1. Spirit Fanfics >
  2. Imagines BTS >
  3. Quem ama cuida

História Imagines BTS - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Eu sei, eu sei, eu sei, eu tomei um chá de sumiço, mas isso se deve ao fato de que minha vida pessoal não anda muito fácil. Tenho que procurar um emprego e resolver outras coisas, o que me tira a concentração de escrever, minha criatividade não funciona quando estou preocupada com alguma coisa. 😕
Mas não vou abandonar a história, vou bater a meta de 50 capítulos e até lá espero que tenham paciência e não me abandonem.

▪Aviso 1: O que está em negrito é S/n relembrando o passado.

▪Aviso 2: Esse capítulo retrata tentativa de estupro, mas não vai acontecer, em nenhuma história minha o personagem sofrerá esse tipo nojento de abuso.
Então leiam sem medo, porque nada vai de fato acontecer com a S/n. É claro que o trauma estará lá, mas ela terá ajuda.

Bem é isso... chega de enrolação. Né rsrs? E vamos ao capítulo.

Capítulo 12 - Quem ama cuida


Fanfic / Fanfiction Imagines BTS - Capítulo 12 - Quem ama cuida

Universidade. Um lugar onde se espera muito dos alunos, todos por obrigação tem que ter notas excelentes para provar serem merecedores de estar no ambiente que tanto almejam. E S/n batalhou muito para passar na Seoul National University, foram noites sem dormir direito e o resultado de tanto esforço foi uma bolsa de estudos integral na Universidade que tanto sonhou em estudar. Ela se lembrava do dia que chegou pela primeira vez na Universidade, estava tão perdida que duvidou por algum momento que fosse encontrar a própria sala. Ela queria chorar de frustação por não ter pedido nem um mapa para se localizar.

- Que lindo S/n, maravilhosamente lindo você está perdida em seu primeiro dia de aula. - Ela disse revirando os olhos para si mesma.

Estava tão ansiosa que não olhou para onde deveria enquanto resmungava consigo mesmo, S/n bateu em algo muito largo e bem sólido. Ela piscou meio zonza e colocou a mão na cabeça quando caiu sentada no chão.

- Mas o que... - Dizia desorientada.

- Nossa, me desculpe, eu não te vi.

S/n piscou algumas vezes e quando finalmente tudo voltou a ter foco ela arregalou os olhos, o rapaz que estava a sua frente era tão lindo que parecia um príncipe da Disney na versão coreana, a pele era levemente bronzeada, S/n não pôde evitar olhar os lábios pequenos e ao mesmo tempo grossos. Olhando mais em baixo ela observa os ombros largos, a camisa branca grudada tinha um decote em V que a faz pigarrear meio corada.

- Moça?

- Hum?

Ele olhou rapidamente para a blusa de S/n que era branca, no centro tinha um losango amarelo em campo verde, tendo no meio a esfera celeste azul, semeada com 27 estrelas e, atravessada por uma zona branca com a inscrição "Ordem e Progresso" em verde, a bandeira do Brasil. Ele sorriu gentilmente parando de falar inglês com S/n e tentando descobrir o quão bem ela estava fazendo perguntas em português.

- Você está bem?

S/n o olhou e pigarreou novamente olhando para baixo, as bochechas lutando para não ficarem coradas.

- Estou sim, não está doendo nada.

O desconhecido deu um suspiro de alívio.

- Que bom. Venha, eu te ajudo a levantar.

S/n pega a mão oferecida e franze o cenho ao sentir uma corrente elétrica, o rapaz parecia um pouco surpreso, mas ele decidiu ignorar isso e estudou a estrangeira a sua frente.

- Você está mesmo bem? Eu posso se quiser te levar para a enfermaria.

- Não precisa... eu estou realmente bem.

O rapaz sorriu e S/n queria sorrir de volta, mas algo dentro de si no meio de seu transe não permitiu, o que ela provavelmente vai agradecer a si mesma quando estiver sozinha.

- Já que está bem então eu vou indo.

S/n assentiu devagar e, por uma fração de segundos pôde acordar. Ele seria perfeito para ajudá-la, pensando nisso ela dá um sorriso tímido e dá alguns passos para frente.

- Eu... Você...

Era aquela situação constrangedora de tentar falar e não conseguir pronunciar uma única palavra, S/n achou que poderia morrer de vergonha ali mesmo.

O rapaz evitou o sorriso divertido, se fosse outro no lugar, S/n estaria mais envergonhada com a possível risada que ouviria, mas ele a achou fofa embora se pudesse a teria conhecido de uma forma mais normal.

- Você precisa de ajuda. Não é mesmo?

S/n assente e foi inevitável não se sentir envergonha, tudo nele era desconcertante e ela não sabia como lidar com isso.

