1. Spirit Fanfics >
  2. Inalcançável ( BakuDeku - KatsuDeku ) >
  3. Debaixo da ponte

História Inalcançável ( BakuDeku - KatsuDeku ) - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


Opaaaaa sz
Tudo bom meus bebês?
Espero que estejam ótimos nhaaa sz
" Suzana, porque você não está atualizando as fics? "
P
R
E
G
U
I
Ç
A
!
Estou com preguiça de fazer notas também
É isso!
Espero que gostem
Desculpem erros
Tenham uma boa leitura

Capítulo 13 - Debaixo da ponte


             ~ 2 dias depois ~

Retirou a parte de cima do terno sentindo a maravilhosa brisa que está passando chegar em seu corpo com tudo, ama a chuva, ama ela com toda a sua força, mas puta que pariu, porque ela teve que lhe pegar no meio do caminho pra casa? Porque está se amparando debaixo de uma ponte pra começo de conversa? Largou um suspiro alto e cansado, é o maior filho da puta da história, deveria ter deixado o carro mais perto, deveria ter pego um guarda-chuva ao menos, afinal hoje tinha previsão de chuva e sabia perfeitamente disso, qual o seu nível de idiotice? 1000%? Largou mais um suspiro logo se sentado na grama fresca, fazia tempo que não sentava em tal local, cerca de 6 anos pra ser franco, da última vez que o fez estava com um certo arbusto conversando sobre besteiras, colou a nuca na parede fechando os olhos devagar, o clima frio realmente lhe agrada, lhe agrada pra caralho, o clima frio lhe deixa menos estressado que o normal por assim dizer, no clima frio não soa com tanta facilidade, no clima frio consegue dormir mais à vontade, o clima frio merece ser enaltecido todos os dias e se depender de si isso irá acontecer, relaxou todos os membros de seu corpo de forma lenta e bastante calma, está cansado, o dia está acabando e ainda bem, pois não está aguentando mais ele, fora estressante demais, cansativo demais, tudo que quer é chegar em casa e deitar, apenas isso e nada mais, mas sabe que sua casa está uma bagunça, soltou todo o ar de dentro de si com certo pesar, qual o sentido da merda da sua vida? O menor lhe deu um número à dois dias atrás e mesmo assim não o ligou ainda, o motivo? Está morrendo de medo, sim, está com medo, pois não sabe o que ele irá dizer, se ele quer saber de algo, se ele quer esclarecer algo, pela primeira vez na vida está com medo, sim, está morrendo de medo de se machucar outra vez, afinal essa dor não é nenhum pouco legal.

- Kacchan!?... - abriu os olhos rapidamente logo olhando em direção a voz do mesmo modo, um sorriso acanhado se fez presente nos lábios rosados do menor lhe deixando um tanto quanto sem jeito, sim, sempre treme na base com esse sorriso do caralho, mas está tudo bem, irá tomar vergonha na cara e esconder todas as suas fraquezas - também está se amparando da chuva, loiro? - apenas se deu o trabalho de assentir vagamente para o mesmo, observou ele retirar a parte de cima do terno preto, um sorriso um pouco mais largo surgiu nos lábios dele causando uma coloração conhecida em seu rosto sardento, sim, ele está corado outra vez, isso é algo normal, afinal ele sempre fora de corar com facilidade, pelo menos isso não mudou com o tempo - p-posso ficar aqui com você até a chuva passar? - ergueu uma sobrancelha confuso e curioso ao mesmo tempo, qual o sentido de tal pergunta completamente absurda? Retirou os olhos do mesmo assim que ele passou a vir em sua direção com o seu andar cambaleante de sempre, porque caralhos ele sempre tem que ficar bem perto de si? Onde está o respeito ao espaço do outro? Na casa do caralho? Que merda! 

- o lugar é público! - alguns pêlos de seu corpo erriçarem ao sentir a presença dele ao seu lado, porque em um espaço tão grande ele tem que vir sentar justo ao seu lado? Puta que pariu! Ele não sabe sobre o respeito do espaço alheio? Onde está a merda da educação dele? Ouviu um suspiro alto por parte do mesmo, mas está tudo bem, não há porquê ficar prestando atenção nas reações dele, não há mesmo! ENTÃO PORQUE ESTÁ FAZENDO EXATAMENTE O CONTRÁRIO NESSA MERDA? 

