História Impossível Não Amar- Lumine - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Harry Potter, Hermione Granger, Lucius Malfoy, Severo Snape
Tags Lumione Harry Potter
Visualizações 41
Palavras 3.150
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Magia, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 5 - Capítulo 5-"Harry... Vc... Viu Draco recentemente?"


GRANGER BOM PARA A MARCA MALFOY" leu a manchete acima da dobra do Profeta Diário que estava em cima da pilha na mesa da cozinha de Hermione quando ela voltou para casa de Paris. Ela ficou surpresa com a manchete e rapidamente digitalizou o artigo. Dizia todas as coisas boas. Sobre ela e Lucius. Nem sequer comentou a diferença de idade. Ou o status de sangue de Hermione. Francamente, era confuso comparado ao outro tipo de imprensa que Hermione estava acostumada. Franzindo a testa, folheando os meses de papéis para ver o que mais sentia falta, mas além de fotos escandalosas de Draco e suas várias conquistas, nada de importante havia acontecido que não estivesse na imprensa bruxa francesa. Com um movimento de sua varinha, ela desapareceu toda a pilha e se moveu para o Pasquim .Quibbler era impresso apenas uma vez por mês, então havia apenas um.

A manchete do Pasquim era sobre uma espécie de criatura parecida a um sapo que havia sido vista na América do Sul. Hermione folheou, mas também não achou nada particularmente interessante. A última pilha foi Witch Weekly, que Hermione se sentiu completamente ridícula até mesmo assinando, mas era uma das poucas publicações no mundo mágico, e Hermione preferia ser informada. Em vez de descobrir sobre isso depois do fato. Esta pilha tinha quatro revistas e ela passou rapidamente por elas. Não havia artigos sobre ela e Lucius, mas cada edição tinha pelo menos dois em Draco e alguns poucos em Harry também. Hermione leu os artigos de Harry com um pequeno sorriso nos lábios. Harry odiava a imprensa que recebia quase tanto quanto Hermione, mas a imprensa era geralmente muito mais gentil com Harry do que com ela. Hermione sempre atribuiu ao fato de ser uma mulher e uma nascida trouxa. Duas coisas que estavam destinadas a trabalhar contra ela no mundo mágico tradicional.

Ela suspirou e desapareceu no Quibbler e no Witch Weekly . Sentindo-se um pouco perdida, sozinha pela primeira vez em semanas, Hermione foi à cozinha preparar o chá. Quando ela, Lúcio e Severus se voltaram de cabeça para a Grã-Bretanha. Ela dissera adeus a ambos na Mansão e aparatara em casa, mas agora se perguntava se era uma má ideia. Quando ela os veria novamente?

Balançando a cabeça, Hermione terminou o chá e sentou-se à mesa da cozinha. Ela acha que ela iria se mudar para a Mansão Malfoy? Não era tão insano quanto teria sido há um mês atrás, mas claramente, Lucius tinha algumas coisas que ele precisava para trabalhar com Draco. Ele provavelmente estava aliviado por não ter Hermione sob os pés. Hermione suspirou. Ela estava entediada e tentava desesperadamente não se sentir sozinha, mas sentia-se mais sozinha agora do que em semanas.

Talvez Harry estivesse por perto? Eles poderiam ser pegos. O Witch Weekly não tinha sido tão informativo sobre os feitos de Harry no último mês. Decidiu que ela rabiscou uma nota rápida e a devolveu. Ela não morava na casa dos pais por mais de uma semana antes de perceber que precisava de alguma forma de se comunicar com o resto do mundo mágico. Então ela comprou a Bernard a coruja que agora estava voando com sua carta para Harry.

Bem, com mais nada para fazer, ela poderia pelo menos limpar a casa. A poeira acumulara nas semanas desde que ela estivera ausente. Decidida, ela lavou as coisas do chá e começou a trabalhar.

Hermione tinha acabado de tirar uma caçarola do forno quando houve uma batida na porta dela. Ela não tinha ouvido falar de Lucius ou Severus desde que eles se separaram naquela manhã e ela estava irracionalmente esperando que a batida fosse uma delas. Quando ela abriu a porta e viu Harry, ela não ficou desapontada, mas ela teria ficado um pouco mais feliz se fosse um de seus amantes. Amantes Essa era uma palavra tão estranha, e Hermione se sentiu um pouco como uma fraude usando isso, mas não é como se ela pudesse chamar Lucius Malfoy ou seu namorado Severus Snape. Amante era muito preferido para o namorado. Balançando a cabeça, ela convidou Harry para jantar.

