História In The Dark! (G!P) - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Malhação
Tags Intersexual, Lgbt, Lica, Limantha, Malhacaovad, Samantha
Visualizações 257
Palavras 2.053
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Festa, Ficção, LGBT, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, voltei.

3/3.

Boa leitura.

Capítulo 21 - I was a lilac sky then you decided purple just wasnt for you


Heloísa.

Recebi a notícia da separação da Malu com nosso pai junto com a Clara, a alguns meses atrás eu pensava que quando esse dia chegasse – não é por nada, mas eu sabia que isso aconteceria – eu ficaria extremamente feliz. Não foi bem o que aconteceu. Ok, eu fiquei feliz mas me preocupei com a Clara. Ela nunca passou por nenhuma separação e agora teria que passar, a única coisa que consegui fazer foi segurar sua mão e dizer baixinho que ficaria tudo bem. Me impressionei, Clara não chorou, não fez nada, só sorriu e disse que seria melhor. Saímos da sala dele e eu parei ela antes de chegarmos de novo na sala de aula.

Clara? – Ela me olhou como se esperasse eu terminar de falar, assim fiz – Você tá bem mesmo com essa notícia?

Lica, eu tenho que aprender a aceitar as decisões dos outros mesmo que eu não ache certo. Eu tenho 17 anos, não posso agir como criança. Vai ficar tudo bem, eu tenho você, tenho o Luís, a Marta e o nosso pai, tenho também nossos amigos e a minha cunhadinha – Revirei os olhos mas ri – Minha mãe provavelmente vai se mudar pra Europa e vai querer me levar.

V-você vai? – Perguntei tendo medo da resposta.

Minha família são vocês Lica, a Malu é só a mulher que me deu a vida mas não me deu o principal, amor. – Disse.

E isso aqui você tem de sobra. – Sorri e a abracei.

Fomos pra sala e a primeira coisa que eu encontrei foi o olhar preocupado de Samantha sobre mim e a minha irmã. Linda. Me sentei no meu lugar mas ela não se virou, esperou a aula acabar pra fazer. A acalmamos e fomos pro galpão.

Chegamos no galpão e encontramos a Keyla e Benê esperando a gente, cumprimentamos e fomos nós sentar pra comer alguma coisa.

Samantha, depois daqui você vai ir pra casa da Lica? – Guto perguntou enquanto bebia seu suco.

Eu vou pra casa. – Ela disse.

Então depois daqui eu só vou te ver depois de amanhã? – Perguntei. Exatamente. Edgar, vulgo meu pai decidiu não abrir o colégio amanhã. Não me pergunte o motivo. 

Parece que sim. – Respondeu.

Não gostei. – Fiz bico.

Eu vou pra casa, pego algumas roupas e volto pra sua casa, ok? – Disse e me deu um beijo no rosto.

Meu casal lindo e cheiroso. – Tina disse rindo.

Não fode. – Respondi sem paciência.

Nossa Lica, quem te machucou?

A vida meu anjo, a vida. – Digo bebendo meu suco.

Idiota. – Tina disse.

Eu tenho que ir na farmácia. – Clara disse.

Tá passando mal? – Perguntei.

Preciso ir lá comprar uns tampões. – Falou.

Pra que sua louca? – Tina perguntou.

Por que a Samantha vai pra lá e já sabe, né? – Riu.

Eu vou te expulsar lá de casa. – Falei.

A Clara tá toda soltinha. – Samantha falou rindo.

Lica, sabe o que eu descobri essa manhã? – Ela falou.

Se não for importante eu não quero saber.

Descobri quantos centímetros você tem. – Começou a rir e eu olhei pra Samantha.

Isso tem dedo seu?

Ela perguntou e eu falei. – Deu de ombros.

Você nem sabe quantos centímetros é. – Falei.

Então quantos é? – Me olhou.

23. – Me aproximei e falei baixinho do ouvido dela.

Podemos mudar de assunto? – Ellen falou e eu olhei pra Samantha que estava espantada.

Obrigada Ellen.

Quando você vai assumir o seu namoro com o Jota? – Clara perguntou.

Não vou assumir o que não tem. – Ela falou.

Por que você não quer. – O rapaz disse.

Eitaaaaaa! – Gritei rindo.

Tá querendo por lenha na fogueira Heloísa? – Ellen me fitou brava.

