História Implacável - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bangtan Boys (bts), Min Yoongi, Suga
Visualizações 86
Palavras 1.807
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi meus amores! Espero que esteja tudo bem com vocês.
Aqui vai mais um capítulo, espero que gostem.

Capítulo 7 - Chapter 6


[Kim Haneul on]

Faz três meses desde que eu e Yoongi brigamos no seu escritório, e desde então as coisas só vêm a piorar.

Passo a maior parte do meu tempo me dedicando a planos que sejam capazes de irritar Yoongi de tal maneira, que ele fique louco e peça logo a anulação do casamento. Eu não seria doida de acabar com toda essa merda antes do prazo, não estava disposta a ser deserdada e nem Yoongi parecia estar disposto a isso, porque por mais que eu aprontasse e fizesse ficar irritado que nem um búfalo, o idiota apenas me xinga – tem vezes que até chego a levar algumas bofetadas -, dá meia volta e vai embora.

A primeira vez que tentei algo, foi no jantar que Jimin tinha me convidado. Tentei a todo custo humilha-lo e envergonhado a frente de todos, mas quem se deu mal fui eu.

Até hoje estou tentando arrumar coragem, para ir ter com Jimin e me desculpar por ter feito todo aquele escândalo.

Mas de hoje, eu tenho a certeza que não passa… ou talvez não.

• • •

– Ele vai te matar!

Mordi o lábio inferior e me perguntei o porquê das palavras de Tae causarem um arrepio em minha espinha.

– Você não faz ideia do quanto Yoongi detesta animais e ter a sua casa desarrumada. Ele vai ficar possesso! – Hoseok diz levando as mãos a cabeça e olhava para a casa cheia de cães.

Muitos cães!

Filhotinhos e vira latas. Alguns lotavam a cozinha, atropelando-se para comer e beber água. Outros exploravam a sua nova casa em um ritmo furioso, farejando pelos cantos e perambulando entre os cômodos da casa. Outros que tentavam a todo devorar o sofá e as almofadas e só não conseguiam, porque eu estava constantemente a afastá-los. O vira-lata ao lado da caixa de som levantou a patinha e fez xixi ali mesmo.

Toda a descontração que eu sentia, foi se transformando em um ataque de pânico assim que um dos cachorros fez cocô no fofo e tão prezado tapete de Yoongi.

Tae e Hoseok estavam certos.

Hoje seria o meu fim.

– Oh meu Deus! O que eu fui fazer! – Gritei descontrolada.

– Calma. – Diz Hoseok. – A única coisa que pode acontecer de mal é um espírito descer sobre Yoongi e ele arrancar as tuas tripas junto com as de cada cachorro com as suas próprias mãos.

– Se a ideia era me deixa mais calma, acredita… NÃO ESTÁ RESULTANDO! – Esbravejei e Hoseok escondeu-se atrás de Taehyung.

– Só tentei ajudar. – Hoseok diz.

– Calado! – Exijo. Os meus olhos se viram para Taehyung e coloco a minha melhor cara de cachorro abandonado e ele suspira.

– Nem vem! – Levantou as mãos. – Você sabe que eu não posso levar eles de volta para o canil agora. Estamos lotados.

Taehyung é doutorado em Medicina Veterinária. Ele sempre gostou muito de animais, por isso decidiu que esse seria o caminho que o traria mais felicidade. Mesmo com o meu pai contra – pois queria que o filho seguisse administração. Esse foi o motivo para que meu pai e Taehyung não sejam tão achegados – Taehyung se formou com êxito e logo depois abril uma clínica veterinária e o seu próprio canil.

– Eu sei, mas…

– Mas, você mesma se ofereceu para cuidar deles por enquanto. – Ele diz.

– Eu fiz isso para irritar o Yoongi! – Confesso. – Mas agora eu me dei conta que serei a responsável por uma chacina de cachorros!

