1. Spirit Fanfics >
  2. Incomum >
  3. A m i z a d e

História Incomum - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Desculpem qualquer erro e boa leitura ❤️

Capítulo 7 - A m i z a d e


Fanfic / Fanfiction Incomum - Capítulo 7 - A m i z a d e

C a p i t u l o  7



Sentiu seu coração bater descompassado, nunca havia recebido uma declaração daquele tipo, e não sabia como reagir, mas vendo como as mãos do garoto tremiam percebeu que ele também estava nervoso com a situação, mesmo que ainda exibisse um lindo sorriso e mantivesse o olhar determinado em si. Então, levando em consideração tudo aquilo não achava que fosse uma brincadeira.

Ja havia algumas pessoas olhando a cena curiosas  com o garoto ajoelhado, o que deixou o ruivo ainda mais inquieto, além da música melosa que começou a tocar.

— Por favor se levanta, as pessoas estão olhando. — Pediu Gaara constrangida ao pegar sua mão para levanta-lo, porém, o moreno não se moveu.

— Eu não me importo, só estou me declarando pra pessoa que eu gosto. O que tem de errado nisso?

Ótimo, acabou de encontrar uma pessoa que pensava como sua irmã, Gaara poderia imaginar perfeitamente aqueles dois se dando muito bem.

Passou a mão no rosto pelo nervosismo, sentindo um frio na espinha atrás de si, tendo quase certeza se tratar de Temari o perfurando com os olhos, e a conhecendo bem, sabia que não demoraria muito para ela se aproximar para perguntar o motivo do garoto desconhecido permanecer tanto tempo ajoelhado a sua frente.

Assim por puro impulso agarrou a mão do moreno e saiu para fora daquele lugar, esbarrando em algumas pessoas bebadas no caminho, só parando quando ja estavam do lado de fora. Porém, Gaara percebeu que não podia ir embora sem seu carro, e as chaves estavam com sua irmã.

— Você tá me sequestrando? Porque se for eu tô adorando. — Falou o garoto que se manteve quieto até então.

Gaara notou que ainda estava segurando a mão dele, se envergonhado na mesma hora, mas quando tentou solta-la o outro a segurou mais forte.

— Você ainda não me deu uma resposta. — Disse o olhando nos olhos, mesmo que estivesse corado se recusava a sucumbir a timidez.

— É que eu não sei o que dizer, eu nem te conheço cara.

O desconhecido fechou a expressão, parecendo não entender do que ele estava falando, mas logo revirou os olhos e sorriu novamente.

— Ah só isso? Tá, meu nome é Rock Lee, tenho 17 anos, tô no 2 ano do ensino médio, filho único, minhas coisas favoritas são: Gaara, artes marciais, competições e....— Seu monólogo foi interropindo por um gritinho agudo que parecia quase estourar seus tímpanos.

Olhou para o lado e viu uma garota os observar incrédula, a menina tinha cabelos em um vemelho vivo, uma roupa totalmente preta e chamativa, além do fato de estar rodeada de pessoas a paparicando como se fosse uma estrela de cinema.

Sentiu a mão de Gaara ficar gelada de repente, e pela sua expressão de pânico deixava obvio que aqueles dois não eram amigos, pensou em leva-lo embora dali mas a ruiva foi mais rápida e mudou seu rosto para um sorriso de escárnio.

— Gaara! Que surpresa te encontrar em um lugar como esse, do jeito que você é achei que estaria de cara em algum livro como um rato de biblioteca. — Falou dando uma risada histérica junto do seu grupinho. Logo notando as mãos de Gaara e Lee que permaneciam juntas. — Ah credo, sei que me esquecer é dificil mas não acha que virar bichinha por isso já é demais?

Rock Lee nunca havia sentido tanta vontade de bater em alguém como naquele momento, porém, era incapaz de levantar a mão para uma mulher, mesmo sendo a mais idiota que fosse.