- Imaginei já que eu nunca a vi por aqui, presumir que era uma das novas alunas.

Ele se aproximou um pouco e S/n engasgou um pouco com a saliva, a sorte foi que a mesma conseguiu se recuperar.

- No que posso te ajudar?

S/n respirou fundo decidida a olhar para o rosto e não naquele bendito decote em V, ela não estava olhando aquela pele lisa e aparentemente macia... e ela sorriu um pouco corada afastando certos pensamentos.

- Eu... Não sei onde é... minha sala.

Ele sorriu e estendeu a mão.

- Me dê esse papel por favor.

Ao passar o papel onde estava todas as informações de onde ela iria estudar, S/n evitou não encarar muito. Geralmente ela era tão confiante, mas tinha algo nele que a tirava dos eixos, ela não sabia o que era, só imaginava que estava passando mais vergonha do que o normal.

- Que coincidência, sua sala fica do lado da minha.

- Oh...

Ele sorriu e entregou o papel de volta.

- Eu te levo lá. Vamos?

- Er... sim, vamos.

Eles começaram a andar dessa vez na direção certa.

- E a propósito meu nome é Seok Jin, mas pode me chamar apenas de Jin. É um prazer te conhecer.

E então ele sorriu outra vez e piscando meio perdida S/n sorrir de volta.

- Eu sou S/n e o prazer é todo meu.

A partir daquele dia os dois se tornaram melhores amigos, S/n achava algumas vezes que Jin pudesse retribuir o que ela sentia, mas então ela voltava a realidade.

Como poderia ter uma chance com um dos estudantes mais populares e bonitos do campus? Era impossível em sua opinião.

Uma das coisas que ela também admirava no amigo era como ele não fazia acepção de pessoas, para ele todos eram iguais e por mais que o próprio status pedissem que Jin agisse diferente, ele negava.

Foram diversas vezes que um dos amigos já expressou ao próprio Jin o que pensava sobre a amizade deles, em um desses dias S/n tinha saído da aula mais cedo porque um professor tinha faltado, ao se aproximar do refeitório ela ouviu a conversa de Jin e os amigos.

- Essa história de você andar para cima e para baixo com essa estrangeira brasileira vai manchar sua reputação, não acho isso uma boa idéia.

- Sim, é verdade. Não é bom...

Mas Jin os interrompeu parecendo cansado de toda aquela conversa.

- Olha, eu sei o que muitos da universidade pensam, sei também que estão incomodados com minha amizade com S/n, mas eu devo lembrar a todos que a vida é minha. Portanto, já que não preciso me preocupar com a opinião de ninguém sobre isso, acredito que essa conversa termina aqui.

Ele fez questão de dizer em alto e bom som, inesperadamente os que estavam no refeitório ficaram em silêncio. Ninguém ali esperava aquelas palavras tão diretas, alguns balançavam a cabeça e discordava, mas Jin apenas continuo almoçando tranquilamente não ligando para o clima pesado que se instaurou no ambiente.

- Hey... S/n?

Rapidamente ela acorda das próprias lembranças e olha confusa para Minseok, S/n faz uma rápida varredura com o olhar e se sobressalta um pouco ao descobrir que a aula tinha acabado.

- Eu... me desculpe, estava distraída.

Ele riu e concordou.

- Eu percebir.

S/n corou um pouco e começou a arrumar as coisas, para a própria sorte não tinha nada para ela copiar no quadro e isso foi um alívio de certa forma.

- Mas não vim falar sobre isso, mas sim sobre o trabalho que a professora passou.

- O trabalho?

S/n pisca confusa até se lembrar no mesmo segundo, ela pigarreia e dá um sorriso de conhecimento.

- Sim, o que vale mais da metade da nota.

- Claro, eu lembrei agora. - Disse se levantando e Minseok vai atrás.

- Que bom, eu pensei se nós não poderíamos fazer juntos. O que acha?

S/n sorrir assentindo. Ela tinha que admitir que o rapaz era gentil, desde do começo foi sempre prestativo e nunca teve preconceito consigo. E sem hesitar ela concorda.

- Sim, podemos.

Minseok sorrir animado.

- Isso é ótimo. As 15:00 de hoje está bom para você?

- Sim.

Antes que Minseok pudesse dizer algo os dois são bruscamente interrompidos, um braço longo envolve o ombro direito de S/n e a mesma olha para cima e sorrir para o amigo, ele não parece está querendo retribuir, mas dar um meio sorriso mesmo assim.

- Park.

- Kim.

Os dois se encaram seriamente, pareciam travar uma batalha silenciosa e S/n olhava os dois confusa e ansiosa. Percebendo que algo errado não estava certo, S/n dá um passo a frente, mas a própria cintura é segurada e ela suspira. As vezes ela não sabia o que Jin sentia com toda aquela proteção em volta de si, mas ela pensaria nisso depois.