– Apenas diga que você só vai ficar com os cachorros por uma noite ou talvez duas, até que eu consiga espaço para eles e se mesmo assim ele se negar, diga que os cachorrinhos correram risco de ser sacrificados.

– É… - Hoseok murmurou pouco otimista. – Talvez funcione.

– E se ele quiser que eu me livre deles mesmo assim? – Indago com um enorme bico nos lábios.

– Ele vai querer. – Hoseok diz e Tae e eu o encaramos de forma tão ameaçadora, que Hoseok apenas virou o rosto e passou a assobiar como se não fosse com ele.

– Bem que você poderia levar eles para o seu apartamento. – Sugiro e Tae bufa.

– Eu adoraria, mas é muito pequeno.

– Só resta você então! – Digo encarando Hoseok que saiu de trás de Taehyung jogando os braços para cima.

– Vai com essa pica para longe de mim. Hoje tenho um encontro com alguém que tem apenas dois peitos e bem maiores que essa aí! – Ele diz apontado para uma cachorrinha de raça poodle que estava virada de barriga para cima, esperando uma festinha de Taehyung.

– Insensível! – Tae diz para Hoseok e o mesmo deu de ombros antes de agarrar em suas coisas e se irar para mim dizendo:

– Bem gata, foi bom te conhecer. Você era uma pessoa tão boa. – Afagou a minha cabeça e eu o olhei confusa. – Não se preocupe que eu estarei no seu enterro e chorando horrores. Taehyung. – Despediu-se com um maneio de cabeça e se foi.

– Eu também tenho de ir. Me liga!

– Tae! – O chamei, mas já era tarde de mais.

Droga!

• • •

Minha respiração estava descompassada. Depois de ter conseguido colocar todos os cachorros no enorme quarto que fica no fundo da com bastante comida e água, arrumei a casa toda, correndo de lá pra cá que nem uma condenada.

Agora era só esperar que os cachorrinhos ficassem quietinhos.

Dou um pulo assustada assim que a porta de entrada se abriu e Yoongi me olha confuso.

– Oi. – Digo.

Ele já parecia desconfiado. Mechas pretas caíam na testa e nos olhos cheios de suspeita.

– O que está acontecendo? – Indagou desconfiado.

– Nada. Porque estaria alguma coisa acontecendo? Era para estar acontecendo? Eu não sabia…

– O que foi que você aprontou dessa vez? – Perguntou ríspido. Estava pronta para responder, mas fui interrompida. – Primeiro: você me cumprimentou; segundo: estás divagando.

Tsc… ‘tá começando a ficar paranoico. – Tento não transparecer o meu nervosismo. – Eu estava pensando em preparar o jantar. O que você quer comer?

Ele ergueu uma sobrancelha e disse:

– É isso! Desistiu de tentar me fazer pedir o divórcio e agora está tentando me envenenar? – Indagou.

– Não! – Digo me fazendo de ofendida. – Você deve estar muito cansado, nem está falando coisa com coisa. Porquê que não vais dormir um pouco? Tipo, agora. Eu te chamo quando o jantar estiver pronto. – Digo o empurrando para o andar de cima.

– Eu não sei o que você está aprontando, mas eu vou descobrir. – Murmurou subindo as escadas e suspirem aliviada.

• • •

Por mais que eu tivesse tentando o convencer de que eu não tinha colocado nenhum veneno na comida – o que não era verdade -, Yoongi preferiu encomendar uma pizza por “questões de segurança” – palavras do mesmo. Estamos os dois sentados em cada canto do sofá assistindo alguma coisa qualquer, até então, as coisas estavam correndo as mil maravilhas… até que se ouviu um barulho alto vindo do quarto dos fundos.

– O que foi isso? – Yoongi perguntou e eu me remexi no meu lugar.

– Isso o quê? – Me fiz desentendida.

– Esse barulho. – Ele diz.

– Eu não ouvi nada. – Encaro fixamente a TV a minha frente.

– Eu vou ver! – Ele tentou se levantar, mas eu o impedi segurando o seu pulso.

