1. Spirit Fanfics >
  2. INcontrolável - Yang Jeongin >
  3. Três dias

História INcontrolável - Yang Jeongin - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Hii! Tudo beeem????

Eu queria deixar algumas coisas claras:

• Quando for o dia de atualizar essa fanfic, sempre será atualizada depois das 6:00PM. MAS COMO EU PRECISO ATUALIZAR (ou tentar) MAIS FICS HJ, haverá uma exceção

• Essa é a primeira fanfic de uma coletânea com mais 8 histórias, todas em épocas diferentes

• Esse capítulo ainda é como uma introdução, a partir do próximo - a continuação desse cap. - é quando vamos conhecer os outros meninos da casa. Para completar os planos que eu tenho, o WooJin também estará incluido, é a pessoa mais próxima do Aaron (mas isso pode ser alterado até lá)

É apenas isso! Fiquem com uma explicação e esperem para o próximo capítulo, estou ansiosa pelo Jeongin 😩

Capítulo 2 - Três dias


Fanfic / Fanfiction INcontrolável - Yang Jeongin - Capítulo 2 - Três dias

Meus olhos se abriram lentamente. A primeira coisa que vi, foi um mosquiteiro de cor rosa e branca. Eu estranhei, afinal, não estava na cabana, muito menos em minha casa.

Olhei ao redor e vi uma janela de vidro, era a única fonte de luz do quarto. A lua clareava boa parte do ambiente.

Eu estava confusa, aquele quarto era muito bonito, apesar de parecer antigo. As cores eram claras e confortáveis, parecia de séculos passados. Apesar de estar admirada com o quarto, eu deveria me preocupar com algo mais importante: Onde eu estou?

Levantei da cama e senti meus pés entrarem em contato com o chão frio. Abaixei o olhar para o chão e acabei notando minha roupa, eu estava usando um vestido que nunca havia visto na vida. O que está acontecendo?

- Jisung! Ela acordou! - ouvi alguém falar, a voz vinha do outro lado da porta. - Estou sentindo!

- Tem certeza, Jeongin? - ouço a voz distante.

- Claro! Já disse que estou sentindo, eu não iria me enganar!

- Então saia daqui, é melhor se ela não te ver por agora...

- Mas eu quero me desculpar! Estou há três dias esperando por isso!

- Jeongin, agora não. Espere até amanhã, é para o bem dos dois! Agora vá chamar Bang Chan!

Ouvi alguém bufar e sair a passos pesados. Segundos se passaram, quando ouvi o som de chaves. A porta foi aberta, revelando um garoto que eu me recordava bem. Junto com ele, vieram todas as minhas lembranças, desde quando saí do acampamento, até quando rolei no despenhadeiro. Oh céus! Eu não posso demorar, JeongHan vai me esganar!

- Ela acordou? - ouvi alguém perguntar, aparecendo na porta, era o garoto que usava faixa. - Eu ouvi Jeongin falar.

- Acordou - me olha. - Eu e HyunJin somos responsáveis por você. Quase pensei que Jeongin houvesse falhado...

- Não sei o que está acontecendo, mas eu preciso ir embora, não posso chegar muito tarde! - falo.

Ambos mudaram as expressões, eu achei estranho, mas não perguntei.

- Antes de tudo, precisamos nos apresentar. Não sei se lembra de mim, mas sou Han Jisung, estava te acompanhando para casa.

- Sou Hwang HyunJin - o da faixa. Ele se curvou de uma forma "perfeita", parecia até mesmo um nobre antigo. - É um prazer.

- E você é...? - Jisung pergunta.

- S/n ______... - engulo em seco. - O que aconteceu? Por que estou aqui?

Jisung olhou em direção a HyunJin, ele parecia nervoso, o outro não estava diferente. Afinal, o que estava acontecendo?

- Nós não sabemos como explicar, por isso o nosso "líder" vai explicar para você, Jeongin foi chamá-lo. - Jisung coça a nuca.

Ouvimos passos no corredor, os dois olharam em direção a porta, assim como eu. Um homem apareceu ali, um dos que vi mais cedo, mas não me recordo seu nome.

- Jeongin comentou que ela acordou. - ele fala, rindo em seguida. - Ela fede a mofo!

- Claro, esse vestido é mais velho que o Bang Chan, queria que cheirasse a flores? - Jisung pergunta.

- O próprio Chan fede a mofo - ChangBin responde, fazendo careta. - Mas enfim, contaram a ela?

- Não sabemos como... - HyunJin sussurra.

- É só falar que agora ela é uma vampira, qual a dificuldade nisso?

- Não é assim que se fala, ChangBin - HyunJin se vira em sua direção. - Isso é algo delicado, ela perdeu sua vida toda. Você sabe como isso é difícil, já passou por isso.

Eu estava confusa. Sobre o que eles estavam falando? Talvez eles sejam realmente loucos.

- Eu não sei do que estão falando, mas eu preciso ir embora! Eu tenho horário para chegar! - chamo a atenção deles.

- Você perdeu seu horário há muito tempo, querida. E você não pode ir embora, a não ser que queira eliminar todos os seus amigos ou familiares. - ChangBin ri.

- ChangBin, pare. - HyunJin dita. - Se não vai ajudar, saia daqui!

- Olha, eu vou mesmo. Tenho coisas mais interessantes para fazer.

Ele só seguiu para fora do quarto, nos deixando ali. Os outros dois pareciam desconfortáveis, eu não estava muito longe.

- Fique com ela, vou apressar Bang Chan - HyunJin fala, se virando para Jisung.

