1. Spirit Fanfics >
  2. INCESTO: o pecado >
  3. Um pedido de casamento inesperado

História INCESTO: o pecado - Capítulo 23


Escrita por:


Notas do Autor


Olá meus amores.

Capítulo 23 - Um pedido de casamento inesperado


Taylor já havia ido embora e Benny andava de um lado para o outro pensando em tudo que ele disse. 

"Não posso mudar o que foi escrito pelos Jhones no testamento."

"A herança só será liberada quando você se casar."

" Laila tem uma parte do dinheiro,mas por ser menor de idade,tudo dela ficará no banco até fazer dezoito anos."

Taylor havia dito também que Jasper não estava no testamento. Seus pais realmente o deserdaram como filho. 

Benny suspirou ao se lembrar de tudo que já passou de ruim na vida. 

A rejeição das pessoas… O bullying e a violência dos outros garotos. 

Ter que odiar o irmão por ter machucado Laila. 

A morte dos pais… 

E agora,parece que ele teria que se casar assim que se formasse para poder botar a mão na grana dos pais. 

Taylor havia dito que seis meses de casamento valeriam para liberar o dinheiro. 

Uma idéia maluca se passou na cabeça de Benny e ele sabia que Laila não ia gostar. Mas isso tudo que ele estava prestes a fazer era por ela. 

Pelo amor dela. 

Benny andou até seu celular que estava na mesinha de centro da sala e fez uma ligação. 

Do outro lado da linha,uma voz suave e calma disse um "Alô"

— Oi Flora.

— Bennyzinho? O que foi? Você nunca me liga. 

— Preciso muito falar com você. — Benny disse aflito. — Preciso de um favor seu. 

— Claro. Pode falar. Sabe que eu faço qualquer coisa por você. 

— Até se casar comigo?

Flora levou um susto do outro lado da linha. Casar com Benny era tudo que ela queria. Mas não agora,já que os dois não passavam de amigos e o único beijo que havia rolado foi porque ela própria roubou dos lábios dele. 

— Flora,você tá aí? — Benny disse quando nada ouvia,só a respiração dela. 

— Calma aí Bennyzinho, você tá me pedindo em casamento?

— Mais ou menos. É que eu preciso me casar pra liberar a grana que meus pais deixaram e… 

— Ah… — ela o interrompeu rindo. — Grana ,né? Sei… 

— Preciso da sua ajuda. 

— Precisamos conversar pessoalmente sobre esse assunto. 

— Claro. A gente pode marcar amanhã no parque?

— Tá. Tudo bem. Amanhã às nove?

— Combinado. 

— Só uma pergunta antes de você desligar. 

— Tá,fala aí. 

— Esse casamento inclui beijos e sexo?

Benny engasgou. Começou a tossir e Flora caiu na gargalhada. 

— É um casamento de fachada Flora. — Benny disse. — Então a resposta é um não. Eu posso te dar um pouco do dinheiro como pagamento. 

— Depois a gente fala mais sobre isso. Tenho que ir. Minha mãe tá me chamando. 

— Tudo bem. Tchau. 

— Beijos na boca. 

Ela desligou e Benny ficou pensativo. Seria mesmo uma boa ideia?

E Laila? 

Provavelmente iria odiar isso. E por essa razão,ele resolveu não contar ainda sobre isso. 

Já passava das nove horas e nada de Sely aparecer. Benny então resolveu ir tomar um banho pra depois tentar fazer algo pro almoço. Se sentia tão cansado. Parecia que sempre estava travando batalhas com gigantes. 

E ele estava prestes a começar outra luta. 

Do quarto de Jasper,se ouvia barulhos estranhos. 

Quando Benny se aproximou da porta,notou que o barulho parecia ser de alguém vomitando muito. 

Ele abriu a porta e entrou no quarto. Quando viu o irmão jogado no chão quase engasgando com o próprio vômito,correu pra perto dele. 

— Jasper o que aconteceu? — ele disse levantando a cabeça do irmão. Quando olhou em volta,frascos e frascos de remédios estavam espalhados pelo chão. — Meu Deus do céu! Jasper você tomou esses comprimidos?

Ele não respondia. O corpo tremia e ele não parava de ter refluxos. 

— LAILA! — Benny gritou desesperado pela irmã. Ela estava no quarto ao lado e saiu correndo quando ouviu o grito do irmão. Chegou na porta do quarto de Jasper e já logo viu a cena dele agonizando nos braços de Benny. — Vai na farmácia comprar um desintoxicante. 

