História Imperfeito Amor - Capítulo 13


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Visualizações 181
Palavras 2.885
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiiiiiie.

Mais um capitulo dessa fiz que estou amando escrever a cada dia que passa!
E antes que eu esqueça... quero agradecer aos 50 favoritos, e aos comentarios também. Não canso de disser que voces são FODAS!

Capítulo 13 - A pequena Maria.


Fanfic / Fanfiction Imperfeito Amor - Capítulo 13 - A pequena Maria.

Castiel Pov’s on:

- Bom, isso correu bem - eu digo quando eu manobro a minha elegante Tesla preta para fora do estacionamento. Eu dou uma acelerada modesta e nós voamos na rua.

Me sinto nas alturas, tanto como um presunçoso pode ser, e eu não dou a mínima agora. Nem mesmo a maneira como meu pau está doendo como um filho da puta pode estragar meu humor.

Lynn me lança um olhar questionador, e eu sei que ela está se perguntando o que eu estou me referindo, a reunião de negócios com o novo cliente que provavelmente vai dar certo, ou a minha parte favorita, quase dando a ela um orgasmo no banheiro. Meu corpo ainda está preparado e pronto para dá-lo.

- Eu não acredito que você não lavou as mãos - ela diz.

- Eu posso nunca lavar essa mão de novo. - Eu sorrio e faço um gesto obsceno com os dedos.

Ela se afasta de mim com um xingamento e olha pela janela em silêncio o resto do caminho de casa. Quando chegamos, a cobertura está escura e silenciosa e meus hormônios ainda estão furiosos.

Lynn coloca sua bolsa e telefone celular sobre a mesa de entrada, em seguida, se vira, ficando de costas para mim.

 - Você abre meu zíper? - Eu arrasto o zíper para baixo em suas costas, deixando meus dedos passarem por sua pele, apreciando as covinhas gêmeas no final das costas e a parte superior de sua calcinha rendada.

Tortura. Isso é pura tortura.

 Tendo uma chance, eu inclino para frente e dou um beijo suave contra a parte de trás do seu pescoço.

- Nós poderíamos terminar o que começamos no restaurante. Sua respiração acelera e posso praticamente cheirar sua excitação. Eu sei que sua calcinha ainda está molhada. A ideia de tocá-la mais uma vez quase me enchia de desejo.

- Provavelmente não é uma boa ideia. Devemos manter isso estritamente profissional a partir de agora. Temos de nos concentrar no negócio, você não acha? - Mas ela soa um pouco insegura, e isso é tudo que eu preciso.

Ela me diz que é apenas uma questão de tempo até eu conseguir o que quero. E o que eu quero é sua boceta apertada em volta do meu pau, onde eu possa meter por horas. Dias, mesmo.

-Você estava tão perto lá. Eu podia sentir sua vagina segurando meus dedos, o clitóris inchado pulsando com cada batimento cardíaco. Você estava prestes a gozar. - Eu sussurro. O calor da minha respiração envia uma onda de arrepios pela parte de trás do seu pescoço.

 Eu conheço o corpo de uma mulher bem, sei ler todos os sinais, e tudo sobre Lynn está pulsando, dizendo que ela precisa ser fodida. Jogada na cama, e adorada como a deusa que ela é.

-Castiel... - Sua voz é quase um gemido, e meu pau endurece instantaneamente.

- O que você faz para se divertir, Floco de Neve? Tudo não pode ser sobre trabalho. Às vezes, desligar um pouco é uma coisa boa. - Ela endireita sua postura.

- Esse é o momento de nos concentrarmos e focarmos no negócio, e não brincar de nos agarrar como adolescentes. Eu tenho certeza que é um conceito estranho para você, mas...

- Acredite em mim, estou focado em Tate & Cane. Mas os negócios são para o horário de trabalho. Após o horário comercial é para brincadeiras. E no caso de você não perceber... - Eu passo um dedo por sua espinha, demorando na cintura de sua calcinha. - Está escuro lá fora. E nós somos dois adultos responsáveis.

- Dois? Tente contar de novo. - A princesa de gelo dá um passo para longe de mim e vai para o quarto, onde eu vejo um último vislumbre de suas costas nuas e quadris antes dela fechar a porta.

Eu posso apenas imaginar o seu vestido escorregando para baixo de suas longas pernas, o tecido reunindo em torno de seus pés ainda de salto alto, a bunda gostosa coberta apenas com um pedaço de renda.... Porra.

