História In The Park - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Katsuki Bakugou, Midoriya Izuku (Deku), Shouto Todoroki
Tags Bakudeku, Bakugou, Bakugou Uke, Bakugouxmidoriya, Bakumido, Boku No Hero Acabemia, Dakubaku, Izuku, Katsuki, Midobaku, Midoriya, Midoriya Seme, Midoriyxbakugou
Visualizações 542
Palavras 1.823
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oii aqui estou eu de volta, e cheguei a conclusão de que irei atualizar os capítulos há cada dois dias.
Então nesse capitulo iremos focar nesse loiro delicioso (Eu tinha me esquecido, mas quem tinha dúvida, sim Katsuki trabalha, mas não especifiquei no que).
Vou contar o dia-dia, assim como um pouco do seu passado.
Ps: As capas horríveis são minhas, sei la quem tinha essa duvida.

Boa leitura

Capítulo 3 - Bakugou Katsuki


Fanfic / Fanfiction In The Park - Capítulo 3 - Bakugou Katsuki

Capitulo 2 -

Bakugou Katsuki

 

 

Bakugou Katsuki era deveras calmo, o jovem rapaz que atualmente trabalhava em sua própria casa, e com o grande tédio que acumulava, passa grande parte de seu dia no parque, junto da companhia de Kacchan, cachorrinha que ganhou de sua mãe a pouco tempo.

Porém o rapaz nem sempre fora assim, em seu passado possuía a péssima fama de encrenqueiro, o famoso garoto explosivo. Porém sempre fora considerado o garoto popular, os olhos escarlates eram reconhecidos pela cidade, tanto em relação às brigas que arranjava com outros garotos, como também em sua popularidade com as garotas, mesmo que não gostasse delas.

Mas com o passar dos anos, o garoto encrenqueiro passou por mudanças drásticas, como a separação de seus pais, e o afastamento de seus amigos no ensino médio. Sua personalidade estava lhe prejudicando, e então teria que mudar.

 

Atualmente, convive tranquilamente com sua cachorrinha, e seu trabalho. Após finalmente sair da casa de sua mãe, resolve mudar-se para um apartamento pequeno, que tivesse um espaço grande de lazer próximo, algo que fora extremamente fácil de encontrar. Kacchan, assim como seu dono, nem sempre fora calma e compreensiva, o loiro admite que foi extremamente difícil domestica-la, principalmente pelo fato da fêmea não gostar de ficar trancada. E assim os passeios ao parque passaram a ser diários, e Kacchan passou a se agradar ao dono.

 

De todas as pessoas que Katsuki conheceu naquele parque, nenhuma se comparava a aquele ser de cabelos esverdeados e extremamente atrapalhado. Bakugou nunca imaginaria que quase perderia sua expressão calma e seria ao ver aquele ser. Justamente naquele momento, vendo o rapaz desequilibrar-se por culpa de seu próprio cão, sentiu uma imensa vontade de rir do mesmo, porém controlou-se por pura educação.

Mas após analisar uma última vez o pequeno ser, sentiu uma estranha sensação de nostalgia. Afinal quem era aquele cara?

 

A simples e estranha coincidência passou a se tornar algo comum. O rapaz de madeixas esverdeadas, não só passou a frequentar o parque, como também descaradamente tentar aproximar-se do loiro. E Bakugou notava com facilidade a curiosidade que Kacchan sentia com aquele humano, algo deveras incomum dela, assim como a curiosidade de Katsuki tinha em relação ao cão de pelagem verde. Estranho era a única palavra que definia o animal.

Porém aquela sensação de nostalgia também incomodava ao rapaz de olhos escarlate. Mesmo que tentasse disfarçar, o mesmo ficava longos minutos encarando o garoto sardento, que ficava praticamente o tempo todo distraído, era realmente irônico o mesmo não perceber o olhar do loiro para si.

 

Katsuki, como em todas as manhãs, acordou com o som do despertador que se encontrava sobre o criado mudo ao lado de sua cama. Mais ao longe Kacchan encontrava-se deitada sobre sua caminha dormindo profundamente. Bakugou se levanta da confortável cama, logo seguindo na direção do banheiro que se encontrava próximo de seu quarto. Lá faz sua higiene pessoal, voltando ao quarto veste uma roupa casual, assim seguidamente indo em direção à pequena cozinha. Para sua felicidade, não precisava esforçar-se em nada, pois era um gratificante sábado, e para melhorar o humor do loiro o dia estava ensolarado.