Na metade do jantar, Hermia, sua coruja, entrou pela janela, deixando a edição vespertina do Profeta DiárioDraco Malfoy foi colado de novo.

"É por isso que chegamos em casa", Hermione suspirou. Ela não estava fazendo beicinho, mas de repente estava se sentindo muito mais insegura sobre qualquer relacionamento com Lucius. E isso nem sequer tocou em Severus.

"Malfoy?" Harry perguntou.

Hermione balançou a cabeça, "Fomos informados de que ele está claramente sofrendo um colapso. Então, Lucius decidiu voltar para a Inglaterra e ajudá-lo a consertar sua vida." Ela não achou que valesse a pena mencionar Severus para Harry. Talvez nem sempre, se ela pudesse fugir com isso. O que ela diria a ele de qualquer maneira? Não só ela estava transando com o pai do valentão de seu colégio, mas também como seu professor mais odiado? Ridículo. A vida de Hermione parecia ridícula ultimamente.

Harry franziu a testa enquanto estudava a foto e Hermione se perguntou se Harry estava com ciúmes. A maneira como sua mandíbula apertou quando ele assistiu o laço de Draco puxando algum bruxo, cujo rosto estava obscuro, para ele, a fez pensar que havia mais coisas acontecendo aqui.

"Harry?"

"Hmm", Harry não se incomodou em olhar para cima.

"Você viu o Draco recentemente?" Hermione perguntou.

"Não desde o verão", Harry disse baixinho.

As sobrancelhas de Hermione se levantaram. Quando Harry o veria no verão?

"Cuidado ao elaborar?" Hermione perguntou cuidadosamente. Ela estava morrendo de curiosidade, mas Harry parecia tão torturado naquele momento que Hermione não queria aborrecê-lo desnecessariamente. Harry tinha uma vida tão difícil, ela faria qualquer coisa que pudesse para poupá-lo ainda mais. Hermione balançou a cabeça, era um pensamento bobo. Claro, Harry estava indo para as coisas da vida como a maioria das pessoas, ela não podia poupar-lhe toda a dor, mesmo que ela quisesse.

"Eu encontrei com ele no Ministério", Harry começou. "Ele parecia tão ... derrotado . Eu acho que ele estava quase chorando, então eu o puxei de lado. Nós encontramos uma sala de chá vazia e ..." Harry parou. Hermione não tinha certeza se ele não poderia continuar ou se ele estava insinuando alguma coisa. Mas então Harry olhou para ela e ela podia ver a profundidade da emoção rodando em seus brilhantes olhos verdes. Algo havia acontecido entre Harry e Draco e Hermione não estava totalmente surpresa que Harry tivesse guardado para si mesmo. Ele desprezava os holofotes.

"Ele realmente se abriu para mim", disse Harry, olhando de volta para a mesa. "Nós conversamos por mais de uma hora. E então, eu o convidei de volta para o Largo Grimmauld para conversar mais e conversamos a noite toda. Sobre a guerra, e Hogwarts, e a vida. Eu senti que realmente estávamos conectados."

"O que aconteceu?" Hermione perguntou.

"Ele me beijou", Harry deu de ombros. "Não é que eu não tenha me sentido da mesma maneira, fiquei apenas surpresa. E eu estava me debatendo de repente percebendo o quanto sou atraído por outro homem. Eu o afastei."

"Oh, Harry," Hermione alcançou a mesa e agarrou a mão dele.

"Eu não o vi desde então." Harry empurrou o papel para longe e olhou por cima do ombro de Hermione, recusando-se a encontrar seus olhos.

"Voce gostaria de?" Hermione perguntou.

Harry deu de ombros: "Sim, mas ele obviamente não quer nada comigo", ele indicou o papel na mesa entre eles.

"Talvez", Hermione fez uma ideia começando a se formar em sua mente.

"O que é isso?" Lucius perguntou a Draco quando finalmente conseguiu encurralar seu filho. Ele estava segurando a última edição do Profeta Diário . Aquela em que ele estava claramente puxando outro homem para um beijo.

