História Imprinting - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Drama, Jikook, Lobos, Namjin, Suga, Taeseok, Vhope
Visualizações 532
Palavras 2.699
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Bishoujo, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Bem demorei mais cheguei!
sem mais delongas aqui... falo com vcs lá embaixo!
.
.
.
.
.
ps: pra quem está achando estranho, sim é o mesmo. Acabei excluindo o cap quando estava revisando e editando ele então sorry. Pra quem comentou se não for pedir de mais comenta novamente meus amores ;P

Capítulo 12 - Universe


Fanfic / Fanfiction Imprinting - Capítulo 12 - Universe

Você se tornou o centro do meu universo, o motivo pelo qual eu quero lutar e acordar todos os dias

▂ ▃ ▄ ▅ ▆ ▇ █ █ ▇ ▆ ▅ ▄ ▃ ▂

 

Eu sentia o universo se explodindo em meu peito.

Meu mundo inteiro desde o imprinting tinha mudado de nome, em vez de Terra ele se chamava Kim Taehyung. E mesmo em todos os meus sentimentos eu nunca entendi, mas depois de tê-lo em meus braços eu compreendi.

Agora eu seguro meu universo inteiro em um abraço.

Era como ar, ele virou o meu oxigênio. Antes eu tinha uma necessidade fria e calculado de ter ele, porém agora é como se eu vivesse nele. Eu via em Tae tudo.

Ele é tudo.

Me sinto tão atônico que não consegui pregar os olhos está noite, fiquei olhando para o teto sentindo as sensações. Yoongi dormia encolhido na cama ao lado pesadamente. Enquanto eu via o sol querendo levantar pela janela.

Inquieto levanto em direção do banheiro do corredor faço minha higiene e vou impaciente para a cozinha. Devia me sentir esgotado por passar a noite inteira acordado, mas estranhamente me sinto energizado em saber que quando levar eu vou vê-lo e comprovarei que tudo foi verdade e não estou delirando.

Chegando à cozinha há apenas um Jimin preparando o café cantarolando animadamente alguma música. Sem ele notar eu me aproximo do balcão roubando uma maça da cesta o que o faz saltar de susto.

— Bom dia! – digo achando graça da sua reação fofa.

— Caiu da cama? — ele sorri voltando a respirar — Bom dia.

— Você também parece ter madrugado.

Não respondeu, mas movimentou os ombros terminando de colocar o café na garrafa térmica. Resolvi ajudar arrumando a mesa redonda que ao lado da sala para o café. Nós trabalhávamos quietos, porém harmoniosamente até quando em uma de minhas viagens para pegar os alimentos ele segurou meu pulso.

— Eu juro que não foi eu. — Jimin gaguejava e não olhava para mim — O imprinting não foi eu que contei a Nana, nem sei como ela ficou sabendo disso, eu sinto muito.

— Tá tudo bem, eu sei que não foi você. Embora eu também não tenha ideia de quem tenha sido. — dei tapinhas reconfortantes em seu ombro e viajei a mesa levando o prato de torradas.

— Não disse nem ao Jungkook, e se tem algo que eu odeio é esconder algo dele. Só não quero que pense que eu não sou confiável.

— Eu já disse que está tudo bem. Eu nunca pensei que uma merda daquelas iria ser tão boa... Tae e eu estamos bem.

Jimin arregalou seus olhos, mas por fim deu um sorriso tão amável. Está muito claro que não havia sido ele, mas a real é que quem quer que tenha sido só me ajudou. Me livrou de fardos pesados, mesmo que as coisas de deteriorem no futuro é melhor estar sem mascaras sem medo, e sem mentiras.

 — Fico feliz por isso... tipo agora vocês são um casal?

— Não. Taehyung ainda está confuso com o que sente, mas ao que parece ele está disposto a tentar comigo.

— BOM DIA!!!

Nana desceu energética se alongando e já sentando na mesa, assim depois que eu e Jimin terminamos nos juntamos a ela. Yoongi desceu visivelmente irritado e olhando para Nana como se quisesse a matar, logo após, foi Jeon que desceu com a mãos nos bolsos se sentando ao lado de Jimin lhe dando um beijo de bom dia.

Estou ansioso demais para tocar na comida, mas por fim Taehyung desceu as escadas. Era fofo o modo como ele andava com os olhos quase fechados ainda sonolento. Parecia uma criança.

— Hum bom dia. — sua voz dele está deveras mais rouca e sufocada de sono.

