História Imagines Animes - Capítulo 4


Escrita por:

Visualizações 74
Palavras 1.742
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Fantasia, Ficção Adolescente, Harem, Hentai, LGBT, Literatura Feminina, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Seinen, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oh meu deus, segundo imagine com pouca diferença de horário? (Eu ia colocar "dois imagines no meio dia", mas infelizmente já passou da meia-noite). Parece que alguém está animada, não é mesmo?

Bom, essa ideia surgiu enquanto eu pensava sobre o enem que eu tenho que fazer hoje (muitas forças para quem vai fazer ou já fez, sei que vocês são incríveis e não é uma nota de merda que definirá suas capacidades), estou um pinscher de nervoso e sinceramente, vo zera exatas e é isso

Fiquem com mais um imagine soft, espero que gostem e aproveitem como eu aproveitei ao escrevê-lo (sim eu comecei a escrever isso a duas horas atrás e continuei a escrever ao invés de ver vídeo-aula para me preparar)

PS: KatsukiYuuri pare de ler minha mente, eu realmente escrevi isso e pretendia postar ainda hoje antes de ler seu comentário. Brincadeiras a parte, eu realmente espero que isso tenha ficado do seu agrado ^-^

Capítulo 4 - Estamos juntos nessa! (Bakugou Katsuki - BNHA)


Fanfic / Fanfiction Imagines Animes - Capítulo 4 - Estamos juntos nessa! (Bakugou Katsuki - BNHA)

Cinco horas.

Cinco fucking horas que você estava estudando para a porra de um teste importantíssimo que decidiria se você ganharia uma bolsa para a faculdade de [faculdade de preferência] ou não, mas nada além de raiva e frustração entravam na sua cabeça. 

Você já havia perdido a conta de quantas vídeo-aulas você viu ou quantos exercícios você tentara completar, tudo acabou sendo completamente inútil e tudo o que poderia fazer era desistir de vez e se entregar ao fracasso eminente. Seus olhos lacrimejaram quando tanto o cansaço físico, tanto o emocional tornaram-se demais e um soluço marcou o inicio do temporal em seu rosto corado pelo esforço de segurar as lágrimas.

Você estava tão focada se afogando nas próprias emoções que nem notou a porta do seu quarto se abrindo lentamente e um par de olhos rubis focando preocupados em suas costas que tremiam a cada soluço solto. Você deu um pulo de susto quando uma mão delicadamente apertou seu ombro, era Katsuki, seu namorado. E o que mais te surpreendeu fora a expressão que marcava seu rosto, não mais a velha e costumeira careta de raiva ou descontentamento, essa nova face desprovida de azedume não passava de uma mistura de temor e ternura. 

- Ahn... [Seu nome]? O que houve? - Tudo o que você conseguiu fazer foi se jogar nos braços dele e aumentar o fluxo de choro, você só precisava de um apoio, uma ancora que lhe prendesse seguramente em meio a tempestade que remexia seu interior e destroçava com suas emoções. O loiro quase surtou em desespero, geralmente você não se deixava abalar tão forte assim e foram raras as vezes que ele te viu simplesmente chorar, quem dirá desabar com tudo? Ele só te guiou até a cama e te aninhou entre os braços fortes, tentando te passar o máximo de proteção e amor com seus gestos desajeitados. Ele sabia que não era bom com palavras, então tentaria te acalmar com ações.

Você e Katsuki começaram a namorar um pouco antes dele se formar na UA, vocês casualmente se conheceram num fliperama e depois de você destruir o loiro num jogo de luta, ele simplesmente não aceitou e continuou voltando até vencer de você, o que convenhamos não aconteceu até hoje. Ser melhor que ele no vídeo-game era uma coisa e tanto para se orgulhar. Depois de um pedido totalmente humilhante de namoro, para ele, deixando claro, vocês se envolveram muito. É claro que no começo foi um relacionamento difícil e você chegou até a terminar com ele aos berros, Katsuki conseguia ser extremamente tóxico quando queria. Foi por intervenho de Kirishima que vocês voltaram, ele fora até sua casa uns meses depois do termino traumático te deixar a par de um pouco mais sobre o rapaz.