Eu sou um anjo, não tô fazendo nada. – Ri.

Continuamos conversando mais um pouco até nossos lanches chegarem. Depois fomos pro galpão, me joguei nas almofadas que tinha no canto de uma das paredes, próximas ao piano. Samantha veio e se deitou do meu lado. Benê foi pro piano mais o Guto e ficaram lá, conversando e tocando algumas músicas. Ele estava dando aulas pra ela, foi por isso que os dois de aproximaram e se apaixonaram. Se eu tivesse que apostar minhas fichas em um casal eu nunca apostaria em Gunê, mas não é que tá dando certo? Continuando, Tina estava com a Clara vendo os discos antigos do Roney. Ellen e Jota estavam sentados em dos sofás perto da porta de entrada. Todo mundo fazendo alguma coisa que gosta, seja tocando piano, conversando, ouvindo músicas ou só observando. Eu estava observando todos eles e Samantha, que agora tinha seu olhar fixo ao seu amigo e a minha amiga. Ela é arte. Minha obra de arte. Sorri e a puxei pra mais perto, a distância entre nós mesmo que curta me deixava agoniada. Ela me olhou, se virou e se aninhou no meu corpo, passei minhas mãos em volta da sua cintura pra ficarmos em uma confortável conchinha. Não ligando para os olhares dos nossos amigos ficávamos assim por um bom tempo. Eu tinha meus olhos fechados e estava quase dormindo quando senti Samantha se virando pra mim e acariciando meu rosto com as pontas dos dedos. Sorri. Inevitável.

Eu adoro o seu sorriso. – Disse me mando beijos pelo rosto.

Eu sei, sou adorável. – Digo ainda de olhos fechados e sorrindo.

Larga de ser metida Heloísa. – Riu.

Eu adoro você... Inteira. – Digo e abro meus olhos. Vejo Samantha me olhando com um sorriso no rosto, algumas mesas de cabelo caídas, atrapalhando a visão perfeita de seu rosto que agora está próximo ao meu, mas não o suficiente.

CASAL? – Clara gritou.

Que caralho? – Perguntei.

Os meninos já estão indo, a gente vai agora ou vamos ficar? – Perguntou chegando perto.

Pra onde eles vão? – Sammy perguntou. Curiosa.

Parece que a Tina vai aproveitar que a Ellen tá indo embora pra ir junto ver o Anderson, o resto eu não sei. – Falou sorrindo.

Tá cedo ainda. – Sammy disse.

Cedo? São 17... – Olhou pro relógio delicado pro seu pulso – 17:27.

Credo, as horas antes passavam mais devagar. – Reclamei.

Tá reclamando porque mesmo? – Me deu um tapa e Clara Gargalhou.

Isso mesmo cunhadinha, põe ordem. – Revirei meus olhos.

Me levantei e estendi a mão pra Samantha que foi prontamente aceita, ela segurou e se levantou. Saímos do galpão e fomos encontrar os meninos lá na porta da lanchonete. Nos despedimos e eu fui com a Clara deixar Samantha em casa.

O que vamos escutar minha gente? – Samantha perguntou.

Sei lá, alguma música que te faz querer ir pra um bar e encher a cara de cachaça. – Clara disse e riu.

Não, pelo amor. – Falei.

Escutem essa, mas Clara, não é como você quer. – Samantha disse colocando uma musica pra tocar.

Your little brother never tells you but he loves you so

You said your mother only smiled on her TV show

You’re only happy when your sorry head is filled with dope

I hope you make it to the day you’re 28 years old

(Seu irmão mais novo nunca te diz, mas ele te ama tanto

Você disse que sua mãe só sorria no programa de TV dela

Você só está feliz quando sua cabeça arrependida está cheia de droga

Eu espero que você chegue até o dia em que tiver 28 anos de idade)

Samantha soltou seu celular em cima da perna e fechou seus olhos como se sentisse a música, com um sorriso tímido no rosto começou a cantar baixo.

You’re dripping like a saturated sunrise

You’re spilling like an overflowing sink

You’re ripped at every edge but you’re a masterpiece

And now I’m tearing through the pages and the ink

(Você está gotejando como um nascer do sol saturado

Você está derramando como uma pia transbordando

Você está rasgado em cada extremidade mas você é uma obra-prima

E eu estou rasgando as páginas e a tinta)

Eu não tinha outra reação a não ser observa-la. Samantha pra mim é arte.