Assim reuniu toda a paciência que restava e puxou Gaara para fora dali, ou era isso que pretendia, mas a garota se pôs na frente dos dois com seus lacaios ao seu lado, não parecendo que sairia dali tão cedo.

— Vocês são tão nojentos — Falou precionando o dedo no peito de Gaara.

Assim quando Rock Lee estava prestes a quebrar a mão daquela garota, outra pessoa foi mais rápida e a empurrou no chão.

— O QUE VOCÊ DISSE DO MEU IRMÃO!? REPETE ISSO SUA VACA IMUNDA. — Gritou Temari enfurecida, sendo segurada firmemente por Shikamaru para que não avançasse mais.

— Calma meu amor, não vale a pena. — O garoto tentava acalma-la, mesmo que não tivesse surtido muito efeito, pois sua raiva parecia triplicar quando ele ficava tão calmo.

— CALMA É O CARALHO, EU VOU ARREBENTAR A CARA DESSA VADIA. — Disse já imaginando por qual parte começaria a surrar a garota.

Karin ainda no chão levantou a cabeça para olha para Temari que parecia totalmente descontrolada.

— Ah Temari, a mesma louca e barraqueira de quinta categoria de sempre, uma vez escória sempre escória. — Debochou, sentindo que tinha deslocado alguma coisa na queda.

Assim Shikamaru acabou soltando a garota para que pudesse liberar sua irá, afinal sentia que se ela não o fizesse, ele mesmo o faria por insultar tão descaradamente sua namorada.

— EU VOU TE MOSTRAR QUAL É O LUGAR DE VERMES COMO VOCÊ. —  Falava enquanto arrancava os cabelos de Karin que gemia de dor a cada puxão, porém, não conseguia se defender. — QUANDO EU TERMINAR COM VOCÊ O ÚNICO TRABALHO QUE VAI CONSEGUIR É COMERCIAL PRA CICATRIZ SUA PIRANHA.

As pessoas começaram a se reunir para ver a briga, e em pouco tempo já tinha uma grande multidão gritando para incentivar que continuassem. Até mesmo rolavam apostas para ver quanto tempo levaria para que Temari deixasse Karin careca.

Rock Lee continuava no mesmo lugar, não sabia se deveria levar Gaara embora ou ajudar Temari. Olhou para Shikamaru em busca de ajuda, mas ele não parecia disposto a ir embora sem a namorada, em vez disso apenas lhe jogou um chaveiro e apontou para um camaro negro que estava estacionado ali perto.

— Por acaso aquele carro é seu? — Perguntou duvidoso, aquilo parecia ser muito mais caro que sua casa e todos que ali viviam.

Quer dizer, sabia que Gaara tinha dinheiro por conta das roupas de marca e jeito engomadinho, mas não pensou que fosse tanto assim. Se bem que ninguém sabia de verdade nada sobre o garoto, além do fato de ter uma irmã, todo o resto sobre sua vida e família era um completo mistério, que Rock Lee estava muito disposto a descobrir.

Gaara saiu de seu estado estático com a pergunta, olhando para o lugar que estava seu carro, onde tinha um grupinho de adolescentes admirando-o e fazendo piadinhas de que o veículo só poderia pertencer a algum senhor de meia idade que gosta de pegar novinhas.

— Sim, mas tô sem a chav...— Parou de falar ao ver Lee balançar as chaves na sua frente — Como conseguiu isso?

Lee apontou para Shikamaru que agora organizava as apostas que iam desde quanto tempo demoraria para a polícia chegar até quantos litros de sangue Karin perderia. Havia agora até mesmo um apresentador descrevendo tudo que acontecia.

— Vamos embora, a situação ficou sem controle demais. — Falou puxando o outro para irem embora.

— Não quer esperar por sua irmã?

— Ela não vai terminar isso tão cedo, e os paparazzis não vão demorar a chegar, se fotografarem nós dois aqui será um grande problema. — Disse abrindo a porta do veículo para que o outro entrasse. — Relaxa, a Temari é muito mais forte que eu, e está com o Shikamaru então não temos nada pra fazer aqui.