- você está!?... - imediatamente ele calou-se assim que um relâmpago surgiu clareando tudo, ok, ele ainda tem medo da tempestade, que grande e completo idiota! Até parece uma criança de 4 anos, mesmo tendo 25 agora, que homem patético! Porque ele não cresce de uma vez por todas? - bem!?... - assentiu prontamente logo fechando os olhos outra vez, essa situação está lhe deixando meio estranho, meio? Completamente estranho! Essa situação está lhe deixando sem jeito outra vez, que inferno! - p-posso segurar sua mão por alguns segundos, por favor? É que eu tenho medo!?...

- da tempestade! Sim, eu já sei dessa merda toda, cresça! - reuniu coragem e fixou os olhos no mesmo, ele está com uma carinha triste e isso sempre lhe fode, como caralhos ele tira tudo de si com apenas uma carinha? Isso é tão injusto! Soltou o ar pesadamente demonstrando a sua frustação consigo mesmo e com a situação que está agora, tivera se metido na merda denovo, revirou os olhos com certa irritação e automaticamente pegou a mão direita do mesmo, filho da puta! 

- o-obrigado... - desviou o olhar outra vez, não quer manter contato visual, não quer, não precisa e não pode o fazer, pois se o fizer irá ser um golpe sem tamanho para o seu coração, o mesmo falhou uma batida assim que o menor apertou sua mão, porque ele está fazendo isso? Porque isso é tão bom? - fazia tempo que não a sentia colada a minha, ela continua quentinha! - estreitou os olhos ao ter a mesma erguida e um beijo demorado ser depositado nela, ok, agora está puto consigo mesmo, está puto com o fato de dá tanta brecha pra ele, porra, ele não merece essas falhas suas, ele não merece essas aberturas todas - o seu toque também continua o mesmo, sabia? Ele sempre fora tão gostoso! - um beijo demorado fora depositado em seu braço perto de seu ombro, porque caralhos ele está lhe beijando sem aviso? Ele quer levar um soco bem no meio da cara? É isso? Se for irá ganhar um daqui a pouco se continuar assim, melhor dois, três talvez - fala comigo Kacchan... você sabe que pode falar do quiser comigo, não precisa ficar o tempo todo calado, sabia!?... é tão difícil essa sua distância e!?...

- quer que eu fale o quê, Midoriya? Que eu estou amando compartilhar desse momento com você? Porque se for isso, não está rolando nenhum pouco, nunca é bom está perto de você pra falar a verdade, nunca mesmo! - prontamente a boca dele veio colar em seu braço, sério!? Porque diabos ele não desiste dessa merda? Ah, claro, por que ambos tem o mesmo gênio nisso, ambos não desistem nunca, nunca mesmo, que dois fodidos idiotas são, isso é uma grande perca de tempo para os dois, tal pensamento é totalmente utrapassado, todos tem que saber o momento de desistir de algo e esse é o momento do menor.

- eu posso te fazer gostar ao menos dessa vez!?... apenas um pouco!?... - voltou a fitar o mesmo com uma sobrancelha erguida, um enorme sorriso surgiu nos lábios rosados do menor fazendo o seu coração disparar de imediato, nunca irá saber lidar com esse maldito sorriso, nunca irá ficar 100% seguro com ele, estreitou os olhos como se estivesse fazendo um enorme esforço para o enxergar e talvez esteja mesmo, mas apenas assentiu com certa desconfiança o fazendo sorrir mais largo.

- o que caralhos está fazendo dessa vez!?...

- shhh!? Você deixou, agora lide com as consequências dos seus próprios atos, se algo que não queira acontecer, a culpa irá ser toda sua, Kacchan! - amaldiçoou o mundo mentalmente assim que os joelhos do mesmo ficaram a cada lado de suas coxas, qual a probabilidade disso acabar em merda? 100%? Não, com certeza é bem mais! Pediu a Deus mentalmente para que ele lhe dê juízo assim que o menor sentou em seu colo, ele realmente tem que lhe dá muito juízo, por que se der força as coisas não irão acabar nada bem, nada mesmo! Irá acabar o fodendo sem dó.

- eu não disse que você podia sentar na porra do meu colo, seu nerd do caralho - seu coração disparou ao sentir novamente a maciez da boca que já fora toda sua formando um selinho demorado e muito gostoso, as orbes dançaram de um lado para o outro lentamente e tudo que quer é socar ele, bem, na realidade não quer o socar de verdade, mas porra, olha só o que caralhos ele está fazendo consigo, que maldição é essa? Porque não pode simplesmente dizer que não pra ele? Porque não consegue o manter longe? Que merda! 

