História Imagine Jun - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias A.C.E
Tags Ace
Visualizações 43
Palavras 2.022
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Luta
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


demoreoi mais taí.

Capítulo 3 - Capitulo 3


 

No outro dia acordo sem disposição então decido não ir para a escola, me viro para o outro lado e fecho os olhos, estava começando a dormir quando alguém abre a porta do meu quarto.

Jun: Bom dia, preguicinha, já está na hora de levantar para ir para a escola.

S/N: Olá, Jun

Jun: vamos levanta. – Ele me puxa e eu sento na minha cama – Nossa você está quente. Você está bem?

S/N: Não, estou com o corpo mole, como se eu estivesse doente.

Jun: Espera um pouco, vou ligar lá na escola dizendo que nós não vamos à escola porque aconteceu um imprevisto.

S/N: Jun, você não pode faltar por minha culpa. Eu estou bem, isso acontece sempre, eu me mudei faz pouco tempo, por isso meu corpo não se acostumou direito.

Jun: Mesmo assim eu vou cuidar de você.

Quando ele fala isso eu fico corada.

Jun: Volte a deitar já volto vou fazer algo para você comer.

S/N: Está bem, capitão Jun.

Eu me deito e ele vai para a cozinha, por algum motivo não consegui dormir, então me levantei e fui ver o que o Jun estava fazendo.

S/n: O que você está fazendo?

Jun: Eu não falei para você voltar a dormi?

S/n: Falou, mas eu não consegui dormir. O que você está fazendo? Está com um cheiro muito bom.

Jun: Não te interessa, agora vai para a sala.

S/N: Grosso. – Digo brava e vou para a sala- Não precisava falar assim comigo.

Ele me puxa pelo braço, me abraça e diz:

Jun: Foi mal, baixinha.

S/N: Eu não sou baixinha, você que cresceu demais.

Jun: Haha, agora vai lá para sala já estou terminando aqui.

Vou para a sala me jogo no sofá e ligo a tv.

Jun: Cheguei. – Ele estava com um prato cheio de coisas que aparentavam estar gostosas, não só aparentava estava ótima, ele come comigo, quando acabamos ele me diz:

Jun: E aí, Gostou?

S/N: Sim, já está bom para casar. -Ele cora.

Jun: Posso te fazer uma pergunta?

S/N: Sim.

Jun: Você gosta do Chan?

S/n: Como assim?

Jun: Tipo gostar de gostar.

S/N: Eu gosto dele como amigo, por quê?

Jun: Por nada.

S/n: ok.

Jun: Você toparia sair comigo hoje?

S/N: Aonde?

Jun: Segredo.

S/N: Está bem eu saio com você.

Passamos a manhã inteira conversando sobre assuntos aleatórios.

Eu percebi que ele era mais simpático do que eu imaginava, seus olhos brilhavam, uma espécie de brilho próprio isso fazia com que eu pudesse ver sua lealdade, sua bondade, aquele sorriso me deixa um pouco hipnotizada. Essa não, será que estou gostando dele? Não pode ser, eu mal conheço ele.

Meus pensamentos são atrapalhados quando ele diz:

Jun: S/N, você namora?

S/N: Não, para que você quer saber?

Jun: para isso.

      Ele me puxa para ele e sela seus lábios com os meus, no começo não entendi muito bem, mas quem se importava? Seu beijo era bom, ele era doce, calmo e molhado, não queria que aquele momento acabasse, mas ele separou seus lábios dos meus.

Jun: Desculpa, não consegui me conter.

S/n: Foi bom. -Eu falo de um jeito corado.

Jun: Se você quiser eu posso te dar vários.

   Se eu já estava corada, fiquei mais ainda.

Jun: Vai se arrumar, não se esqueça que vamos sair, só eu e você. -Ele morde os lábios e me olha de um jeito pevertido.

S/N: Está bem.

Jun: Mas antes. -Ele me puxa para ele e me beija. Quando nos separamos subi para o quarto, fui tomar banho e me arrumar.

  Quando eu termino de me arrumar eu desço.

Jun: Está arrumada?

S/N: Sim.

Jun: Então vamos.

Ele me puxa para fora de casa.

S/n: Para onde você vai me levar?

Jun: Eu te levarei ao paraíso.

S/N: Se for o “paraíso” que estou pensando pode esquecer, ainda não estou preparada para essas coisas.