"Nada para você se preocupar, padre", Draco disse em um tom entediado enquanto descansava em um sofá na sala de estar. Um copo de uísque de fogo estava perto de sua mão em uma mesa lateral. Lucius estreitou os olhos para o filho, obviamente estava bêbado.

"Isso é por causa de Hermione?" Lucius perguntou.

"Hermione, é isso?" Draco riu. "Nem tudo na minha vida tem a ver com você, meu velho."

"Cuidado com você, Draco", Lúcio avisou. "Você ainda não tem controle sobre sua herança completa."

"Oh, me cortando é você?" Draco perguntou levemente. "Esperando que você fique grávida? Você adoraria isso, não é mesmo? Não tendo que lidar com o fracasso de um filho, você poderia ter uma nova família fodida."

Lucius suspirou, então isso tinha algo a ver com Hermione. Draco estava errado, porém, Lucius nunca cortaria Draco, ele sempre seria seu filho. Lucius estava preocupado com ele e ele não sabia de uma maneira melhor de ajudá-lo. Ele deixou Draco com sua bebida e voltou para seu escritório. Zangado e frustrado.

"Eu entendi que sua conversa com Draco não foi bem?" Severus perguntou, assustando Lucius da leitura de seus documentos financeiros trimestrais. Ele olhou para cima e viu Severus encostado no batente do escritório.

"Como você sabe?" Lucius perguntou, recostando-se em sua cadeira enquanto estudava seu amigo mais antigo.

"Draco tem três lençóis ao vento, reclamando de ter sido cortado de sua herança na sala de jantar do sul."

Lucius fechou os olhos, a mandíbula cerrada. "Tippy!"

Um pequeno elfo vestido impecavelmente em um uniforme de mordomo aparatou no quarto. "Sim, mestre Lucius?"

"Assegure-se de que Draco não deixe a propriedade de Malfoy hoje à noite. Derrube-o ou drogue-o se for necessário."

"Claro, Mestre Lucius", Tippy fez uma reverência e saiu.

Lucius olhou para cima e viu Severus olhando para ele com uma sobrancelha levantada. "Você acha que isso vai agradar Draco a você?"

"Claro que não", Lucius cuspiu. "Mas eu não quero que ele saia de casa reclamando sobre Hermione e perdendo sua herança. Isso não vai acontecer, independentemente de qualquer birra que ele esteja jogando agora."

"Ele foi rejeitado", Severus disse.

"Rejeitado? Por quem?"

Severus deu de ombros: "Eu não conheço os detalhes, nem me importo. Mas seu comportamento aponta dessa maneira."

Lucius assentiu, "Obrigado por me contar. Talvez eu possa falar com Draco amanhã antes que ele comece a beber."

"Talvez," Severus disse levemente, então se virou da porta, desaparecendo em seu próprio conjunto de quartos.

Lucius suspirou, inclinando-se mais para trás em sua cadeira e desejando que Hermione estivesse lá com ele.

Não demorou muito para Lucius perceber que ele não estava conseguindo mais trabalho realizado naquela noite. Ele estava frustrado com Draco e sabia que a única maneira de aliviar suas frustrações reprimidas seria fisicamente. Durante a guerra, isso aconteceu com mais frequência com Severus. Mas agora, ele tinha outra opção e decidiu que aceitaria.

Lucius encontrou-se no quarto de Hermione. Ela estava dormindo calmamente em uma pequena cama de casal, e Lucius desejou que ele insistisse que ela ficasse na Mansão. Ele imaginou tudo o que poderia fazer se ela dormisse em sua cama a cada noite e seu pênis endurecesse. Merlin, mas ele queria essa bruxa. Mais do que ele sempre quis Narcisa, embora fosse desleal admitir isso para si mesmo, mesmo que fosse em sua própria cabeça. Ele teve um casamento arranjado com Narcissa, e ele a amou. Ela lhe dera o Draco, e apesar dos problemas atuais que ele estava tendo com o filho, ele o amava mais do que qualquer outra coisa.

