História IN MY HEART - JOSHLER - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Halsey, Melanie Martinez, My Chemical Romance, Panic! At The Disco, Twenty One Pilots
Personagens Brendon Urie, Dallon Weekes, Frank Iero, Gerard Way, Halsey, Josh Dun, Melanie Martinez, Ryan Ross, Tyler Joseph
Tags Frank Iero, Gerard Way, Josh Dun, Tyler Joseph
Visualizações 24
Palavras 2.676
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente! O nome do capítulo a partir de hoje vai estar na capa do capítulo. O que está no lugar do título é só uma forma de você se achar na ordem cronológica da história. O capítulo de hoje o nome é our blood.

Capítulo 10 - (Dia-12-uma sexta)


Fanfic / Fanfiction IN MY HEART - JOSHLER - Capítulo 10 - (Dia-12-uma sexta)

Depois de algumas horas deitado na cama do Josh eu decidi voltar para minha. Eu não estava incomodado com Josh, estava incomodado com o pouco espaço na cama. Alguns minutos depois eu cai no sono.

" Eu estava em minha cama deitado e olhando para o céu, até perceber que tinha alguma coisa errada.

-Espera um pouco. O céu? No meu quarto?

Levantei devagar e percebi está no meio de uma floresta. Eu entrei em desespero e começei a correr até encontrar o meu reflexo, que agora não era apenas um reflexo. Eu parei em sua frente e perguntei:

- O que é você?

Ele permaneceu em silêncio e se aproximou de mim. Com seu rosto colado ao meu pude ver no fundo de seus olhos vermelhos. Aquele ser estranho que estava atormentando meu sono era igual a mim. Quando eu finalmente estava calmo e meu desespero se dissipou, ele pegou meu pescoço com suas duas mãos começou a me enforcar. " 

Acordei suado e levantei, dando de cara com ele. Acho que estou delirando mas ele estava lá, vivo.

-BL- Você não achou que ia se livra de mim só acordando, né?

Sua voz era estranha, não era como se saísse de sua boca, mas saia diretamente da minha cabeça.

-T- Quem é você?.

-BL- Eu sou você. Mas pode me chamar de Blurryface.

-T- O que você que?

-BL- Já olhou para suas mãos? 

Olhei para minhas mãos e percebi que estavam negras como a noite de hoje e novamente o desespero e agonia tomaram conta de mim.

-T- Que merda é essa? Como eu faço pra isso parar?

Blurryface abriu uma gaveta, tirou uma navalha e me entregou.

-T- O que eu faço com isso?

-BL- Não se faça de idiota! Deixa toda essa escuridão sair. Seu sangue vai sair da mesma cor de suas mãos mas em compensação vai sair.

-T- Eu não vou fazer isso!

-BL- Você que fica igual a mim?

-T- Não.

-BL- Tyler não pode fugir de mim. Eu sempre estive aqui e sempre estarei. Lembra quando o Josh te abandonou em Colombus?

-T- Ele não me abandonou. Ele foi obrigado a sair de lá

-BL- Abandonar obrigado ou não é abandonar. Da tudo na mesma. Mas você ficou um ano se lamentando no escuro do seu quarto escutando lithium. Talvez eu tenha que te lembrar da vez que você assumiu sua sexualidade? Ninguém mais ligava pra você, só uma garotinha idiota que nem entendia direito o que era um gay. 

Ele estava falando não faziam nem dez minutos e eu já tinha começado a chorar como uma criança.

-BL- E por que você está chorando? Talvez por causa desse patético vazio que você está tentando preencher com esse panaca, que vai te trocar pela primeira saia que passar.

-T- Tá bom você me convenceu! Eu corto meu pulso.

Peguei a gilete que estava na navalha e levei até meu pulso. E conforme meu sangue escuro ia escorrendo blurryface ia sumindo e Josh acordando.

J- Tyler! ( Josh falou tirando o objeto de minhas mãos.)

T- Não está vendo?

-J- O que ?

-T- Minhas mãos... o sangue... Eu.. Eu..

-J- O que tem nas suas mão?

-T- Estão pretas.

-J- Tyler suas mãos estão como sempre estão. Com exceção desses cortes. Vem deixa eu cuidar disso. 

Josh me abraçou e com calma me levou até a cozinha.

-J- Ty você tem que me dizer porquê você fez isso.