- Bem... eu te espero no horário marcado na minha casa.

Minseok sorrir.

- Está bem. Então te vejo mais tarde.

- Ok. Vou te esperar lá.

Ele assente e acena um tchau e vai embora.

- Kim Seok Jin, o que foi aquilo?

S/n se vira para ele colocando a mão na cintura e batendo o pé direito no chão, Jin a olha parecendo ter caído em si e dar um sorriso amarelo.

- Não venha com esses sorrisos não. Porque? Só me explica.

Jin bufou e colocou a mão na cintura de S/n a conduzindo para fora da universidade.

- Você não percebeu que ele quer você?

S/n faz uma careta de desgosto como se a idéia fosse ridícula demais para ser considerada, ela não entendia o porque dele achar isso. Minseok nunca deu sinal de que sentia alguma coisa, então para si era impossível de ser verdade.

- Como assim? Isso não tem nada a ver.

Jin suspira e a segura pelos ombros olhando profundamente dentro dos olhos de S/n, ahh como ele gostava de olhar dentro deles, parecia um universo completo para si de tanto que brilhava. E como ele esperava S/n foi ficando de algumas cores diferentes e Jin conteve o sorriso.

- Venha, vou te levar em casa.

Meio perdida e piscando aerea ela se deixa ser levada.

(...)

A campanhia tocava insistentemente e S/n grunhiu apressada. Não era possível que Minseok tivesse chegado tão cedo e, muito menos estar tão desesperado tocando a companhia, resmungando sobre trocar o som ela abre a porta e franze o cenho.

- Oi. Posso entrar?

S/n abre caminho e Jin entra com Jjangu, um cachorro da raça Terrier da cor branca a tira colo e S/n os encara não entendendo nada, ela tinha certeza que não tinham marcado nada então ela fecha a porta e encara o amigo.

- Desculpe, mas não me lembro de ter marcado alguma coisa. Ou eu marquei e esqueci?

S/n mexe o nariz de forma imperceptível e tenta se lembrar de algo, mas por mais que se esforçasse nada vinha em sua mente.

Jin riu baixinho quando viu a amiga tão confusa, ele tinha que admitir que ela ficava ainda mais fofa fazendo caretas engraçadas tentando lembrar.

- Não, nós não marcamos nada. Eu só pensei se eu não poderia ficar aqui com a minha melhor amiga.

S/n dá um pequeno suspiro.

- Daqui a pouco eu vou fazer o trabalho e não vou poder te dá atenção e...

- Sim, mas está chato ficar sozinho em casa. Me deixa ficar aqui, por favor. - Ele disse fazendo um bico e a mente de S/n fica praticamente em branco, ela balança a cabeça e pigarreia um pouco vermelha.

- Está bem, mas você tem que ficar quietinho, porque vou precisar para fazer o trabalho.

Jin sorrir e acena com a cabeça animado.

- Obrigado. Vou ficar tão quieto que não vai perceber que estou aqui.

- Hum... está bem.

Um pouco confusa ainda com a visita inesperada do amigo, S/n se prepara para começar o trabalho e quem sabe terminar no mesmo dia, pensando nisso ela arruma tudo na sala a espera de Minseok que não tarda a chegar. S/n vai até a porta atendendo e o convida para entrar.

- Oi S/n, espero não ter demorado para chegar.

- Não, você foi pontual. Entre por favor.

Na cozinha Jin revira os olhos, para ele não existia ninguém tão bom assim, Jin sabia que tinha algo de errado com ele e por pensar assim que foi até ali com aquela desculpa esfarrapada. Ele pressentia que alguma coisa ruim ia acontecer, espiando no vão da porta tudo estava normal, os dois faziam o bendito trabalho, mas isso não tirava a pulga atrás da orelha de Jin.

- Nossa, olha só como está tarde.

- Sim, mas pelo menos terminamos o trabalho.

S/n concorda cansada, ela se estica alheia ao olhar de Minseok em si.

- O que é bom. Estou moída de cansada.

Minseok se aproxima e S/n abre os olhos e dá um gritinho assustada.

- Sabe, nós terminamos mais cedo do que o esperado e eu pensei que poderíamos aproveitar um pouco.

S/n vai se arrastando para trás até se levantar com raiva.

- Acho melhor você ir embora, se está em busca de diversão vai procurar em outro lugar.

Ela se encaminha para a porta para abrir e ficar sozinha, mas é puxado dolorosamente contra o sofá, sem conter o gemido de dor S/n fecha os olhos e choraminga, o impacto no sofá foi desorientador.

- Me solta. O que está fazendo?

