1. Spirit Fanfics >
  2. Imagines (BTS) >
  3. Suga (Min YoonGi) - Não foi eu (parte 2)

História Imagines (BTS) - Capítulo 72


Escrita por: Lovelysugaz

Notas do Autor


oi gente, quis dar um final descente pra história. espero que gostem. tenham uma boa leitura!

quer falar comigo? trocar uma ideia? meu Instagram ta no meu perfil.

Capítulo 72 - Suga (Min YoonGi) - Não foi eu (parte 2)


Fanfic / Fanfiction Imagines (BTS) - Capítulo 72 - Suga (Min YoonGi) - Não foi eu (parte 2)

Coloquei minhas meias e fechei a porta do meu quarto assim que sair dele, andei até o fim do corredor, desci as escadas devagar e vejo banguela encolhido no sofá. 

— Banguela. — chamei baixinho, me aproximando do sofá. — Ei. 

Ele levanta a cabeça e eu toco nele, fazendo um breve carinho. 

— Está com fome? — perguntei, e deixo ele lá no canto dele. — Você deve ter comido toda ração, coisa fofa da minha vida. 

Bocejei entrando na cozinha e ouço sua coleira fazer barulho. Abri a geladeira e procurei algo para beber, não consigo achar nada de interessante então pego o meu sorvete de dentro do freezer. Coloquei na mesa e procuro uma colher, liguei o celular que trouxe comigo. Mensagem do Yoongi de mais cedo. Desliguei a tela do celular colocando a colher na boca. Sinto o gosto do sorvete, e olho pro Banguela me vigiando sentado na porta da cozinha. Fazendo aquela expressão de fome. 

— Que foi? — perguntei pelo seu argumento, ele se deita imediatamente. Já sei. Me levantei e procurei o pote de ração e enchi a tigela. E ele ficou todo animado. — Fofo! 

Depois disso, eu subi pro meu quarto de novo. Não conseguir dormir muito então fui trabalhar um pouco nas fotos do trabalho do mês passado e nem vi amanhecer. 

— Bom dia. 

Sky entra na cozinha. Eu levanto a mão rapidamente e continuo editando. 

— Nossa, grossa. — eu ri e ela coloca xícara na frente do notebook. — Está acordada desde que horas? 

— Sei lá, cinco. — suspirei e consertei a postura, meus ombros estavam doendo. 

— Ué, por que? — ela perguntou, e passa a mão no meu pão pronto que não comi. 

— Fiquei sem sono, aí eu preferi adiantar uns serviços. — tentei explicar, eu estou focada demais. 

— Entendi. Hoje tem sessão, não é? — eu assenti e ela olha pro Banguela. — Você não tinha que levar seu cachorro pra passear?

— Já fiz isso. 

— Mentira. 

— Ali a coleira. — apontei a coleira fora do lugar. — Aproveitei e dei uma corridinha. 

Sky começou a ri e bebeu seu café. 

— Okay. Isso é pelo Yoongi? — questionou a minha melhor amiga, e eu dei um sorrisinho. 

— Não. 

— Não? 

— Vou conversar com ele, hmm — olhei o relógio, 9 da manhã ainda. — Daqui a três horas. 

— Pra quê? — ela me olhou confusa e eu apertei enviar, foto pronta pra cliente. 

— Vou pedi pra ele um tempo. — eu disse e a única reação dela foi arregalar os olhos, alguém está surpresa. 

— Por que? 

— Porque, — me levantei e liguei a torneira pra lavar o copo de suco que eu havia usado a manhã inteira — ele não confia em mim. Só voltou comigo porque me ama mas confiar, ele não confia. Não faz sentido a gente voltar depois daquilo, Sky. 

Eu guardei o copo depois de secar com pano e viro pra ela. 

— Ah ok, eu entendi. — ela disse e abaixa a cabeça, pensativa. — Você tem razão. 

— Obrigada. 

Joguei o pano na mesa e fui no quarto, voltei com ela limpando a mesa. 

— As fotos ficaram ótimas. — ela comentou, o notebook estava aberto encima do balcão da cozinha com a minha caderneta. 

— Obrigada. — bocejei e vejo meu celular tocando. É o Jin. — Ei.

— Ei, bebê. Queria saber porque não aceitou o pedido de ir no restaurante comigo e o Namjoon. — ele fala, e eu cocei a cabeça.

— Não tive nenhum motivo maior do que ver vocês dois se pegando na minha frente. — falei rindo fazer ele ri também. 

— Engraçadinha. — parou de ri e disse. — Você vai mentir pra mim? 

