1. Spirit Fanfics >
  2. Imagine red velvet (e vc) >
  3. Choices né mores?

História Imagine red velvet (e vc) - Capítulo 60


Escrita por:


Notas do Autor


ESSE CAPÍTULO DEU MUITO TRABALHO MISERICÓRDIA

Capítulo 60 - Choices né mores?


Fanfic / Fanfiction Imagine red velvet (e vc) - Capítulo 60 - Choices né mores?

POV S/N 

Que ótimo né? Além de todos me amarem, todos me odeiam igualmente... primeiro jaebum me ameaça, depois recebo uma ligação do jaehoon me xingando e ameaçando... agora esse babaca do chanwoo. Realmente não é fácil mesmo. 

-primeiro o jaehoon, agora esse... moleque! 

Seulgi: apenas... ignore.  

-é complicado... - falei passando as mãos no meu rosto. 

Seulgi: as vezes você não faz sentido – disse sorrindo enquanto olhava a garrafa de agua em suas mãos  

-porque? 

Seulgi: vai assumir um filho que não é seu – respondeu me olhando séria - é admirável, mas... vale a pena? 

-bom, eu gosto da yeri. 

Seulgi: isso eu não tenho duvida – respondeu debochada  

-bambam me contou da discussão com o jaebum e... me desculpe. 

Seulgi: esquece. - olhou pela janela da lanchonete  

-seulgi... sei que é estranho, mas como se sente namorando ele? Ele não é possessivo demais com você? 

Seulgi: ah... ele é ciumento, mas não possessivo. 

-hm... sei – respondi sorrindo - então, tenho que ir. Foi bom falar com você kang. 

Saí de lá e fui até minha casa. Contei para o nick e suki do que havia acontecido e ambos ficaram muito chocados. 

Suki: jaehoon arrombado filho da puta. 

Nick: mas esse menino é perigoso também... como ele sabia que você estudava lá? 

-sei lá, só sei que ele está enchendo o saco já. 

Suki: ta mesmo essa porra. 

Nick: e o que nós fazemos? 

Suki: vamo no cafofo do sigão dar um fim nesses dois 

-sem mortes suki, por favor. 

Nick: e o que vai fazer s/n? Não pode fazer isso. 

-eu ainda não sei o que fazer... mas vou dar um jeito. 

Suki: vai mesmo! - se levantou – vamo amanhã de manhã pegar um busão e vamos para Chuncheon. 

-ok, fala sério. 

Nick: mas é sério. 

-porque...? 

Suki: porque digão canalha ta escondido lá mana. Vamos no caminhão da ludimilla pelo meio do mato pra não pagar pedágio. 

-eu não posso! Tipo, e meu trabalho? 

Suki: já conversei com eles a respeito. 

-não pode fazer isso suki! E minha faculdade? Eu estou estourando de falta! 

Nick: não se preocupe que tomamos conta ok? 

-como assim? 

 

DIA SEGUINTE... 

POV NICK 

Suki: então, a gente mete o migué nessa diretora e damo o fora. 

-até parece que vamos fugir para algum lugar né? 

Suki: s/n poderia, já que tem um monte de xereca querendo sentar nela. 

Diretora: PODEM ENTRAR 

Assim que entramos na sala da diretora da faculdade nos sentamos na mesa. Suki tava ridicula com um oculos de sol em um dia nublado. 

Diretora: então... o que... vocês querem? 

-bom diretora...? 

Diretora: sunmi 

-sunmi... viemos aqui falar sobre a s/n... 

Sunmi: ah... - disse sorrindo – grande mulher... 

Suki: você não era a professora? 

Sunmi: fui promovida. 

-então... a nossa avó faleceu e precisamos ir ao velório. s/n ainda não sabe e creio que será um baque para ela. 

Sunmi: nossa coitada... - disse um pouco chocada – o que eu poderia fazer? 

