1. Spirit Fanfics >
  2. Imagines Disney Bia >
  3. Bia: Real. Parte 2 de 2

História Imagines Disney Bia - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura.

Capítulo 6 - Bia: Real. Parte 2 de 2


Fanfic / Fanfiction Imagines Disney Bia - Capítulo 6 - Bia: Real. Parte 2 de 2

Eu corria desesperada pelo campo era outono levantando um pouco meu vestido, os "crec" das folhas eram abafadas nos meus ouvidos pelo medo. Eu estava quase sem ar e meu coração pulsava na garganta. E ainda por cima tinha um corte na perna direita oque me fazia mancar

- Peguei você. - Diz o homem em meu ouvido esquerdo segurando meu pescoço e prensando meu corpo contra o seu cheirando meu ponto de pulso. Eu fechei os os com força pedindo a Deus ajuda.

- Você é muito linda. - Diz a voz no meu ouvido rasgando a parte de baixo do meu vestido de baile vermelho com algumas pedras na parte de cima e outras na barra. Suas mãos desceram para minha intimidade ainda coberta.

Deus por favor.

Rogo mentalmente sentindo o choro rasgar minha garganta silenciosamente junto com um amargor.

- SOLTE A GAROTA IMEDIATAMENTE! - Uma voz austera bradou com autoridade fazendo o homem me soltar e eu cair no chão ainda chorando.

Posso ouvir os pés dele baterem no chão.

Eu olho para os dois mas não passam de borrões devido as lagrimas. Mas o homem que acabara de chegar parecia um anjo.

- Me dê um motivo para não mata-lo agora mesmo. - diz sem vacilar.

- Ela é apenas uma puta. - diz o homem e apesar de seus esforços seu medo transparece.

O homem mas auto lhe dá um soco tão forte que é possível ouvir o osso de seu nariz quebrar ele só não caiu por ter sido segurado a tempo pela mão direita do homem recém-chegado, que o levantou alguns bons sentimentos do chão.

- Se eu o ver em minhas terras novamente eu não vou poupa-lo, me ouviu? - o outro apenas emitiu um som de concordância. - Olhe nos meus olhos seu infeliz. - sibilo o homem. - ME OUVIU!

- Si-sim - Gagueja.

- Suma. - Diz em um sussurro audível que não teria sido mais ameaçador se ele tivesse gritado. E aonde que o soltou o homem caiu no chão e correu o mais rápido que conseguia.

Ele se aproxima de mim e eu tremo pelo medo e abaixo minha cabeça.

O homem se ajoelha na minha frente e toca o meu queixo com um dedo áspero contrastando ainda mais a gentileza com que fez o movimento por fim me fazendo olhar para seus olhos.

- Eu não vou machucar você. - Diz com brandura e usando as mãos para secar as minhas lágrimas. Seus olhos eram iluminados pelo por do sol fazendo os olhos ficarem em um mel brilhante transmitiam sua preocupação e sinceridade. - Você está bem?

- Agora sim obrigada. - digo.

- Levantasse. - ele se levanta e estende a mão para mim. Com dificuldade levanto segurando a sua mão, mas meu corpo cambaleia fazendo com que eu agarro seu corpo para me dar mais apoio. - Por favor senhorita, eu precisa que fale a verdade.

- Meu tornozelo. - Digo com dificuldade por causa da dor que finalmente me atingiu.

- Se apóie em mim. - Diz voltando a se ajoelhar em minha frente e tocando meu tornozelo com cuidado. - Isso vai doer um pouco, aperte meu ombro quando sentir a dor. - Diz pegando uma cabaça e derramar o líquido sobre a ferida e eu aperto seu ombros com força para não gritar.

- Pronto, vamos ter que cuidar disso, se não quiser ver infeccionar. - Diz ficando em pé sem parar de me manter firme. - Vista isso. - pede gentilmente, Deus, esse homem é gigantesco como pode ser tão gentil. Ele acaba de me estender seu paletó para me cobrir. - Vou leva-la para minha casa e dar os cuidados necessários a senhorita.

