1. Spirit Fanfics >
  2. Imagine Zacky >
  3. Know your enemy

História Imagine Zacky - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Previosly in Imagine Zacky:

- Come é uma comidinha leve, vai fazer bem para você e o bebê, deu certo com os outros dois.
- Confio em você. – Comecei a comer o almoço, a combinação de peixe com frutas era boa mesmo. – Você tem razão, ursão é maravilhoso! – Comi com vontade e o meu celular tocou. – Atende para mim, por favor.
- Claro. – Zacky tirou meu celular de cima da mesa e atendeu. – Alô… - Escutou um pouco. – Não, sou o senhor Baker, marido dela… - Ouviu mais um pouco e olhou sério para mim. – Não sei, ela ficou apavorada, mas preciso perguntar a ela. – Ele tampou o celular e olhou para mim. – A terapeuta da sobrinha maluca ofereceu 10 consultas grátis pelo incomodo e também, por não as termos processado. Você quer? – Eu precisava enfrentar os meus medos e principalmente, Meaghan.
- Pode dizer que eu aceito. – Voltei a comer.
- Ela aceita, pode marcar para segunda no dia dos namorados. – Zacky desligou. – Você desistir pode falar comigo.
- Acha que vou perder 10 consultas grátis, nem fodendo. – Rimos, eu ri de nervoso com medo do que o destino poderia me reservar.

Capítulo 13 - Know your enemy


Fanfic / Fanfiction Imagine Zacky - Capítulo 13 - Know your enemy

12 de fevereiro de 2022 – Huntington Beach, California

 

            Mais tempo tinha se passado, eu estava ajudando Jessica com os preparativos do casamento dela com Brian que ia ser no final da primavera, em meados de maio, ou começo de junho. Ou seja, eu não poderia comprar um vestido porque estaria com uma enorme barriga. Ela ainda não tinha encontrado um vestido de noiva perfeito e já tínhamos rodado todas as lojas de Los Angeles, Beverly Hills, O.C., ela estava cogitando ir à Nova York para comprar um vestido.

            A minha gravidez estava correndo bem, ainda não sabíamos se era menino ou menina, chamávamos de “a coisa”. Zacky era tão à moda antiga que queria saber apenas quando nascesse, ele seria o último a saber, mas eu saberia, ele não iria a todas as consultas comigo mesmo, assim quando pudesse, eu descobrir o sexo. Eu estava ainda com 10 semanas, ou seja, 3 meses, morrendo de dor nas costas e na barriga, os enjoos e vômitos ainda não me abandonaram. A barriga não estava aparecendo, apesar dos meus seios estarem bem doloridos.

No dia da consulta a terapeuta, acordei sozinha na cama, coloquei a mão onde Zacky dormia para sentir o cheiro da sua pele, ao contrário disso, senti cheiro de rosas. Abri os olhos, me virei e tinha um enorme buque de rosas vermelhas na cama. fiquei de boca aberta, eu queria que comprar algo a altura, não fazia ideia do que. Deveria ter mais 50 rosas no buquê, peguei no colo, estavam cheirosas. Tinha mais coisas, tinha um urso polar de pelúcia com enorme coração escrito Love, me emocionei. Peguei o urso e ainda tinha uma sacola de Serenata de amor.

            Zacky entrou no quarto trazendo meu café da manhã na bandeja como se ele soubesse que eu tinha acordado. Comecei a chorar, chegou Klaus e Castie arrumados de terno e gravata, fiz coração com as mãos para meus filhos e dei um sorriso.

 

- Acho que você gostou dos meus presentes. – Abri o saco de bombons e comi um. – Feliz dia dos namorados, Sammy.

- Feliz dia dos namorados. Eu não fiz nada para você, eu vou caprichar no jantar pode deixar, amor. – Comecei a comer minha granola devagar para não vomitar.

- Não, a gente vai jantar fora com as crianças, no Johnny’s bar.

- Deixam entrar crianças lá? – Parei de comer.

- Meus filhos deixam. – Deu uma risada, os pequenos correram para cima da cama para me abraçar. – Deixa um pouco da sua mãe para mim.

- Meu coração é enorme e tem espaço para todos vocês. – Ri um pouco. – Você vai me levar na consulta, Zacky? – Perguntei e deixei o café de lado.

- Eu adoraria, mas… - Ele olhou para mim. – Ensaio o dia todo, Matt compôs umas músicas novas e a gente vai testar para ver se pode rolar para o próximo álbum. – Ouvimos barulhos de fogos, levei um susto. – Só é o Jimmy soltando fogos para Lea para o dia dos namorados, vai tomar outra chamada do sindico. – Deu uma risada e os meninos riram em seguida. – Vou levar os meninos comigo.