Não demorou muito para que Kacchan surgisse na cozinha, seus pelos completamente desordenados, e uma preguiça notável. Era sempre assim, a pequena cachorrinha sempre acordava junto do loiro somente aos sábados, já que nesses dias em específico, os dois sempre faziam algo diferente.

Katsuki encheu a vasilha de Kacchan com a ração, logo tratou de preparar um café da manhã reforçado para si, um café e bolo. Assim que se alimentou “apropriadamente”, seguiu para seu quarto somente vestindo a um casaco querendo prevenir uma possível gripe, e aproveitando pegou seu óculos de leitura, pois tinha a mania de ler no local. Voltou à sala logo vendo Kacchan que já na frente da porta a espera de seu dono, de fato a mesma não gostava de ficar trancada. Seguiram para fora do apartamento, e no hall do hotel Katsuki aproveitou para pegar o jornal do dia para passar o tempo.

Não andaram muito e finalmente estavam no parque tão visitado. Bakugou andava tranquilamente com Kacchan ao seu lado, por motivos dela não gostar de ser limitada por ninguém, o loiro nunca ousou usar uma guia na pequena, sendo que em todas as vezes que saíram passear ela nunca tentou afastar-se de si. Após andarem poucos minutos, Bakugou finalmente encontrara um lugar calmo e praticamente vazio, não gostava muito de incômodos, optando por ficar na parte mais afastada do lugar.

Sentou-se num banco qualquer, e logo tratou de começar a ler seu jornal, Kacchan como sempre se sentou próximo se si somente para observar a paisagem.

 

Katsuki não sabia por quanto tempo estavam ali, porém uma coisa curiosa aconteceu, à sua frente estava um conhecido cãozinho de pelagem verde escuro. Olhando ao redor, Bakugou não avistou o dono atrapalhado, deixando o loiro um pouco confuso, rapidamente apanhou a guia do animal esverdeado, antecipando uma possível fuga do mesmo.

Não demorou muito para que certo alguém surgisse ao longe, o rapaz de cabelos esverdeados corria na direção do loiro atrapalhado, logo finalmente chegado próximo.

-Obrig- Não conseguiu terminar a frase, seus pulmões imploravam por descanso, Midoriya havia corrido tanto, que pensou ter perdidos todas as calorias acumuladas em anos. – Obrigado! – Repetiu agora mais estável, o sardento respirava profundamente apoiando suas mãos nos joelhos, seus cabelos estavam desordenados e roupas completamente bagunçadas. Katsuki não sabia se naquele momento ria ou oferecia ajuda, pois era óbvio que o rapaz a sua frente estava com sérios problemas. – Eu sinto muito por isso. – Finalmente se recompôs completamente, agora voltando a falar normalmente – Ele simplesmente correu do nada, eu estava distraído. Muito obrigado mesmo – E com um sorriso galanteador pegou a guia que estavam nas mãos do loiro, ocasionando um contanto inesperado. Midoriya sendo um garoto extremamente tímido corou no mesmo momento, logo se afastando do loiro que não havia reagido de nenhuma forma. – Até mais. E obrigado novamente.

Bakugou ficou parado completamente imerso em seus pensamentos. Aquele contado, aquele sorriso, Katsuki lembrava-se dele. Midoriya Izuku, como pode se esquecer de alguém como ele, um garoto tão atrapalhado e gentil?

 

O garoto estava com seus cinco anos feitos, a criança agitada como era, saia de casa a todo o momento para brincar com seu precioso amigo no parque perto de sua casa. Katsuki gostava de correr pela areia, e ir nos pequenos brinquedos do local. Porém certo alguém sempre chamou sua atenção, um garoto peculiar de cabelos verdes, sempre se questionava como era possível alguém ser tão diferente assim. Mas com o passar dos anos percebeu que nem sempre ser diferente era algo bom.

Notara que aquele mesmo garoto não tinha amigos, ou até mesmo alguém que conversasse consigo, um completo solitário. Com cautela, em certos momentos tentava se aproximar daquele garoto, porém sempre era avisado pelas outras crianças que aquele ser não era legal. Porém Katsuki ainda tinha uma grande curiosidade em relação a aquele menino. Principalmente pelo fato de toda vez que delicadamente tocava sem querer na pele pálida do mesmo, seu corpo reagia estranhamente. De fato poderia nunca entender.