Eu junto os dedos pelo meu cabelo e solto um suspiro de frustração. Por um segundo, eu não sei se estou frustrado porque eu estou com tesão e insanamente atraído por ela, ou porque ela está tornando impossível para mim ganhar a nossa aposta.

Não. Foda-se isso.

É só porque eu quero ela. Eu quero levá-la em meus braços e entender que nós realmente poderíamos ter algo aqui. Ela é tão teimosa. E seu sonho secreto de um casamento romântico.

Eu posso não ser sua primeira escolha, mas eu quero pelo menos encontrá-la no meio do caminho, como mais do que amigos. Eu só vou ter que encontrar uma maneira de conseguir isso e manter todos felizes.

Por agora, eu vou até o banheiro e fecho a porta atrás de mim. Eu não tranco... apenas no caso de haver uma pequena chance de Lynn mudar de ideia. Eu solto o meu cinto e puxo para baixo as minhas calças apenas o suficiente para libertar meu pau dolorido. Então eu passo um pouco de sua loção perfumada em minha mão e começo a me acariciar.

Seu delicioso perfume feminino me rodeia, e as sensações de formigamento ao longo da minha espinha significam que isso não vai demorar muito.

Pela segunda vez esta semana, eu estou me masturbando, desejando que fosse sua mão pequena e delicada em seu lugar. Memórias de hoje à noite no restaurante piscam em minha mente como um sonho erótico.

Deus, ela estava tão pronta depois de apenas alguns minutos de brincadeira e beijos. Seus mamilos rosados estavam apertados em pequenos gomos, e quando eu os chupei e lambi, eles enrugaram contra a minha língua. Ela tinha um gosto tão doce e deu os melhores gemidos suaves que eu já ouvi. E então quando eu escorreguei meus dedos em sua calcinha, eu meio que esperava que ela me falasse para parar, só que ela não fez. Em vez disso, ela abriu ainda mais as pernas. O menor movimento possível, mas eu estava tão em sintonia com ela, que eu notei.

Ela queria que eu a tocasse. Queria isto tanto quanto eu. Ela estava quente, úmida, doce perfeição sedosa. E quando eu coloquei dois dedos dentro, eu quase gozei logo em seguida. Sua vagina estava tão apertada, ela agarrou meus dedos e sugou eles, ávida para ser fodida.

 Tremo só de lembrar. Tão perfeita. Bonita. Inteligente. Sensual. Ela é o pacote completo. Mais algumas bombeadas e eu gozo com um grunhido.

(...)

- Você tem certeza sobre isso? -PerguntaLynn.

 Seu olhar vagueia sobre as duas dúzias de pessoas espalhadas por todo o gramado de Rosita. As pessoas estão rindo e conversando em pequenos grupos, e pop mexicano toca de uma caixa de som. A cerca de arame separa seu quintal de uma loja de auto atrás de sua casa. Uma única árvore está no centro com uma piñata festiva pendurada em um galho.

- Claro. Isso vai ser ótimo. Vamos lá. - Eu a puxo em direção a Rosita e a menina aniversariante, Maria. Eu caio de joelhos na frente dela. - Uau. Trinta e seis hoje, hein? - Ela balança a cabeça, suas tranças balançando descontroladamente.

- Não. Eu faço sete! - Ela solta.

- Ah, sete. Bem, feliz aniversário. -Eu dou uma piscadela e ela franze o nariz. Ela definitivamente ainda está na idade em que os meninos são nojentos.

- Seu vestido é muito bonito. – Lynn diz se agaxando para ficar na altura da pequena. Ela olha para seu vestido rosa-choque com bordados decorativos de cor tangerina.

- Obrigada. Minha mãe quem fez. - Ela sorri para Rosita.

Quando eu me levanto, dou a Rosita um abraço.

- Tudo parece ótimo. Obrigado por nos convidar. – Digo

- Claro, mi amor. Obrigada por terem vindo - ela diz para mim e para Lynn.

- É claro que viríamos. – Lynn ecoa, seu sorriso apenas um pouco cauteloso. Ela está, obviamente, fora de seu elemento aqui, mas tentando o seu melhor para lidar com isso.

- Por favor, se divirtam. Há muito o que comer, e as bebidas estão lá dentro. – Diz Rosita

Eu examino a mesa de piquenique que está tão lotada de comida, não há uma polegada de mesa que não esteja ocupada. Empanadas, carne assada, arroz com frango, um monte de coisas que eu não reconheço, mas terei que provar, e um belo bolo de três andares no centro de tudo.

- Você fez o suficiente para alimentar um exército. - Eu digo com uma risada.