- deixe-me apenas te fazer gostar desse momento... nem que seja um pouco, ok? Fique quieto por favor! - fitou o fundo das esmeraldas a sua frente e Deus, olha só a profundidade dos olhos desse maldito arbusto, suas mãos foram colocadas nas coxas do mesmo e ok, ele continua tendo uma maciez maldita em tal local, não que irá admitir isso, as orbes voltaram a dançar e rapidamente ele colou a boca na sua mais uma vez, ok, sabe perfeitamente que não deveria está o beijando antes de uma conversa, mas porra, a sua carne é fraca pra caralho.

Seu lábio inferior fora sugado levemente lhe deixando um pouco aéreo, mãos frias e pequenas subiram por seu pescoço devagar indo direto para a sua nuca, isso já está passando do limite, certo? Certo! Então porque não quer parar mesmo sabendo disso? Sentiu ele entreabrir os lábios devagar e mesmo querendo não tomou os lábios dele, um riso fraco se fez presente por parte do mesmo, um riso completamente forçado, pois dá pra notar isso a quilômetros de distância, observou ele passar a mão nos olhos e logo após colar as palmas delas em suas bochechas causando um estalo, o que está acontecendo aqui? Seu lábio inferior fora sugado novamente e meio sem jeito seus lábios foram tomados com calma, dedos finos e pequenos adentraram nos fios dourados de sua nuca e fora aí, fora nesse exato momento que não pôde aguentar mais, tomou os lábios do mesmo com todo o fogo que sempre teve, com todo fogo que sempre o beijava antigamente e tudo veio a tona, um sorriso maravilhoso surgiu entre o beijo lhe deixando sem chão na mesma hora, adentrou a língua na boca alheia sem aviso algum, todavia sem impedimento também, por alguma razão desconhecida ele não está lhe impedindo de nada igual antes, os braços do mesmo rodearam em seu pescoço causando mais fogo no beijo, não sabia que estava com tanta vontade de o beijar até agora, mas porra, a boca dele continua igual, o corpo, até os lugares onde está o tocando, isso só pode ser uma brincadeira de muito mau da sua mente, as mãos do mesmo deslizaram por seu tórax de forma lenta e bastante gostosa, ok, confessa que estava morrendo de saudade do toque desse filho da puta, estava morrendo de saudade dessa boca gostosa que apenas ele têm, mas tem que parar agora mesmo, ele não fora sincero consigo, ele lhe traiu e traiu a sua confiança, isso não tem perdão, pode até o beijar uma ou duas vezes, mas apenas isso e nada mais, certo? Certo! As bocas se separaram bem devagar e um beijo demorado fora depositado em seu queixo, chega! 

- estava morrendo de saudade da sua boca, Kacchan... - imediatamente a boca dele deslizou por seu pescoço bem devagar, o que caralhos ele está fazendo? Porra, isso está lhe arrepiando demais, estava com saudades desse fodendo ato, com saudades dessa boca deslizando por seu corpo, chega! - com tanta saudade de você... - mordeu o lábio inferior com força buscando razão para afastar ele de si, mas porra não dá, não dá mesmo, ele está lhe deixando sem chão, está jogando muito sujo dessa vez, que inferno! - do seu corpo... de você inteiro pra ser exato... - seu rosto fora pego por duas mãos carinhosamente e tudo que quis fora morrer ao ter o seu lábio inferior sugado, porque esse filho da puta ainda mexe tanto consigo? Porque tem que ser tão mole com ele? Que desgraça! - eu te amo tanto - sem que percebesse ou pudesse impedir seu corpo fora descendo pelo ar, pelo vazio, pelo vácuo, mas porque isso não está lhe incomodando nenhum pouco? Suas costas colaram na grama bem devagar, o que está acontecendo de uma hora para outra? Puta merda! - amo mais que tudo nesse mundo... - observou ele desabotoar os botões da camisa branca social, as orbes dançaram de um lado para o outro lentamente e porra, olha só como caralhos ele lhe fita, como diabos irá poder o esquecer se ele sempre lhe olha dessa maneira? Tudo está uma droga! O corpo do mesmo fora colando ao seu devagar e uma puta nostalgia se apossou de si, todavia há consequências também e fora aí, fora aí que lembrou de onde está e o que está fazendo.

