1. Spirit Fanfics >
  2. Improvável, o fio vermelho >
  3. Código azul!

História Improvável, o fio vermelho - Capítulo 10



Capítulo 10 - Código azul!


Fanfic / Fanfiction Improvável, o fio vermelho - Capítulo 10 - Código azul!

Lucy Heartfilia

Uma crise de ansiedade era tudo que eu precisava para começar meu dia bem. Tia Anna e Levy ficaram assustadas, droga eu só estou causando problemas.

— Tem certeza que está bem? — indaga Levy me oferecendo suas batatas fritas.

— Sim, eu me senti culpada pelo o que aconteceu com a Lisanna. — Abaixo a cabeça.

— Por que você teria culpa? — pergunta.

Suspiro e explico para ela o que aconteceu no parque.

— Quando ela me deixou em casa eu talvez tenha dito que ela é abençoada pelo sangue de uma família habilidosa — falo olhando para a azulada, vendo a reação dela.

— Francamente Lu-chan, você precisa conhecer melhor as pessoas antes de julgá-las — fala com um tom de repreensão.

— Eu sei, por isso quero me desculpar com ela. Então, poderia deixar que eu leve as anotações para ela? — pergunto com cautela.

Tenho medo que Levy recuse, afinal, Lisanna é a grande amiga dela desde a infância, é claro que ela se importa muito com a garota e entre eu e a albina, ela com certeza a escolheria. Estralo meus dedos nervosa o que não se passa despercebido pelos olhos castanhos da Levy.

— Lucy, você tá fazendo igual a Lis. — A encaro — Você tá passando por muita coisa ao mesmo tempo, a morte da sua mãe. Mudança de cidade. Colégio. Rotina nova. Pessoas novas. Tudo isso é muito estresse e só citei as poucas coisas que eu consigo enxergar com o pouco que te conheço. — Ela coloca a mão no meu ombro — Tomou seu remédio? — Franzo a sobrancelha com a pergunta dela — Não me fale que você não tem medicação para tratar o TOC.

— Ah, isso, tenho sim, e eu tomei… eu só tive aquela crise por causa da Lis… preciso ver ela logo… e me desculpar — falo puxando meus dedos tentando estralar.

— Precisa mesmo. — Ela segura as minhas mãos — Vai acabar arrancando os dedos. Olha, vai no meu lugar e leve as anotações para ela. De todo jeito eu tenho aula de encantamento e não vou poder ir. — Levy olha bem em meus olhos — Mas tente se acalmar, ok?

— Tá… — respiro fundo e dou um sorriso — Obrigada por ser tão compreensível… pensei que ia acabar me condenado pelo o que fiz com a Lis, afinal vocês são amigas.

Levy suspira pesadamente e pega o livro ao seu lado acertando ele de uma vez na minha cabeça.

Itaiiii! Le-chan! — reclamo passando a mão no local.

— Você é tão idiota como ela. Lis pode ser minha amiga de infância, mas você também é minha nakama agora. É uma pessoa legal e olha que só te conheço faz uma semana. Não vou te jogar na fogueira apenas porque cometeu um errinho idiota — fala com a voz séria, balançando o livro na mão.

— Obrigada… Le-chan — agradeço envergonhada, as palavras dela me deixaram um pouco surpresa e até mesmo emocionada.

O sinal indicando o final do intervalo toca. Levy se levanta.

— Vá ver a Lisanna, eu vou te cobrir — fala me entregando às anotações que fez para sua amiga.

— Obrigada. — Pego as folhas e saio.

Eu não deveria matar aula, mas do jeito que estou ansiosa não vou conseguir me concentrar. Saio do colégio, caminhando pelas ruas da cidade.

Não paro de pensar em como fui idiota. Eu não sei nada sobre ela e a julguei. Tudo bem que ela continua sendo uma maga excepcional, mas não é como se isso tivesse caído do céu. Levy me contou que ela treina muito e se esforça muito para dominar as magias da família. Mas ela preferiu não me dizer os detalhes, isso cabe a Lis me contar caso queira, tenho certeza que ela não vai querer e eu também não me interesso por isso. Apenas quero me desculpar pelas minhas palavras e ver se ela realmente está bem.

Entro no metrô que nesse horário não está muito lotado, o percurso até a próxima estação é bem rápido e logo desço do veículo. Ando mais algumas quadras até chegar no hospital. Logo na recepção vejo aquela aluna do primeiro ano, ela se parece muito com a Lisanna. A garota está bem nervosa com a recepcionista.

Aproximo-me.

— Olá, eu vim visitar Lisanna Strauss — informo para a mulher.

— Entra na fila — fala a albina ao meu lado, ela realmente parece furiosa, pelo jeito não a deixaram entrar.

— Qual seu nome? — pergunta a mulher.

— Lucy Heartfilia — informo para a mulher que parece verificar se tenho autorização.

Levy disse que pediu para Mirajane liberar a minha entrada.

— Pode entrar, quarto setenta e sete. — Ela libera a minha entrada o que deixa a albina muito furiosa.

Agradeço a mulher. Yukino me fuzila com raiva, como se eu tivesse culpa dela não ter autorização, ou talvez seja ciúmes. Ignoro isso e ando até o elevador subindo para o sétimo andar. Elevadores é outro lugar que me deixa maluca. Fechado sem visão de nada e com perigo de despencar, sinto que estou pisando em nuvens que estão se derretendo. Mas para minha sorte ele é rápido e logo chega ao andar que preciso. Saio da caixinha esmagadora, como gosto de me referir aos elevadores. Ando pelo corredor olhando de um lado para o outro procurando pelo quarto da albina. O silêncio predomina nesse hospital de modo que parece um lugar mal assombrado. Pela numeração o quarto dela deve ser um dos últimos.

— CÓDIGO AZUL! QUARTO SETENTA E SETE! — grita uma enfermeira no final do corredor.

O local que antes parecia silêncio agora está um caos. Com enfermeiras e médicos correndo para o quarto onde Lisanna deveria está. Sinto meu coração disparando. Não pode ser…

Aproximo olhando da porta e quando vejo a albina meu coração dispara ainda mais sem acreditar no que meus olhos veem. E assim como eu as enfermeiras ficam chocadas olhando para a mesma cena que eu.

 

 


Notas Finais


Agradecimentos:
Projeto: @FairyTail_verse
Beta: @LucyTecelagem
Capista: @AicitelSevla
LC: @sugarrymind

Amei ver pessoas novas comentando no capitulo anterior! Muito obrigada a todos vcs que vem me apoiando nos comentários!

Continua?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...