— Jin. 

— Hm? 

Suspirei desistindo. 

— Eu não estava no clima, Jin. Só isso. 

— Ok. Vai vim aqui pro estúdio? — perguntou inocente, ele não deve está sabendo de nada. 

— Não sei, tenho que trabalhar. Talvez, eu dou uma passadinha e vou ver vocês. — eu falei e Sky estava distraída conversando com alguém no celular. 

— Eu achei que você seria nossa fotógrafa. — Jin falou e eu ri surpresa. 

— Como assim? — franzi o cenho. 

— Ué, o Yoongi não conversou com você? Aish!— ele se perguntou e vi ele se xingar. — Finge que não ouviu o que eu disse. Mas, o Yoongi conseguiu um trabalho pra você com o BD, eu não deveria está contando. Ele vai me matar. 

— Não, fica tranquilo. Eu não sei de nada. — falei ouvindo ele do outro lado aliviado. — Preciso ir agora. 

— Ah, eu também. Obrigado por guardar segredo. Não foi eu que disse! — ele riu e desligou a chamada. 

— Sky. 

Guardei o notebook na mochila e ela demorava no quarto. 

— Meu deus, que pressa é essa? — ela disse, descendo as escadas tentando por o brinco. 

— Eu tenho que trabalhar! Ganhar dinheiro pra me mimar! — falei fazendo ela ri. Banguela encarava as duas humanas encima do sofá com aquele olhar de julgamento. 

— Não precisa, você vai se casar com um cara rico. — ela falou e foi a minha vez de ri. — Depois mata ele e divide comigo, por favor. 

Ela passa e fica ao meu lado, para trancar a porta. 

— Ok, vamos logo sua bandida. — bati na bunda dela e nós descemos para portaria do prédio. 

Coloquei os fones assim que entramos no carro, ele me manda mensagem de novo. 

Meu swag: Você quer vim mais cedo não? Rs. 

Me: Não posso. Minha conversa vai ser rápida. Eu juro. 

Ele está digitando. 

Meu swag: Algo me diz que não é coisa boa. 

Me: Fica tranquilo. 

Mexi os pés e engoli a saliva, parece que vai chover. 

Meu swag: Não tem uma prévia do qual é o assunto? Você está séria demais, amor. 

Me: Yoon, fica calmo. 

Sem delongas, minha parada chegou e eu tive que descer. Sky ficou no carro, entreguei o meu dinheiro para ela pagar a corrida. Atravessei a rua no sinal fechado. Meu celular vibrava várias vezes, Yoon estava impaciente. Peguei novamente para atender o celular e passo meu cartão na portaria, entrando no elevador do estúdio. 

— Amor, eu sou ansioso. — ele choraminga no minuto que atendo sua ligação. 

— Yoon. 

— Não me faça esperar. — ele me pede com voz de medo, alguém está prevendo. 

— Eu urgentemente só posso falar o que eu quero falar pessoalmente. Eu não gosto de falar dessas coisas pelo celular, você sabe disso. Não insista. — falei bem calma e o elevador chega ao meu destino. 

— Ok, desculpa. Vou esperar. Quer que eu compre algo pra gente poder comer? Quer que eu te busque? Peço pro Hoseok te buscar, se você quiser. — ele diz, tentando ser gentil e eu dou uma risada nasal. 

— Não precisa. 

— Ok. Mas você quer que eu compre algo para nós comemos juntos? — ela fala, empurro a porta e entro no estúdio de pressa. 

— Compra algo na casa de carnes. — falei algo aleatório. — Sei lá, pode ser aquele prato que nós comemos na última vez. 

— Ok, eu vou pedir. 

— Eu preciso ir, ok? Fica tranquilo, por favor. Beijo. — encaro o meu estilista enquanto falo. 

— Beijo, eu te amo. — ele fala, você não é grudento desse jeito. 

— Você está agindo estranho. Por favor, fica calmo. — eu pedi não me aguentando e dou uma risada. 

— Eu não estou conseguindo. 

— Respira fundo, eu preciso trabalhar. Te vejo depois. — e desligo a chamada. 

E solto ar profundamente, e olho pra Seung com sorriso falso. 

— E aí, como vai? Nosso modelo chegou? — perguntei a ele, e abro a minha maleta, com a câmera e suas lentes dentro. 

— Eu estou bem. Não aconteceu nada demais, aqueles looks já chegaram e tem alguns recebidos na sala no seu nome. — ergui os ombros e liguei a máquina. 

— Ok. — falei e olhei ao redor. — Os modelos estão prontos? 