- para!?... - imediatamente ele ficou imóvel, seus olhos arregalaram drasticamente e automaticamente eles marrejaram, soltou o ar pesadamente demonstrando a sua frustação consigo mesmo por ter chego nessa situação, puta que pariu! Será que não irá aprender nunca? Será que terá que quebrar a merda do seu coração mais vezes? - o que caralhos você está fazendo, Izuku? - ergueu uma sobrancelha confuso e curioso ao mesmo tempo ao ver ele fazer uma expressão triste, o que está acontecendo bem diante de seus olhos? Porque tivera permitido que a situação saísse do seu controle de um modo tão insano quanto esse? Isso não poderia ter acontecido! Agora só pode socar a sua própria cara e mandar os seus pensamentos pra puta que pariu, bem, isso é algo fácil? Claro que não! 

- antigamente você não se importava onde ficavamos...

- antigamente eu era um adolescente louco e!?... - fitou o fundo das esmeraldas a sua frente e sinceramente, porque sempre acaba falando demais? Porque sempre acaba tendo que colocar os pingos nos is que sabe que não deve colocar? Que grande idiota! - eu era um adolescente, eu não tinha preocupação com a porra da minha vida, mas agora tudo está diferente, sem contar que não temos mais nada um com o outro - um suspiro alto e cansado fora ouvido por parte do mesmo e sinceramente, isso ainda lhe deixa sem chão, mas está tudo bem, certo? Certo! Precisa aprender a ficar calmo na presença dele, todavia isso é algo difícil pra caralho, mãos pequenas e macias deslizaram por seu tórax de forma lenta e bastante gostosa, mas não deveria gostar do toque dele, não mesmo, deveria o odiar mais que tudo.

- não temos nada por sua causa, pois se dependesse de mim ainda teríamos...

- por minha causa? Se você não sabe ou lembra, você fodeu com outro seu desgraçado - automaticamente ele fez uma carinha de choro, uma fodida carinha de choro que jamais tivera sido feita antes, porque ele está agindo assim? Porque está se sentindo culpado? Largou um suspiro alto tentando raciocinar direito, não pode fraquejar agora, não a essa altura do campeonato, não quer que ele note que, ainda é completamente fraco quando o assunto é ele, não quer, não pode e nem irá o fazer.

- escute!?... você me conhece demais, você sabe quando eu minto, sabe tudo de mim e nem pense em nevar isso, você é tudo que eu sempre quis, lembra das vezes que eu tentei te fazer ficar comigo? Você lembra disso? - assentiu prontamente assim que centenas de milhares de lembranças vieram a sua mente, o que ele pretende fazer com tal pergunta? Não está entendendo mais nada, mas sabe perfeitamente que tem que sair de perto dele - acha mesmo que eu procuraria na rua o que eu já tinha em casa, você acha mesmo? Olha pra mim e responde com sinceridade! - voltou a fitar o fundo das esmeraldas a sua frente, porra, o que caralhos pode responder a tal pergunta? O que caralhos pode fazer em uma situação complicada dessa? Engoliu em seco tentando limpar sua garganta para falar algo, mas sinceramente, não fora, não é e nunca será uma pessoa boa com palavras e ele sabe perfeitamente disso, todos que lhe conhecem sabem, um clarão se fez presente, mas dessa vez ele não se encolheu, ele manteu o olhar fixo.

- vou te levar pra casa, levanta! - sentou-se ainda com ele em seu colo para logo após o tirar de cima de si com certa brutalidade, pegou a parte de cima do seu terno logo levantando, precisa sair de perto dele o mais rápido possível, ou seja, agora mesmo, observou ele fazer o mesmo e Deus, ele está com a camisa aberta, está revelando toda a palidez de sua pele e desgraça, ele sabe perfeitamente da sua queda por essa tonalidade de pele, puta que pariu!

- não quero ir pra minha casa, eu quero ir pra sua! - fitou o mesmo com uma sobrancelha erguida, que merda está acontecendo aqui? Porque ele quer ir pra sua casa? Qual a probabilidade de acabar em merda se ele for pra lá? 100%? Não, com certeza é bem mais! Não pode simplesmente o levar pra tal local sem mais, nem menos- quero ver onde mora, se está tudo arrumado, como é lá, pode ser? - lentamente ele colou o corpo ao seu, viu ele ficar nas pontas dos pés e automaticamente os lábios do mesmo colaram aos seus, a boca dele deslizou por seu pescoço devagar indo direto para a sua clavícula de forma maliciosa, se alguém surgir do além e ver essa cena, se alguém surgir do além e ver esta merda, tem que parar com isso agora, mas sobre o que ele lhe perguntou? O que deve fazer sobre isso? 

" não aceite Katsuki, você sabe que irá dá merda, não aceite!...

Não aceite...

Não acei... "

- pode ser!


Notas Finais


Obrigada por lerem sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...