Mas Hermione agitou uma paixão, um desejo nele que ele não tinha pensado que ele possuía. E agora que ele achou? Ele não queria deixar passar. Ele a faria sua, não importava o que fosse necessário, porque Lucius Malfoy cuidava de suas coisas. Ele só esperava que ela fosse receptiva. Até agora ela tinha estado. A ideia de acordá-la de seu sono para foder ela, fez o pênis de Lucius mais duro, e ele rapidamente tirou suas roupas, para que ele pudesse se espremer na cama ao lado dela.

Hermione resmungou em seu sono e rolou para Lucius, enquanto ele se acomodava sob as cobertas. Ele beijou sua testa e nariz, deslizando as mãos pelo corpo dela. Ela estava usando algum tipo de camisa longa e calcinha e nada mais. Lucius começou a levantar a camisa para que ele pudesse tocar a pele macia por baixo. Ela tinha a pele mais macia que já sentira e ele queria tocá-la pelo resto de sua vida.

"Lucius," Hermione piscou para ele e ele sorriu.

"Olá, bichinho", Lucius ronronou, inclinando-se para beijar seus lábios.

Ela respondeu ao beijo enrolando as mãos em volta do pescoço dele e puxando-o para cima dela. Lucius felizmente obrigado. Sentir seu pequeno corpo embaixo dele sempre o afastou. Ela era curvilínea e atenta, e Lucius não conseguia o suficiente dela. Seu pênis doía por ela. Ela abriu as pernas e os quadris dele entraram no berço de seus quadris. Lucius gemeu no beijo ao sentir seu calor úmido em seu comprimento duro.

Uma palavra sussurrada e suas roupas desapareceram e, finalmente, ele afundou em sua bainha apertada.

"Lucius", ela disse, arqueando as costas quando ele começou a sentir prazer.

A primeira vez que ele a beijara tinha sido um acaso. Ele estava apenas tentando impedi-la de gritar. Na segunda vez que ele a beijou, seu sangue estava em alta e ele teria fodido de bom grado então se Severus não tivesse entrado. A terceira vez tinha sido bastante deliberada uma vez que ele a viu entrar na cozinha no meio da noite. . E Lucius se divertiu tanto, que prometeu lá e ali para procurá-la quando a guerra acabasse. Agora que ele a encontrou, ele nunca quis desistir dela.

"Volte para mim", Hermione disse suavemente, segurando seu rosto com as mãos.

Lucius sorriu suavemente e se inclinou para beijá-la, ainda dando-lhe movimentos lânguidos com seu pênis. Isso estava muito mais perto de fazer amor do que qualquer coisa que eles fizeram no passado. Ele passou os braços ao redor dela, segurando-a perto enquanto ele mantinha o ritmo lento e suave. Ela envolveu as pernas ao redor de seus quadris e apimentou seu pescoço, bochecha e ombro com beijos, enquanto Lucius enterrava seu rosto na curva de seu pescoço. Merlin, mas ela era gloriosa.

Seu ritmo começou a compensar quando a respiração dela aumentou e ela começou a gritar com cada impulso. Sua boceta apertou lindamente ao redor dele e ele começou a ofegar enquanto balançavam juntos.

"Venha, meu amor", Lúcio murmurou no ouvido de Hermione. E com um último grito agudo, ela desmoronou em seus braços enquanto seu corpo estremecia e tremia sob ele. Lucius se imobilizou quando ela o agarrou com força, a cabeça jogada de volta nos travesseiros, esperando que ela descesse de seu alto antes que ele perseguisse a dele. Quando ela finalmente abriu os olhos mais uma vez, Lucius se viu afundando em suas profundezas quando ele começou a se mover mais uma vez. Ela estava incrivelmente apertada depois do orgasmo e não demorou muito para Lucius encontrar seu próprio fim.

Vários momentos depois, cada um deitou-se de lado, Lúcio tinha o braço em volta da cintura dela, puxando o corpo dela para o dele, sem vontade de desistir dele.

"Não que eu me importe", ela sorriu para ele, "Mas o que foi aquilo?"

"Vá morar comigo", disse Lucius em resposta.

Seus olhos se arregalaram em choque: "Eu ... eu não ..."

"Basta pensar sobre isso", disse Lucius, roubando seu coração por sua inevitável rejeição. Se ele tivesse o seu caminho, ele não lhe daria a oportunidade de rejeitá-lo. Ele se inclinou e a beijou, seus lábios se abriram imediatamente.