— Sim. 

— Vamos começar? — eu coloquei as mãos na cintura e observo o cenário pronto. — Essa luz não está boa, pessoal. 

Fui até o tripé e arrastei pra mais longe. 

— Bem melhor. 

Começamos a sessão a todo vapor, cada segundo perdido pra mim é como perder dinheiro. Trabalhamos muito até chegar a minha hora de partir. Guardei meu material, meu notebook, e peguei o elevador junto com o meu secretário. Ele não parava de me encarar. 

— Você está virada, não é? 

— Está tão na cara? 

— Muito. — ele me faz ri e eu olho as horas na tela de bloqueio. Meio dia e cinquenta. 

— Eu não dormir direito. 

— Percebi. — Seung me observa enquanto eu visualizo as mensagens dos meninos, estão treinando. Jk postou vídeo no estúdio no chat. 

— Eu estou pensando em demitir a cabeleireira. — falei pensativa enquanto vejo vídeos dos meninos. 

— Por que? 

— Ela anda tratando muito mal minhas modelos, eu não quero trabalhar em um ambiente com pessoas que não sabem respeitar as outras. Vou demitir ela. — e olho pra ele. — Foi a segunda vez que vi a modelo reclamar dela. 

— Eu não entendi o que tinha acontecido. 

— Ela falou que a Minji estava puxando o cabelo dela e a Jimin disse que ela apressa a modelo deixando sob pressão. — bati a mão na parede do elevador e disse, sentido raiva. — Tudo que eu preciso pra uma boa foto é uma modelo tranquila, Seung. 

— Você está certa. 

Saímos do elevador, e ele caminha ao meu lado. 

— Aquele carro ali é o meu namorado. Tem mais alguma coisa que você deseja falar? 

— Não não. Pode ir, eu vou está disponível pra você. — disse parando na entrada do estúdio vendo chover muito. O namorado dele saiu do carro vindo correr com guarda chuva até a ele. 

— Ok. Tchau patroa. — Seung se despede acenando entrando debaixo do guarda chuva mas volta até a mim. — Você quer carona? 

— Não, eu estou chamando um táxi. — falei balançando o celular mostrando a ligação. E ele entra no carro e acena de novo até me deixar sozinha. 

Estão cancelando a minha corrida. Droga. Universo me fazendo humilhar. O carro preto chegou e ele veio correndo com o guarda chuva. 

— Oi. — respondi assim que ele pegou na minha mão. 

— Oi amor. 

Fechei a porta do carro e olho pra trás enquanto o Yoon corre pra dentro do carro. Jk estava lá, feito estátua no banco de trás. 

— Oi, Jk. — e ele não se mexe, e eu puxei sua camisa fazendo ele ri. 

— Por que você trouxe esse garoto com você? — reclamei com Yoon e ele olhou pra trás, suspirando e sussurrou perto do meu ouvido. 

— Ele é nosso filho. 

— Ah, entendi. — eu entrei na brincadeira segurando o riso. 

— Ele quis vim. 

— Não queria me ver? — ele coloca as mãos no rosto e faz uma pose fofa. 

— Na verdade, eu queria mesmo é ter pegado um táxi. — comentei voltando a minha posição inicial. 

Eles riram e eu suspirei, não era pra ser assim. 

— Como foi o trabalho, noona? — ouço a voz do Jk cortando o silêncio de dentro do carro. 

— Foi bom. Você está treinando aquelas técnicas que eu te ensinei? — perguntei sem olhar pra ele, o Yoongi estava segurando a minha mão quase o caminho todo. 

— Sim sim. Qual o dia que eu vou poder ver outro ensaio seu? — Jk disse, todo animado. Outro dia levei ele para minha sessão de fotos e mostrei como tudo funciona. Ele é apaixonado por fotografia assim como eu. Ele amou conhecer meu estúdio, é muito legal ter alguém que gosta do meu trabalho. Ele me admira de verdade. 

— Sim. — sorri pra ele e pedi pra pegar minha mochila. Liguei minha câmera e dei a ele. — aliás, olha esse ensaio que fiz hoje.

Ele pegou a câmera todo empolgado. Yoongi respirou fundo e eu olhei pra ele. 

— Você precisa parar de mimar esse garoto. — ele disse. 

— Quê que tem? Deixa ele ver. 

— É hyung, quê que tem. — Jk falou com os olhos vidrados nas fotos que havia tirado.— Uau. 

— Amor, me dá atenção. — Yoongi resmunga. 

— Eu estou te dando atenção, calma. 

Começou o ciúme. Mereço. 