- Eu tenho o melhor marido do mundo, hoje tem. – Zacky ficou empolgado.

- Hoje tem o que, mamãe? – Castie perguntou, Zacky e eu nos olhamos.

- Tem… - Fiquei pensando numa mentira. – Temos que conversar do senhorzinho ir para escola esse ano. – Castiel ficou animado e Klaus riu. – Vai ser muito legal.

- Porque você é burro, seu cabeça de abobora! – Klaus implicou com o irmão menor que chorou e Zacky deu tapa na nuca do mais velho.

- Você não é burro e Klaus para de implicar com seu irmão. Você já é um rapazinho, está na hora de aprender coisas novas na escola, é muito legal, vai se divertir muito. – Expliquei para Castie enquanto secava suas lagrimas com minhas mãos. – Agora vão tirar essa roupa formal, para saírem com seu pai.

- Adoro ver o papai e o tio Brian tocando guitarra. – Klaus estava muito empolgado, pulou da cama, me dando enjoos.

- O Mike vai? – Zacky deu de ombros.

- Pede a Jess para deixa-lo ir. – Avisei.

 

XXX

 

            No consultório da terapeuta, ajeitei meu vestido rosa floral largo, eu não estava com a barriga aparente, mas as roupas já não estavam cabendo mais em mim. Cheguei até a secretaria, ela me atendeu prontamente, pediu para que eu aguardasse para a minha consulta, estendeu uma almofada para que eu sentasse no chão, agradeci e perguntei onde ficava o banheiro, estava muito apertada. Ela me levou até o banheiro, saí correndo, fiz necessidade e voltei.

            Fui até a sala da consulta, as velas aromáticas estavam acesas junto com os incensos, comecei a enjoar, por causa do cheiro. Eu me senti vontade de vomitar, procurei uma lixeira no meio daquela confusão. Achei uma lixeira perdida no canto da sala, corri e vomitei. Depois eu me senti aliviada, a terapeuta me ajudou a sentar numa cadeira convencional. Coloquei a mão na testa, respirei lentamente, ela me ajudou a respirar.

 

- O que acontecendo? – Ela passou as mãos nas coxas.

- Estou gravida. – Deixei as mãos na minha barriga. – O cheiro dos incensos está me deixando nauseada.

- Calma, eu vou apagar as velas e os incensos. – Ela correu para apagar tudo, ajudei abrindo as janelas. Depois me sentei na cadeira novamente, ela segurou as minhas mãos, olhou nos meus olhos. – Você está gerando uma nova vida? – Balancei a cabeça positivamente. – Você emana uma energia boa, esse bebê é muito amado e especial. Vamos voltar onde paramos, senhora Baker.

- Bem, eu acordei do coma, já disse isso antes… perdi a memória, acho que é isso, não lembro do meu marido, dos meus filhos e agora estou gravida. Mesmo que pareça completamente loucura, na minha cabeça eu já amava meu marido, antes de tudo isso acontecer. – Eu me senti emocionada. – Sinto uma conexão entre nós, ele é meu príncipe encantado fora dos padrões.

- Você parece mais tranquila, se cuide por causa da gravidez, bom que você mesmo doente, conseguiu entrar em sintonia com seu marido. – Dei um sorriso, tocou o sininho, fechei meus olhos e contei até 3. – Minha sobrinha, espero que ela não te ataque novamente.

- Não, ela só me assustou um pouco. – Dei um sorriso fechado.

 

            Eu permaneci no consultório, cruzei as pernas, coloquei as mãos na barriga, a terapeuta saiu da sala, batendo a porta com força. Conseguia ouvir o som abafado de briga, ouvi um vidro se quebrando, depois a terapeuta voltando com a mão enrolada em papel higiênico, me deixando apavorada. O sangue estava inundando o papel, me deixando ainda mais assustada, me fazendo levantar da cadeira. Levei a mão no peito enquanto o sangue escorria pelo chão.

 

- O que aconteceu? – Fiquei preocupada, peguei meu celular e mandei uma mensagem de texto para Zacky me buscar imediatamente.

- Minha sobrinha Meaghan, ela não quer aceitar a realidade, ela está vivendo no mundo paralelo, não aceita a perda do noivo. – Saímos do consultório e a secretaria estava branca igual a um papel. – Para piorar a amnesia?

- Ela também tem amnesia, como eu? – Fiquei confusa enquanto apertava o botão do elevador.

- Amnésia anterógrada, ela não se lembra de nada depois do acidente e nem consegue ter novas memorias, ela pode te ver e daqui a 20 minutos, perguntar seu nome novamente. – Fiquei aliviada um pouco. – Além dela ter Transtorno de despersonalização. Cadê a Meaghan, Sharon?