Os braços eram apertados de forma cruel e um beijo a força é dado, o coração batia como se quisesse sair da caixa torácica, o medo a consumia e ela só pode morder os lábios de Minseok que urrou de dor.

- SUA VADIA.

Ele levantou a mão para dá um tapa em S/n, a mesma se encolhe chorando. Mas o tapa não veio, o que foi ouvido foi um grito de dor e um barulho de algo se quebrando e latidos de cachorros altos.

Braços fortes tentam segurar S/n, mas ela esperneia tentando escapar.

- NÃO... EU NÃO QUERO, ME DEIXE EM PAZ...

-S/n sou eu, o Jin.

Abrindo os olhos S/n se joga nos braços do amigo chorando alto, ela tremia de forma descontrolada.

- Shii... eu estou aqui, está segura.

Jin a segurou no colo como um bebê, dando um beijo na testa dela e controlando a fúria por Minseok, Jin a aperta mais nos braços, como se fosse proteger amiga de todas as coisas ruins do mundo. No entanto para seu consolo, ele tinha chamado seus amigos Jeon Jungkook e Min Yoongi, afinal Minseok não iria para a cadeia se antes ter uma lição.

(...)

Quatro meses tinham se passado e S/n tinha se acalmando um pouco, a eminente ameaça de Minseok a solta não a fazia ter pesadelos, porque mesmo todo machucado e com o braço quebrado o mesmo conseguiu fugir, mas três dias depois foi pego e preso graças a denúncia de S/n. Mas agora ela não queria pensar nisso, ou muito menos se importar com alguns olhares de julgamento como se ela fosse a culpada de tudo.

- Aquele desgraçado não pode deixar você se sentir assim, não é sua culpa. Nunca vai ser. - Disse sua mãe assim que ambas estavam fazendo uma vídeo chamada, o pai de S/n se juntou na conversa e concordava veemente.

- Escute sua mãe, ela tem razão. Aquele miserável vai pagar por tudo e você não pode se sentir dessa maneira, como seu pai eu ordeno que continue a sorrir. Entendeu mocinha? - S/n rir um pouco e funga acatando a ordem do pai.

Kim Seok Jin. Se não fosse por ele o pior tinha acontecido, como foi ingênua de acreditar nas boas intenções de alguém que mal conversava. Balançando a cabeça ela decide tirar isso da cabeça, não faria bem para si se lembrar do acontecido, ela faria as idas ao psicólogo valer a pena e iria se esforçar para melhorar. A ser como antes.

Um algodão doce é colocado a sua frente e S/n sorrir pegando, Jin sorrir de volta e dá um beijo estalado na bochecha da amiga e como esperado ela ficou corada, o que para Jin era uma verdadeira obra de arte.

- Você... porque de repente isso? Eu...

Mas ela não termina de dizer o que queria, Jin a pega pela cintura e a beija com fervor, o algodão doce cai no chão e é esquecido. Alguns murmúrios são ouvidos, assim como alguns ofegos na praça. Com a falta de ar se fazendo presente ambos se separaram e S/n arfou olhando com os olhos muito abertos para Jin, o mesmo sorrir fazendo S/n corar mais ainda.

- O que... mais...

Jin riu e se aproximou mais da amiga.

- Sabia que você é linda? Mas não só por fora, mas por dentro também. Você por inteira é perfeita, por isso me apaixonei tão perdidamente por você.

Os olhos de S/n quase saem das órbitas, a mente em branco e tudo piorou quando Jin deu um beijo rápido em si que a fez acordar.

- Jin... desde de... quando?

- Desde do primeiro dia que eu te vi. Eu sei que é repentino o que estou dizendo, mas S/n eu não aguento mais ficar guardando o que sinto dentro de mim.

S/n sorriu e sem ela pensar pulou no colo de Jin que se assustou, mas a segurou antes que a mesma caisse. Ligando o foda-se, S/n o beija. Ela não se contetava de felicidade, não se importava com o que estavam pensando. E de novo o ar faltou e ambos se separaram encostando as testas um no outro. Jin a tira do colo e S/n não teve tempo de questionar sobre isso, porque Jin se ajoelha e tira um anel e olha dentro dos olhos dela.

- S/n você aceita ser a minha garota?

Com um sorriso gigigantesco S/n aceita.

- Sim, um milhão de vezes sim.

A aliança é colocada no dedo de cada um e ambos se olham fazendo um promessa silenciosa de amarem um ao outro até o fim, com a promessa feita, ambos selaram esse amor com um beijo apaixonado. As vezes nem tudo ficaria bem, mas o amor que sentiam um pelo outro iriam fazer qualquer obstáculo ser superado. 



Notas Finais


E foi isso kkkkk
Eu não sei quando irei postar de novo, mas farei o que estiver ao meu alcance para tudo dá certo e dessa vez não demorar tanto.
E até a próxima 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...