A aparente despreocupação de Gaara com a situação deixava Lee mais tranquilo. E mesmo que ainda houvessem um bilhão de coisas que desejava perguntar ao ruivo decidiu ficar quietinho no banco do carona, de vez em quando dando - não tão - descretas olhadas para o garoto que dirigia concentrado no trânsito.

— Então... Como você me conhece? — Perguntou curioso Gaara, mesmo não olhando diretamente para o moreno ainda se sentia nevoso com aquilo. — Tenho certeza que você não é da minha escola, e não lembro de ter te visto antes.

Rock Lee ficou surpreso por ele puxar assunto, então resolveu aproveitar a oportunidade para se conhecerem melhor.

— Vi um show seu a três meses atrás com o Neji. — Falou nostálgico lembrando de como ficou apaixonado a primeira vista pelo ruivo.

— Neji? —Indagou confuso, era o mesmo nome do amigo de Temari, e assim já conseguia entender um pouco melhor a história toda.

— Meu ex namorado. — Disse normalmente, pretendia ser o mais sincero possível ali. — Terminamos hoje a tarde, eu confessei que estava gostando de você desde o dia que te vi pela primeira vez, e não achava certo sabe... Continuar namorando alguém enquanto pensava em outro.

Gaara o encarou perplexo, mas logo voltou sua atenção para a frente novamente.

— Você não acha loucura terminar um namoro por alguém que mal conhece? Quer dizer, eu poderia ser um pervertido, idiota, hetero top ou coisa pior e... — O ruivo pretendia continuar surtando mas foi interrompido pelas gargalhadas de Lee — Qual a graça!?

O moreno parou de rir mas continuava sorrindo, observando como o ruivo estava corado.

"Que fofo" Pensou, mas não ousou falar em voz alta.

— Você é engraçado. — Respondeu se divertindo com a situação. — E não terminamos só por isso, o Neji também já gostava de outra pessoa, nosso lance era mais sexo do que amor.

— S-se-Sexo!? — Repetiu o ruivo, envergonhado do rumo que a conversa estava levando.

— É, e sobre o que você disse antes, eu não me importaria nem um pouco se você fosse um pervertido. — Falou, rindo um pouco no final. — agora sobre ser um "hetero top" já seria um problema, mas sua irmã disse que você era bi, então nem me preocupei.

Gaara sentia que as peças se encaixavam, e que agora entedia tudo que aconteceu até ali.

— Quando você conversou com a minha irmã? — Já tinha suspeitas da resposta mas era melhor conferir antes.

Rock Lee o olhou por alguns segundos, pensando qual era a importância daquilo afinal, mas resolveu ignorar.

— Ontem, expliquei para ela meus sentimentos, e ela me disse para vir aqui hoje que "deixaria tudo no esquema" — Respondeu, fazendo aspas com as mãos no final indicando a fala de Temari.

Gaara sentiu vontade de se bater pela burrice. Estava tão óbvio o que sua irmã estava tentando fazer ali, e ele como um idiota, caiu direitinho nos planos dela. E agora não sabia direito o que fazer sobre toda a situação que ela o colocou sem seu consentimento.

— Você não precisa se forçar se não quiser, eu tô me declarando porque eu quero, e esses sentimentos são só meus, não precisa se responsabilizar por nada.  — Disse Lee ao sentir a confusão que Gaara aparentava, não era isso que ele esperava ou queria. — E não é como se eu fosse a primeira pessoa a levar um fora na vida né.

Gaara soltou um longo suspiro, meditando as palavras certas a se dizer.

— Eu não estou te dando um fora. — Falou parando o carro para poder o olhar e conversar corretamente. — É só que eu tenho um grande problema para me relacionar romanticamente com outra pessoa sabe? Eu preciso que a gente se conheça melhor antes de rolar algo.

Rock Lee processou lentamente as palavras ditas, ficando feliz por poder ter a oportunidade que queria.