– Sou eu… é que hoje eu não estou me sentindo muito bem. – Digo esperando que um buraco se abra e me engula.

– Hummm. – Murmurou.

Mas para o meu azar o barulho ficou cada vez mais alto.

– Mas que porra! – Yoongi esbraveja. – Deve ter alguém invadindo a casa. Eu vou ver! – Ele se levanta e eu não sei dizer ao certo como aconteceu, mas quando dei por mim, já estava me atirando para cima de Yoongi e devido ao impacto do nosso corpo acabamos indo ao chão. –'Tá doida? – Gritou.

– V-você é que está. Fica aí ouvindo coisas. Isso é excesso de trabalho!

– Eu sei muito bem o que estou ouvindo. Agora sai de cima de mim. – Ordenou.

– Não sabe não. – Digo.

– Sai. De. Cima. De. Mim. – Vociferou.

– Não!

– Sai!

Yoongi parecia extremamente irritado e pronto para me tirar de cima dele a bofetadas.

Me perdoe Virgem Santíssima, mas os fins justificam os meios.

– Quer mesmo saber que barulhos são esses? – Pergunto.

– Exijo! – Yoongi grunhiu impaciente.

– É o som do meu coração batendo cada vez que ele te vê. – A expressão confusa de Yoongi chega a ser hilariante. Nem eu estava acreditando na asneira que tinha acabado de dizer, mas eu não tinha tempo para rir, tinha de agir logo para tirar a sua atenção do barulho que vinha do fundo da casa.

E assim o fiz.

Yoongi não teve tempo de fazer nenhum comentário espertinho, pois os meus lábios já estavam juntos aos seus.

Por Deus, que boca gostosa!

Com uma única investida rápida, a minha língua abriu caminho através dos lábios dele. Yoongi parecia completamente desarmado e surpreso com a minha atitude. Eu estava a espera do momento em que ele iria interromper o beijo e me chutar para bem longe, mas o que aconteceu foi completamente o contrário.

Em um movimento, ele virou de costas no chão, seu corpo estava agora sobre o meu. O prendedor de cabelo havia caído em algum momento, e cachos pretos como carvão caíam sobre o meu rosto, cobrindo um dos lados.

Os meus seios, erguidos e soltos, estavam marcados contra a blusa, e minhas pernas estavam enroscadas nas dele, coxas ligeiramente abertas.

Eu estava muito encrencada.

– Vou fingir que acredito. – Sua voz calma quebrou o silêncio e eu endireitei minhas costas, com os olhos voltados para frente.

A sua mão em mim roçando e deslizando para o meu quadril. Eu olhei para cima para encontrar seus olhos, que olhavam atentamente para mim. Podia ver seu peito subindo e descendo, cada respiração mais profunda do que a última. Um músculo se contraiu em sua mandíbula afiada quando seu polegar começou a se mover, deslizando lentamente para trás e para frente, seus olhos nunca deixando os meus. Ele estava esperando por mim para detê-lo. Havia tempo de sobra para empurrá-lo, ou simplesmente virar e sair, mas eu não queria. Nunca me senti assim, e eu nunca tinha esperado sentir isso por ele. Eu queria dar um tapa nele, e em seguida, puxá-lo pela camisa e lamber seu pescoço.

Com os olhos ainda fixos com nos meus, ele começou a deslizar sua mão vagarosamente. Seus dedos percorreram minha coxa, até que novamente os barulhos voltaram a ser ouvidos.

Merda, eu já tinha me esquecido da existência dos cães!

– Eu não sei o que você está aprontando, mas vou descobrir.  – Yoongi diz me fazendo engolir em seco.

Com um movimento rápido Yoongi já estava em pé, eu bem que tentei impedi-lo de avançar, mas ele foi mais rápido e me empurrou com tudo e eu acabei caindo de bunda e lá fiquei enquanto o via correr até o quarto do fundo da casa.

Que seja o que Deus quiser!

[Kim Haneul off]


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...