1. Spirit Fanfics >
  2. Inacessível >
  3. Segredos

História Inacessível - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Oii, sei que demorei, mas aqui estou para saciar sua vontade nessa quarentena

Capítulo 8 - Segredos


RYAN

 

— Você tem algum problema na perna? Por que chuta desse jeito? —Avery me perguntou e eu acredito que ele não teve a intenção de me magoar.

— Nossa, escroto.

— Não quis ser escroto! Eu juro!

— Eu só não tenho coordenação, meu rei.

— Tudo bem, isso é fácil de resolver. 

— Eu perdi o jeito, faz tempo que eu não jogo.

— Então só precisa se aquecer de novo, eu te ajudo.

— Valeu, você ainda é tão legal comigo mesmo depois do meu show lá…

— Ah, aquilo não foi nada. Foi só um mal entendido.

— É… ainda bem que você não me odeia nem nada.

— Por que eu iria? Relaxa. —Ele riu. — E ah, como vai com a Violet?

— Ah… não tenho feito nada, pra ser honesto com você. Eu acho que não vai rolar, sabe? Ela é bonita demais pra mim. —Ri passando a mão no meu cabelo.

— Você também é bem bonito…

— Você acha? Obrigado. Você também é.

— Eu tenho cara de criança.

— Ah, só um pouco. É fofinho. 

— É? —Ele sorriu um pouco e eu vi suas bochechas ficarem um pouco vermelhas, assumi que fosse o calor.

— É, mas e aí? Vamos jogar?

— Vamos, esse é o meu gol e aquele é o seu.

— Fechado.

 

Jogamos boa parte da tarde, eu estava cansado como um condenado mas Avery não parecia muito afetado. Ah, a saúde de um atleta… coisa que eu nunca terei. 

 

Eu me diverti bastante, ele me fazia rir e eu lembrei o quanto era legal jogar futebol com um amigo.

 

Quando o sol estava pra se pôr, estávamos sentados na arquibancada tomando nossas garrafas d’água.

 

— Tá com fome? —Ele me perguntou.

— Sempre.

— Vamos sair pra comer algo, o que me diz? Eu pago.

— Hm, vai pagar, é? Então eu vou.

— Beleza. —Ele sorriu de novo, seu sorriso era bem bonito. — Vamos no Eddy?

— Boa, gosto da pizza de lá.

— Então vamos comer pizza.

— Você é o melhor, James nunca paga nada pra mim.

— Agradeço o elogio. 

 

Fomos andando até o Eddy, lanchonete que ficava dentro do campus. Naquela hora não havia muita gente então foi fácil de pegar o melhor lugar: o no cantinho, do lado da janela.

 

— Você prefere de quê? —Avery perguntou olhando o cardápio.

— Hm… marguerita.

— Ótima escolha. Eu vou pedir, quer mais alguma coisa?

— O que é você? Meu sugar daddy ou o quê?

— Não. —Ele riu. — Eu faço isso por todos os meus amigos.

— Então ok, coca.

— Certo.

 

Avery foi pedir e eu fiquei vendo meu celular enquanto isso, vi que James postou uma foto com cara de idiota nos stories, respondi com um emoji de cocô.

 

— Oi, voltei. —Avery sentou na minha frente guardando a carteira.

— Oi. —Parei de olhar pro meu telefone e percebi uma menina olhando em minha direção. — Opa, parece que tem uma lindinha me olhando.

— Sério? 

— Sim, hehe. Como eu tô?

— Bonito.

— Ela tá vindo, finge que eu não disse nada.

 

A menina se aproximou da nossa mesa sorrindo e parecendo meio encabulada. Ela era loira e era bem bonitinha, estava pronto para colocar meu charme em jogo.

 

— Oi. —Eu sorri pra ela. — Meu nome é Ryan.

— Oi… —Ela disse sorrindo pra mim e depois olhou pro Avery. — Avery… é você, não é?

— Ah… sou eu sim. —Ele respondeu.

— Eu não queria te incomodar, mas eu te vi aqui e não pude não tentar falar com você. Eu já vi você jogando várias vezes e você é o meu jogador preferido… eu não perco um jogo seu, você é incrível.

— Obrigado. —Ele sorriu. — De verdade.

— Eu… posso ter seu número?

— Ah… então… eu meio que não… dou meu número pra estranhos. Desculpa.

— Não, tudo bem. Eu fui meio intrometida, me desculpa. Eu vou… indo… tchau. —E a menina saiu correndo sem ter onde enfiar a cara.

 

Avery ficou olhando pra as próprias mãos e eu fiquei tentando entender o que havia acabado de acontecer. Parecia que eu estava saindo com o próprio Harry Styles.

 

— Você é famoso assim?

— Só pra quem gosta de futebol.

— Aquela menina era bem bonitinha, por que não deu seu número pra ela?

— Ela… uh… não é meu tipo.

— E qual é seu tipo?

 

Avery parou um pouco e ficou olhando pra mim um tempinho até sorrir e responder minha pergunta.

 

— Gosto de pessoas engraçadas.

— Só isso?