Quando Hermione acordou de novo, era de manhã. Um Lucius muito nu estava de pé na janela do seu pequeno quarto de infância, parecendo impossivelmente grande e impossivelmente fora do lugar.

"Bom dia", ela murmurou e esticou os braços acima da cabeça. Ela estava ridiculamente satisfeita por ele ter procurado sua companhia depois de se sentir tão insegura quanto a isso no dia anterior.

"Bom dia", Lucius respondeu, sem se virar para encará-la. O que estava bem, deu a Hermione a oportunidade de estudar seu perfil. Seu nariz patrício arrogante, enquanto olhava para a tediosa rua trouxa.

Lucius se virou para ela e seu rosto se suavizou, tirando um sorriso de Hermione.

"Posso perguntar sobre Severus?" Hermione disse de repente. Seus olhos se arregalaram, ela não quis ser tão direta, mas o pensamento surgiu em sua cabeça e fora de sua boca antes que ela pudesse se controlar.

Lucius parecia muito com o que ele estava tentando esconder um sorriso. "Há quanto tempo você está segurando isso?"

"Um tempo," Hermione admitiu com uma risada suave.

Atravessando a sala, Lucius se esticou ao lado dela na cama, arrastando os dedos ao longo de sua pele, empurrando o lençol que ela tinha tirado de modéstia para que ele pudesse seguir seus dedos com o olhar.

"O que você quer saber?"

"Tudo", Hermione respirou quando um dos dedos dele arrancou seu mamilo.

Os lábios de Lucius se curvaram, "Eu não tenho certeza se temos tempo para tudo . No entanto, eu vou te dizer o que ele se sentiria confortável com você sabendo."

Hermione assentiu, arqueando as costas em suas ministrações. Ela sentiu calor em sua barriga quando ele se inclinou e deu um de seus mamilos uma longa lambida.

"Fale rápido", Hermione murmurou. Lucius riu em retorno.

"Severus nunca superou Lily Evans. Ele é um homem machucado e prefere ficar danificado. Ele tem ... precisa , no entanto. Narcisa e eu costumamos satisfazê-lo. Eu mais do que Narcisa," Lucius parou de falar. Hermione abriu os olhos para vê-lo olhando diretamente para ela. "Isso te incomoda?"

"Que você e Severus foram íntimos?"

Lucius assentiu e Hermione pensou que talvez ela tivesse detectado um pouco de incerteza em seus olhos.

Hermione balançou a cabeça, "Não, isso não me incomoda. Embora, eu tenha um pedido?"

Lucius sorriu e a recompensou com um chupão em um de seus mamilos. Hermione se arqueou para ele ainda mais, jogando a cabeça de lado a lado. Ela nunca viria de brincadeiras de mamilo sozinha, mas estava tão incrivelmente excitada no momento que achou que seria possível.

"Seu pedido?" Lucius ronronou, afastando-se de seu peito.

Hermione choramingou com a perda de sensação e ofegou, recuperando o fôlego. "Inclua-me", ela sussurrou. Ela nem se sentia bem em perguntar, mas não queria se sentir excluída entre Severus e Lucius. Ela queria ser incluída em qualquer relacionamento que eles tivessem. Ela não abriu os olhos, recusando-se a ver sua risada, negação ou desprezo.

"Abra seus olhos, animal de estimação", Lucius murmurou, beijando sua mandíbula.

Quando ela viu, ela viu sinceridade e outra coisa, confiança? Certamente não amar. Era cedo demais para essas coisas.

"Você será sempre bem-vindo", disse Lucius. "Severus é um amigo, mas ele está muito danificado para ter um relacionamento verdadeiramente emocional com outra pessoa. Ele sabe disso e eu sei disso. Eu nunca vou excluir você se Severus vier jogar. Severus também não. Ele é completamente ... tomado com você."

Hermione sorriu para Lucius e colocou os braços ao redor de seu pescoço, beijando-o com força na boca. Ela enrolou uma perna em volta da cintura dele e o jogou de costas. Ele acabara de lhe dar as melhores notícias que ela poderia ter pedido. Quando ela beijou seu caminho até o pênis de Lucius, Hermione prometeu a si mesma que faria tudo ao seu alcance para tirar Severus de sua concha. Não para consertá-lo, mas para fazê-lo querer se consertar. Ninguém merecia viver assim.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...