História Imperatriz - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


CDZ não me pertence e sim ao titio Kurumada, todos os direitos são dele e não há fins lucrativos, apenas de divulgação por uma humilde fã.

Essa é uma das loucuras que me bateu meu povo, vinda direto de uma série chinesa, achei legal colocar aqui e trazer no modo CDZ pra vocês. Enfim espero que vocês consigam entender o bem bolado que fiz pra divertir vocês.

Em um mundo onde a cosmo energia, habilidades de luta e o universo alternativo se juntam, eu apresento a vocês: Imperatriz.

Capítulo 1 - Vida Longa Ao Rei


Fanfic / Fanfiction Imperatriz - Capítulo 1 - Vida Longa Ao Rei

Palácio de Jamiel, Tibet

 

Shion andava de um lado para o outro na sala do trono, indeciso sobre como poderia saciar a fome de seu povo, o reino passava por épocas difíceis de grande seca e a necessidade de comida apenas aumentava. Com as secas as plantações se foram, as arvores já não davam mais frutos, os animais mal sobreviviam para serem caçados e praticamente todos os rios e lagos que abasteciam a pesca e a água potável de seu povo haviam secado. A situação era de extrema urgência.

 

 

Dohko: Shion, vai abrir um buraco no mármore favorito da Imperatriz Viúva desse jeito.

 

Dohko: Primeiro General e grande amigo de infância de Shion, aquele com quem Shion confidenciou segredos e lutou ao lado nas grandes guerras para defender seu reino, assim com seus falecidos pais e avôs fizeram em seu tempo. Shion costuma ouvir sua sabedoria e conselhos.

 

Shion: Eu não sei o que fazer, são tempos muito difíceis para o povo, não posso deixar eles passarem fome, portanto o mármore de minha mãe é o menor dos meus problemas agora. Estou pensando seriamente em abrir os celeiros TODOS para a nação. Liberar os grãos do exército e dos oficiais mas deixar o exército sem comida é o mesmo que pedir pra perder uma guerra que está praticamente estourando em nossa muralha. Eu estou de mãos atadas e tudo o que me diz é pra sossegar? — Shion  encara seriamente seu velho amigo - Você é o grande estrategista da porra toda, bola um estratagema e tira meu povo dessa bagunça!

 

 

Dohko: Isso não é trabalho do Imperador? — Arregalou os olhos e um segundo depois ouviu o som de algo se espatifando no chão. Havia acabado de desviar de um vaso que Shion havia atirado nele. - Pra que isso? Não tem necessidade.

 

Ambos começaram a rir igual condenados. Por alguns momentos Shion pôde esquecer dos problemas que o assolavam, até um ser de 1,68 vir cobrar ele pessoalmente.

 

Hilda: SHIOOON! — O grito potente da descendente das terras gélidas ecoa por todo o palácio enquanto o barulho irritante de seus saltos batendo furiosamente contra o chão precioso da Imperatriz Viúva seguiam caminhando até a sala do trono, ela estava bem atrás da porta prestes a entrar.

 

 

Hilda: Imperatriz, esposa de Shion e líder do Hárem Imperial, que até agora não pôde dar um filho a Shion, o que a deixa de extremo mal humor o dia todo nos últimos 13 anos. Herdeira do trono de uma união dos países nórdicos foi casada com Shion para estabelecer a paz, fundir exércitos e criar alianças políticas. Ostenta o sobrenome Valhala, onde dizem em seu país, que a casa real é descendente direta dos deuses nórdicos devido ao nome.

 

Dohko e Shion olharam um pro outro, enquanto o general apenas revirou os olhos e fez cara de nojo, o Imperador fez uma cara de quem estava sendo estuprado.

 

As grandes e pesadas portas se abrem revelando uma mulher de olhos de gelo e cabelos brancos como a neve do lugar de onde era herdeira. Dohko não ia com a cara daquela mulher.

 

Shion: Onde estão seus modos Hilda? Uma Imperatriz não deve elevar a voz.

 

Hilda: No meu país não funciona assim, já tivemos essa conversar querido. Enfim, indo direto ao assunto, quero saber porque você não veio jantar e dormir comigo ontem, logo ontem que meu período começou e poderíamos tentar novamente a concepção de seu futuro herdeiro. — A expressão de Shion se suavizou pela citação de um possível descendente, Hilda sabia como jogar pesado.

 

Dohko apenas observava calado a ela e a seu servo pessoal de Asgard, Siegfried.