- Obrigada.

- Não precisa agradecer senhorita. - ele me ergueu com os braços fortes me colocando-me sobre a sela do cavalo tomando as rédias e guiando sem montar.

Chegamos em frente a uma casa mais parecia uma mansão em tons de creme e madeira era linda. Ele abriu a porta e me segurou no estilo nupcial nos levando para dentro.

- Maria. - Chamou, uma senhora de cinqüenta e poucos anos de cabelos grisalhos curtos e ondulados, olhos pretos, suas pernas curtas correram para perto mulher era uma senhora gordinha mais ágil. - Esquente um pouco de água e arranje roupas adequadas para a senhorita, por favor e vou cuidar dela, está machucada. - Disse respeitoso.

- Sim senhor. - Ele me levou para um quarto me deitando na cama macia. Ele fez todo o procedimento no meu ferimento, não posso negar que seu rosto concentrado é bastante atraente os cabelos castanhos caindo no rosto por causa do comprimento. - Maria irá lhe ajudar Cara.

Eu olhei para ele confusa.

- Cara significa "amiga" em Irlandês. Já que ainda não me disse seu nome.

- É... - eu me impeço, não posso dizer que me chamo Isabella Souza eu não sei quem ele é ele pode está me ajudando agora mas pode ser que me mate se souber quem sou ou me entregue ao homem que massacrou toda minha família.

- Tudo bem Cara. - Ele sorriu fazendo com que as covinhas da sua bochecha aparecessem, e meu coração dar uma pirueta.

- Obrigada...

- Felipe. - Seu nome me trouxe um formigamento em meu estômago.

- Vou chamar Maria. - Diz fazendo uma reverência e saio.

A mulher me ajudou a tomar banho e me entregou um camisola longa branca de cetim.

- Venha senhorita, você precisa descansar. - Diz a senhora me levando novamente para o quarto que eu agora posso reparar as paredes claras e a cama de dossel com lençóis acompanhado a tonalidade do ambiente o lustre e as velas dava um ar amarelado e acolhedor, há uma escrivaninha lado oposto à cama com uma bandeja de comida: Pão doce, leite e um pouco de ensopado de carne com verduras. - Se precisar é só puxar a corda ao lado da cama.

- Obrigada senhora.

Ela assente e se retira.

Me sento e antes que eu possa comer três batidas foram ouvidas.

- Entre.

- Posso me juntar a você Cara? Ou prefere comer sozinha, se preferir eu posso... - Ele parecia tímido.

- Entre logo.

Ele fez e se sentou ao meu lado com sua bandeja.

Ele parece nervoso e corado agora.

- Me dê um minuto Cara. - Diz e se retira voltando com uma capa que me entregou. E finalmente me lembrei que estava só de camisola e essa é minha vez de corar.

- Oque aconteceu com você? - ele pergunta. - Quando aquele homem começou a lhe perseguir?

- Eu estava em um baile organizado pelo homem pelo qual ei ser obrigada a me casar mas era uma emboscada e... - eu respiro fundo engolindo o nó na garganta e desviando meu olhar dos dele.

Ele largou a colher e tomou a minha mão causando uma eletricidade percorrer por meu corpo e quando olhei para ele novamente posso jurar que ele também sentiu.

- Eles mataram toda a minha família e conseguir fugir mas aquele bêbado começou a me seguir. - Eu posso sentir as minhas lágrimas começarem a cair.

- Eles não vão mais machucar você, não enquanto eu estiver aqui eu, eu prometo.

Eu finalmente quebrei e ele me segurou.

- Você não pode se eles me acharem vão matar todos os que me ajudarem. Eu vou assim que conseguir andar normalmente.