-então, queríamos saber se vocês aceitam um atestado do velório para abater as faltas 

Sunmi: mas é claro que sim! O brasil é tão longe e ela deve ser muito importante para s/n... 

-então nós vamos semana que vem. 

Sunmi: tudo bem, não se preocupem. Tudo pelo bem estar daquela delic, digo, aluna. 

 

DIA SEGUINTE... 

POV S/N 

-eu não acredito que vocês fizeram isso! Mentiram que a vovó morreu só para eu ir nessa loucura? 

Suki: ih, abusada você vai numa aventura radical e ta reclamando? Sua burguesa capitalista safada! 

Nick: enfim, boa sorte – disse com a caneca de café na mão. 

Ludimilla: sobe aí s/n! - disse dando partida no caminhão. 

Suki: vem logo poha. 

Subi no mesmo e assim que subi no onibus, Anitta mangueirão subiu junto e pegamos estrada. Cortamos por tras do bambuzal, mais precisamente pelo enorme bambuzal. Agora sim o nome faz sentido. 

Suki: era aqui que as gay coreanas funfavam no nazismo japones sabia? 

-ãh? 

Suki: na ocupação japonesa gatah, como acha que o bambuzal nasceu? Foram os jung que fundaram isso aqui. Aí os chineses agregaram, depois os tailandeses, aí veio os nordestinos... 

-nordestino? 

Suki: é, ta-ta-tataravó de ludmilla né lud? 

Ludmilla: é verdade... muito sangue brasileiro nessa periferia. 

Suki: gloria deus. 

Eu não creio que vou ter que aguentar as tres a viagem inteira no meio do mato... revirei os olhos mas eu não tinha outra opção. Porra suki! 

 

 

POV YERI 

- Chuncheon? O que vai fazer em Chuncheon?  

s/n: longa história... e a saeron? Dando muito trabalho? 

-sua filha está me deixando louca, ela me faz tirar tudo o que eu comi no refeitorio agora pouco. 

s/n: ta no banheiro? 

-é... na cabine do meio mais precisamente. 

s/n: aquele imbecil te oportunou? 

-não... aliás ele nem tenta se aproximar. 

s/n: ótimo.  

-tenho que desligar agora porque o sinal bateu, mas voe segura tá?  

s/n: beijos yeri. 

-beijos... 

Desliguei o celular e saí da cabine do banheiro. As aulas seguiram normais, um pouco de ânsia mas nada que me fizesse sair as presas da sala e vomitar no banheiro. Dessa vez minha mãe taeyeon me buscaria, mas ela era um pouco enrolada então sempre demorava um pouco. Assim que ela chegou fomos para a casa e fiz a velha rotina de jantar, tomar banho e dar uma olhada nas redes sociais. 

Fazia um bom tempo que eu não olhava nada, já que passava muito tempo com a s/n. Então ouvi minha mãe gritar meu nome, pedindo para eu descer. Com muita preguiça fui e assim que cheguei na sala ambas estavam com uma carta na mão. 

-que foi? 

Taeyeon: uma intimação. 

-intimação? Porque? 

Tiffany: uma intimação para nós... - disse respirando fundo – chanwoo entrou na justiça por causa da sua gravidez. 

-o que? Porque? - disse pegando o papel 

Taeyeon: também queria saber. 

-ele não pode fazer isso! 

Tiffany: sim ele não pode, mas ele pediu o teste de DNA e... eu recebi uma ligação da mãe dele hoje no trabalho. 

-eu não acredito! - falei irritada 

Tiffany: se acalme que não faz bem ao bebe. 

Taeyeon: nós vamos ao jantar com eles e... conversar mais sobre isso. 

-mas é injusto! Ele me humilhou na escola e não queria assumir! Porque isso agora? 

Tiffany: talvez ele tenha se sentido envergonhado por uma outra mulher assumir a responsabilidade que era dele... uma vez que esse pais é patriarca. 