 

 

Siegfried: Aquele que um dia já foi o soldado mais leal da infantaria de Asgard, recebeu títulos e condecorações de honra por defender a princesa Hilda de uma emboscada durante um falso tratado de paz que ocorria em seu castelo, o que lhe ocasionou inúmeras cicatrizes. O mesmo poderia escolher entre ficar em sua posição, mas preferiu assegurar que a herdeira direta não fosse sozinha para o estrangeiro, lhe servindo 24 horas por dia, sendo aquele que provavelmente era o único que tinha capacidade mental - e auditiva - para suportar os chiliques de Hilda cada segundo de sua existência.

 

 

No meio dessa confusão toda a Imperatriz Viúva se fez presente.

 

Partita: Isso são modos de uma família real? Marido e mulher discutindo algo tão íntimo publicamente?

 

Todos os presentes: Grandes bençãos á Imperatriz Viúva! — Dohko e Siegfried se ajoelharam, Shion curvou o peito perante a mãe abaixando sua cabeça em sinal de respeito, enquanto Hilda apenas moveu o lábio em sinal de aversão.

 

 

Partita: Imperatriz Viúva, mãe de Shion, possui grande repulsa por Hilda pelo modo como a mesma se porta e é língua afiada com os mais velhos, coisas inadmissíveis a uma Imperatriz da Dinastia Áries. Possui grande afeto e adoração por seus filhos, tanto pelo agora Imperador Shion, quanto pela princesa Yuzuhira, irmã mais nova do Imperador. Partita possui longos cabelos platinados e belos olhos escarlates (sim, eu modifiquei essa parte) como rubis, uma bela estatura para uma mulher de sua idade e bem conservada nos costumes, com um par de sinais iguais aos de Shion no topo da testa.

 

Partita: Ainda não me gerou um neto Hilda? — Perguntou diretamente a sua nora. - O povo aguarda o nascimento do Herdeiro Imperial que devia ter carregado em algum período dos últimos 15 anos.

 

Hilda: Tsc, se seu filho comparecesse ao invés de se deitar com as concubinas nas vésperas indicadas talvez agora já fosse avó de quem sabe três Herdeiros Imperiais. — Hilda responde grosseiramente. - Se bem que de velha já tem cara.

 

Partita: Tenha modos sua fedelha. Não se esqueça que fala com aquela que gerou DOIS descendentes perfeitos, diferente de você que põe a culpa em meu filho ao invés de seguir os procedimentos do tratamento de fertilidade. Pode ser a esposa do Imperador, mas eu sou a mãe, quer mesmo fazer meu filhote escolher? Você perde facilmente, mulher de ventre seco. —  Como sempre, a Imperatriz Viúva colocando a Imperatriz em seu devido lugar.

 

Dohko apenas levantou as sobrancelhas, estava se divertindo muito com a Rainha Mãe dando uma lição na Megera Nora, como a própria Partita a chamava.

 

Neste momento, o Capitão do batalhão de Dohko interrompe os convidados. De cabeça prostrada ao chão e corpo curvado com mãos esticadas ele se pronuncia: Grandes bençãos a Imperatriz Viúva, Vida Longa ao Imperador, Deus Salve a Imperatriz.

 

Shion: Você parece extremamente afobado Shiryu, o que houve homem? — Shion estava temendo serem más notícias e mais desgraça para seu povo, mas por sorte estava enganado. Dessa vez.

 

 

Shiryu: Atual Capitão do exército de Shion, comandado por Dohko como Primeiro General. Quando criança viu seu General vencendo uma invasão, protegendo a casa simples e humilde de sua família, desde então o vê como um herói e ao atingir a maioridade logo tratou de entrar para exército real. Sempre teve a ambição de impressionar Dohko e ser notado por ele, se destacar, todo e qualquer elogio de reconhecimento só o faziam querer ser como ele. Se tornou o melhor no treinamento, e com esforço e dedicação aplicados Dohko logo botou os olhos nele, lhe dando tarefas cada vez mais exaustivas, que foram cumpridas com perfeição ao serem usadas como teste. Shiryu então foi pessoalmente treinado por Dohko, que via todo o potencial de Shiryu, e resolveu esculpir aquele diamante bruto, resultando no segundo melhor guerreiro do exército, e o favorito de Dohko para nomeação de futuras posições de mais confiança.

 

 

Shiryu: Grandes notícias meu Imperador! Conseguimos trazer grandes pilhagens de ouro após a tão almejada última batalha com a Alemanha, e além do mais, trouxemos toneladas de grãos Majestade! O povo está eufórico com a possibilidade do fim da fome, temos também os tesouros e, principalmente, prisioneiros para sua majestade e o Primeiro General Dohko interrogarem, alguns são até mesmo senhores donos de grandes feudos, mas também conseguimos um coronel das forças inimigas, senhor!