Jungkook deu risada no banco de atrás da situação e eu mordi os lábios. Ele me devolveu a câmera e coloco tudo de volta na mochila. Enfim, chegamos na empresa. 

— Você não deveria ser assim. — segurei ele antes que saísse do carro, o Jk saiu do carro e eu aproveitei a oportunidade. 

— Eu não falei nada demais. — ele me olhou e eu soltei seu braço. 

Molhei os lábios, tirando o cinto e sair do carro vendo Yoongi fechar a porta. Saímos do estacionamentos, andando lado a lado e entramos no elevador. Ele se aproximou e tentou me beijar porém eu empurrei de leve. 

— Amor... — ele toca meu rosto, e eu viro para o espelho, e Yoongi abaixa a cabeça se distancia de mim. — Tudo isso por causa do Jk? 

— Que mané, Jk. 

Estalei a língua. 

— Então por que não quer me beijar? Por que não me chamou de amor? Você acha que eu não reparei que não me chamou de amor? Você só fica: Yoon, Yoon. Eu reparei isso também, S/N! 

As portas se abrem e eu peguei minhas coisas, andei mais rápido na frente dele. Ele tenta me alcançar. 

— Aqui não, por favor. — eu falei calma, e tentando não parecer que está tentando uma mínima briga com meu namorado para as câmeras da empresa dele. 

— Que saco. — ele profere, e a gente entra no estúdio, coloco a mochila no lugar e olho pra ele. 

— O que você quer fazer primeiro? Conversar ou comer? — perguntei, não queria discutir. 

— Pode ser os dois juntos. — ele sugeriu e eu me sentei na cadeira dele enquanto o mesmo estava na outra poltrona fazendo pedidos da comida. — Eu já volto. 

Ele saiu do estúdio e trouxe uma grade de cerveja. Eu ri pela cena. 

— O que é isso tudo? A gente só iria almoçar. — falei e ele fica vermelho no mesmo instante. 

— Eu sei lá. Exagerei, né? Desculpa. 

— Relaxa. Produziu muito? — perguntei mudando de assunto, pegando a garrafa de água de dentro da mochila. 

— Mais ou menos. 

Yoongi vem até a mim e se abaixa segurando minha mão. 

— Me dá só um beijo. — ele disse me encarando, não pude de olhar pra boca dele. E eu puxei ele com carinho, dei um beijo rapidinho. — Achei que eu tivesse que implorar. 

Eu ri e ele tentou me beijar outra vez. Empurrei ele pelo peitoral. 

— Yoongi. — falei saindo de perto dele, ficando em pé. 

— Vou fazer os pedidos. 

Ele saiu e eu me sentei novamente, tirei o casaco e fiquei pensando como eu começaria aquela conversa. Ele deve pensar que é só mais uma questão qualquer. Ou... 

— Então, no que você queria conversar comigo? — ele perguntou abrindo uma lata de cerveja, colocando o celular em cima da mesa, focando sua atenção para mim. 

— Sobre ontem. Minha decisão. 

Eu falei pegando uma cerveja e vi ele se estremecer. 

— Por que? — ele solta um riso nervoso. 

— Porque... — desviei os olhos pro canto do estúdio e volto os olhos pra ele. Bebo um pouco da cerveja. — Eu fui pra casa e pensei mais com calma do que eu deveria ter feito. Tirei a conclusão que foi precipitada. 

— S/N, eu já expliquei. Eu não queria... 

— Me deixa falar. — ele para assustado e eu continuo a dizer. — Você não confiou em mim. Me acusou logo de cara e a gente não somos casal de ontem, estamos juntos a dez meses! Fora o tempo de amizade que isso também poderia valer até porque eu sei muito sobre você, suas senhas e tudo. E mesmo assim, você escolheu desconfiar.

Ele abaixa a cabeça. 

— Dez meses podia significar muita coisa, Yoongi. Você me ama mas não confia em mim suficiente. E isso me machucou muito, você mesmo prometeu que nunca me machucaria. E você gritou comigo e me acusou de uma coisa horrível. — as lágrimas começaram a cair do meu rosto, meu coração doía. 

— Me desculpa. Eu fiquei desesperado. 

— Você colocou nosso relacionamento em risco. — eu funguei. — Eu quero terminar com você por isso. Não acho que continuar com você vai me fazer bem. 

— É culpa minha, entendi. — ele fala transtornado e levanta da cadeira, caminhando pelo Genius com a mão no rosto. — Eu não queria que isso tivesse acontecido. Não sei mais o que dizer. 

