1. Spirit Fanfics >
  2. Imagines: Gyro Zeppeli >
  3. Capítulo Único

História Imagines: Gyro Zeppeli - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Estou começando aqui no site com essa história inspirada em jojo's parte 7. Irá ter alguns spoilers, mas serão apenas do primeiro volume da parte.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Imagines: Gyro Zeppeli - Capítulo 1 - Capítulo Único

Está história é nada mais que o início de Steel Ball Run, mas escrito do meu jeito.

Gyro Zeppeli On

Já estava bem proximo de terminar minha inscrição. Assinei meu nome, estava quase tudo pronto... Para participar é necessário $1,200, assim paguei.

O que são essas bolas? - se aproximava de minha cintura, algum pilantra tocava em meu apetrecho, ele era como uma bola de aço.

Nyo ho! Se eu fosse você não faria isso. - esboçava, rangendo os dentes, um enorme sorriso. "Go, Go! Zeppeli!" Letras estampadas em meus dentes de ouro. De repente, o vândalo caía no chão sem mesmo fazer nada, estava confuso. - Ho! - Sorria.

O que está havendo? Eu apenas encostei na bola, por que estou no chão?! - dizia com tremedeira, ainda com muitas dúvidas sobre a situação. - quando eu toquei na bola, foi isso... Eu não sei o que é isso, mas foi você que fez eu cair no chão. - apontava para mim, já com o controle total sobre o corpo.

Eu irei te aconselhar, vá embora! Ho! - cruzava meus braços deixando que o outro decidice o que faria.

Ei, aqui não está todo o dinheiro. Deixe-me contar... Hm. Aqui tem apenas mil, o preço para entrar na corrida é $1,200. - do outro lado do balcão, terminava de contar o dinheiro.

Tô ligado! - sem mesmo pensar duas vezes, já sabia quem foi o responsável. - passe o dinheiro! Tem 200 dólares com você, passa! - gritava com o rapaz. Ele havia roubado parte de minha grana, não fiquei nada feliz. Ao recuperar a força, consegui ver um revólver ser retirado de seu cinto.

Eu não sei o que você fez mas... Você vai pagar por isso! - em seguida, o atrás do balcão chamava os xerifes, que logo chegavam. Ao se aproximarem, já estávamos em um lugar aberto, e não estava nem um pouco preocupado em brigar com o outro. Os xerifes sem mesmo pensar duas vezes, prendem os braços carnudos daquele menino, assim pegando o revólver de sua mão. - não importa, eu vou escapar e entrar para a corrida e irei te perseguir por ter feito isso comigo!

Devolvam o revólver ao garoto! - soltam ele. O mesmo consegue pegar a arma atirada ao chão rapidamente. Então, sem exitar, aponta a arma a minha direção. - pode vir com tudo! Nyo! - jogava então, uma das minhas bolas de aço. Que continuavam a girar infinitamente muito rápidas. Logo, sem muita espera, ela acerta o braço do menino, fazendo seu ombro "girar". Em alguns instantes , podia ver sangue saindo da ferida.

Hm... O que está acontecendo ali? Ei, me deixem passar. Licença! - bem próximo ao local, alguém tentava passar dentre uma multidão.

Eu estava apenas brincando, se acalme! Se acalme! - Tremia na base aquele. Depois, no fundão, alguém dentre um montão de pessoas chega.

O que está acontecendo aqui?! -  o deficiente, cadeirante, perguntava. - está bola de aço. Deixe me aproximar!

Não toque ou irá se arrepender! - ele tocava. Após sentir a bola com o tato, pode sentir suas pernas novamente, apenas por um único instante.

O que houve?! Eu consegui sentir minhas pernas depois de muito tempo... - voltando para a cadeira de rodas o de toca azul marinho dizia. - eu quero descobrir mais sobre esse... "Giro". Me deixe tocar novamente. - falava enquanto se aproximava bem rápido.

Pare...! Ouça, minhas bolas com certeza não podem curar suas pernas, então, pare!! - mesmo assim, o de cadeira de rodas, continuava a se aproximar, cada vez mais rápido. Eu já ia saindo com meu cavalo, mas ao pegar impulso em uma pessoa, aquele cara pega uma incrível velocidade, continuando como minhas bolas, seu alvo. Ao tocar, sua mão "girava" e era prendida ao teto... Logo depois de eu sair de lá, ele caía causando um enorme estrondo e se machucando muito.

Um tempo depois... Faltavam apenas 30 minutos para dar início a corrida, então, me preparava, escolhendo o que valia a pena levar e, o que não eu não devia, pois, seria uma longa corrida de dois meses inteiros, de San Diego a Nova York.

Um ursinho de pelúcia rosa tirava de meu entulho, queria guardar aquilo, então usei a agulha para costurar a parte rasgada do meu ursinho e o coloquei na mochila.

Bom, para limpar a bosta e o nariz eu poderia usar folhas, para limpar os dentes poderia usar aipo. Descartei então, minha escova de dentes, minha pasta de dente e meus papéis higiênicos, deixando tudo na cabana.

Eu tenho uma tesoura, não precisaria levar comigo uma faca também, né? Feito tudo, me deparei do outro lado da cerca, ao lado de minha cabana, aquele jovem de antes, o cadeirante, tentando subir em um cavalo bem velho, bem, iria ser bem difícil para ele. Mas se ele conseguisse isso, poderia passar de todos na corrida, com certeza! Nyo, ho! Essa era minha opinião sobre a situação, mas se tem algo que era verdade naquele momento, era que ele estava passando por muitas dificuldades tentando montar em seu cavalo.

Ignorei tudo aquilo em volta de mim, em seguida, peguei meu cavalo, e enfim, caminhei para minha linha, no local que começaria a corrida, na praia de San Diego...

A corrida estava prestes a começar, era possível escutar a respiração dos cavalos a minha volta. Eu estava disputando uma corrida... Ao meu lado, um cavalo bem velho se locomove até lá, com alguém segurando em sua cela.

Era aquele garoto de antes, o com uma touca azul com um coice de ouro, com várias estrelinhas roxas estampadas e por ultimo, também, fui capaz de notar um cavalo desenhado a cima do coice.

A melhor coisa foi terem escolhido para você um cavalo velho... Porque cavalos velhos tem experiência, já cavalos jovens só tem energia! - reparava eu, me preparando para a corrida. Ao mesmo tempo, fiquei bem interessado ao rapaz que seu cavalo o lambeu adiante. Mesmo todo ensanguentado!

Eu irei descobrir o segredo do seu... "Giro". - quase desmaiando, o mesmo falava no chão.

Parece que já descobriu a resposta para subir em seu cavalo. - dava eu uma dica, mesmo com a possibilidade do outro já ter notado isso.

Ah. Me lamba novamente cavalo! - ele pedia. Podia notar que ele havia entendido o que eu disse. O cavalo abaixou novamente para lambe-lo, mas... - agora eu preciso "girar". - seguia adiante o mesmo, subindo em cima do cavalo. Ele havia potencial!

Então, nos preparamos para a corrida que logo começaria, e em seguida... A corrida começava ao dar a largada!


Notas Finais


Essa foi a minha primeira fic então, eu acho que não tenha ficado tão boa. Mas eu vou melhorando com o tempo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...