- Cara, você não está sozinha e se como diz eles estão te caçando não tem para onde ir. E eu estou nisso desde que você entrou em minhas terras. - Ele diz com calma mas com firmeza.

Nossos rostos estavam se aproximando a cada palavra dita. Eu tenho a necessidade de por fim a essa distância mínima mas ele se afasta meio atordoado me deixando... Frustrada?

- Boa noite Cara.

Acordei com meu coração batendo feito um louco. Eu olho o lado da cama e como sempre nos últimos tempos ela está vazia.

Logo Manu me liga. - Manuel é meio irmão de Alex e uns dos meus melhores amigos apesar de estarmos meio afastados.

- Bom dia Bia.

- Bom.

- É que meu irmão está pra chegar de viagem e os Gutiérrez vão fazer um jantar e pediram para mim convidar você e o Alex. Hoje as 7. Nada muito formal. - Disse animado. - Desculpe Bia eu tenho que ir, beijo.

- Beijo. - Respondo.

Finalmente vou conhecer o misterioso irmão Gutiérrez. Eu nunca soube o nome dele sempre que falavam dele era como: Meu irmão ou P. - Claro da parte do Victor ou do Manuel. - Já que Alex sempre demonstrou desgosto e até raiva do rapaz sempre se referindo a ele como Intruso.

Mandei uma mensagem para Alex avisando sobre o jantar e fui tomar banho e em seguida vestindo uma uma calça jeans cinza meio azulada cintura alta e uma blusa branca por baixo da mesma junto com a jaqueta jeans um pouco mais escura que a calça.

Corto algumas frutas e como rapidamente correndo pra escovar os dentes e pegar meu material pra aula de hoje junto com as chaves do carro prendendo meu cabelo em um rabo de cavalo bagunçado antes de dar partida.

......................................

- Para que tudo isso? - Pegunta quando entra no quarto e me vê. - isso é só um jantar.

- Alex queira ou não ele é seu irmão então trate de calar a boca e ir se arrumar.

- Escute... - Ele tenta me agarrar mais desvio

- Chega Alex, eu não aguento mais você, suas atitudes sua arrogância. Eu sei que você me traí. Nós vamos ir a esse jantar e vai se comportar e quando chegarmos aqui de novo vamos conversar sobre o divórcio. Já passou da hora.

Eu pego a bouça de mão e saio do quarto com os saltos tilintar e o vestido creme apertado na cintura e solto abaixo da coxa.

Ele desceu as escadas com um calça preta um blusa laranja e um jaqueta de couro preta assim como a bota cano curto.

- Vamos. - Ele anunciou.

Quando chegamos já era 6:57.

- Entrem. - Disse Victor abrindo a porta. Ele deve chegar a qualquer momento.

Nos sentamos no sofá, mas Alex foi para cozinha falar com a mãe e Victor foi chamar o Manu.

Quando deu exatamente sete horas a campainha soou e como só estava eu na sala eu abri para quase cair quando vejo Felipe... S/N Phillips - se controle Beatriz - na minha frente.

- Olá. - Ele diz e meu corpo vibra.

- Oi, en-entre. - Gaguejo.

Assim que o homem entrou Manuel correu para ele como uma criança e pulou sobre o homem de quase 2 metros que devolveu o abraço.

- Oi Manuel. - Diz com uma risada.

- Victor. - Diz o abraçando em seguida.

- Hernâni, senhora. - Cumprimenta meus sogros com um aperto de mão. - Alex. - mesma coisa. - E a moça bonita - ele toma minha mão e leva aos lábios dando um beijo suave.

- Essa é minha esposa Beatriz Urquiza. - Diz Alex ficando ao meu lado. E tive que me conter para não revirar os olhos.

- É um belo nome. - eu sorrir sem consegui disfarçar o rubor sua voz era sincera e não havia segundas intensões. - S/n.


Notas Finais


Se você leu até aqui obrigada e um cheiro😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...