— É… eu sou uma pessoa fácil de agradar. Qual o seu?

— Ah… eu gosto de loiras, e daquelas bem magrelonas, sabe? Sem peito, sem bunda, sem perna, sem nada. Não sei porquê, mas eu me atraio muito.

— Ah… entendo. —Ele riu meio sem graça e passou a mão nos cabelos. — Você é bem específico.

— Sou um homem que sabe o que quer.

— E o que você quer?

— Não vou mentir, queria alguém pra dar uns beijinhos. Não sei se quero namorar, mas adoraria ter alguém pra saciar minha carência.

— Entendi, e você queria a Violet pra isso?

— Sei lá, tá na cara que ela não me quer então não sei se vou tentar.

— É…

— Aliás, vocês me parecem bem próximos, onde se conheceram?

— Na escola, fizemos o ensino médio juntos.

— Ah, que louco. Já foi afim dela?

— Não, eu hein.

— Ela é engraçadinha, parece seu tipo.

— Tem algo nela que me impede.

— O quê?

— Nada não, olha, nossa pizza tá vindo!

— Ai, finalmente!

 

Nós dois comemos e conversamos mais, Avery parecia rir de tudo que eu falava. No fim da pizza eu tirei uma foto dele e postei nos stories do instagram.

 

— Foto minha? —Ele perguntou sorrindo.

— É pra ver se assim alguma menina fala comigo.

— Você é muito obcecado por meninas.

— Sou? Eu só tô carente.

— Poderia pensar em experimentar algo diferente, quem sabe você gosta.

— Diferente tipo… mulheres mais velhas?

— ...claro.

— Talvez… mas não sei não, mulheres mais velhas nem olham pra mim.

— Não sei por quê. Eu olharia.

— Aw, que fofo. —Eu ri e baguncei o cabelo dele. — Vamos pra casa, sim?

— Você mora na república, não é? Eu te levo lá.

— Não precisa.

— É meio perigoso essa hora, é melhor eu ir com você.

— Eu sei me cuidar, Thomas Avery.

— Eu sei que sabe, é só… precaução. E talvez eu queira passar mais tempo do seu lado.

 

Eu ri e levantei da mesa. 

 

— Claro, você deve estar apaixonado por mim que nem o fresco do James. Vamos lá, me acompanhe. —Saí andando da lanchonete com Avery atrás de mim.

— Você escreveu novos capítulos?

— Escrevi.

— E…?

— Segredo, Avery.

— Por quê?!

— É mentira, vou contar tudo. Escuta só…

 

Depois que eu contei tudo que acontecia nos últimos capítulos que eu escrevi, chegamos na frente da república. Estava meio frio.

 

— Pronto, entregue. —Avery sorriu pra mim.

— Valeu por isso e pela pizza. Hoje foi legal.

— Eu também gostei, quer repetir?

— Quero.

— Ok, então é um encontro.

— Ok. —Eu ri e passei a mão na minha barba levemente. — Tchau, Avery.

— Tchau, Ryan.

 

JAMES

 

Beijos.

 

Beijos e mais beijos. Era o que acontecia embaixo da mesa de Burke quando não havia aula de Projeto. Eu e Kevin estávamos nos beijando há uns bons 10 minutos e nossas mãos estavam passeando livremente por nossos corpos.

 

— Pausa… respirar… —Eu disse tomando fôlego.

 

Ele encostou as costas na madeira da mesa olhando pra mim, ele ofegava e estava com dois botões de sua blusa desabotoados. 

 

— Você é muito… gostoso. —Eu disse dando um selinho nele.

 

O selinho foi escalando para algo maior e quando percebi, só queria sentar no colo dele. Queria tocá-lo, queria qualquer coisa que pudesse saciar minha vontade dele.

 

Minha mão que estava nos seus braços desceu até seu abdômen e alisou ali devagar, descendo mais até chegar onde eu queria.

 

Mas ele me impediu.

 

— Não, é muito cedo. —Ele disse.

— Mas…

— Não, James.

— Não quer fazer comigo?

— Não é isso, ok? Só é muito cedo.

— Ok, foi mal.

— Acho que deveríamos parar por hoje, isso é arriscado.

— Qual é… ninguém vem aqui, não vamos parar não… eu sinto sua falta, você só estuda. Nem nos vimos no fim de semana.

— Eu sei, também sinto sua falta mas não podemos nos arriscar. Eu não posso me arriscar.

— Uau, tudo bem, senhor Hétero. 

 

Saí debaixo da mesa um pouco irritado, confesso. Eu sentia que ele me achava um motivo de vergonha.

 

— Ei, não é assim. —Ele saiu da mesa também. — Você sabe que se isso vazasse não seria bom pra nenhum de nós.

— Eu não dou a mínima.

— Seus amigos iriam saber que você é bi.

— Eu não me importo.

— Então por que não contou ao Smith ainda?

— ...vai pra merda, tá?

— James, raciocina. Gosto de você, mas não podemos ser vistos assim.

— Isso me irrita. Quero não me sentir um segredo.

— Um segredo não precisa ser algo ruim, ok?

