História Imagine Jungkook - Bem Me Quer, Mal Me Quer - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Personagens Originais
Tags Amizade, Amor, Bts, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Ódio, Romance, Suga, Taehyung
Visualizações 227
Palavras 3.107
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Mais um capítulo. Cheio de intrigas e confusões.

Capítulo 5 - Na mesma escola


Fanfic / Fanfiction Imagine Jungkook - Bem Me Quer, Mal Me Quer - Capítulo 5 - Na mesma escola

Hoje é meu primeiro dia de aula. Acordo com o despertador, me acusando que é hora de acordar. Me levanto aínda um pouco sonolenta e caminho até o banheiro, tomo um banho um pouco rápido, pela hora e me dirijo até minhas malas, que pela preguiça que é tão grande ainda não havia desfeito. Pego o uniforme já pronto e passado pela minha avó e o visto, calço meu converse high e seco os cabelos com o secador. Passo apenas o essencial no rosto, uma BB cream, rímel e um bálsamo para dá um pouco de cor nos lábios.

Se fosse em outros tempos eu estaria bastante preocupada com a minha imagem, teria acordado horas antes e passado um monte de massa corrida na cara mas há alguns meses eu acabei por me desprender desses tipos de coisas fúteis e que não acrescentam em nada na minha vida, para mim hoje menos é mais.

Desço para o café e pelo o adiantado da hora, como apenas uma tigela de cereal com leite. Ouço atentamente minha avó falar qual linha de ônibus eu tinha que pegar para chegar no colégio.

Pego minha mochila, saio de casa, dando início a minha caminhada até o ponto. Vejo um carro que ao passar por mim, vai diminuindo a velocidade, então com receio, acelero os passos, até que o carro para um pouco mais a minha frente e vejo Tae descer dele.

- Quer uma carona até o colégio? - grita, do lado de fora do carro.

Ele trajava o mesmo uniforme que eu. Fiquei feliz ao menos um rosto conhecido no primeiro dia de aula, tornaria as coisas um pouco mais fáceis.

- Eu não vou incomodar? - digo fazendo sombra com as mãos pelo sol para poder enxergar seu rosto.

- Claro que não, vamos - faz um movimento com a mão para que eu acelerasse os passos.

Acelero meus passos e entro no carro, no banco do motorista, uma mulher, que ao me ver lançou um olhar e um sorriso bastante doce e simpático para mim, eu os restribui. supondo que talvez ela seja sua mãe, apesar de ser muito nova.

- E aí estar preparada para o primeiro dia de aula? - Tae que sentava no banco da frente, pergunta fazendo umas expressão estranha ,virando-se, olhando para mim.

- Da forma como você pergunta parece até que eu estou indo para guerra - sorrio.

- E a escola não é uma guerra? Os pais são os generais, os professores os comandantes e os alunos os soldados - diz, dando uma gargalhada.

- Exagerado como sempre Kim Taehyung - sua mão diz, bagunçando o cabelo de Tae.

Que agora eu descobrir que é apelido para Taehyung.

- Omma, essa garota é a que eu te falei ontem - diz cutucando o braço de sua mãe.

Ela olhou para mim pelo o espelho do carro e sorriu simpático mais uma vez.

- Você é muito bonita para ficar andando por aí sozinha. Ainda que alguns meninos daqui acionam o sinal de alerta quando vêem uma garota nova no pedaço - diz sem tirar os olhos da estrada.

Assenti positivamente, curvei um pouco a cabeça a agradecendo pelo o elogio. Logo mais chegamos na frente do colégio que é de uma estrutura enorme e bem diferente das escolas no Brasil. Eu e Tae descemos do carro e nos despedimos de sua mãe, eu no caso me despedi e agradeci pela carona. Adentramos o prédio e eu realmente estava facinada, é bastante interessante tudo por aqui.

- Eu vou para sala e você por ser seu primeiro dia tem que comparecer antes na diretoria - pega em minha mão - vem, vamos logo ou nos atresaremos - sai me puxando pelos os corredores.

Acho que é o jeito dele mesmo, toda essa aproximação. Ele parece ser um garoto bastante interativo e eu acho que eu gosto disso.

Tae me levou até a diretoria e em seguida foi para sua classe. Eu passei um pouco de tempo conversando com a diretora e ouvindo ela me falar sobre as regras do colégio. Ao terminar ela me direcionou até a minha sala. Caminhamos pelo os corredores e assim entramos numa sala, que supostamente é a que eu vou estudar, todos os olhares caíram sobre mim, me fazendo ficar ainda mais envergonhada, fazendo com que eu me mantivesse com a cabeça baixa a todo momento. Eu não somente sou a garota nova mas sim a garota nova brasileira e isso os deixavam o tanto que curiosos sobre a minha pessoa.