- Desculpe, doutora. Ela estava incontrolável, me atacou e conseguiu fugir pelas escadas. – Ela respondeu, eu me sentei, fiquei com medo de Zacky. O elevador se abriu, eu entrei rapidamente.

- Ela não me conhece, não vai me atacar, mas se ela ver o Zacky, nem sei o que ela vai fazer com ele. – Fiquei curiosa para saber o que Transtorno de despersonalização. – Desce logo, por favor. – Deu vontade de fazer xixi.

 

            A porta do elevador se abriu, comecei a andar devagar, andei até a entrada do prédio, esperando Zacky aparecer. Eu me encostei na parede, tinha um homem alto e latino do outro lado da rua me olhando. Revirei os olhos, cruzei os braços, tentei não pensar na minha bexiga estourando. Peguei meu celular, tentei ligar para Zacky, mas ele não atendeu.

            O homem estranho atravessou a rua, fiquei com medo, ele agarrou a minha bolsa, puxou, eu puxei a bolsa de volta, afinal era cria do Rio e ele não levaria a minha bolsa na mão leve. Ninguém me ajudava, só alguns idiotas filmavam com o celular.

            Ele mostrou o canivete, me virei para proteger a minha barriga. Ele cortou meu antebraço esquerdo, caí no chão e fiz xixi nas calças. Antes dele fugir, Meaghan apareceu com um pedaço de concreto nas mãos, o homem ficou apavorado como se tivesse visto o próprio diabo. Ela tirou o concreto na cabeça dele, acertando no meio dos olhos, a cabeça dele pendeu para trás, um carro parou e o cara entrou. Os homens gritavam em espanhol diablo rubio, traduzido diabo loiro e fugiram com a minha bolsa e o celular.

 

- Você está bem? – Meaghan perguntou como se nada tivesse acontecido.

- Acho que não. – Comecei a sentir cólicas intensas. – Já tem mais de semanas que eu não sinto cólicas. – Estava confusa, vi meu vestido rosa manchado de sangue, comecei a chorar, não era sangue do meu braço. – Alguém chame uma ambulância, eu vou perder o meu bebê! – Chorei intensamente.

- Calma, já devem ter chamado esses urubus que poderiam ter evitado o assalto, se ela perder o filho dela, a morte dele estará consciência de todos vocês. – Os curiosos foram se espalhando, deixando apenas eu e Meaghan. – Esses idiotas ficam rondando o prédio todos os dias para roubar as bolsas, mas ninguém faz nada.

- Estou com muito medo. – A ambulância chegou e me colocaram na maca com cuidado e Meaghan veio comigo.

- Estou aqui. Qual é o seu nome? – Ela ficou olhando para o paramédico que fazia o curativo do meu braço.

- Me chama de Sammy, o meu nome é um pouco difícil de pronunciar. – Voltei a chorar preocupada com o bebe. – Salvem o meu bebê.

- Calma, vamos fazer o possível, senhorita. – Ele colocou a mão sobre a minha.

- Eu sou Meaghan Baker. – Estava sentindo muita dor. – Vai dar tudo certo.

 

            Chegando ao hospital, me levaram direito a obstetrícia para ver como estava o meu bebê, fizeram o ultrassom, verificaram os batimentos cardíacos, o coração da minha coisa estava batendo fortemente. Os médicos me deram remédios para parar o sangramento, fui tomar soro enquanto costuravam o meu braço, levei 15 pontos do corte.

            Meaghan apareceu para me visitar, não tinha mais medo dela, ela sentou numa cadeira de rodas. Olhou para os lados, eu me ajeitei na cama do hospital, estava tranquila, fiquei com o braço esticado por causa do soro e dos medicamentos que estava tomando.

 

- Quero te agradecer por ter me ajudado. O que eu estava na cabeça de querer lutar com um assaltante? Por pouco não perco meu bebê. – Disse e dei um sorriso.

- Não foi nada, eles não me chamam de diablo rubio à toa. – Rimos. – Dá próxima vez vou ter uma 38, invés de uma pedra.

- Espero não estar presente.

- Sei que você vai achar que eu sou maluca, mas preciso te perguntar uma coisa. – Ela se aproximou de mim.

- Pode perguntar o que quiser. – Disse tranquilamente. – Sou um livro aberto, com páginas rasgadas.

- Ok, você foi a pessoa que também foi atingida pelo carrinho de cachorro quente no Rock in Rio 2021? Era você que estava na minha frente na fila da montanha-russa? 


Notas Finais


Eita, Meaghan a reconheceu!
Será que a Sammy vai contar a verdade?
Será que ela vai mentir?
Será que Zacky vai aparecer no hospital?
Comente
Beijos e até a proxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...