— Tudo bem, que tal então começar primeiro como amigos? — Sugeriu Lee animado.

Gaara o encarou surpreso.

— Amigos?

— É, amigos, afinal um relacionamento também tem que ter amizade certo? E com o tempo você decide se quer me pegar ou não. — Explicou, fazendo Gaara sorrir entusiasmo.

— Okay, então somos amigos. — Disse estendendo a mão para o outro que a pegou imediatamente.

— Aliás aonde estamos? — Perguntou Lee por fim, ao ver que Gaara não pretendia continuar dirigindo.

— Ah desculpe, esqueci de dizer que chegamos.

O ruivo saiu do carro sendo acompanho pelo outro garoto que ficou pasmo ao ver onde estavam, simplesmente o bairro mais rico da cidade, onde havia mansões por todos os lados, e moravam só gente importe. Tinha certeza que não encontraria nenhum buraquinho na rua, lâmpada queimada nos postes, ou mesmo pichações nos muros xingando a mãe de alguém.

Lee se sentia um peixinho fora do aquário.

— Sabe Gaara, eu já vinha pensando nisso mas... Por acaso você é rico ou algo assim? — Perguntou, vendo um homem vindo até o ruivo correndo.

— Eu não, mas meu pai sim. — Respondeu, entregando as chaves para o motorista da família e se dirigindo até sua casa.

A mansão tinha um enorme portão de ferro, com dois brutamonte de terno preto na frente que Lee deduziu ser os seguranças. Eles apenas deram boa noite para Gaara e deram passagem aos dois.

A surpresa do moreno só aumentou quando entraram e viu o enorme jardim com diferentes tipos de flores bem cuidadas por todos os lados e a fachada da mansão bem pintada de branco e dourado com duas mulheres vestidas de empregadas na frente desta.

— Hunmn, por acaso seu pai não é nenhum mafioso nem nada do tipo certo? — Riu nevoso no final, notando os olhares que as empregadas lhe lançaram. Elas pareciam confusas e desconfiadas ao os verem juntos.

Lee somente as ignorou.

— Não, ele é o prefeito da cidade, e não se preocupe, ele não mora aqui, só minha irmã e eu. — Disse entrando e dando passagem para que o outro fizesse o mesmo. — Então, seja bem vindo a meu humilde lar.

Se tinha uma coisa que Rock Lee tinha certeza era que aquele lugar não tinha absolutamente nada de humilde. Parecia exalar luxo por todos os lados, desde as paredes bem pintadas e decoradas com quadros que pareciam chiques até os móveis e eletromédicos que eram de última geração.

"Se eu quebrar alguma coisa aqui vou demorar a vida toda pra pagar" Pensou Lee, tomando cuidado para não tocar em nada, tudo ali era muito fora do seu mundo.

— Seja bem vindo mestre Gaara. — Comprimentou um velhinho que apareceu do nada para os dois. — Deseja alguma coisa?

— Leve um chá para meu quarto por favor Tanaka, quer alguma coisa Rock Lee?

O garoto ficou envergonhado ao notar que foi a primeira vez que o ruivo falou seu nome, e foi como musica para seus ouvidos.

— Hamn, uma xícara de café se não for incômodo.

E assim o homem se foi sem fazer nenhum ruído, como se fosse uma espécie de ninja treinado.

— Vamos para o meu quarto, as paredes aqui tem ouvidos. — Falou, pegando na mão do moreno e o levando para o segundo andar.

Lee ficou confuso com o que ele queria dizer com aquilo, mas vendo o tanto de empregados que tinham por todos os lados, mesmo que já fosse noite, poderia deduzir facilmente que a vigilância dali era rígida, mesmo que nenhum deles se atreveu a falar nada.

Passaram por vários corredores até chegarem no quarto de Gaara, e se fosse descreve-lo com uma palavra seria: simples

Era um quarto menor do que esperava, mais muito bem arrumado, com somente uma cama de casal, armário, cômoda, uma estante lotada de livros organizados em ordem alfabeto e poucos objetos pessoais. A única coisa que se destacava ali era a bateria que estava no canto do local.