 

 

POV S/N 

Estávamos no caminhão a horas indo para a Chuncheon, eu ainda não entendia qual era a pira da suki nessas coisas. Enfim, depois de horas de viagem nós chegamos até a cidade de namyangju para comermos algo, inclusive estava bem no final da tarde. 

Suki: vem irmã, vamos entrar no cu. 

-que? 

Suki: o cu ali ó - disse apontando para a loja de conveniência – adoro entrar no cu. 

Fomos até o cu e entramos, era tudo de boa se não fosse as piadinhas infames que a suki estava fazendo com o nome da loja. 

Suki: nossa moça esse cu é fresco né? 

Moça: muito fresco 

Suki: diferente de outros, nesse cu passa sinal de wi-fi. Liga pra sua girl magia. 

-já fiz isso...  

Moça: a senha do cu é 19825547. 

-muito obrigada – respondi sorrindo - é só isso que vamos levar? 

Suki: sim. - disse indo ao caixa - moça o cu é muito barato né? 

Moça: sim, esse cu é o menor dessa região, mas muitas pessoas vem aqui. 

Suki: é um cu acolhedor. 

Moça: com certeza. Deu 14000 wons 

Suki: não falei que esse cu era econômico? 

Moça: quer um cupom do cu? 

Suki: não muito obrigado. 

Moça: é um cupom de desconto, em qualquer cu que você entrar pode utiliza-lo 

Suki: quero. 

Moça: voltem sempre 

Suki: com certeza vou voltar no cu moça. Obrigado, seu cu é muito lindo. 

-SUKI! 

Moça: magina, esse cu é velho. 

Suki: mas é um cu muito aconchegante!  

-tchau moça - falei puxando suki  

Suki: até mais! 

Saímos daquele lugar comigo toda roxa, suki tinha se aproveitado que a moça não sabia o que cu no brasil significava pra ficar falando asneira. Subimos de novo no onibus e caímos na estrada. Eu estava deitada olhando o céu que agora estava brilhando com as estrelas e pensando na vida. 

Tudo o que eu fiz valeu a pena? Eu amava a seungwan, amava sooyoung, amava yeri... e também amava joohyun. Não posso esquecer da seulgi também que significou muito para mim. Mas o meu medo com a profecia da ayahuasca ainda era maior e não queria perder ninguém, muito menos que alguém morresse por minha culpa. 

Paramos num Motel para tomarmos banho e dormirmos um pouco, já que sairiamos as 5 da manhã de novo. Uma coisa ruim de viajar para longe é não poder falar com quem ama não é mesmo? Estava deitada na minha cama e suki na cama ao lado, recebi uma mensagem do bambam 

Bambam: sabe que o aniversário da seulgi é amanhã né? Vamos sair, o que acha? 

Eu> não dá bambam, estou na estrada 

Bambam> sapatona ryca! 

Eu> é um lance sério... mas estou com suki. 

Bambam> sei... enfim, seria legal se viesse. 

Eu> melhor não. Jaebum ficaria possesso. 

Bambam> por isso mesmo... macho chato. 

Eu> a escolha foi dela, você sabe disso. 

Bambam> pois é... me traz uma coisinha daí amiga. 

Eu> claro... - respondi rindo e logo tive uma ideia. 

Eu> bambam, poderia fazer uma coisa para mim? 

Bambam> claro... 

Suki: PUTA MERDA! - gritou e eu a olhei 

-que foi? 

Suki: bicha que babado... olha a treta da seulgi com o jaebum. 

-deixe eu ver! - falei sorrindo 

 

*link da treta na descrição pq to com preguiça de escrever então eu montei um print* 

 

Eu comecei a rir, mas ao mesmo tempo eu estava preocupada com a seulgi. Nossa historia é enrolada e confusa, mas ela definitivamente está em um relacionamento abusivo. Eu também não posso negar o que eu ainda sinto por ela, mas era complicado demais. Seulgi era uma menina complicada e precisava de alguém que cuidasse dela. 

Suki: bafão né? 

-é... - falei sorrindo fraco  

Suki: vou dormir e não faça barulho – disse e apagou o abajur dela. 