Jun: Você tem uma imaginação tão fértil. Haha, não vou fazer nada disso não, pode ficar tranquila. Eu não sou esse tipo de cara.

S/N: Isso é bom.

Jun: O paraíso que estou dizendo é o lugar mais lindo da cidade, pelo menos para mim, esse lugar é o meu porto seguro.

S/N: Entendi.

   Quando estávamos chegando ele tampa os meus olhos com sua mão e me guia até esse lugar.

Jun: Está preparada? Eu estou sentindo que você está tensa, fique tranquila eu não vou te assustar.

S/N: Está bem.

  Quando ele tira as mãos dos meus olhos eu fico admirada com o lugar, ele era muito lindo, me senti e um lugar onde eu podia me abrir, me sentir livre, como se eu fosse um pássaro que estava preso na gaiola e conseguiu se libertar.

S/N: Jun, este lugar é fantástico.

Jun: Que bom que você gostou. Sabe por que eu te trouxe aqui?

S/N: Não, por quê?

Jun: Porque foi aqui que eu te conheci.

S/N: Me desculpa, mas eu não consigo me lembrar, eu queria muito lembrar, eu juro, mas é como uma boa parte da minha memória tivesse sido apagada.

Jun: Não tem problema, o importante é que você está comigo agora. – Ele me abraça e me dá um selinho.

S/N: Eu queria muito lembra, Jun, mas eu não consigo.

Jun: S/N, não se preocupe, isso não importa, o que importa é que você está comigo e eu estou com você.

    Nós ficamos um bom tempo abraçados, quando eu estava abraçada com ele, eu me sentia segura, como se todos os meus problemas tivessem ido embora. Será que é assim que uma pessoa apaixonada se sente quando está próximo ao seu amado? Não sei e não quero saber, eu só quero ter ele perto de mim o máximo de tempo possível.

Jun: Acho melhor a gente ir, porque o logo, logo os meninos saem da escola.

S/N: Verdade.

Nós voltamos para minha casa, lá ele se despede e eu entro.

Quando piso na sala da minha casa meu celular toca, era o Chan me ligando.

 

 

Ligação on

Cn: Oi, S/n.

S/n: Olá, Chan, aconteceu alguma coisa?

Cn: Não, só queria saber se eu posso ir te ver depois que eu sair da escola.

S/N: Pode sim Chan.

Cn: Então combinado eu vou passa aí depois que eu sair da escola, agora deixa eu desligar, pois o recreio já está acabando.

S/N: Tchau

 

Ligação off

               ------//-----

 

Nossa que chatice, não tem nada para fazer. Isso que dá morar sozinha. Nem para alguma amiga minha morar aqui perto.

No meu celular havia uma mensagem da Lucy.

 

 

Mensagem on

 

 

Lc: Miga eu tenho uma novidade, eu vou viajar para a Coreia, a Suzy também nós conseguimos uma bolsa de estudo na mesma escola que você, só falta achar a casa onde iremos morar.

S/N: Isso é muito bom. Se vocês quiserem podem morar aqui comigo há bastante espaço aqui e pelo menos eu não ficarei sozinha.

Lc: Então resolvido, nós iremos morar com você, nós viajaremos segunda-Feira que vem.

S/N: Eu espero vocês ansiosamente.

Lc: Mas me fala, na escola tem muitos gatinhos?

S/N: Muitíssimos. Eu estou andando com cinco que se eu pudesse catava todos.

Lc: Já catou algum?

S/N: Sim um dos cinco meninos que anda comigo.

Lc: Tem foto?

S/N: Sim já estou te enviando.

Lc: Nossa miga, você é sortuda, ele é muito T.O.P. Haha.

S/N: Essa é velha. Haha.

Minha campainha toca.

S/N: Miga eu tenho que desligar, tenho visita. Depois eu te ligo.

Lc: Ok.

 

 

Mensagem off

 

Quando eu abro a porta, Chan me beija repentinamente. Não consegui entender nada, nos separamos por falta de ar.

Cn: S/N, me desculpa eu tinha que fazer isso.

S/N: Você é doido?

Cn: Não, eu precisava fazer isso. Desde quando te vi pela primeira vez queria muito fazer isso.

Ficamos nos encarando por um momento.

Cn: Por que a senhorita não foi para a escola hoje?

S/N: Porque não acordei muito bem.

Cn: Isso tem a ver com a falta do Jun?

S/N: Ele faltou? Que coincidência.

