História Imagine Jungkook - Capítulo 62


Escrita por:

Postado
Categorias A Seleção, Bangtan Boys (BTS)
Personagens America Singer, Celeste Newsome, Elise Whisks, Gavril Fadaye, Jeon Jungkook (Jungkook), Kriss Ambers, Marlee Tames, Maxon Calix Schreave, Park Jimin (Jimin), Rainha Amberly, Rei Clarkson
Tags Romance
Visualizações 121
Palavras 2.043
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura anjinhos ^-^

Capítulo 62 - Capítulo 61


Fanfic / Fanfiction Imagine Jungkook - Capítulo 62 - Capítulo 61

Não importava o quão rápido eu tentasse chegar ao meu quarto: Jimin foi mais rápido. Eu não deveria ficar surpresa. Ele

conhecia o palácio tão bem que isso não era nada para ele a essa altura.

— Ei — eu disse, sem saber direito por onde começar.

Ele me deu um abraço rápido e depois recuou.

— Essa é a minha garota.

Achei graça.

— É?

— Você pôs essa gente em seu devido lugar, S/a. — Arriscando a vida, Jimin acariciou minha bochecha. — Você

merece ser feliz. Todos merecemos.

— Obrigada.

Com um sorriso, segurou meu pulso. Deslocou o bracelete que Jungkook tinha trazido da Nova Ásia para tocar o que havia

embaixo: a pulseira que eu fizera com o botão que ele me dera. Seus olhos se entristeceram ao contemplar aquela nossa

pequena recordação.

— Vamos conversar em breve. Conversar de verdade. Temos muita coisa para resolver.

Depois de dizer isso, Jimin seguiu pelo corredor. Respirei fundo e levei as mãos à cabeça. Por acaso ele tinha entendido

que a minha reação no Salão significava que eu havia desistido de Jungkook para sempre? Será que estava pensando que eu

queria dar outra chance à nossa relação?

Mas, justamente, eu não tinha acabado de rejeitar Jungkook?

Não tinha pensado no dia anterior que precisava de Jimin na minha vida?

Então por que estava com aquela sensação horrível?

O clima estava pesado no Salão das Mulheres. A rainha Amberly estava sentada, escrevendo cartas. De tempos em tempos,

levantava a cabeça e olhava para nós. Depois da conversa do dia anterior, estávamos evitando fazer qualquer coisa que nos

obrigasse a interagir. Celeste estava deitada no sofá com uma pilha de revistas ao lado. Muito esperta, Kriss levara seu diário e

agora escrevia, próxima à rainha mais uma vez. Por que eu não tinha pensado nisso? Elise tinha arranjado uma caixa de lápis de

cor e trabalhava em algo perto da janela. Eu estava em uma poltrona perto da porta, lendo um livro.

Desse jeito, não precisávamos fazer contato visual.

Eu tentava me concentrar no que lia, mas na maior parte do tempo me perguntava quem os rebeldes queriam que fosse

princesa além de mim. Celeste era muito popular; seria fácil o povo segui-la. Imaginava se os rebeldes tinham noção de como

ela era manipuladora. Talvez sim; eles sabiam coisas sobre mim. Será que havia mais coisas sobre ela de que eu não

desconfiava?

Kriss era doce e, de acordo com uma pesquisa recente, uma das favoritas do povo. Sua família não tinha muito nome, mas

ela era mais princesa que qualquer uma de nós. Tinha uma postura de nobreza. Talvez esse fosse seu grande atrativo: não era

perfeita, mas era muito amável. Havia dias em que até eu torcia por ela.

A menos suspeita para mim era Elise. Ela admitira que não amava Jungkook e que estava no palácio apenas pelo dever. E eu

realmente achava que, quando ela falava em dever, referia-se à sua família ou às suas raízes na Nova Ásia, não aos rebeldes do

norte. Além disso, ela era tão calma e resignada. Não dava qualquer sinal de rebeldia.

Então, pensando sobre isso, tive certeza absoluta de que era ela a outra favorita dos rebeldes. Elise mal tentava competir e já

tinha confessado sua indiferença em relação a Jungkook. Talvez não precisasse tentar, pois contava com um exército silencioso de

apoiadores que lhe entregaria a coroa de qualquer jeito.

— Já chega — a rainha disse de repente. — Venham todas aqui.

Ela afastou a mesinha que usava e levantou, enquanto nos aproximávamos, nervosas.

— Algo está errado aqui. O que é?