Eu não conseguia dormir em qualquer lugar igual a suki porque eu sofria de insônia. Então, já que eu não consegui dormir decidi ver se tinha alguém online e me surpreendi quando vi yeri, mas não mandaria mensagem... então decidi ligar para ela que acabou me atendendo surpresa. 

Yeri: ya! 

-ya! Porque não está dormindo? 

Yeri: não estou com sono... porque ligou? 

-queria ouvir a sua voz. 

Yeri: babo – falou quase como sussurro 

-desculpe eu não estar aí para você...  

Yeri: está tudo bem... e você? 

-bem, mas... suki ronca muito 

Suki: RUHAHRUASHAUEURHA 

Yeri: notei... - disse rindo 

-e a saeron? 

Yeri: ela está bem... sobre isso s/n - disse de forma tensa – preciso te contar uma coisa... 

-pode dizer. 

Yeri: chanwoo pediu o teste de DNA e os pais querem que eu vá ao jantar para poder conversar. 

-droga! - retruquei – eu vou voltar de viagem na quarta feira... mas seja lá o que eles forem falar relaxa que eu to com você tá? 

Yeri: ta... eu só... - comecei a ouvir suspiros pesados, ela estava chorando – eu queria que você pudesse estar aqui... para eu te abraçar e te beijar como eu fiz em julho. 

-calma yeri, vai ficar tudo bem ok? Relaxa.  

Yeri: tudo bem... depois nós nos falamos. 

-ok... durma bem ok? 

Yeri: ok... boa noite s/n. 

-boa noite. 

 

 

 

POV SEULGI 

Amanhã é o meu aniversário e não estava muito animada para aquilo, já que havia se tornado um dia qualquer. 

Pai: gongjunim! - me chamou empolgado – como amanhã é seu aniversário eu estava pensando em todos sairmos para jantar. 

-pode ser pai – falei sorrindo 

Mãe: como vai a faculdade? 

-bem... - falei sem emoção. 

Eu poderia tentar disfarçar, mas eu estava incomodada com aquela noticia... então era verdade, s/n ia ser mãe. 

Mãe: está tudo bem seulgi? 

-claro, é que eu acordei um pouco cansada. 

Pai: não vai ao estágio hoje? 

-hm... não... vou fazer alguns trabalhos e amanhã eu vou. 

Como eu havia dito aos meus pais eu realmente fiz os trabalhos que tinham pra fazer e fui para a faculdade um pouco mais cedo resolver algumas coisas. Como que a s/n podia assumir uma responsabilidade que não é dela? Isso é burrice demais! 

Jung-eun: seulgi... - disse parada na porta do banheiro 

-oi – respondi seca 

Jung-eun: fiquei sabendo que a s/n vai ser mãe... como se sente? - perguntou encostando na pia 

-normal – respondi seca.  

Jung-eun: é lindo da parte dela ter um filho né? Quer dizer, a criança nem é filho dela... e eu achando que ela seria a mãe dos meus filhos. 

-o que você quer? - perguntei grossa. 

Jung-eun: me acertar com você. Quero voltar a ser a sua amiga... e pedir desculpas. 

-desculpas? Depois de tudo o que você disse e fez? 

Jung-eun: eu fui uma cretina seulgi. - disse séria - por favor... me dá uma chance. Eu estou disposta a mudar e... ficar de bem. Não precisa ser minha amiga de novo, mas... só me perdoe. 

-vou pensar no seu caso... 

Saí do banheiro conturbada com ela. O que essa menina queria de mim? Respirei fundo e segui com o meu caminho de volta para casa. Meu dia não estava muito bom, asism que entrei logo minha mãe me parou com um buque de flores. 

Mãe: filha... - cantarolou 

-que lindo! São para mim? - sorri 

Mãe: sim e adivinha quem mandou? 

-jaebum? 

Mãe: não - respondeu empolgada – leia... 