— Não fode. Eu vou embora, falo com você depois.

— Potter.

— Tchau.

 

Saí da sala de Projeto com raiva, por mais que eu soubesse que ele estava certo. Mas não era justo, era? Eu só queria poder sair por aí com ele, beijá-lo no campus e falar sobre nosso relacionamento com quem eu quisesse. Mas não podíamos e era melhor assim, infelizmente.

 

Na próxima aula que tive de Projeto, eu tentei não olhar muito pro Kevin. Não havíamos nos falado desde aquele dia e estava um clima estranho entre nós. Eu sentia seu olhar em mim às vezes, o que me deixava meio encabulado, mas eu deixava passar.

 

Assim que a aula acabou, notei que ele estava vindo até mim e me desesperei, não sabia se estava pronto para conversar com ele, provavelmente só iríamos brigar novamente.

 

Olhei para o lado e vi Violet arrumando suas coisas, fui até ela rápido.

 

— Violet, quer almoçar comigo? —Eu perguntei meio rápido e ela olhou pra mim.

— Oi, pode ser. Eddy?

— Sim.

— Vamos, só nós dois?

— Ryan vai estudar na biblioteca.

— Avery também, então vamos só nós.

 

Sorri pra ela e vi de canto de olho Kevin dando meia volta e se afastando de mim, consegui evitá-lo por enquanto.

 

No Eddy, eu e Violet esperávamos nossos almoços enquanto conversávamos, mas a conversa tomou um rumo que eu não esperava.

 

— Eu acho que já tenho um final pronto para o meu livro, disse ao Yaxley e ele gostou da minha ideia. 

— Sério? Sortuda, não tenho nada pro meu final.

— James.

— Oi? —Olhei pra ela.

— Posso te perguntar algo? Tenho medo de soar intrometida.

— Uh… pode.

— Você já notou como o Yaxley olha pra você?

— ...quê?

— Nas aulas, ele sempre olha pra você. Parece que está interessado ou sei lá.

— Interessado em mim?! Não, nada a ver. —Senti o pânico bater.

— Ah… eu acho. Ele sempre te dá mais atenção e até disse pro Burke que iria tomar conta do seu livro, né? Você é o único com dedicação exclusiva.

— Ele só… gostou da ideia do meu livro.

— Deve ser uma ideia e tanto…

— É.

— Ele é bonito, não acha?

— Uh… acho? Sei lá, ele é normal.

— Você também olha pra ele às vezes, parece até que vocês conversam pelo olhar.

 

Ok, eu estava desesperado.

 

— James? —Ela perguntou quando fiquei calado. — Fui intrometida demais?

— Uh… eu não sei… 

— Você tá estranho.

— Por favor, não fala pra ninguém. Merda. —Tapei meu rosto.

— Não falar o quê?

— Eu… meio que… gosto dele. —Eu não acreditei no que estava saindo da minha boca.

— Ah… que legal, eu acho que ele meio que gosta de você também. Tenta. —Ela sorriu pra mim.

— Você acha mesmo?

— Acho sim. 

— Então talvez eu… sei lá… fale com ele.

— É, faz isso. E me conta tudo depois, tá? Eu que incentivei.

— Vou contar. —Eu sei uma risadinha. — E você? Me conta algo de você já que sabe meu segredo. 

— Sobre mim? Não tem nada. 

— Então sobre o Avery, ele é gay, não é?

— …tá interessado nele também?

— Não, mas parece que ele tá interessado no Ryan.

— É, Potter. Você adivinhou.

— Sabia, meu gaydar fez pipipipi pra ele.

— E o meu fez pipipi pra você.

— E o meu faz pipipi pra você também.

— Pra mim?

— Sim.

— Eu não sou lésbica.

— Não? Bi?

— Não sei, meio que nunca fiquei com ninguém.

— Quê? É sério? Mas você é linda!

— Se você prometer não contar pra ninguém eu conto meu segredo.

— Prometo por tudo que é mais sagrado.

— Eu… meio que… acho que… não gosto de ninguém? Não sei… é assustador falar isso. —Ela mexia nas mãos sem olhar pra mim. 

— De ninguém?

— É… nunca quis nada com ninguém.

— Ah, vai ver a pessoa certa não apareceu ainda, é normal.

— Sei lá… —Ela botou o cabelo por trás da orelha. — Não olha agora, seu amor tá aqui.

— Quê?! —Olhei pra trás e vi Kevin no caixa pagando. — Meu deus. —Desviei meu olhar pra Violet. 

— Você é tão fofinho nervoso. —Ela riu de mim.

— Eu-

 

Senti uma mão no meu ombro e gelei.

 

— Vocês parecem irmãos. —Ouvi a voz de Kevin. — Fofos. Posso sentar aqui com vocês?

— Oi, pode sim! —Violet sorriu. — Senta aí.

 

Ele sentou do meu lado e eu não conseguia falar nada. Meu celular vibrou e eu peguei para ler a notificação.

 

Kevin: surpreso? você é tão fofinho nervoso.  


Notas Finais


achei uma bosta mas espero q gostem 😭


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...