-T- Mas Josh eu... Eu... desculpa.

-J- Você não pode me pedir desculpas. Você tem que me dizer o que aconteceu.

-T- Um sonho.

-J- A porra de um sonho não fez isso com você.
Eu escutei você conversando com alguém.

-T- Você não vai acreditar em mim.

-J- Você tem que me falar.

-T- Tinha mais alguém no quarto.

-J- Não tinha ninguém no quarto Tyler! Só eu e você.

-T- Josh não podemos falar sobre isso de manhã? 

Josh levantou e foi até a janela e enquanto abria a cortina disse:

-J- Já é de manhã.

-T- Então só vamos falar sobre isso depois, okay?

-J- Tyler eu já passei por isso. Se você quiser eu posso te ajudar.

-T- Josh as coisas andam esquísitas. Eu não sei como chegou á esse ponto.

-J- Eu não sei exatamente o que aconteceu, mas se você precisar de alguém eu vou estar no seu quarto de seis da noite as oito da manhã.

Eu levantei e subi para o meu quarto eram seis e meia e eu não conseguia voltar a dormir. Minhas mãos já estavam em seu normal, mas a sensação ruim ainda estava presente. Resolvi tomar um banho para relaxar. Josh abriu a porta do banheiro e perguntou:

-J- Posso entrar?

-T- Você já entrou.

-J- Não no banheiro. Deixa eu tomar banho com você?

-T- Não estou com muita vontade disso.

-J- Eu só quero te fazer companhia.

-T- Entra logo!

Josh entrou no box e me abraçou pelas costas. A água quente escorria por nossos corpos de forma rápida. Meus pulsos feridos já estavam acostumados com o toque da água, o que fez ser um banho mais prazeroso. Josh começou a beijar meu pescoço e passar suas mãos pelo meu braço. Eu sei que foi sem querer mas ele tocou em meus cortes e me fez gemer de dor e nos separar desse abraço.

-T- Eu falei que eu não queria!

-J- Desculpa eu só queria te animar. 

Desliguei o chuveiro, peguei minha toalha e voltei para o quarto. Josh fez o mesmo e parou do meu lado. Eu estava escolhendo uma roupa para vestir.

-T- Droga! Tá um calor infernal lá fora.

-J- Mas na sala de aula tem ar condicionado.

Josh entrou na minha frente e pegou um suéter vinho e uma calça preta.

-J- Toma!

-T- valeu, eu acho.. 

Vesti minhas roupas peguei minha mochila e desci as escadas. Josh me abordou e perguntou:

-J- Posso te acompanhar?

-T- Para!

-J- Com o que? Eu só estou querendo te acompanhar.

-T- Não! Você está me tratando diferente, depois do que aconteceu.

-J- Por que? Só porque estou sendo carinhoso com o meu namorado?

-T- Não foi você que disse, que não somos namorados?

-J- Você ainda não esqueceu isso? Tyler eu estou cansado de você! Eu estou fazendo tudo pra te agradar e você age como um garoto mimado?

-T- Porque você está me tratando como um garoto de dez anos. Eu não preciso que alguém escolha minhas roupas, nem que me de banho. 

Abri a porta e sai caminhando com pressa. Estava um belo dia com pólen no ar e um sol bem quente, típico do fim do verão. Infelizmente não era um bom dia para estar de moletom, nem para curtir o sofrimento que Blurryface instaurou na minha alma. Tirei minha mochila das costas peguei meu telefone e um fone de ouvido. Virei minha cabeça enquanto observava o local em busca de um banco para sentar. Em baixo de uma sombra de árvore havia um. Escutando minha playlists de músicas tristes eu fechei meus olhos e começei a pensar no que eu tinha falado para o Josh. Ele não tinha culpa de nenhuma das minhas esquisitices, por mais esquizofrênicas que sejam. Não devia ter o tratado dessa forma alguém que só queria me ajudar. Quando conheci Josh ele estava roubando cigarros do pai. Ele não estava fumando. Ele estava fazendo algo pior. Ele acendia o cigarro e queimava sua coxa. Não lembro ao certo como eu descobri, apenas sei que era por causa da mudança. Josh já passou por algo parecido, ele pode me ajudar. Mas ego eu uma coisa complicada de se contrariar