 

Shion: Até mesmo um coronel você me trouxe, realmente você acertou em ter deixado seu melhor aprendiz ir á batalha Dohko. — Olha com grande admiração para o amigo que responde com um olhar de "Melhor que eu, só dois eu." - Chamem a Emissária Real! — Imediatamente os servos trouxeram a Emissária Real.

 

 

June: Grandes bençãos a Imperatriz Viúva, vida longa ao Imperador, Deus salve a Imperatriz! — Diz de joelhos, com a cabeça baixa, e os braços estendidos. - Eis-me aqui, majestade!

 

June: Da família Chamaeleon, sua família serve à coroa desde a época em que o avô de Shion, Sage, passou a reger Jamiel. Mesmo como humanos comuns, e não Lemurianos (Que possuem uma vida extremamente longa) eram extremamente gratos ao Império por aceitar que eles, estrangeiros, se escondessem da perseguição em suas muralhas, presenteando Sage com Kali, tataravó de June, como primeira concubina do Imperador que subia ao trono. Sage teve apenas 10 concubinas, ao nascer sua primeira herdeira, liberou todas. Ao contrário do que todos pensam, as ex-concubinas do Imperador ao serem liberadas, tem chuvas de propostas de casamentos. Com Kali não foi diferente. Um tenente da época a desposou e desde então nasceram, ironicamente, somente mulheres na família. Anos mais tarde Cora, mãe de June, conseguiu uma grande conquista ao se tornar a primeira Emissária mulher do reino, nomeada pela própria Imperatriz da Época, Partita, atual Imperatriz Viúva, e desde então, June faz questão de seguir os passos da mãe mostrando que as mulheres podem ser úteis em qualquer esfera do reino, não somente em reprodução. Esferas essas onde antigamente era inimaginável para o sexo feminino, como cargos de confiança da Dinastia.

 

Shion: Bem na hora! Levante-se June, tem muito a ser feito! — June se levanta imediatamente. - Quero uma nota emitida ao meu reino nesse segundo, divulgue em todos os veículos de mídias que haverá comida para todos. Nenhuma família passará fome esta noite e nem nas próximas!

 

June: Imediatamente majestade! - June mal continha a felicidade perante uma notícia grandiosa como essa.

 

Daquele segundo em diante a notícia se espalhou pelo reino, foram necessários 30 minutos para que todos soubessem (a velocidade da fofoca só não ganha do meu bonde kkkk) e festejassem o mais recente sucesso da pilhagem, o segundo maior interesse do povo: CO.MI.DA.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Partita foi até a sacada de seu quarto pouco antes do jantar naquela noite, pegou uma cigarrilha de sabor framboesa, sua favorita, colocada em um pequeno tubinho preto, muito parecido com um canudo reto, para não deixar suas vestes e nem suas mãos cheirando mal, e acendeu.

 

Partita: "Meu amado e falecido marido, seu primogênito teve uma grande vitória hoje, o povo todo está festejando, não haverá fome para nossas crianças por um bom tempo. Se pudesse vê-lo agora, estaria tão orgulhoso." — Pensou consigo mesma pouco antes de um lágrima solitária escorrer por sua face.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

Após interrogar cada prisioneiro, sem muitas respostas. Ambos, Shion e Dohko, estavam extremamente cansados, exaustos de todo aquele circo de guerras, fome, problemas, e no caso de Shion, esposas.

 

Ao saírem do covil aonde os prisioneiros são trancafiados, viram alguns soldados em volta de alguém, brincado de jogar um para o outro.

 

Soldado 1: Moça virgem, quem vai ser o primeiro?

Soldado 2: Olhe suas vestes, vem de boa família!

Soldado 3: Eu quero ir primeiro!

Soldado 4: Calma senhores, dá pra três terem de uma vez na primeira rodada!

 

A paciência de Shion acabou ali, se tem uma coisa que ele repudia é forçar uma mulher a sexo. Séria influência de seu falecido pai, que o ensinou a ser um homem, não um covarde.

 

Shion: Afastam-se - Os olhos dos soldados se enchem de medo, todos dão dois passos para trás e se curvam perante o General e o Imperador.

 

Soldados: Vida Longa ao Imperador! - Todos se curvam com a cabeça prostrada e os braços esticados rentes ao chão.