Nos entreolhamos. Ninguém queria explicar. Por fim, Kriss, sempre perfeita, resolveu falar:

— Majestade, só agora tomamos consciência de como a competição é acirrada. Temos um pouco mais de noção da posição

de cada uma de nós em relação ao príncipe, e é difícil absorver tudo isso e ainda conversar neste momento.

A rainha assentiu, como se entendesse a questão.

— Vocês pensam muito em Natalie? — perguntou.

Fazia menos de uma semana que ela havia partido. Eu pensava nela quase todos os dias. Também pensava em Marlee o

tempo todo. E, às vezes, alguma das outras garotas vinha à minha cabeça do nada.

— Sempre — Elise respondeu com tranquilidade. — Ela era tão alegre.

Ela sorriu ao dizer isso. Sempre achei que Natalie irritava Elise. Uma era tão reservada, e a outra, espaçosa demais. Talvez as

duas mantivessem uma amizade do tipo “os opostos se atraem”.

— Às vezes ela ria das coisas mais simples — Kriss acrescentou. — Era contagiante.

— Exatamente — a rainha comentou. — Já estive no lugar de vocês. Sei como é difícil. Vocês procuram segundas

intenções em tudo o que as outras fazem; e também procuram segundas intenções em tudo o que Jungkook faz. Cismam com

qualquer conversa, na tentativa de interpretar cada suspiro entre uma frase e outra. É exaustivo.

Aquelas palavras tiraram um pouco do peso das costas de todas nós. Alguém nos compreendia.

— No entanto, tenham a certeza disto: por mais tensões que haja entre vocês, a saída de cada uma vai doer muito.

Ninguém jamais entenderá esta experiência a não ser quem passou por ela; pela Elite, principalmente. Vocês podem brigar,

mas isso é comum entre irmãs. É para estas meninas — disse, apontando o dedo para cada uma de nós — que uma de vocês

vai ligar quase diariamente durante o primeiro ano, sempre que estiver morrendo de medo de cometer um erro e precisar de

apoio. Nas festas, vai pôr seus nomes no topo da lista de convidados, logo abaixo de sua família. Porque é isso que vocês são

agora. Nunca vão perder o vínculo que construíram aqui.

Trocamos olhares novamente. Se eu fosse princesa e precisasse de alguém com uma perspectiva racional em relação a

algum problema, ligaria primeiro para Elise. Se brigasse com Jungkook, Kriss poderia me lembrar de tudo o que ele tem de

bom. E Celeste… bom, não tinha tanta certeza, mas se havia alguém que poderia me dizer para ser mais dura em relação a

alguma coisa, esse alguém seria ela.

— Então reflitam — aconselhou a rainha. — Adaptem-se a essa nova situação e deixem o resto fluir. Não são vocês que o

escolhem; ele é quem escolhe vocês. Não faz sentido odiar as outras por isso.

— A senhora sabe quem ele mais deseja? — Celeste perguntou. Pela primeira vez, percebi uma preocupação em sua voz.

— Não — a rainha Amberly confessou. — Às vezes desconfio, mas não tenho a pretensão de compreender todos os

sentimentos de Jungkook. Sei quem o rei escolheria. E só.

— Quem a senhora escolheria? — perguntei, e logo me repreendi mentalmente por fazer uma pergunta tão descarada.

A rainha abriu um sorriso gentil.

— Sinceramente, não pensei no assunto. Ficaria de coração partido se começasse a amar uma de vocês como filha e depois a

perdesse. Não suportaria.

Baixei os olhos. Não sabia ao certo se aquelas eram palavras de consolo ou não.

— Posso dizer que ficaria feliz por ter qualquer uma de vocês na minha família — Levantei a cabeça, e a rainha demorou o

olhar em cada uma de nós. — Agora temos trabalho a fazer.

Permanecemos ali caladas, assimilando sua sabedoria. Nunca havia procurado saber sobre as concorrentes da última Seleção,

ido atrás de suas fotos ou algo assim. Conhecia alguns nomes, a maioria deles mencionados por mulheres mais velhas nas festas

em que ia cantar. Nunca tinha dado importância a isso. Já tínhamos uma rainha e, mesmo quando eu era criança, a ideia de me

tornar princesa nunca me passara pela cabeça. Naquele momento, porém, comecei a pensar nas mulheres que visitavam a

rainha ou que tinham aparecido no Halloween. Quantas delas tinham sido suas concorrentes antes de se tornarem suas amigas

mais íntimas?

Celeste foi a primeira a se retirar e voltar para o conforto do sofá. As palavras da rainha Amberly pareceram não significar

muito para ela. Por algum motivo, aquela foi a gota d’água para mim. Todos os acontecimentos dos últimos dias de repente

começaram a pesar no meu peito e me senti a ponto de desabar.