Não fora surpresa ouvir sobre a infância abusiva que Katsuki teve, ele já havia deixado escapar comentários aleatórios sobre como ele crescera em um lar que não era adequado para crianças e algumas histórias sobre a personalidade agressiva da mãe. O ruivo ainda lhe disse que o outro só repetia os inúmeros atos que ele havia presenciado no relacionamento dos pais, mas que estava tentando com tudo o que tinha mudar por você. Pelo que você se lembrava da conversa, Eijirou disse que o loiro criara um pote de "Multas por palavrões" e outro para "Atitudes Erradas", onde cada vez que ele falava um palavrão ou que acabava por ter uma atitude de moral duvidosa ele adicionada um tanto de dinheiro nos potes, onde os valores variavam de acordo a gravidade do palavrão ou da ação que tomava, inclusive o dinheiro ia todo para a caridade quando o pote se completava. O ruivo disse que ele completou ao todo seis potes de cada, mas que a cada vez que ele completava, mais ele demorava para enche-los novamente. "Isso era um progresso, sem dúvidas...", você pensou ao ouvi-lo contar sobre.

- Por que... Por que ele nunca tentou reatar? Por... Por que ele nunca tentou voltar, se me ama e está tão mudado quanto você diz? - Você questionou ao rapaz depois dos inúmeros juramentos que ele deu sobre não estar ali a mando do outro. Eijirou voltou mais algumas vezes para falar sobre Bakugou, ele parecia determinado a juntar vocês de novo e até envolveu Mina nisso.

- Porque o bombinha humana disse que só volta a te procurar quando ele aprender a agir como um ser humano decente! - Respondeu a rosada no lugar do ruivo de farmácia. 

- Mina! - Bronqueou ele. - Não é bem assim, pelo menos não com essas palavras, [Seu apelido]! Veja bem... Katsuki disse que ele só aceitara te procurar em buscas de desculpa quando ele conseguir controlar sua raiva e ser uma pessoa melhor... - Começou, ainda olhando para a amiga em uma repreensão silenciosa. - E-

- Resumindo, querida... Ele sabe o quão babaca foi para você e sabe que ele não merece 1% do mulherão da porra que você é!

- E ele quer te recompensar por isso, de alguma forma! - Concluiu Eijirou, suspirando em como contar aquilo para você saiu um pouco diferente do planejado. Teria que "agradecer" a Mina por isso mais tarde. 

No final de tudo, vocês se encontraram quando você soube que Masaru ficara doente e por seu grande apresso a ele (o homem era realmente um sogro incrível), não hesitou em ir visitá-lo. E adivinhem? Mitsuki trancou você e o loiro em um pequeno armário de produtos de limpeza do hospital e disse que só soltaria os dois quando "o idiota do filho", palavras dela, conseguisse você de volta.  Num primeiro momento você ficou constrangida, depois riu e convidou o rapaz para um café que ficava do outro lado da rua para conversar. Fora uma das conversas mais difíceis que você, mas depois de muito chororô de ambas as partes, Katsuki concordou em procurar tratamento psicológico e vocês voltaram. Você ainda se lembrava das palavras que disse a ele na sala de espera do consultório do primeiro terapeuta do rapaz, onde ele estava visivelmente nervoso e suava glicerina aos litros: "Nós estamos juntos nessa, boomberman!" e ele deu um dos sorrisos mais lindo que você teve o prazer de ver. 

Quatro anos juntos e você não se arrependia nem 1% de ter voltado com ele, é claro que o rapaz não era um príncipe encantado e que algumas vezes acontecia alguma recaída, mas você o amava e era reciproco. Por enquanto, isso bastava. 

