História Império - A Era de Ouro em Nárnia - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias As Crônicas de Nárnia
Personagens Aslan, Edmundo Pevensie, Jadis (Feiticeira Branca), Lúcia Pevensie, Pedro Pevensie, Personagens Originais, Polly Plummer, Professor Kirke, Sr. Castor, Sr. Tumnus, Sra. Castor, Susana Pevensie, Tash
Tags As Cronicas De Narnia, Aslam, Edmundo, Edmundo Pevensie, Era De Ouro, Jadis, Lucia Pevensie, Magia, Nárnia, Pedro Pevensie, Reign, Susana Pevensie
Visualizações 11
Palavras 889
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá novamente! Rs
Narnianos, esse é o segundo prólogo e traz sinais do que está por vim...

Capítulo 2 - Prólogo II - Pesadelos


Fanfic / Fanfiction Império - A Era de Ouro em Nárnia - Capítulo 2 - Prólogo II - Pesadelos

Susana cavalgava pela floresta Narniana, o sol radiava entre as árvores dando um brilho maravilhoso naquele lugar. As flores dos bosques tinham vida e seu perfume era suave.

Mas de repente tudo escureceu, aquele sol radiante já não se podia ver, as árvores outrora vivas e verdes agora estavam mortas. As flores não existiam e no lugar de seu perfume suave havia um cheiro desagradável.

Susana assustou-se e cavalgou o mais rápido que pôde, mas tudo estava morto, nenhum lugar havia vida. Mais a frente ela ficou chocada com o que viu: corpos de soldados e criaturas de Nárnia estavam espalhados pelo chão, praticamente sem vida. A Rainha Gentil não podia crer no que via, ela olhou para os lados e tudo o que viu foram mais corpos e fumaça, o cheiro de sangue era horrível!

“ Meus irmãos! “

Susana correu o quanto podia, se Nárnia estava naquele caos ela nem podia imaginar como estava sua família! O desespero bateu nela e lágrimas corriam de seus olhos. A Rainha chegou em Cair Paravel e viu sua linda casa quase em ruínas, mas ela não perdeu tempo com essas lamentações, precisava encontrar sua família e sair o quanto antes dali.

Ao entrar no Palácio ela correu por todos os corredores, o mesmo odor de sangue e fogo que haviam lá fora também estava ali, Susana mal conseguia respirar. Algo a levou até a um lugar do castelo e ela só se deu conta que era a Sala do Trono ao ver os quatro tronos. Pelo incrível que pareça ali estava intacto, o aroma era suave e não havia sinal de destruição. Susana ficou parada no meio do salão olhando para todos os lados até que um barulho lhe chamou a atenção. Ao olhar para ver o que era, viu os quatro tronos se quebrando e pelas rachaduras saíam sangue. Susana ficou horrorizada, o sangue desceu pelas escadas e começou a formar um poça na parte de baixo do altar.

Susana então correu e saiu dali, ela começou a chamar por seus irmãos desesperadamente mas ninguém respondia. Ela entrou em cada um dos quartos mas nada de seus irmãos, ela procurou por todo o castelo mas nenhum sinal deles e de ninguém.

Ela correu, correu e correu até entrar em uma sala onde tinha apenas um espelho ali. Susana se aproximou e de repente o reflexo que se via no espelho fora transformado em uma imagem de uma floresta morta onde haviam três túmulos. Susana olhou bem e estranhou ao ver três coroas nesses túmulos... coroas que ela conhecia muito bem...

- Nãããão!!! – ela gritou e em seguida o espelho quebrou-se.


- Não! – Susana acordou assustada. Ela respirava descontroladamente e suava frio.

- Su? – ela assustou-se ao ouvir seu nome por uma voz grave, mas ao ver quem era ficou aliviada.

- Ed! Você me assustou! – ela tentava controlar sua respiração.

- Desculpa... você está bem?

- Sim, estou... Não precisa pedir desculpa! – ela forçou um sorriso.

- Pesadelos? – Edmundo perguntou preocupado.

- É... – ela deu uma leve risada – E você?

- Também! – o Jovem Rei comentou triste, seu rosto parecia atordoado e Susana sentiu dó ao ver os olhos tão cansados e olheiras no irmão. Claramente ele não dormia há dias.

- Oh Ed, venha! – ela sorriu e deixou um espaço para ele deitar. Edmundo deitou-se ali e colocou a cabeça no peito dela – Está tudo bem, pesadelos são apenas sustos!

- Mas eu ouvi dizer que eles são avisos... – Edmundo disse num murmúrio. Susana sentiu seu coração apertar, ela não sabia o que dizer para acalmar o irmão e as cenas de seu pesadelo não saíam de sua mente – Susana... – Seu irmão a despertou dos pensamentos.

- Sim meu amor... – ela sorriu para ele e brincou com seus cabelos.

- Ela não vai voltar mais, não é? – Edmundo tinha os olhos marejados, Susana sabia de quem ele estava falando e por mais que quisesse dizer que “não” algo a puxava para uma realidade que ela fazia de tudo para ignorar.

- Aslam a matou Ed, não se preocupe! Tudo está bem, ela e nem ninguém vai te machucar outra vez! – Susana tentou o máximo ser convincente em suas palavras afinal ela também precisava ter fé nisso!

- Eu queria que ela morresse em meus pensamentos também... – o Jovem Rei deixou suas lágrimas rolarem e Susana o abraçou o mais forte que pôde. Ele afundou o rosto em seu colo, seu corpo tremia.

- Oh Ed...

Susana chorou junto com ele, não haviam palavras para confortar o irmão daquele terror interno que ele vivia há oito anos. Tudo o que Susana mais queria era poder ter matado Jadis com suas próprias mãos, antes a ia fazer sofrer muito até sentir toda a dor que causou ao seu irmãzinho. Mas ela já estava morta e Edmundo ainda sofria por seu passado. Ela acariciou os cabelos dele e cantou uma antiga canção que sua mãe cantava antes deles dormirem, era incrível como ela conseguiu se lembrar da canção. Minutos depois Edmundo adormeceu como um anjo e Susana voltou a pensar em seu terrível pesadelo.

“ Cuida deles, Aslam... Não deixe que nada de ruim aconteça aos meus irmãozinhos... “

    Ela pedia em seu coração e pensamento. As lágrimas rolaram e ela velou o sono do irmão, preocupada dele ter outro pesadelo.


Notas Finais


Tenso né? Pois é, eu gosto dessa tensão toda kkk
Comentários são um amor ♡
Até a qualquer momento...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...