- Minha família tem grande apetite. - Rosita sorri ironicamente para mim.

Eu entrego o meu saco com o presente a Rosita. Tem um par de livros em espanhol para Maria. Eu sei que manter a cultura de sua família viva e garantir que seus filhos sejam bilíngues é importante para Rosita. É algo que ela e eu conversamos antes, e eu acho que é muito inteligente. Qualquer um que conheça duas línguas terá uma vantagem no mundo dos negócios, quando chegar a hora.

- Oh, você não tem que trazer um presente. A sua presença aqui é suficiente. - Eu balancei minha cabeça.

- Claro que eu trouxe um presente. Que festa de aniversário é completa sem uma grande pilha de presentes? - O sorriso de Rosita cai ligeiramente.

- As coisas estão um pouco apertadas agora. Fiz os presentes de Maria eu mesma este ano.

Oh merda. Eu queria fazer um comentário brincalhão, não chamar a atenção para a pequena pilha de presentes.

- Eu Não...

Rosita nega com a cabeça para que eu me tranqüilize

 - Com toda a incerteza no trabalho agora, estou tentando esticar o nosso orçamento e guardar um pouco na poupança. Apenas no caso de... - Seus olhos passam entre eu e a Lynn como se estivesse à procura de respostas.

Como ela tem seis filhos, seu orçamento não tem muito espaço de manobra. Eu pego as mãos de Rosita na minha e dou um aperto.

-Tudo vai ficar bem, eu prometo. Eu vou me certificar disso. – Lynn mexe desconfortavelmente perto de mim. Mesmo com toda a tensão sexual entre nós, ainda temos um trabalho a fazer. E isso nunca foi mais evidente do que agora.

- Chega de falar de tudo isso, - Rosita diz, mostrando seu o sorriso novamente. - Vocês dois vão se divertir. - Ela se afasta, indo em direção a seu primo, que eu conheci na festa de Natal do ano passado.

-Você está com fome? - Pergunto a Lynn. - A comida cheira incrível, e Rosita é uma incrível cozinheira. Estou pensando em provar cada prato sobre a mesa. Talvez duas vezes. - Ela balança a cabeça, e sorri

- Morrendo de fome, na verdade, mas eu não tenho certeza. - Sua testa vinca, enquanto ela olha para os pratos coloridos.

- O que está errado? - Ela olha em volta.

- Estou apenas procurando por uma faca e garfo. - Eu percebo que ela está cautelosa em derramar comida na sua blusa cara.

- Vamos, eu vou ajudá-la. A primeira vez que vim aqui, eu mordi um burrito e derramei o seu conteúdo em todos os lugares. Parecia que um bebê fez merda em todo a minha camisa Armani. Não conseguia parar de rir. - Ela me olha com ceticismo. - Rosita me ensinou a maneira correta de dobrar meu burrito. Há um truque para isso. Eu vou te mostrar.

 Ela balança a cabeça e me segue para a mesa. Nós enchemos nossos pratos com carnes marinadas, cebolas grelhadas, arroz, feijão e tortilhas. Em seguida, voltamos para uma segunda rodada dos nossos pratos favoritos. Lynn me impressiona com o seu apetite saudável e espírito aventureiro.

Após o almoço, conversamos e socializamos com a família e amigos de Rosita. Mesmo Lynn diz que está gostando da festa, e eu acredito nela, ela permanece bloqueada ao meu lado durante toda a tarde, tendo uma conversa educada e sorrindo nervosamente.

De todas as coisas incríveis que ela é, “borboleta social” não é uma delas. Eu posso dizer que ela se sente deslocada em suas sandálias de seiscentos dólares, blusa de seda e relógio de diamantes incrustados.

Eu ainda não sei por que ela não vestiu algo menos formal. Ou esta é a roupa mais casual que ela tem em seu armário? Talvez ela apenas seja incapaz de se vestir mais casualmente; ela está sempre bem cuidada dos pés à cabeça, o epítome da beleza sofisticada. Eu certamente não vou reclamar.

Ela e eu não crescemos assim, com festas de quintal casuais e pratos de papel e latas de cerveja. A vida da alta sociedade definitivamente tem suas vantagens, mas dada a escolha entre beber o melhor Scotch sozinho e beber cerveja barata em meio a risadas amigáveis, eu vou escolher a segunda opção toda vez.

Mais tarde, quando a dança acaba, eu levo Lynn para dentro da casa de Rosita.

- Agora precisamos de um Cuba Livre. - Eu vou para dentro, mantendo uma mão na parte inferior das suas costas para tranquilizá-la que eu não vou deixá-la para cuidar de si mesma.

