1. Spirit Fanfics >
  2. Incapacidade >
  3. Amar é deixar ir.

História Incapacidade - Capítulo 1


Escrita por: AyraVins

Notas do Autor


Vamo que vamo!
Música: https://youtu.be/6iXjo4eS6Lw

Capítulo 1 - Amar é deixar ir.


– O que você acha, hein, Law?

Sanji há alguns dias falava sobre Roronoa Zoro, um rapaz moreno de cabelo esverdeado. O loiro aparentava realmente gostar do outro rapaz, para a infelicidade de Law. Ter interesse em alguém apaixonado era difícil, exclusivamente quando a paixão não é direcionado a si. Trafalgar também estava apaixonado, mas era pelo rapaz de mechas loiras.

– Você deveria tentar, já que gosta dele. Você não é do tipo inseguro, então tente.

Era irônico o tatuado falar sobre personalidade, ele também não era inseguro, mas lá estava ele receoso sobre falar de seus sentimentos. Trafalgar não era bom com atuação, mas com o mais baixo ele se tornava o melhor, já que o mesmo tentava ao máximo fingir indiferença. Law queria poder dizer que ama Sanji, dizer que quer o outro para si, ele conseguiria, caso não houve Zoro.

O Vinsmoke estava lindo naquele dia, deixando o futuro cirurgião abobado com sua beleza, o loiro era esplêndido de lindo. O tatuado se perguntava se o esverdeado via o de mechas loiras da mesma maneira, tão apaixonado quanto a si mesmo. Sanji também olhava bobo para Law, achando o amigo extremamente confiável, já que contava com o outro para tudo.

Mas, e se o loiro também gostasse do mais alto da mesma maneira e querer algo com o esverdeado fosse somente uma maneira de camuflar seus sentimentos por Trafalgar? Era assim, ou sua mente ao menos tentava pensar dessa maneira. Ele gostava do tatuado, sua paixão por Zoro era mínima quando comparada.

O tatuado parecia distante quando estava com o cozinheiro, mas era somente a reação de seu próprio corpo tentando ao máximo quebrar o contato visual que mantinha com o garoto mais baixo. Ele tinha total certeza que se continuasse fitando o outro, mais iria se apaixonar pelo rapaz gentil que havia conhecido há anos no colegial.

Deixe o destino guiar o que é melhor para nós dois

Machuca sua ida, mas

eu fico feliz em te ver sorrir

Trafalgar conhecia Zoro, sabia que o outro era um idiota por completo, então por quê? Por que Sanji ainda gostava dele? Não tinha lógica. Porém, amar é se preocupar, é proteger, é querer o bem da outra pessoa acima de tudo; Então o tatuado aceitaria de abraços abertos a felicidade do loiro, mesmo com outro alguém.

Mesmo que seja nos braços de outro alguém

Quando a gente ama, a gente deixa ir

O aspirante a médico conhecia o mais baixo perfeitamente, mas não sabia dizer se o outro parecia feliz, era confuso para si. Sanji tinha um sorriso amarelado encantador, todavia, havia algo errado, era notável. Sorrisos falsos eram a especialidade de Law, mas o que fazer quando outro pessoa aparenta os ter? Trafalgar definitivamente não sabia.

A única solução era esperar que Zoro conseguisse fazer algo, mesmo que fosse improvável, o tatuado deveria confiar no outro rapaz. Afinal, o Vinsmoke transbordava animação quando falava sobre o outro homem. Sim, ele transbordava, mas era um falsa animação. No fundo, o loiro também não acreditava na capacidade do esverdeado, Roronoa não era Law, nunca seria.

[...]

Sanji estava sentado em frente a Law, o rapaz falava sobre o quão besta ele era por se apaixonar por uma planta ambulante, já que que a "planta" vivia se perdendo em linha reta. O tatuado apenas concordava com a cabeça, cansado de sempre escutar sobre o outro rapaz, mas ele quem havia escolhido isso.

Ele sabia que isso aconteceria, soube no dia que instigou o loiro. Dias já haviam passado desde o último diálogo com o de mechas loiras, não conseguiu conversar com o outro quando descobriu que ele realmente estava com o Roronoa, ele realmente ouviu seu conselho, afinal. Era doloroso, Trafalgar não imaginou que seria tanto.

– Law, você acha que eu fiz certo? – O rapaz mais baixo questionou.

– Sobre?

– O Zoro, você sabe.

– Sou seu amigo, por isso sempre direi que, sim, você fez certo. Ao menos que você faça algo realmente errado, aí sim puxaria sua orelha.

– Você é um idiota. – Sanji riu.

Ambos desgostavam da palavra “amigo”, mas não é como se conseguissem falar sobre. O relacionamento do Vinsmoke não estava sendo um dos melhores, Zoro lhe tratava de maneira totalmente indiferente, mesmo sendo seu namorado. Infelicidade abordava o loiro, Infelicidade rondava o futuro médico. Os rapazes erraram em suas decisões.

O loiro queria gritar, gritar que estava com a pessoa errada somente por medo. Não deveria ter sido assim, por falta de coragem o cozinheiro estava naquele situação. Também se sentia incapaz de falar para Law sobre seu relacionamento, dizer que não estava dando certo.

O mais baixo estava distraído, então o moreno não tardou-se em levar uma de suas mãos até as mechas alheios, sentindo a maciez sobre sua palma, era exatamente como imaginava. Ele não imaginava que conseguiria ficar em uma situação tão íntima com Sanji, mas lá estava ele fazendo cafuné no outro. Zoro com certeza conseguia fazer aquilo com o outro frequentemente, Trafalgar sentia inveja do esverdeado. O loiro teve um sobressalto quando seria a mão do mais alto sobre seu cabelo, mas não conseguiu desgostar. O Vinsmoke se aconchegou mais próximo ao outro, apreciando a massagem em seu couro cabeludo o quanto pudesse.

Momentos assim só faziam deixar o tatuado ainda mais abobado, notando o quão entregue Sanji ficava, era adorável. As pontas das orelhas do cozinheiro estavam em uma tonalidade rosada, Law tinha certeza que o rosto do mesmo estavam no mesmo tom, ele só queria poder virar o outro rapaz. E assim o mais alto fez, virando o corpo do loiro vagarosamente até estar de frente a si, o Vinsmoke era encantador.

O moreno inclinou-se até ter a testa do outro próxima sua boca, então logo deu um leve encostar naquela região, notando o mais baixo apertar os olhos, então se afastou.

– Vai ficar tudo bem. – O tatuado disse após um desconfortável momento de silêncio.

– S-Sim, vai. – Sanji levantou-se e caminhou até a porta, mas antes de sair o mesmo sussurrou um curto “Até logo”.

Então o tatuado sentou-se novamente e levou ambas as mãos até o próprio rosto e soltou um longo suspiro. Nada ficaria bem, ao menos para si.

"Talvez se eu não lhe instigasse, não tivesse lhe dito para ir, você estaria comigo? Sou egoísta por pensar assim, porém minha felicidade sempre viria antes da de Zoro, ao menos eu pensava assim. Agora estou preso a um sentimento sem fim."




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...