Meu relógio marcava sete e quarenta e eu não queria me atrasar para aula. Meu professor de Pensamento Político não gosta muito de mim o que não facilita nos meus atrasos e faltas. Na aula aquela garota, Jenna Black não parava de me fitar. Estava me sentindo até assediado depois de longas olhadas pelo meu corpo. Jenna é uma linda mulher, mas o problema está nela ser uma mulher. Depois da aula de Pensamento Político era o horário de almoço, que eu não costumo aproveitar muito bem. Geralmente eu não como durante o dia, acho que é porquê eu sinto muita fome de madrugada. Gerard e Frank estavam em uma mesa no refeitório, local que até hoje eu ainda não tinha frequentado. Estava observando de longe eles dois e pensando em quem seria o passivo da relação. Gerard é muito afeminado
, mas não chega a ser um gay que anda saltitando por aí. Frank é bem másculo, porém ele é tão baixo que a virilidade dele não está á altura. Depois de alguns minutos de devaneios alguém cutucou minhas costas. Depois que me virei percebi que era o Dallon.

-DA- Você vai ficar parado aí sem fazer nada?

-T- Talvez.

-DA- Talvez, é uma ova! Cara eu tenho que te agradecer por contar para o Brendon sobre mim. 

Eu não estava entendendo muito do que se passava na mente do Dallon. Até porque depois que o Ryan me acordou durante a noite só pra me avisar da grande conquista dele eu tinha achado que o Brendon tinha escolhido o Ry não o Dallon.

-T- Então você e o Brendon estão juntos?

-DA- Claro! Você não sabia?

-T- Não.

-DA- Nossa o Josh realmente te deixa nas nuvens.

-T- Eu não diria nas nuvens...

-DA- Mas vem sentar com a gente. ( Dallon me interrompeu.)

Dall me puxou até a mesa onde Gerard e Frank estavam.

-T- Oi!

-F- Meu Deus! Você, aqui?

-G- Se bobear ele é magro porque não come.

-T- Acho que é genético e eu acho que eu vim parar aqui por acidente. 

Brendon chegou com uma bandeja azul, que tinham apoiados na mesma, um refrigerante em latinha, batatas fritas, um hambúrguer e uma salada de frutas.

-BR- Gerard, você vai comer isso?(Brendon apontou para algumas sobras que tinham na bandeja do Ge.)

-G- Você quer mesmo isso?

-F- Semana passada ele comeu o chiclete que o Dallon já tinha mastigado.

-G- Acho que ele já pois a boca em lugares piores quando se trata do Dallon. ( Gerard deu aquela risada escrota, que ele sempre dá quando faz alguma de suas piadas sexuais.)

-F- Gerard eu acho que o Dallon que tem esse trabalho.

Melanie se aproximou de nós com uma bandeja cheia de doces, pudim, bolo, waffles com mel e donuts de chocolate. A única coisa salgada em seu almoço era um pacote de batatas.

-M- Gente que baixaria é essa?

-T- Que bandeja é essa? Você vai acabar diabética.

-BR- Você vai comer as batatas?

-DA- E você vai engordar! Não te quero gordo.

-F- Eu prefiro meu Ge gordinho. Esse bundão faz loucuras.

Descobri! Gerard é o passivo!

-G- Para Frank! Assim eu fico constrangido.

-F- Você vive me expondo por aí e você que é o constrangido?

Billie sentou ao lado da Mel. Ela estava comendo um prato de macarrão ao molho branco diferente de todos naquela mesa Billie era sofisticada.

-BI- Hello vocês sabem que estão em público, né?

-M- senta aqui. ( Mel deu batidinhas com as pontas dos dedos no banco.)

-T- A Halsey não vem?

-BI- Ela me falou que vai almoçar em casa.

-F- Tyler deve estar fazendo uns quarenta e sete graus lá fora e você de casaco?

-T- Saudade do frio de Ohio!

-G- Em Nova Jersey também era bem frio.

Brendon interrompeu nossa conversa com um arroto longo e escandaloso.

-G- Dallon, como você convive no mesmo quarto que ele?

-DA- Eu Já achei uma cueca dentro do vaso.

-M- Você tá Brincando, né?

-DA- Não, é completamente sério. Foi depois da festa fantasia do ano passado. 