— O que aconteceu com ele?

— Vai logo Laila!

Ela saiu correndo direto pro quarto. Quando pegou a bolsa,correu até a farmácia do outro lado da rua e voltou de lá quase cinco minutos depois. Benny administrou o medicamento em Jasper e Laila apenas observou de longe se perguntando o que estava acontecendo com ele. Depois de terminar,Benny o colocou na cama e pôs um balde perto dele. 

Ao sair do quarto encontrou a irmã sentada no chão com os olhos cheios de lágrimas. 

— O que houve com ele? — ela perguntou assustada quando viu Benny sair do quarto. Se levantou olhando para dentro onde Jasper se encontrava deitado. 

— Ele tomou vários remédios Laila. — Benny disse triste. — O Jasper tentou se matar. 

Laila ficou muito assustada com isso. Como se não bastasse Benny pensar em suicídio agora Jasper também queria morrer. 

— Eu deveria ter notado que ele faria isso. — ela disse chorando. 

— Por que?

— Ele estava com uma conversa estranha,dizendo que eu não o amava. 

— Laila a culpa não é sua. Não se torture com isso. 

— Não consigo acreditar nisso. 

— Fica calma ,tá? — Benny a abraçou. — Ele vai vomitar tudo agora depois desse remédio que eu dei a ele. 

— Obrigada por salvar a vida dele. 

Benny a soltou. 

— Não fale como se eu só tivesse feito isso por você. — ele disse. — Eu fiz isso porque apesar dos meus problemas com ele,nem em um milhão de anos eu iria querer ele morto. 

— Ele vai ficar bem mesmo? Não precisa levar no hospital?

— Vamos ver como ele vai se comportar nas próximas horas. 

— Como você sabia o que dar a ele?

Benny hesitou para responder. 

— Porque eu já tentei fazer isso várias vezes. — ele disse. — Nem sempre dá certo tentar suicídio com remédios,acredite eu sei. Nosso corpo possue uma defesa chamada refluxo. Qualquer coisa que esteja lhe causando mal,ele expulsa e a gente vomita tudo. 

— Eu não consigo acreditar que o Jasper fez isso. 

— Ele vai ficar bem. Não se preocupa. 

Os dois ficaram em silêncio por alguns segundos. 

— Benny ,eu sei que se eu contasse minha história com o Jasper a qualquer pessoa no mundo,ela diria que eu deveria odiar meu irmão e prestar queixa na polícia. — ela olhou pra Benny que estava a encarando sério. — Mas eu não consigo odiar ele,Benny. Não consigo querer o mal dele. Você acha que eu estou sendo idiota por querer ele feliz?

— Não sei se idiota é a palavra certa. — ele disse. — Mas com certeza você não deveria amar tanto ele depois do que aconteceu. Se eu te estuprasse agora,você me perdoaria?

— O que tá querendo dizer com isso?

— O que eu quero dizer Laila , é que parece que você não quer enxergar o quanto isso que ele te fez foi crueldade. Ele abusou de você. E você só tinha dez anos. 

— Isso nem foi totalmente um abuso,Benny.— ela disse irritada. — Tanto é que nem encontram vestígios de abuso quando fui ao médico. Você mesmo disse isso. 

— Você foi no médico quase dois meses depois. Isso pode ter influenciado em algo. 

— Com certeza meu hímen não se reconstruiu em menos de dois meses, né?

— O que tá dizendo?

— Eu tô dizendo que talvez eu não perdi minha virgindade com ele quando tinha dez anos e sim com você. Agora… quando transamos. 

— Por que você defende tanto ele?

— Não estou defendendo ele. Eu me lembro Benny. Lógico que ele me machucou,mas não chegou a ser sexo mesmo. Eu lembro dele em cima de mim e… 

— Ah, me poupe dos detalhes,né Laila. — ele disse irritado. — Se ele meteu ou não a porra do pau dele em você, não importa agora. O que parece é que você pelo visto deve ter gostado. — Laila olhou pra ele assustada. — Quer saber? É exatamente isso. Você gostou,não foi?

— Meu Deus,Benny. — ela disse chocada. — Eu tinha dez anos. Eu nem sabia o que era sexo naquela época. Como você pode falar isso assim pra mim? Está me magoando Be. 