Puxou uma cadeira e se sentou. Ele nem mesmo reparou que tinha sentado de frente para mim, e quando teve consciência seus olhos arregalaram e ele se apressou a baixar a cabeça com suas bochechas visivelmente rubras. Fofo.

Todos nós começamos a comer e interagir animadamente sobre o dia. Combinamos o que fazermos hoje – o que se resume em torrar no sol e cair no mar – Yoongi foi o primeiro a se levantar, mas não foi muito longe apenas ir no sofá pegar a case de sua câmera e ver se está tudo no lugar.

Tirando ele, todos ajudaram na tirar a mesa do café. Jeon lavou a louça enquanto Nana guardava as sobras de comida na geladeira. Tae continuava sentado bebendo seu suco olhando distraído para a enorme janela de ladrilhos transparente que dava vista pro mar.

— CHEGAMOS!!!

Nossa turma encarou a porta com surpresa ao ver o casal de irmãos adentrar sorridente. Bom eu os conhecia – Mila e Moonk ômegas gêmeos da minha sala – e Nana também já que por muitas vezes eu vi os dois com ela. Não tinha nada formado sobre eles, além de uma irritante insistência sobre minha pessoa.

Mila era legal quando não estava dando em cima de mim e seu irmão, bem ele não fala muito – as vezes penso se ele não é mudo – nosso grupo pareceu não se incomodar muito com mais pessoas, a não ser por Jimin e Tae que seu semblante não estava nada cordial.

— Não sabia que viria mais gente – Tae foi o primeiro a se manifestar já que ninguém tinha se mexido.

— Para falar a verdade eu também não, — Nana cruzou os braços olhando reprobatória para os irmãos. — Não lembro de ter convidado vocês.

Os gêmeos sorriram amarelo. Jimin ficou ao lado de Taehyung os dois trocaram um olhar incomodados – era a primeira vez que eu os vi interagindo como amigos – mas eles não disseram nada apenas olharam para os dois “penetras” com o mesmo semblante de irritação.

— Bem, você comentou que passaria o final de semana na sua casa de praia... achei que o convite fosse aberto. — Mila disse arrastando sua pequena mala para mais próximo de nós.

— Como você própria disse foi um comentário então não, não teve convite nenhum. — respondeu Nana indo a frente se juntar à Tae e Jimin na pose de reprovação.

— Qual é Nana já passamos finais de semanas aqui outras galeras, é só mais uma vez com outras pessoas.

Ela olhou para mim. Eu já estou acostumado a receber flertes descarados como esse, mas não acostumado com a reação de Taehyung a ver tudo isso, embora não de para identificar o que essa reação seja.

— Tudo bem, — Nana se deu por vencida — Mas não temos quartos disponíveis.

— Ora não será incomodo dividir. — a garota disse e seu irmão concordou.

— Quando ela disse “não temos quarto”, quis dizer que vão dormir na sala. – agora Jimin que disse apontando para os sofás.

— Hoseok onde está dormindo? – Mila o ignorou completamente.

— Divido quarto com o Yoongi, não há muito espaço nele.

Na verdade, havia e provavelmente caberia colchões no quarto, mas não é como se eu quisesse os dois lá.

— Você não se incomodaria em nós deixar ficar lá, não é? — perguntou para Min que mesmo não prestando muita atenção na conversa olhou para a garota — Eu e meu irmão podemos dividir uma a cama.

— Até parece que eu vou trocar uma cama por um sofá, sem chance boneca.

— É o sofá ou vocês vão embora. — Nana disse por fim.

 

 

Na praia estamos divididos.

Taehyung por algum motivo não estava falando comigo desde que acordou – acho que se os gêmeos não tivessem aparecido estaríamos bem – toda vez que eu tentava me aproximar, Moonk e Mila apareciam pedindo ajuda com algo, com o passar disso o próprio Tae começou a me esquivar.

Yoongi e Nana estava fotografando a praia, Taehyung e Jimin tomando sol nas espreguiçadeiras e por incrível que pareça eu e Jungkook jongando frescobol com os irmãos.

 O time foi dividido entre eu e Mila e Jungkook e Moonk. Não que eu estivesse tão empolgado para deixar o Tae me ignorando, mas Jungkook me desafiou e o jogo se tornou uma disputa de alfas. Dava para sentir Jimin e Tae nós olhando não gostando nada disso, mas nosso orgulho não estava ligando no momento.

— Quer mais uma? Não cansa de perder Jeon? – ele limpou a bermuda se levantando do chão.

— Você se acha demais... está 3x2 apenas.

— Como preferir. – sorri

— Hobi oppa você esqueceu que eu estou no time também.