— Com licença — balbuciei ao fazer uma reverência, antes de seguir rapidamente para a porta.

Não tinha um plano. Talvez pudesse me trancar no banheiro por uns minutos ou me esconder em uma das inúmeras saletas

do primeiro andar. Talvez simplesmente fosse até o quarto e chorasse até desidratar.

Infelizmente, o universo parecia conspirar contra mim. Logo na saída do Salão das Mulheres dei com Jungkook, que andava

em círculos como se tentasse resolver um quebra-cabeça. Ele me viu antes que eu pudesse me esconder.

De todas as coisas que eu tinha pensado em fazer, aquela era a última da lista.

— Estava cogitando chamar você aqui fora.

— O que você deseja? — perguntei, seca.

Jungkook permaneceu imóvel, juntando coragem para dizer algo que claramente o incomodava muito.

— Então há uma garota completamente apaixonada por mim?

Cruzei os braços. Depois dos últimos dias, eu deveria ter previsto essa mudança em seus sentimentos.

— Sim.

— Não são duas?

Elevei o olhar para ele, quase irritada por ter que explicar. Você já não sabe o que sinto? , pensei, com vontade de gritar. Você

não se lembra do abrigo?

Mas, sinceramente, eu também estava precisando de uma confirmação. O que tinha acontecido para me deixar tão

insegura?

O rei. Suas insinuações sobre o que as outras já tinham feito, seus elogios aos méritos delas: tudo isso me fazia sentir

diminuída. E ainda havia todos os passos em falso que eu tinha dado com Jungkook ao longo da semana. Se não fosse a Seleção,

jamais teríamos nos aproximado, mas parecia que, enquanto ela não terminasse, não haveria como ter qualquer certeza.

— Você disse que não confiava em mim — acusei. — Outro dia, fez questão de me humilhar, e ontem disse basicamente

que eu tinha muito do que me envergonhar. E, há algumas horas, a simples sugestão de se casar comigo fez você explodir de

raiva. Me perdoe por não estar tão segura quanto à nossa relação no momento.

— Você se esquece de que nunca fiz isso antes, S/n — ele argumentou com a voz carregada de sentimentos, mas sem

raiva. — Você tem alguém com quem me comparar. Eu nem sei como manter uma relação normal e tenho só uma chance.

Você teve pelo menos duas. Eu vou cometer erros.

— Eu não me importo com os erros — repliquei. — É a insegurança que me preocupa. Eu não faço ideia do que está

acontecendo na maior parte do tempo.

Ele se calou por um instante, e me dei conta de que estávamos em um momento decisivo. Tínhamos deixado muitas

coisas implícitas, mas não daria para continuar assim por muito tempo. Ainda que acabássemos juntos, esses momentos de

insegurança voltariam a nos assombrar.

— Sempre fazemos a mesma coisa — murmurei, cansada daquele jogo. — Ficamos próximos, mas então acontece algo que

nos afasta. E você nunca parece capaz de tomar uma decisão. Se você me quer tanto quanto diz, por que isso aqui ainda não

acabou?

Apesar de eu tê-lo acusado de não se importar comigo, sua frustração se diluiu em tristeza.

— Porque em metade do tempo eu tinha certeza de que você amava outra pessoa e, na outra, duvidava que você fosse me

amar um dia — ele respondeu, o que me fez sentir absolutamente péssima.

— E eu? Não tenho meus próprios motivos para duvidar? Você trata Kriss como se ela fosse o céu na terra, e depois flagro

você com Celeste…

— Já expliquei isso.

— Sim, mas ainda dói.

— Bom, também me dói ver como você se fecha tão rápido. Por que você faz isso?

— Não sei, mas talvez você devesse parar de pensar em mim um pouco.

Imediatamente, um silêncio caiu entre nós.

— O que isso quer dizer?

Dei de ombros.

— Há outras garotas aqui. Se você está tão preocupado com a sua única chance, talvez devesse garantir que não vai

desperdiçá-la comigo.

Fui embora, furiosa com Jungkook por me fazer sentir daquele jeito… E furiosa comigo mesma por piorar tanto as coisas.


Notas Finais


AAAAFFFFF ESSES DOIS SÓ SABEM BRIGAR MAS DESSA VEZ A S/N TEM RAZÃO...

Muchas gracias por leeren :3 me perdoem pelos erros ortográficos.

Eu ñ revisei o capítulo então talvez eles esteja com alguns erros ortográficos por isso me perdoem...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...