- Pessoal essa aqui é a senhorita Kang S/N mais nova integrante do nosso corpos de alunos aqui do colégio Shinwa. Eu conto com vocês para ajudá-la em seus primeiros dias até que ela se adapte. E espero que vocês sejam bastante receptivos com ela também - diz se dirigindo aos alunos.

Levanto a cabeça para olhar ao meu redor e acabo por me dá conta que em minha sala não tem somente um rosto conhecido mas sim dois. Taehyung que sentava em umas das cadeiras na fila da frente e Jungkook que sentava no fundão cheio de marra e pinta de moço rebelde, bem diferente do garoto que eu vi no outro dia, jogando futebol com outros garotos no meio da rua.

- Por enquanto é só isso, obrigado pela atenção e boa aula - a diretora sorri e sai da sala.

- A aula já começou faz um pouco de tempo mas como hoje é seu primeiro dia, atrasos são um tanto que relevantes mas a partir de amanhã não se atrase, chegue na hora pois o colégio Shinwa é muito rigoroso quanto aos horários - sorri simpático - sente-se ali - ela aponta para a cadeira vazia atrás de Tae. Passo por ele que sorri para mim, me fazendo sorrir para ele. Sento no meu lugar e me acomodo, coloco meu livro sobre a carteira, dirigindo a minha atenção para a professora que logo deu continuidade na aula.

As duas primeiras aulas passaram até que rápido. O sinal tocou, acusando que era hora do almoço, então me levantei e me dirigi até o meu armário, guardei os livros das últimas aulas peguei os da seguinte, matemática, filosofia e biologia.

Enquanto estava com a cabeça quase atolada dentro do armário um pequeno alvoroço me chamou a atenção, pelos os corredores Jungkook vinha caminhando em passos lentos, dando a juz ao seu título de garoto mais lindo do colégio, que por onde passa arrasta um mutirão de meninas em seus calcanhares. Fiquei igual boba, secando o garoto, que provavelmente nem tinha reparado em mim. O vi caminhar em passos rápidos até uma loira alta que estava ajeitando as mechas de seu cabelo com um espelhinho na mão. Típico do tipo dela, que mas parecia uma patricinha, mas do que estou falando? se eu mesma fui igual a ela um dia.

O garoto se aproxima e a beija na bochecha, me fazendo voltar ao meu mundinho real. Um garoto como ele, nunca se interessaria por uma garota como eu. Ela é mais o tipo dele. Bonita, alta, loira e aparentemente rica.

Dou um suspiro pesado, pego os livros e fecho o armário.

- Puta que pariu Taehyung, tá louco garoto? quase infartei de susto - elevei a mão ao peito, com a respiração descompensada.

Tae estava parado igual estátua atrás da porta do armário e eu estava tão distraída que não vi quando ele chegou.

- Estava tão distraída babando novamente pelo o Jungkook que nem percebeu minha presença - sorri debochado.

- Eu já te disse que não estava babando por ninguém, você que parece uma pena e chega sem fazer barulho nenhum - bato de leve em seu braço.

- Descepcionada? - pergunta apontando para os dois trocando carícias perto do bebedouro.

- Pelo o que? - pergunto, ficando de costas para a cena de afeto que acontecia não muito longe, me dou por desentedida, mas eu sabia do que ele estava falando.

- Em saber que seu príncipe já tem uma princesa - diz me virando para que eu pudesse olhar os dois, agora de mãos dadas, caminhando em direção do refeitório.

- Ele não é meu príncipe e eu muito menos me importo com a vida deles, por mim que ele foda - se - digo alterada, balançando a cabeça.

- Vou fingir que eu acredito - diz gargalhando, cutucando a minha costela me fazendo me contorcer igual cobra pela cócega.

- Tá, já chega - grito fazendo com que algumas pessoas lancem um olhar estranho para mim - Tá vendo o que você fez? agora as pessoas vão pensar que eu sou louca - digo dando vários tapas em seu braço.

- E você é louca mesmo, só que louca pelo o Jungkook - dá uma gargalhada, bagunçado os meu cabelos.

- Mas que droga Taehyung, será que dá para parar? eu não gosto desse garoto, por mim que ele se exploda - digo chateada - Foi para isso que você veio até aqui? - cruzo os braços.

- Tá bom marrentinha - diz apertando minha bochecha - E respondendo a sua pegunta, não, não foi para isso que eu vim, na verdade eu vim para te chamar pra almoçarmos juntos.

- Tá, então vamos logo - caminho mais a frente.