 

Num dia como qualquer outro, observava aquele ser brincar sozinho num canto isolado com areia. O mesmo tentava produzir um tipo de castelo, mas claro que falhava todas às vezes. Porém impressionante finalmente havia conseguido fazer algo sustentável. Bakugou sorria internamente, sentia-se feliz ao ver o sorriso animado do menino de cabelos verdes, porém ligeiramente aquele sorriso gratificante se desfez para a infelicidade do loiro. Aqueles mesmos garotos que infortunavam ao esverdeado havia friamente destruído ao pequeno monte de areia.

Bakugou naquele momento esperava lágrimas vindas do pequeno garoto, porém o mesmo somente respirou profundamente e voltando a reconstruir o castelo. Katsuki não sabia como reagir a aquela cena, sentia um misto de felicidade ao ver aquele garoto não se importar com o que havia ocorrido, porém também se sentia triste por saber que aquele menino também estava infeliz.

Bakugou teria de admitir que após aquela cena, passou a observar mais ao esverdeado, e não demorado muito para finalmente descobrir seu nome, Midoriya Izuku, este sendo alguém que realmente havia conquistado do o coração daquela criança loira. Mas Katsuki sendo uma criança, perder amigos não era algo que desejava, e aproximar-se de um garoto conhecido com esquisito, não iria fazer bem para sua reputação, e assim deixou-se levar passando a insultar, junto a outros meninos, o pequeno e indefeso Izuku.

Com o passar dos anos, Bakugou acabou mudando-se para outro bairro, e assim esquecendo-se do pequeno Izuku, que mesmo conquistando ao coração de Katsuki, acabou sendo esquecido nas memórias conturbadas do jovem rapaz.

 

Bakugou jamais imaginária que poderia reencontrar-se com aquele pequeno ser. Porém o destino estava mexendo consigo, pois ali, bem na sua frente, estava o mesmo menino no qual maltratara tanto em seu passado. De fato o loiro nunca imaginara tal coisa.

Katsuki até aquele momento está em pé, imerso em seu passado, que mal percebeu que Kacchan latia para si, na tentativa de chamar sua atenção.

-Ah sinto muito Kacchan. – Abaixou-se altura da cachorrinha, logo levando a mão sobre a cabeça da mesma depositando um leve carinho ali. Olhando mais a frente avistou o garoto de madeixas esverdeadas sentando num banco próximo, o mesmo brincava com seu cãozinho que estava sobre seu colo, logo desviou o olhar na direção do loiro, e percebendo que o mesmo lhe encarava rapidamente voltou sua atenção para o cão. E novamente o pensamento de como nunca tinha percebido antes, lhe voltava à mente, estava tão óbvio, era impossível haver mais alguém com aquela cabeleira tão chamativa.

Tirando daqueles pensamentos de sua mente, Bakugou finalmente resolveu caminhar pelo parque, e finalmente encontrou o que queria, um carrinho de sorvete, exatamente o que precisava para distrair sua mente. Escolheu o de sempre, o seu preferido, de limão, e no momento que começara a comer o gelado percebeu parecer com certo alguém, de fato aquilo não havia lhe ajudado em nada.

Voltou a caminhar pelos caminhos do parque, saboreando de seu sorvete. Logo avistou novamente ao esverdeado, e notou que assim como si, também saboreava um sorvete, que ao olhar a colocação do mesmo, curiosamente possuía a mesma cor que seu cabelo, ou poderia usar a desculpa de parecer com Kacchan, porém a mesma era uma cópia sua na versão cachorro.

Estava pronto para dar meia volta e seguir um caminho diferente, porém forças misteriosas dominaram sua mente fazendo com que seus pés se movessem sozinhos, e logo se viu de frente com Midoriya. Sua mente estava nublada, e tudo somente piorou ao ter aqueles olhos esmeraldas lhe encarando.

-Você quer sair comigo? – Simplesmente falou. Bakugou não tinha pensado em nada, seu corpo agira por puro e extinto, e agora se via numa situação constrangedora. Sua mente voltou ao normal, e logo percebeu um rubor no rosto do esverdeado.

-Tudo bem. – Agora sim sua mente estava uma completa bagunça.

 

 

 

 

 


Notas Finais


O que acharam? Gostaram? Eu admito amar os comentários, me deixa muito feliz kkk.
Eai, como esperam que será o encontro dos pombinhos? Até o próximo capitulo.

Um beijo na teta esquerda pra quem quiser e tchau ~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...