Eles continuaram a conversa sobre o quanto o Brendon é porco e eu decidi voltar para sala. Como a aula ainda não tinha começado decidi ficar na sala esperando com o tempo os alunos começarem a entrar aos poucos. Quando a aula começou notei que faltava um par de olhos me observando. Jenna não estava em sua cadeira de costume. Acho estranho ela se atrasar para a aula, ela é muito certinha, nunca se atrasa, falta ou vai ao banheiro. (Jenna é quase um robô.) Depois de alguns minutos de uma aula extremamente chata sobre religião, ( Isso mesmo, religião! No curso de filosofia religião é uma matéria.) Decidi ir ao banheiro. Andando pelo corredor principal do prédio percebi alguns gritos e discussões. Virei em um corredor e encontrei Jenna sendo agredida por algum babaca e decidi intervir.

-T- Sai de perto dela!

-Babaca- Se você está pedindo. 

Ele me olhou com ironia e saiu andando pelo corredor.

-T- Está tudo bem?

-JE- Não.

-T- Quem é ele? Por que ele estava fazendo isso com você?

-JE- Ele é o Ex de uma amiga minha. Ele acha que ela terminou com ele por minha causa.

-T- E pelo menos você tem alguma coisa com isso?

-JE- Nós contratamos um detetive pra perseguir o Babaca.

-T- E...

-JE- Ele traía ela todo fim de semana. Eu sabia que ela não deveria nem ter começado a namorar esse cara. Ele fez ela começar a vender LSD. Agora ela está presa. Ela teve um único namorando que presta, mas ela conseguiu destruir a vida dele.

Eu não acredito! A amiga de Jenna era a Debby.

-T- Acho que sei de quem você está falando.

-JE- Acho que você conhece o último namorando dela. O nome dele é Josh.

-T- Ele é meu atual namorando.

Nesse momento Jenna engoliu a seco e depois ficou um pouco boquiaberta.

-JE- Você é gay?

-T- Sou.

-JE- Eu sou uma idiota! Eu te chamei pra sair! Fiquei me lamentando e achando que o problema era meu. Não que tenha algum problema com você ser gay!

-T- Fica calma. Você não é idiota.

Depois de uma conversa longa com Jenna nós voltamos para sala. Agora eu tinha uma nova Melanie para me acompanhar durante as aulas. No final da escada me esperando estava Josh com um buquê de flores. Jenna que estava me acompanhando acabou me deixando de lado depois que viu a surpresa de Josh. ( Uma atitude bem Melanie de ser.)

-J- Me Perdoa por hoje?

-T- Eu que tinha que te pedir desculpas.

-J- Tyler, eu queria te fazer uma pergunta...

-T- Fala logo! Você não vai me pedir em casamento, né?

-J- Calma é só um pedido de namoro.

-T- Ufa.. você me assustou.... espera um pouquinho. É um pedido de namoro?

-J- Sim ou não?

-T- Sim! Óbvio?

-J- Vamos para casa?

-T- Okay.

Andamos despreocupado pelo campos e escutando músicas do Nirvana e do The neighborhood. De mão dadas cada um com um lado do fone entramos em casa pela porta da frente, ignorando todo o caos que corria pela casa. Nosso quarto estava diferente. Com alguma coisa diferente.

-J- Tyler, você não percebeu nada não?

-T- Tem alguma coisa errada, mas eu não sei o que é.

-J- Tyler você é cego? Tem uma cama de casal aqui!

-T- Não acredito! Minhas costas estavam doendo em ter que dividir a cama com você.

-J- Eu sei.

-T- A cama já estava pequena e você ainda ficar botando essa perna pesada em cima de mim.

-J- Mas você gostou?

-T- Sim. como você fez isso?

-J- Hoje de manhã eu conversei com o Brendon e depois de muita insistência ele concordou.

-T- Mas de onde isso surgiu?

-J- Estava no sótão.

-T- temos um sótão?

-J- Temos. Agora vai tomar um banho okay?

-T- Só não vem atrás de mim.

-J- Mas você é irreversível!

-T- Josh eu só quero tomar um simples banho.

-J- Vai logo então!

Depois de um bom banho frio, eu fui para cama dormir. Josh deitou ao meu lado. Finalmente eu estava dormindo na mesma cama que o Josh e as minhas costas não gritavam de desespero. Depois de repensar sobre o meu dia, fechei meus olhos e dormi.


Notas Finais


Gente espero que tenham gostado! Comenta aí se você gostou!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...