Taehyung me acompanha e coloca seu braço em volto do meu pescoço, fazendo com que alguns alunos e alunas lançassem um olhar nos estranhando. Acho que eles pensam que somos namorados ou algo do tipo, mas eu não me importo mesmo. Tae é muito lindo e não acho ruim que achem que estamos namorando, agora eu já não sei ele, mas acho que também não se importava ou não se aproximaria tanto assim de mim, a ponta de fazer as pessoas criarem teorias sobre nós.

Enfim, chegamos no refeitório, peguei meu almoço e fui caminhando até a mesa enquanto Tae ficou flertando com a moça que entregava as comidas. Caminhei mais a frente e logo ele me acompanhou. Nos acomodamos em umas das várias mesas que tinha ali.

Começamos a comer. hora ou outra Tae jogava algumas ervilhas em mim, acho que esse garoto ama me provocar, mas era só ele abri seu sorriso lindo que a chateação passava totalmente.

- Sabe eu só não entendi uma coisa? - coloquei a mão no queixo, fazendo uma expressão pensativa.

- O que? - pergunta de boca cheia.

- Suponhamos que você e Jungkook sejam amigos, porque tipo... vocês pareciam ser amigos aquele dia que os vi jogando bola pela janela. E... se... vocês são amigos, porque então você estar almoçando aqui comigo e não com ele? - o encaro.

- Eu e o Jungkook somos amigos sim, mas o fato de termos uma amizade não signifique que eu tenha que almoçar com ele ou andar para cima e para baixo ao seu lado - faz uma cara estranha.

- Entende - baixo a cabeça e volto a comer.

Do outro lado da minha mesa uma cena me chamou a atenção. Uma garota, com um bolo na mão, se aproximou da mesa onde estavam Jungkook, sua suposta namorada e outros caras. Ela se curva, esticando os braços, com o bolo nas mãos. A atitude da garota foi admirável mas não para os outros da mesa e os que estavam presentes que riam da pobre, debochando da cara dela.

- Jungkook Oppa - a menina diz, com a cabeça curvada - eu fiz esse bolo para você com as minhas próprias mãos - levanta a cabeça e sorri para o garoto que a olhava com bastante desprezo.

Jungkook pega o bolo da mão da garota que logo acende um sorriso em seu rosto, por ele ter aceitado seu presente. Jungkook solta um suspiro profundo em seguida dando com o bolo na cara da pobre que ficou com a cara toda suja de glacê, fazendo todos ali riem, exceto eu, que não achei nem um pouco de graça na sua atitude, muito pelo o contrário, foi bastante cruel da parte dele.

- Eu já falei que eu odeio que me chamem de oppa- ele grita, enquanto a garota cai no chão envergonhada.

Eu senti uma fúria incontrolável se acender em minha face, principalmente quando todos ao invés de repreender o garoto e fazer alguma coisa, riam como se aquela atitude deplorável tivesse se quer um pouco de graça.

- Eu não consigo acreditar que o mesmo garoto dono daquele sorriso simpático é esse mesmo é esse mal que se apresenta em minha frente com essa atitude - digo indignada.

- Ele é assim, sempre humilhou a todos do colégio, principalmente aos que se opõem ao fazer o que ele quer ou simplesmente por pura diversão mesmo - Tae diz sem muito se importar.

- Como você pode ser amigo de um garoto desses? - indago bastante enfurecida e indignada.

- Nós somos amigos desde criança, mas eu não tenho nada haver com o que ele faz - eleva o garfo a boca com um pedaço de fruta, demostrando estar nem ai com a situação.

- Uma vez que você tem a chance de mudar algo ou alguém e não faz, principalmente quando é para impedir coisas desse tipo, você se torna um covarde - digo o encarando.

- Ele sempre foi assim, nem mesmo os país dele conseguiram muda-lo, então porque eu deveria fazer isso? - dá de ombros.

- Mas ele só continua fazendo isso porque todos baixam a cabeça para suas atitudes - digo me levantando do meu assento rapidamente.

- O que você vai fazer? - segura em meu braço, tentando me impedir.

- Se ninguém aqui faz nada eu vou fazer alguma coisa,eu só não vou ficar parada, aplaudindo essa situação - digo puxando meu braço, tentando me soltar dele.

- Você ficou maluca? ele é filho da diretora S/N - levanta-se, me segurando ainda mais forte.

- Ele pode ser o filho do papa - puxo o meu braço mas sem êxito em consegui me soltar, o magrinho até que é forte.

- Eu não vou deixar você fazer nada - olha com um olhar intimidador.

Suspiro profundo e o encaro.

- Taehyung, meu pai me ensinou que uma mulher não pode ser agredida de uma forma e em nenhuma hipótese, principalmente por ele que pensa que só porque é filho da diretora pode fazer o que quiser com as pessoas - digo enfurecida. Puxo o meu braço, enfim, conseguindo me soltar dele.