Eu paralisei, não por ela estar tocando em meu braço e sim porque a única pessoa que me chamava assim – chamava-me de forma tão doce que me fazia enlouquecer – tinha apertava a revista que segurava com força e saindo da praia bufando de raiva.

— Droga!

Eu não liguei para os chamados deles e corri para alcançar Taehyung. Não foi muito difícil ele ainda estava na metade do caminho de volta a casa. Era visível sua irritação pois seus passos nas areias eram tão pesados e constantes como se fosse um elefante em meio a um deserto.

— Tae! – eu chamei mais ele ignorou. — Taehyung! – puxei-o pelo braço o virando para mim.

— Me solta – disse ele entre os dentes.

— Não. — peguei-o pelo outro braço o impedindo de qualquer possibilidade de fuga e aproveitando para me aproximar mais de seu corpo.

— Se você não me soltar eu vou te bater.

— Tudo bem pode começar.

Ele fulminou meus olhos e depois desviou o olhar para a areia em baixo de nós. Ainda havia irritação em sua face, mas agora ele estava mais constrangido do que qualquer coisa. Ele friccionou seus lábios em um bico para o lado.

— Ela te chamou de Hobi.

— Eu sei, também não gostei disso.

Tae levantou os olhos me mirando. Ok, logico que dá pra sacar que ele está com ciúmes e ele com ciúmes consegue ser mais lindo do que já é. Seu rosto fica com uma irritação e ao mesmo tendo como uma criança mimada que perdeu o doce. Fofo para caralho.

— Como não gostou? Desde que eles chagaram estão grudados em você. Argh! Você não pode ser tão tapado de não perceber as investidas deles, mas é claro, Jung Hoseok está adorando isso!

— O que eu estou adorando é te ver com ciúmes. — disse erguendo seu queixo para mais perto – Eu não consigo olhar para ninguém dessa forma, e você sabe muito bem disso. E mesmo se eu conseguisse eu sou fiel a meus sentimentos Tae. Eu gosto de você.

— Você diz isso com tanta facilidade.

 Ele sussurrou se escondendo o rosto no meu peito. Suas mãos subindo indo tímidas para envolta do meu tronco. Eu o abracei apoiando meu queixo em seus cabelos. Eu estou abraçando o meu universo.

Eu não sei se consigo diferenciar o que é imprinting e o que sou eu. Por que eu não acho que é totalmente por isso que sinto todas essas coisas pelo ele. O imprinting faz você agir de modo impensado, você só se torna um refém de seus instintos.

Não é assim, eu tenho consciência de tudo. Toda vez que o olho eu penso no futuro, eu penso nossa, eu amo esse homem. Penso em vez passar todos os meus dias ao lado dele, não por causa do distúrbio compulsório do imprinting, e sim, porque é ele. É o Taehyung. É o homem que eu amo.

— Vamos tem um lugar que eu quero te levar.

Cessei o abraço arrastando ele para mais à frente da orla da praia. Ali começava se formar o apanhado de rochas do penhasco a cima, como eu tinha lido. Era íngreme e escorregadio, mas encontrei o que queria.

Adentramos na fenda das rochas andamos mais um pouco até ver a cratera da gruta. Bem, era realmente lindo a água azul e verde cristalina recebendo uma pequena queda d’agua. Mas mais lindo que tudo isso era ver o rostinho do Tae hipnotizado pelo o lugar.

— Uau! Como encontrou esse lugar?

— Internet.

— Podemos entrar?

Eu assenti e ele deu um pulo feliz se aproximando da entrada da água. Observei um tanto descarado ele tirar a camisa e dobra-la ao canto, sua pele não era esbranquiçada como a da maioria, mas sim possuía uma tonalidade dourada totalmente atrativa eu tive que engolir muita saliva para me aproximar.

Mas ele entrou na agua.

Me sentei na beirada observando ele mergulhar nas cristalinas. Ele parecia um tritão de tão lindo na água. E dentre as mil e uma coisas que eu poderia pensar, neste instante eu só consigo pensar que o meu corpo tá gritando pelo dele.

— Você não vai entrar?

Perguntou boiando na frente de onde estou sentado. Tirei a camisa e joguei sem cuidado perto da sua e apenas desci. Ficamos de frente um pro outro.

Em uma distância que mesmo sendo pouco me enlouquecia. Tae passou a mão pela enorme cicatriz em meu peito dava para ver que seu rosto estava cheio de perguntas.

— Eu já contei que meus pais morreram em um acidente de carro, não foi? — ele assentiu olhando fixamente para a cicatriz – Bom eu estava com eles no dia.