— Eu não tenho mais argumentos. Sabe o que eu acabei de notar? Que eu odiei o Jasper até hoje por uma coisa que ele fez a você ,e você Laila,o amava. Sempre o amou. Então,me diz,porque eu ainda estou lutando por essa causa que nem é minha? Quando você está aí defendendo o seu estuprador. Já chega. Eu não vou mais me torturar com isso. Eu já tenho os meus problemas e acredite,não são poucos. Eu não vou mais carregar os seus também. 

— Be… não faz isso. Você tá entendendo tudo errado. Eu não… 

— Poupe sua saliva para me dar explicações que não fazem sentido. Na minha opinião,uma menina quando é estuprada no mínimo,NO MíNIMO Laila ,ela sente nojo ou repulsa da pessoa. Mas você,bem,você abraça o Jasper tranquilamente,beija ele,e até senta no colo dele. Com isso só tem uma conclusão: Você adorou ter sido estuprada por ele. 

Laila ficou com tanta raiva de Benny que lhe deu um tapa no rosto com toda sua força. Ele a encarou sério após a bofetada levando a mão no local afetado. 

— Nunca mais eu quero falar com você! — Laila gritou chorando. 

— Ótimo. — Benny disse. — Esse tapa só prova que você é igual ao Jasper. Então fica aí com ele. — Benny se virou e Laila já tinha se arrependido da briga. Queria se ajoelhar no chão e implorar pra ele voltar,mas se controlou e apenas chorou. E então,Benny se virou novamente. — Ah,e outra coisa. Se ele for abusar de novo de você,pede pra ele usar camisinha. Você não tem mais dez anos. 

Ele voltou a andar e Laila se sentou no chão chorando. Soluçava a cada dez segundos. Quando Benny voltou do quarto,dez minutos depois,ela ainda estava no chão. 

— O que está fazendo? — perguntou chorando. Benny estava com uma mochila nas costas. — Você tá indo embora?

— Eu acho que a gente precisa de um tempo afastados. 

— Você tá terminando comigo, é isso? Tá terminando nosso relacionamento por causa do Jasper?

— Não estou terminando nada Laila. Nós dois nem somos um casal de verdade. 

— É muita crueldade sua terminar comigo depois da gente ter transado. 

— Não inverte as coisas contra mim Laila. A gente vai se afastar porque você precisa cair na real mana. 

— Não faz isso comigo Be. Não me deixa aqui sozinha… por favor. 

Benny olhou em direção ao quarto de Jasper que ainda estava com a porta aberta e depois olhou para Laila novamente. 

— Você não vai estar sozinha. — ele disse. — Tem o Jasper. Convida ele pra brincar de casinha e bonecas com você. 

Ele arrumou a mochila nas costas e saiu deixando ela ainda mais abalada no corredor. Jasper abriu levemente os olhos e avistou a irmã sentada no chão perto de sua porta. Tentou se levantar,mas ainda se sentia tonto. 

— Laila… — ele disse baixinho. Ela não ouviu. — La-laila… — ela continuava no mesmo lugar e sua voz não alcançava o seus ouvidos. Então ele pôs uma das pernas pra fora. Se levantou devagar,mas caiu logo em seguida. Laila ouviu o barulho vindo do quarto e se levantou rápido do chão. 

— Jasper! — disse correndo até ele e logo o ajudou a se sentar na cama. — Você está bem?

— Por que tá chorando?

— Nada. Nada… Tá tudo bem. 

— Você estava soluçando. É claro que não está tudo bem. O que houve? É por minha causa?

— O Benny… ele foi embora,eu acho. 

— Vocês brigaram?

— uhum… — ela respondeu chorando de novo. 

— Ei,não fica assim minha florzinha. 

— Tá tudo errado na minha vida. E eu bati nele. Bati nele, mesmo sabendo que eu não podia fazer isso. Eu bati no meu irmão… Bati nele. Eu bati nele Jasper. 

— Calma Laila. O Benny não tem pra onde ir,certo? Logo ele volta. 

Do outro lado da rua,Benny atravessava e tocava a campainha aflito. 

A garota que atendeu já era conhecida. 

— Benny?

— Oi Flora. Será que eu posso passar uns dias aqui?

 

 




Notas Finais


Gente vcs estão do lado de quem aí? Do Benny ou dá Laila?
Vcs acham que Benny tem razão? Que Laila deveria odiar o Jasper.
Ou vcs acham que Laila tem razão em não conseguir odiar o irmão?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...