Caminho rapidamente até Jungkook, cemicerro o punho, pela raiva. Minha vontade era de dá um soco, ao menos quebrar seu nariz. Ele estar de costas, prestes a se retirar do refeitório, com seu bando em seu calcanhar, sorrindo triunfante com seu feito, enquanto a pobre garota chorava pela humilhação, caida no chão. Eu queria tirar aquele sorriso do seu rosto que outrara parecia o mais perfeito para mim mas que agora expressa bastante maldade.

Topo em seu ombro o fazendo se voltar para mim, com bastante desprezo.

- Peça desculpas - digo apontando para a garota.

- O que? - me olha confuso.

- Vamos, peça desculpas a garota que você acabou de humilhar, sem motivo razão ou circunstância alguma - digo calma mas com um pouco de alteração na voz.

- E porque eu faria isso? se fosse para pedir desculpas eu não teria feito e eu não preciso de razão, motivo ou circunstâncias para fazer o que eu quero, eu simplesmente faço e pronto- sorri debochado, dando as costas para mim.

- Sabe? Eu sei o tipo de pessoa que você é - falo alto, fazendo com o que o maior se voltasse para mim lentamente - Um garoto fútil, solitário e infeliz que sem nenhuma perspectiva de vida, faz do ato de humilhar as pessoas uma forma de chegar o mais perto possível do que você pensa que seja felicidade - caminho até ele, o enfrentando.

Com certeza eu consegui desestabilizar o garoto que aos poucos foi perdendo sua expressão de marra e baixando sua crista.

O ignoro, me abaixando, indo de encontro com a garota que estava caída no chão.

- Você estar bem? - pergunto com um sorriso frouxo nos lábios.

Ela assenti com a cabeça e eu estendo a mão a ajudando a levantar-se, pego em sua mão e saio caminhando com ela, indo em direção da minha mesa. Olho para Jungkook mais uma vez, lançando sobre ele um olhar de desprezo total.

Mas eu achei mesmo que o cruel Jungkook iria ser humilhado dessa forma na frente de todo o colégio e não fazer nada? se eu achei, estava errada, porque o garoto foi covarde agindo pelas costas. Pego o resto do bolo que havia sobrado no chão e o jogou em mim, o bolo acertou em cheio no meu cabelo. Olhei para Tae na mesa mais a frente que olhava para mim de boca aberta e maneiando a cabeça negativamente para que eu não reividasse, logo eu?

Me virei lentamente, passei as mãos nos meus cabelos, tirando um pouco da melequeira causada pela atitude idiota do garoto que até então eu achava um máximo, e o fuzilei com os olhos, caminhei até ele com a mão cheia de glacê e passei em todo seu rosto e cabelo, deixando o garoto ainda mais irritado.

Todos gritam em unânime um sonoro Ohhhh... Pela minha atitude, pelo o que eu entende, até hoje ninguém havia o enfrentando, por medo.

- Guerra de comida - um coreano grita de cima da mesa.

Era comida voando para todo lado. Resultado? fomos todos parar na diretoria, um mês de detenção. Mesmo estando no mesmo barco, tudo isso serviu para que a atitude dele não ficasse impune.

Um fim de mais um dia de aula de muitos outros que virão.

- Sn vai logo, minha mãe estar nos esperando em frente a escola - Tae diz caminhando com pressa um pouco mais a frente.

- Tá, eu não vou demorar, só vou pegar o casaco que estar no armário para não sujar todo o carro da sua mãe de glacê - digo pegando o caminho ao contrário do dele.

Caminhei até o meu armário, cantarolando com um sorriso no rosto. Coloquei o segredo, abrindo-o, peguei o moletom e antes que eu pudesse o fechar. Senti um solavanco. Jungkook me puxou e me empurrou com violência contra o armário, ficando com o rosto tão perto do meu que eu podia sentir sua respiração quente e pesada.

- Ele vai me beijar? - penso.

Senti meu coração acelerado, não sei se pelo o susto de sua atitude ou pela aproximação.

- Não pense que vai ficar assim, eu vou me vingar e fazer da sua vida um inferno nesse colégio Baek S/N - diz deixando se acender uma fúria incontrolável em seus olhos encarando os meus.

- Eu não tenho medo de você - falo enfurecida e o empurro.

- Vamos ver - deixa se acender em seus lábios mais uma vez um sorriso que transbordava maldade.

Ele se afasta de mim e sai andando a caminho da saída, sem olhar para trás.

Dessa vez ele conseguiu me deixar em silêncio.


Notas Finais


Esse foi um pouco mais longo mas espero que vocês curtam.
Gomawo e até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...