— A gente pode continuar sendo amigos. — falei me sentindo péssima e bebo um pouco mais da cerveja. 

— Você não pode me pedir isso. — ele sorriu sem graça e coça a cabeça. — Não consigo mais olhar você de outra forma. Não sei se consigo fazer isso. 

— Eu só estou fazendo o que é melhor pra mim. 

Din-don. 

A gente olha pra porta, alguém tocou a companhia. Acho que a nossa comida chegou. Yoongi vai até a porta e era o entregador mesmo da comida. Surpreendentemente, Jungkook aparece com aquela cara de quem estava sabendo da comida. Ele entrou com Yoongi e se aproximou de mim, tocando no meu cabelo. 

— Nem adianta fazer carinho nela, você não vai ganhar comida. É para mim e pra ela. Trabalhamos muito e merecemos essa comida. — Yoongi explica todo sério, abrindo a sacola e tirando as bandejas. 

— Eu vim ver a noona. — ele fala e eu sorri pra ele. 

— Tira uma foto e vaza. Estamos querendo ficar a sós. 

Yoongi, parou para encara-lo. 

— Noona, faça alguma coisa. 

— Yoongi, ele também trabalhou. Ele merece um pouco da comida. — eu falei, não aguentando ficar séria e me aliviando do sentimento de chorar. 

— Dá a sua então. 

— Tudo bem. — me levantei da cadeira, Yoongi se senta com seu pedido nas mãos e eu pego o meu. — Beba um pouco da minha cerveja se quiser. 

Ele ri todo bobo fazendo Yoongi fechar a cara e pega minha latinha. Separei um pouco de comida e dei a ele. 

— Aqui. — dei hashi que veio a mais na embalagem. 

— Obrigado, noona. — e ele saiu todo felizinho do estúdio. — Acho ele muito fofo. 

— Eu acho ele muito mimado. — murmurou enquanto comia. 

Me sentei novamente na poltrona e tentei comer o mais rápido possível. Yoongi parece que percebeu a minha agilidade. 

— Você pelo menos vai me deixar te levar pra casa? — ele sorriu pra mim cansado me observando colocar o casaco de frio. — S/N, eu não queria fazer nada da daquilo. 

Cocei a orelha e pego a mochila do lugar onde coloquei, e ele começou a chorar desesperado. Ele me puxou para um abraço apertado. Suas lágrimas molham minha roupa. Passei o braço devagar na cintura dele e retribuir. Eu amo muito ele. 

— Eu te amo demais, você sabe não é? — falei, com o rosto deitado no ombro dele. 

— Me desculpa por deixar que isso acontecesse.— ele fala de volta, com a voz fraca. Ele me aperta. 

— Oh, — me afastei um pouco para poder olhar nos olhos dele e disse — não quero que se culpe tanto. Você não pode mudar o que fez mas pode não fazer de novo. O que eu estou querendo dizer é que você tem a opção de não fazer de novo. 

— S/N, por favor. Eu te amo! 

— Eu também te amo e é por isso que eu estou fazendo isso. — sorri fazendo carinho no rosto molhado dele. 

Ele retornou a me abraçar. 

— Você sabe que quando precisar de alguma coisa, eu estou bem aqui pra você. Me ligue e eu vou está lá pra te ajudar porque, — ele tenta se recompor e da alguns passos pra trás. — você é uma das pessoas que eu me importo de verdade. Qualquer coisa, você pode me chamar. Certo? 

— Certo. — sorri pra ele. — Yoongi. 

— Oi. 

— Fica bem. — e ele balançou a cabeça, e saiu de perto pegando a chave do carro na mesa do estúdio. — Vamos, eu não vou aguentar ficar olhando pra você sozinho. 

— Besta. 

— É sério. 

Disse rindo de nervoso, e eu o segui até a garagem da empresa. Ele andou na frente de mim. Nenhuma vez me olhou. 

— Não deixa de falar com os garotos por minha causa, ok? Eu não quero que corte a amizade que vocês têm pelo que aconteceu. — ele fala assim que chegamos na frente do prédio. Eu olhei pra ele, vendo seu semblante abatido. 

— Ok. — segurei na bolsa e olho pra fora um pouco. — Lembra que eu disse pra você. 

Ele deu um sorriso mínimo e eu saí do carro entrando em casa sem olhar pra trás.


Notas Finais


é aquele meme, quem gostou, gostou kkkkkk desculpa mas a história precisa seguir o realismo das coisas. obrigada por ler até aqui, querem fazer algum pedido? me mandem nos comentários.
/@lovelysugaz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...