 

Shion: Quietos! — Shion vai direto examinar a pobre moça, a mesma era baixinha, possuía cabelos negros e olhos azuis como safiras, vestia um vestido que fora parcialmente rasgado pelos soldados deixando á mostra demais seu corpo de mulher, não intimamente, mas muito podia ser visto, coisa indecente ás moças da época.

 

A moça por instinto e medo leva a mão em direção ao rosto de Shion, o mesmo desvia a tempo, salvando-se de um belo arranhão.

 

Shion: Calma, eu não vou te machucar. — Shion a convence de que não lhe fará mal e quando ela se acalma ele começa a falar.— Qual seu nome? — Shion ouve uma voz delicada lhe dizer "Pandora senhor". - Oi Pandora, eu sou Shion, o Imperador.  Venha, levante-se. — Shion mostra um semblante assustador para seu velho amigo Dohko. - Corte-lhes. A. Cabeça.  — Fala fria e pausadamente, fazendo seu General sorrir de satisfação em punir desgraçados como aqueles soldados, que são levados a guilhotina em menos de 20 segundos.

 

Dohko olhava seriamente para as cabeças fora dos corpos e ainda conseguiu fazer uma piada dos estupradores cadavéricos. - Uma mulher tem o dom de fazer um homem perder a cabeça. Literalmente. — O mesmo sempre imaginava se fosse sua esposa, mãe, ou outra moça da família nas mãos deles, por isso não os perdoava nunca. Adorava quando seu amigo Imperador fazia sinal para cabeças serem arrancadas.

 

Pandora o olha com medo novamente, ele tinha poder o suficiente para fazer o que quisesse, já havia entendido que ele era o Imperador, se ele podia mandar matar reles soldados, o que poderia fazer a ela?

 

Shion: Não mandarei te matar se é o que está pensando. Venha, quero falar com você a sós.

 

Shion sai daquele buraco de rato entra com Pandora castelo a dentro determinado a descobrir mais sobre a intrigante jovem de olhos de safira. E quem sabe... concretizar um plano maluco de Dohko, um daqueles que nunca falhou. Por aquelas horas, esqueceu dos males do mundo.

 

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

 

Após horas de conversa o jantar real já se seguia tranquilo e em paz, ou quase, Dohko estava com um estranho sorriso no rosto, o que não passou despercebido por Hilda.

 

Hilda: O que foi que deu em você, finalmente transou com sua esposa, foi? Explique logo o que é esse sorriso de bobo alegre, ande!

 

Dohko: Pelo menos a minha está disposta a me dar herdeiros.— Alfinetou de volta.

 

Hilda: COMO OUSA!? — Hilda se levantou bruscamente, mas foi puxada do mesmo modo de volta ao assento por Shion em silêncio.

 

A Imperatriz Viúva apenas dignou-se a rir e a alfinetar - Você procurou isso mulher de ventre seco, bem feito que ele tenha lhe respondido a altura. Onde já se viu querer expor marido e mulher. Fica aí anunciando sua vida sexual e quer saber da dos outros? Que baixa classe.

 

Hilda ia responder, mas recebeu um olhar perigoso de Shion e se calou, ele ia se ver com ela mais tarde.

 

Ao fim do jantar Shion mandou abriu as portas de acesso ao salão principal revelando uma Pandora ao seu centro, agora vestida de vestido lilás, maquiada e penteada como uma rainha com um doce sorriso. O mesmo fez um pronunciamento.

 

Shion: Essa é minha centésima concubina, Pandora. — Disse orgulhoso.

 

Pandora: Boa noite majestades. — A mesma se curvou com extrema graça e então Shion estendeu a mão para que se sentasse á sua esquerda,  frente a frente com Hilda e permaneceu a segurando.

 

As reações foram simples:

 

Dohko não aguentou mais e se pôs a rir sendo o primeiro a saudar Pandora muito alegremente.

 

A Imperatriz Viúva mal continha o sorriso: Olha que moça decente, bem educada e bem vestida. Diferente daquela que meu filho se casou. — Se pôs a cumprimentar a menina.

 

Os queixos dos empregados locais caíram.

 

E a Imperatriz Hilda olhou para a cena do mesmo jeito que Hitler quando viu o Tratado de Versalhes.

 

"Humilhação..."

 


Notas Finais


E aí meu povo e minha pova, gostaram? Sim foi meio atropelado mas será melhor com as dicas de vocês. Deem ideias, correções, palpites e até dinheiro se quiserem (Consciência: Você disse sem fins lucrativos. - Eu: Calada que ta faltando verba.) Enfim não deixem de comentar é muito importante a opinião de vocês seus lindos e lindas. Até a próxima!

Disponível também no Nyah.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...