Sem notar, você foi se acalmando, enquanto relembrava do longo caminho que vocês percorreram e o loiro ainda ninava você com afagos e selos ternos pelo topo da cabeça. Ele repetia frases como "Vai ficar tudo bem!" ou "Eu estou aqui" várias e várias vezes, ao mesmo tempo que tentava entender o que estava acontecendo com você. Geralmente era ele quem chorava no seu colo e não ao contrário, então estava imitando o que você fazia para acalmá-lo em suas noites escuras.

- Eu estou melhor, obrigada... - Murmurou, limpando o rosto inchado e vermelho nas mangas do seu suéter velho e decrepito. Ele estendeu as mãos e te ajudou com isso, acariciando sua bochecha levemente e sorrindo de forma acolhedora.

- Quer conversar sobre isso? - Ele ofereceu e você riu baixinho com a tentativa dele de agir como um namorado maduro agiria.

- Não é nada realmente, acho que só me estressei demais com aquele teste que eu comentei... - Você começou, ainda tentando controlar um soluço ou ofego restantes pelo esforço do choro. - Você sabe, estudar ou trabalhar com [área de sua preferência] sempre foram meu sonho, mas a matéria simplesmente não entra na minha cabeça e eu não acho que eu consiga passar nele e-

- Hey tudo bem, tudo bem! Eu sempre suspeitei que o nosso futuro econômico ficaria por minha conta mesmo, não se preocupe! - Ele brincou, dando-lhe um leve peteleco no nariz.

- Ow, isso foi escroto! - Você afirmou, entrando no jogo e segurando um risinho, enquanto socava o ombro dele em revanche.

- Meu bem, eu sou escroto e é por isso que você namora comigo... - Ele alfinetou, puxando você para mais perto e sorrindo ao vê-la sorrir.

- É claro que não, eu te namoro pelos raros momentos em que você é um cara legal! - Devolveu novamente, deixando claro e frisando a parte dos "raros momentos". 

- Tá foda para você então viu? - E sem mais o que responder, você o calou com seus lábios em um beijo calmo e carinhoso, sentindo toda a coragem e ternura que ele queria demonstrar. Realmente, o loiro era um homem de ações, ele conseguia demonstrar tão bem seus sentimentos em atos e com toda certeza você amava quando ele os usava com você, de uma forma boa, é claro. - Vem, vamos ver se duas cabeças pensam melhor que uma! - Ele levantou, sentando na cadeira que antes você ocupava e te puxando pela mão para sentar no colo dele. Sua diferença de altura permitia que ele apoiasse o queixo em seus ombros, enquanto seus olhos analisavam suas anotações. 

- Pera, o que? - Você estava confusa, talvez todo aquele choro tenha te deixado mais lenta que o normal. Então enquanto ele bufava e revirava os olhos, atitude que você preferiu ignorar para não descer a mão nele, sua atenção foi novamente para você.

- "Nós estamos juntos nessa", não foi isso que você disse? - As bochechas dele ficaram rubras, enquanto o mesmo desviava o olhar e diante de tal cena você não se impediu, nem mesmo tentou se impedir, de encher seu rosto com beijinhos. 

- Nós sempre estaremos juntos nessa, boomberman! - Você decretou.

- Bom saber bebê chorão, agora presta atenção aqui que essa matéria é um porre, olha... - No final vocês não conseguiram revisar muita coisa, ora estavam se beijando, ora você se perdia na expressão concentrada dele e ele tinha que repetir tudo de novo. Foi divertido e boa parte da sua tensão foi embora, Katsuki tinha confiança de que você passaria com exito, mas garantiu que se não fosse de primeira, você teria outras oportunidades e não precisava tentar seguir um tempo que não era seu, quando fosse para ser seria e ele sempre estaria do seu lado para o que der e vier, assim como você esteve no dele, afinal...

Vocês estavam juntos nessa e em muitas outras.


Notas Finais


Comentem o que acharam, eu adoro saber o que vocês pensaram sobre o capítulo ou se tem críticas construtivas!

That's all, folks!
Até a próxima att


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...