Cn: Que tal você ir em casa hoje? Para me fazer companhia. Não se preocupe os meninos estrão lá também.

S/N: Pode ser.

Pego meu celular e saímos. No caminho não falamos nada, quando chegamos Chan abre a porta e dou de cara com Jun

Cn: Me espere um pouco, vou troca de roupa e já desço. – Aceno com a cabeça.

Quando Chan sobe, Jun se aproxima me encarando e diz.

Jun: Oi princesa, você está melhor?

S/N: Sim.

Jun: Por acaso você contou alguma coisa para o Chan?

S/N: Não.

Jun: Ata, eu vou para o meu quarto, qualquer coisa você pode ir para lá, eu protegerei você.

S/N: Ok. – Ele me dá um selinho e sobe para o seu quarto.

Chan desce, senta no sofá e me puxa para o lado dele, ele liga a tv.

Sua atenção estava voltada a mim. Estava começando a me incomodar. Ele foi se aproximando, eu tentava ir para traz, mas meu corpo não me obedecia, tipo como quando você quer e não quer ao mesmo tempo. Eu comecei a ficar nervosa, então fechei os olhos e apenas me entreguei. Estávamos tão colados que eu conseguia sentir sua respiração. Chan me puxou pela cintura e me beijou, seu beijo era calmo. Nos separamos por falta de ar.

Cn: Ops, aconteceu de novo. Desculpa.

Não falo nada apenas abaixo a cabeça.

Cn: Não precisa ficar com vergonha.

Eu me levanto e subo para o andar de cima, entro eu qualquer porta, na hora que entro vejo que era um banheiro, tranco a porta e me sento no vaso. Começo a pensar no beijo, eu não queria beijar ele, mas algo me bloqueou, fazendo com que eu não pudesse sair. Então me lembrei do Jun, saio do banheiro e procuro o quarto dele, abri uma das portas do corredor e de primeiro o encontro. Ele me olha, eu corro até ele e o abraço.

Jun: S/n, aconteceu algo?

S/N: Não.

Jun: O que o Chan fez?

S/N: Nada.

Jun: Já sei, ele te beijou, não foi? Pode falar. Você pode confiar em mim.

S/N: Sim.

Jun: Pevertido.

S/N: A culpa também é minha se eu tivesse recusado ele não teria feito isso.

Jun: Não, você não tem culpa de nada. Eu vou falar com ele.

S/N: Não, por favor, deixa quieto

Jun: Não posso deixar quieto, não posso deixar que toquem no que é meu sem minha permissão.

S/N: você está me chamando de sua?

Jun: Sim. -Ele me puxa para ele me dá um beijo.

S/N: Alguém pode nos ver, você é doido?

Jun: Nem ligo. Vamos para a sala.

Ele me puxa até a sala, Chan estava na cozinha, eu e o Jun se sentamos no sofá, mas um pouco longe um do outro.

Cn: S/N, finalmente você apareceu, pensei que tinha fugido. -Ele me olha de uma forma pevertida. Jun o encara com muita raiva.

S/N: Fugir de que? Eu só fui no banheiro.

Cn: Sei. Jun, você poderia nos dar licença?

Jun: Para que?

Cn: Quero ficar sozinho com a S/N.

Jun: É triste, daqui eu não daqui ninguém me tira.

Cn: Affs. Vamos para o meu quarto, ou você quer ficar aqui?

S/N: Eu prefiro ficar aqui.

Cn: Já entendi, vocês estão tendo alguma coisa, não é? S/N, você é muito má, é muito errado brincar com os sentimentos dos outros, sabia? Jun, você é um ótimo amigo fura olho. Vocês se merecem, dois falsos, inúteis que não servem para nada, só para magoar os outros. -Ele sobe para o seu quarto enquanto eu tento processar o que havia acontecido, foi muito repentino.

S/N: Acho melhor eu ir falar com ele.

Jun: Você que sabe.

Eu subo bato na porta do quarto de Chan.

S/N: Chan, abre a porta, vamos conversar.

Cn: Vai ficar com seu Jun, converse com ele.

S/N: Não é nada disso, quando eu cheguei na sala ele já estava lá.

Cn: Problema é seu e dele.

Eu desço, deixo ele sozinho no quarto dele, pego meu celular, me despeço de Jun e vou embora.

Quando chego em casa já estava á noite, então fui tomar um banho, e dormir.


Notas Finais


O proximo acho que vai demorar um pouco pq ainda estou fazendo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...