Seu olhar passou para o meu rosto no mesmo instantes. Já tínhamos conversado sobre minha família, afinal, somos amigos e estou a meses com ele era justo dizer o motivo de só ter meu irmão e meu cunhado como família.

— Era uma viagem de negócios do meu pai, mas ele queria a família com ele. Jin tinha coisas da faculdade para resolver então estavam no carro: o motorista, meus pais, eu e outra pessoa... – eu não estou pronto para contar sobre ela ainda, isso ainda dói – Eu fui o único que sobrevivi, passei por uma cirurgia no pulmão... denominaram de milagre eu sobreviver.

— Eu sinto muito.

— Fazem dez anos Tae, ainda é triste, mas eu consigo viver com as lembranças boas que tenho deles. - menti, pois não era fácil assim como eu queria que ele acreditasse. 

— Isso é o certo, as pessoas não morrem quando as amamos; elas só passam a morar em nossas lembranças.

— Sim. Eu me lamentei por muito tempo ter sobrevivido, mas depois que eu te conheci vi que... eu precisava sobreviver para te encontrar se jogando no sinal vermelho da rua — sorri recendo um tapa leve no peito, segurei seu rosto nas mãos vendo o como ele conseguia ficar mais lindo a cada segundo — O acaso queria que eu te amasse Kim Taehyung.

No precisei me aproximar, ele mesmo me beijou. Era lento e sensível eu podia sentir a ternura quando nós movíamos. Enquanto boiávamos na água morna, enquanto nossos corpos se união de uma maneira tão sublime.

— Eu quero ficar com você, mas você sabe que eu tenho confusões e incertezas... – ele nos separou para me olhar ainda com as sensações do beijo em si — Não pode se entregar tanto assim para mim, e se eu te magoar?

— Isso não é nada. Eu já me entreguei completamente na primeira vez que te vi.

Eu o beijei de maneira mais fugaz. Seu corpo enrijeceu, mas ele retribuiu mordendo meu lábio inferior e me acompanhado enquanto explorávamos a boca um do outro. Eu o virei até ele chocar suas costas beirada, agora eu que o encurralo.

Na pausa para respiramos, desci minha boca pelo seu pescoço. Eu nunca curti alguém estando apaixonado, sempre foi carnal. Embora agora eu saiba a diferença, agora eu sei que não é meu corpo que o quer é a minha alma.

— H-obi...

Ele tentou prender um gemido, mas isso funcionou para minha alegria. Puxei um pouco de carne entre os dentre o fazendo arfar. Voltei o mesmo caminha que fiz em seu pescoço indo morder levemente seu queixo antes de voltar a beija-lo.

Minhas mãos oprimiam sua cintura o trazendo mais e mais para mim. Até o próprio se erguer e encaixar as pernas envolta do meu quadril e em atrito delicioso.

— Não podemos ficar assim... — disse ele entre a minha boca — Eu não posso me excitar, hum Hobi para...

Estávamos indo rápido demais? Talvez, mas era meio difícil parar com ele friccionando nossos corpos. Meus planos não eram tão quentes assim. Na minha cabeça iriamos ficar só nos amassos, porém Taehyung não estava ajudando.

— Merda!

Ele pulou nos meus braços, atordoado e com vestígios de medo. Embora eu tenha o chamado ele subiu a margem e correu para fora me deixando sem entender nada.

Mas que droga eu fiz agora?

 


Notas Finais


O HOBI É DO TIPO ALFA CARINHOSO (mas ele não era assim kkk)
- Eai o que acharam dos gêmeos principalmente da Mila?
- Teve mini aproximação Vmin serão best frentes futuramente... será?
- Bem eu revelei mais um pouco do passado do hoseok, o que acham?
- Bem esse "surto" do Tae tem motivo e não é apenas cu doce podem ficar a vontade para especular sobre.

CONVERSEM COM A AUTORA!!
no capitulo passado os comentários cairão e eu fiquei bem tristinha :(

Bom mas só tenho a agradecer ao carinho e apoio que estão dando a #Imprinting
Ps1: AMO MUITO TUDO ISSO.

PS2:ps: pra quem está achando estranho, sim é o mesmo. Acabei excluindo o cap quando estava revisando e editando ele então sorry. Pra quem comentou se não for pedir de mais comenta novamente meus amores ;P

PLAYLIST DA FANFIC: https://www.youtube.com/playlist?list=PLD0_Ge0OrjeRtPARETV4BWLMr5r8CGmvF
TWITTER: https://twitter.com/BlanketKickk
XoXo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...