscando um contato mais próximo.
Hoseok brinca com a ponta do indicador sobre meu clitóris. “Melhor assim?”, ele pergunta, a voz grossa e rouca.
Muito melhor. Tão bom que faz minha cabeça girar, limitando a resposta a um murmúrio ofegante e sem sentido.
Sorrindo, ele se inclina e me beija de novo. Com a mão livre, agarra a minha e a leva até a ereção, envolvendo com delicadeza meus dedos trêmulos em torno do seu pau. É longo e duro, e a pele macia e quente desliza facilmente por minha pegada.
Meu corpo está em chamas. As ondas de excitação se intensificam, e, quando ele enfia o dedo médio em mim, meus músculos internos o apertam, a pressão tão intensa que me esqueço de respirar.
Não paramos de nos beijar. Nem mesmo para recuperar o fôlego. Estamos ambos ofegantes, as línguas entrelaçadas e as mãos ocupadas. Seu polegar pressiona meu clitóris enquanto o dedo médio se move dentro de mim, e o prazer tomando meu corpo aumenta, um nó apertado de excitação que faz com que o movimento dos meus quadris se torne ainda mais errático.
Os minutos passam. Talvez horas. Não tenho ideia, porque estou presa a sensações incríveis.
Acaricio seu pau, apertando a cabeça grossa a cada movimento, até que seus quadris começam a se mover também, e um comando áspero sai de sua boca.
“Mais rápido.”
Acelero o ritmo, e ele se move contra meu punho com um gemido baixo, a respiração fazendo cócegas em meus lábios quando interrompe o beijo. Seus olhos estão fechados, as feições tensas e os dentes cravados no lábio inferior.
“Vou gozar”, ele murmura.
A excitação se move em ondas entre minhas pernas, e sei que ele pode sentir como estou molhada, porque geme de novo e seu dedo mergulha mais fundo, mais rápido. Segundos depois, Hoseok desaba em cima de mim, a testa descansando em meu ombro, enquanto seus quadris investem uma última vez.
À medida que sinto uma umidade jorrar na minha mão, seus olhos se abrem lentamente, e o prazer sonolento que transmitem é de tirar o fôlego. Puta merda. Acho que nunca vi nada tão sensual quanto Jung Hoseok logo depois de um orgasmo.
Sua respiração ainda está acelerada quando ele encontra o meu olhar. “Você gozou?”
Droga. O dedo dele ainda está lá dentro. Não está mais se mexendo… É apenas um lembrete do orgasmo que estava prestes a ter antes de me distrair com o clímax dele, o movimento inquieto de seus quadris e os sons sensuais que emitia.
Tenho vergonha demais de admitir que não terminei e, como ele já terminou, fico sem jeito de pedir que continue.
Então assinto com a cabeça e digo: “Ah, sim. Claro”.
Uma sombra de dúvida cobre seus olhos, mas, antes que eu possa piscar, Hoseok se senta abruptamente e diz: “Tenho que ir”.
Ignoro as doses iguais de decepção e irritação que apertam minha barriga. Sério? Ele não pode ficar nem uns minutos para jogar conversa fora? Que príncipe.
A situação fica ainda mais estranha. Hoseok pega um lenço de papel da mesa de cabeceira e se limpa. Finjo estar tranquila e composta ao ajeitar meu pijama e o vejo fazer o mesmo. Dou até um sorriso casual enquanto ele usa meu telefone para chamar um táxi. Por sorte, dessa vez, ele é atendido de imediato, o que significa que o constrangimento não dura muito.
Ando até a porta, e vejo que ele hesita por um instante. “Obrigado”, diz, meio ríspido. “Foi divertido.”
“Aham, claro. Pra mim também.”
No segundo seguinte, ele já não está mais ali.


Notas Finais


isso vai dar uma merda..... parei kkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...