Peguei o cartãozinho que tinha junto das flores. 

“me desculpe não poder estar no seu aniversário. Sei que temos uma certa tensão, mas mesmo assim quero que me desculpe.  

PS: o urso foi ideia da suki. 

s/n” 

s/n mandou um buque de flores para mim? Porque ela fez isso? Olhei um pouco confusa, mas disfarcei com um sorriso. 

Mãe: veio com esse ursinho. 

-que fofo... 

Era estranho esse presente repentino da s/n... fui até o meu quarto e mandei mensagem, mas ela não estava online. Tentei ligar mas deu caixa postal. Aquilo ainda era muito estranho... será que foi o jaebum querendo me provocar ou testar? Bom, qualquer coisa eu ligo para a s/n de manhã... 

 

 

 

~ ~ * ~ ~ 

 

 

POV S/N 

Eu estava andando por um corredor, a casa estava muito fria e eu não estava entendendo o motivo. Então parei no meio do caminho e ouvi um choro novamente... o que será que está acontecendo?  

??: porque fez isso? - ouvi uma voz feminina e me virei 

Era aquela sombra de novo. Ela estava com uma mão apoiada na parede e suspirou profundamente. 

??: porque fez isso comigo s/n? - disse chorosa. 

Ouvi sinos baterem forte dentro de casa e novamente um choro de bebe. Um barulho ensurdecedor de porta se fechando se fez presente no local e me virei em direção ao som, mas ao contrario de fechar ela estava aberta. Aquelas mãos... aquelas mãos cheias de comprimido... 

A porta se fechou brutamente e tudo ficou escuro. Ouvi uma batida frenetica de coração e senti braços me abraçarem forte. 

??: eu não gosto do cheiro dela na sua pele... 

Senti a respiração bater contra o meu pescoço, mas eu não conseguia me mover. Eu estava paralisada com aquilo. 

??: é tão errado nós nos amarmos assim? Sabe... dessa forma? Eu não quero ser dele você sabe disso. 

O abraço ficou ainda mais apertado como se tivesse a intenção de me sufocar, mas logo um choro de bebe se fez presente de novo e não tive outra escolha a não ser tapar os ouvidos.  

-para... -pedi – por favor... 

??: OLHA O QUE VOCÊ FEZ! OLHA O QUE VOCÊ FEZ! 

Me virei para tras e vi uma silhueta masculina. O homem parecia descontrolado tentando pegar uma outra sombra no chão. 

??: VOCÊ MATOU ELA SUA ASSASSINA! 

-eu... não matei... 

??: VOCÊ MATOU ELA! 

Me levantei do chão e logo senti um empurrão muito forte me fazendo sentir um pouco de dor na cabeça. 

??: hmf... é assim que lida com os problemas? Bebendo? O que sua mulher vai pensar de você? 

Olhei em direção á voz masculina que estava sentada numa poltrona. A luz na sala era intensa, mas eu não podia ver o rosto do homem. 

??: acha mesmo que pode mudar algo? São escolhas s/n... e você errou em todas elas... 

Tudo começou a ficar turvo como se eu estivesse apagando e perdendo todos os sentidos do meu corpo... era real? 

 

 

 

 

Suki: THE HILLS ARE ALIVE WITH THE SOUND OF MUSIC! - disse gritando no quarto – AH AAAH AH... 

Abri os olhos e encarei suki com um roupão vermelho de veludo, dei graças a deus por aquilo não passar de um pesadelo. 

-o que ta fazendo? 

Suki: nunca assistiu a noviça rebelde sua sem cultura? 

-aish... tanto faz! 

Anitta mangueirão: vamo cair na estrada cambada! 

Me arrumei, mas ainda continuei pensando no sonho que eu tive. Até porque ele era parecido com a ayahuasca, mas não era igual a ela...  

 

 

 

 

 

 

 

POV SUKI

para descontrair uma musiquinha e o print da treta que eu fiz pq eu fiquei com preguiça de escrever confesso.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...