- Não é apenas rum e Coca-Cola? -Ela pergunta, cética.

-Sim, mas é Coca-Cola mexicana, feito com açúcar de verdade, não esse falso xarope de milho de merda, e o rum... Cristo, espere até você provar isso.- Eu encho dois copos com gelo e depois a mistura de rum-e-coca que Rosita tem pré misturados em um grande jarro.

- Hum – Lynn  geme quando ela engole seu primeiro gole efervescente.

- Um brinde – Falo e olho para ela e toco a borda do meu copo no dela.

- À que? -Ela pergunta.

- A nós - eu digo, meus olhos persistentes nos dela.

- Castiel... —Ela mastiga o lábio inferior. - Você sabe que isso não pode funcionar, certo? - Seu tom é sombrio.

- Como que não vai? Na verdade, nós realmente precisamos ficar noivos em breve. – Digo.

Talvez seja porque estou me sentindo jovial e um pouco tonto, mas eu defendo meu território, meus olhos ainda persistentes nos dela. Eu penso que tipo de proposta eu vou planejar, apenas uma reunião formal de negócio em que acordamos sobre os termos, ou um pedido romântico, onde eu me ajoelho e prometo fazer isso da melhor forma que posso para ela. Lynn olha para o chão.

- Eu apenas não estou pronta para isso ainda.

- Eu já senti isso... mas você pode tentar. — Eu me inclino ainda mais perto, a deixando sentir o calor do meu corpo, a minha altura elevando-se sobre ela.

- Tentar? – ela pergunta

- Sim, tentar.

- E como você propõe que eu faça isso? - Ela está tentando o seu melhor para soar confiante, mas seu tom está instável. Me sentindo ousado, eu sorrio para ela.

- Você se afastou na noite passada. Você poderia me beijar, me tocar, se abrir para mim, fazer amor comigo.

- O que? - Sua voz se eleva e as sobrancelhas também.

- Eu me contentaria com um beijo. - Digo

- Eu fiz isso antes, ou você esqueceu?

- Esqueci? Floco de neve, eu me masturbo regularmente com a memória dele. - Suas bochechas ficam rosa brilhante.

- Está brincando, não é?

- Estou falando sério. Faz você se sentir desconfortável saber que durante a noite, no escuro, eu masturbo meu pau com força pensando em sua atitude atrevida, boca esperta e peitos lindos? - Sua boca cai aberta. Suas bochechas estão flamejantes agora. Prossigo. - Um beijo. Cristo, você pode até mesmo acabar se divertindo hoje.

 Estou brincando com ela, porque eu posso dizer que mesmo que ela estava tensa e tímida quando chegamos, ela se divertiu hoje. Ela só precisava de um pouco de tempo para se sentir em casa.

Colocando uma mão na sua cintura, eu a puxo uma fração mais perto. Sua respiração fica rápida e seus lábios abrem, seja em surpresa ou porque ela está se preparando para o meu beijo, eu não tenho certeza. Eu abaixo a minha boca na sua, sentindo o calor de sua respiração sobre meus lábios, meu pau começa a inchar, quando um grito alto nos interrompe.

- Picada de abelha chegando. - Rosita fala, carregando a menina aniversariante chorando pela cozinha. Me afasto de Lynn, eu abro um espaço no balcão.

- Senta ela aqui. -  Falo

Lágrimas caem dos olhos de Maria quando soluços silenciosos saem de seu peito.

- Shh. Eu vou fazer você ficar bem, princesa - digo a Maria.

Lynn e Rosita pegam o material de primeiros socorros enquanto eu distraio Maria com uma história do tempo que eu vagava em uma colmeia.

Lynn  me observa trabalhar com um olhar silencioso, contemplativo, e eu não posso evitar, mas pergunto se ela teria me deixado beijá-la.

Trazê-la aqui hoje não foi um erro. Na verdade, devo dizer que pessoas como Rosita e está menina são uma das principais razões por que Lynn e eu temos que fazer isso funcionar.

Nós temos que conseguir.

Lynn Pov’s on:

Querido Deus, observar Castiel com Rosita, e mais ainda, com a pequena Maria? Meu ovário entrou em combustão.

Eu preciso manter a calma. Porquê de outra forma? Eu poderia facilmente me ver perder a cabeça sobre este homem


Notas Finais


Personagem Maria: https://i.pinimg.com/originals/95/a2/38/95a238799e9ce4543c383f5ea015be7c.jpg

Espero que tenham gostado.

Ate a proxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...