— Então o que você queria... — Foi interrompido por Gaara que o puxou pelo braço, o fazendo cair de costas na cama. — Acho que amigos não costumam fazer isso.

Iria dizer mais alguma coisa, porém, a boca do ruivo na sua o fez esquecer até mesmo seu nome, e quando o garoto sentou em seu colo, mais especificamente em cima de uma parte bem sensível do seu corpo ainda coberto pelas incômodas roupas, poderia dizer que chegou ao céu.

— E nem isso. — Falou ofegante, abaixando os beijos para o pescoço de Gaara que gemia baixinho.

— Eu nunca disse o tipo de amizade que teríamos. — Rebateu, puxando os cabelos negros para que podesse olhar nos olhos deles.

— Não vejo nada de errado em sua lógica. — Disse voltando a beijar o ruivo.

As duas mãos do ruivo estavam em seu cabelo, enquanto as suas trabalhavam para trazê-lo cada vez mais perto, se é que era possível naquele momento. Sentia seu pau latejar, e com as reboladas que Gaara dava não conseguiria se controlar por muito tempo.

Levou as mãos te a camisa do ruivo para tirá-la e aproveitarem melhor, mas foi interrompido por um som de tosse alto vindo da porta, não demorando para tomar um susto ao ver quem estava ali.

— Perdão atrapalhar senhor, mas suas bebidas estão prontas. — Disse o mordomo em frente a porta com a bandeja na mão, não parecendo nem um pouco alterado com a situação a sua frente.

Rock Lee não tinha visto ou ouvido quando ele havia chegado, o que lhe deu arrepios pelo corpo todo. Aquele velho o assustava demais.

— Na verdade Gaara, eu já tenho que ir, amanhã tenho prova na minha escola e não posso nem pensar em me atrasar. — Falou levantando da cama aos tropeços.

Não desejava ir embora tão cedo, mas sabia que se ficasse mais teria problemas para acordar no dia seguinte, e sem as horas de sono necessárias sua cabeça se tornava iam grande confusão. E isso era a última coisa que precisava, principalmente em um teste tão importante.

Por outro lado Gaara olhava Lee assustado, havia acontecido tantas coisas que havia esquecido completamente da prova que Kakashi aplicaria logo mais, e por culpa de sua irmã nem ao menos conseguiu estudar direito. Com certeza estava ferrado.

— Entendendo, Tanaka por favor mande o motorista levá-lo até em casa.

— Ah não precisa, de verdade, posso pegar um táxi.

— Eu insisto. — Falou, se aproximando e sussurrando em seu ouvido. — Não vai me negar isso certo?

— Na-não, okay, se não for pedir muito.

—Tá tudo bem, afinal estar tarde para ficar andando sozinho por aí, e amanhã a gente pode se conhecer melhor de novo.

Havia um duplo sentido na frase que fez Lee ter pensamentos nada castos, o fazendo corar totalmente.

— Ah, claro, eu iria adorar fazer isso com você... Quer dizer se conhecer e tals. Eu adoro conhecer pessoas, não dessa forma que é com você, tipo não que eu e...— Desistiu de tentar se explicar ao ver que cada vez mais se complicava mais, então apenas deu boa noite e foi embora do local, ainda com vários olhares o seguindo, mas não poderia se importar menos.

E assim Rock Lee passou a noite toda pensando em Gaara, e nas mil e uma coisas que gostaria de fazer com ele, enquanto o ruivo ficava igual louco estudando para a prova de Kakashi no dia seguinte.

Enfim, cada um com seus problemas.



Notas Finais


ESTOU CANSADAAAAAA, desculpem qualquer erro kkkkk estou completamente bêbada de sono quando publiquei isso, qualquer erro ME DESCULPEM 🙇

Próximo episódio: choro, risadas e muitas coisas quentes 🤫🌚🌝


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...