Everything is blue

His pills, his hands, his jeans

And now I’m covered in the colors

Pull apart at the seams

And it's blue

And it's blue

(Tudo é azul

Suas pílulas, suas mãos, seus jeans

E agora eu estou coberta com as cores

Despedaçada pelas costuras

E isso é triste

E isso é triste)

Everything is grey

His hair, his smoke, his dreams

And now he's so devoid of color

He don’t know what it means

And he's blue

And he's blue

(Tudo é cinza

Seu cabelo, sua fumaça, seus sonhos

E agora ele está tão desprovido de cor

Ele não sabe o que isso significa

E ele é triste

E ele é triste)

Samantha é azul. É arte. É céu. Eu sou cinza. Eu sou confusão. O que acontece quando essas duas cores tão diferentes entram em contato?

You were a vision in the morning when the light came through

I know I’ve only felt religion when I’ve laid with you

You said you’ll never be forgiven till your boys are too

And I’m still waking every morning but it’s not with you

(Você era uma visão maravilhosa de manhã, quando a luz entrou

Eu sei que eu só senti a religião quando estava deitada com você

Você disse que você nunca será perdoado até que seus amigos também sejam

E eu ainda estou acordando todas as manhãs, mas não é com você)

Eu continuava observando-a com cuidado, prestando atenção na estrada e na obra de arte mais bela do que todos os quadros de Van Gogh. Ela sabia pois evitava me olhar, embora tivesse no rosto um sorriso largo, não mais tímido.

You’re dripping like a saturated sunrise

You’re spilling like an overflowing sink

You’re ripped at every edge but you’re a masterpiece

And now I’m tearing through the pages and the ink

(Você está gotejando como um nascer do sol saturado

Você está derramando como uma pia transbordando

Você está rasgado em cada extremidade mas você é uma obra-prima

E eu estou rasgando as páginas e a tinta)

Tirei uma das minhas mãos do volante e a levei de encontro com uma das mãos de Samantha. Eu precisava de contato. De sentir o calor e a corrente elétrica que passa pelo meu corpo toda vez que nos tocamos.

Everything is blue

His pills, his hands, his jeans

And now I’m covered in the colors

Pull apart at the seams

And it's blue

And it's blue

(Tudo é azul

Suas pílulas, suas mãos, seus jeans

E agora eu estou coberta com as cores

Despedaçada pelas costuras

E isso é triste

E isso é triste)

Everything is grey

His hair, his smoke, his dreams

And now he's so devoid of color

He don’t know what it means

And he's blue

And he's blue

(Tudo é cinza

Seu cabelo, sua fumaça, seus sonhos

E agora ele está tão desprovido de cor

Ele não sabe o que isso significa

E ele é triste

E ele é triste)

Ela continuou cantando enquanto me olhava e brincava com meus dedos. Entramos em nossa bolha, não ligando pro que tem de fora e nem em quem está em nossa volta. Só me importava ela e sua voz ocupando cada espaço da nossa bolha.

You were red, and you liked me 'cause I was blue

But you touched me, and suddenly I was a lilac sky

Then you decided purple just wasn’t for you...

(Você era vermelho e gostava de mim porque eu era azul

Você me tocou e de repente eu era um céu lilás

Então você decidiu que roxo apenas não era para você...)

A música acabou e começou tocar Adele, ficamos em nossa bolha, apenas trocando sorrisos e alguns olhares por todo o caminho. Samantha se despediu da Clara e me deu um selinho antes de sair. Combinamos que ela iria lá pra casa mais tarde, eu propus de esperar mas ela não quis, precisava organizar algumas coisas em casa e levaria um tempo. Me despedi mais uma vez e segui em direção a minha casa agora com Clara sentada no banco do passageiro e comandando o som.

Assim que a Samantha saiu do meu campo de visão meu coração apertou e eu sabia, até o final do dia minha vida iria desandar. A vida é árdua. Meu coração é intenso. Por Isso, quando acontece alguma coisa inesperada e impossível de resolver da maneira certa, eu sofro. Eu choro. Talvez a minha noite termine assim, vamos aguardar.


Notas Finais


Tá aí a maratona que eu prometi.
Não sei quando volto mas prometo não demorar.
Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...