- Tudo bem...

Eu não sabia o que estava acontecendo, mas evitei fazer perguntas. Enquanto eles trocavam algumas palavras, eu aproveitei para me analisar. Eu me sentia estranha, me sentia como um saco vazio. Eu nunca havia sentido essa sensação antes.

- Então... - vi alguém falar, fechando a porta. - Eu fui no local onde você caiu e acabei achando uma câmera. Quando nos vimos pela primeira vez, vi isso em seu pescoço. - pega a câmera em uma cômoda, me entregando.

- Eu não acredito que quebrou, eu gastei tão caro! - pego a câmera, vendo tudo quebrado, eu quase senti vontade de chorar.

- Isso tem concerto, eu posso fazer isso. Eu trabalhava com concertos mesmo! - ele sorri. - Não fiz isso antes porquê... ah, só queria sua autorização para mexer na câmera.

Eu não respondi, isso demoraria e eu não voltaria aqui para pegar a câmera.

- Olha, eu só quero ir embora...

- Me perdoe, eu não posso fazer nada sobre isso. Apenas espere Bang Chan.

Eu compreendi que eles não me deixariam sair, pelo menos, não até conversar com o tal Bang Chan. Respirei fundo e sentei na cama, afastando o mosquiteiro.

Minutos se passaram, quando vi alguém entrar no quarto, era o bonitão de antes. Suas roupas eram diferentes das de mais cedo, apesar de serem vermelhas e também no modelo vitoriano, assim como as outras.

- Contou algo a ela? - pergunta.

- Não, você é melhor com isso.

- Okay, pode deixar comigo. Você está livre.

Jisung assentiu, saindo do quarto, mas antes se virou e soltou um "Fighting!" baixinho. Ele parecia agradável, até fiquei triste quando a porta foi fechada, restando apenas eu e o outro.

- Oi, sou Bang Chan - senta na cama, mas mantendo uma certa distância. - Você é...?

- S/n - sussurro, o vendo franzir o cenho. - S/n _____ - repito mais alto.

- Okay, S/n... como se sente?

- Estranha, mas não me importo com isso, quero ir para casa. Devo ter demorado de mais aqui, já deve estar tarde, JeongHan vai se preocupar!

- Você não vai voltar, S/n, não posso permitir isso.

- Como? - ergo uma sobrancelha.

- Não se pergunta o motivo de estar com outra roupa?

Eu estava tão longe, que nem havia parado para me questionar sobre isso.

- Quem me trocou?

- O HyunJin, ele jamais faria qualquer coisa contigo, acredite. E outra, ele é cego, ninguém te viu desprovida.

Desprovida? Que linguajar é esse?

- Não sei se você se lembra, mas quando estava rolando, um galho atravessou sua barriga. Como suas outras roupas estavam totalmente sujas de sangue, tivemos que trocar.

Arregalei os olhos, me lembrando do exato momento que o galho me atravessou. Como eu não havia morrido?

Olhei por dentro do vestido, procurando qualquer marca em minha barriga, mas ela estava intacta, sem nenhum machucado. Olhei meus braços e minhas pernas, não havia nenhum arranhão.

- O que aconteceu? Como sobrevivi e como não tenho nenhum machucado? - começo a me desesperar.

- Se acalme, eu vou explicar tudo, mas você precisa me ouvir!

Eu estava nervosa e só queria ir para casa, mas aquilo era um mistério para mim, era impossível eu ter escapado sem nenhum arranhão.

- Explica logo - sussurro.

Ele respirou fundo, se ajeitando na cama. Eu estava nervosa, ele não parecia estar muito longe, mas tentava se controlar. Eu tratarei de ficar calada, não queria atrasar mais isso.

- Você e Jeongin acabaram caindo, não teve muitas consequências para ele, mas no seu caso, você quase morreu, mas Jeongin te mordeu. - aponta para seu próprio pescoço. - A marca não sumiu, pode ver que estou falando a verdade.

Coloquei uma mão no pescoço, percorrendo minha pele sensível. Senti dois pontinhos, tais como picadas. Meu corpo gelou no mesmo instante.

- O que é isso?

- Uma mordida. Sei que vai soar estranho, mas eu vou ser direto. Somos vampiros.

- Mas que tipo de piada é essa? - rio forçado.

- Somos vampiros, não são apenas lendas. Você veio de algum lugar, se você morresse, provavelmente iriam procurar quem foi. Nos chame de tudo, menos de criminosos, jamais concordaríamos com algo ilegal. Você estava morrendo, a única coisa que pensamos foi salvar você, não queríamos nos meter em encrenca, não queremos problemas para nosso lado. Fizemos um favor para você!

- Você é louco! Está insinuando que um vampiro me salvou?

- Sim... e ele te transformou em uma de nós. Se não acredita, procure por qualquer machucado em seu corpo.

Eu não acreditava nessa história, mas foi tentador não procurar por nenhuma marca, mas realmente, não havia um único machucado em mim.

- Isso é impossível... - sussurro.

- Não é. Você agora está no mundo da noite e terá que ficar conosco. Jeongin é sua ligação agora.

- Ligação? O que é isso?

- Ele irá te explicar, não se preocupe sobre isso. Mas você entende que terá que ficar conosco? Se você sair e voltar para seu lar, não irá se controlar e atacará todos, como Jeongin fez com você.

- Está querendo dizer que estou presa aqui?

- Você pode ir embora quando quiser, não estamos te prendendo. Só estou me prevenindo para que não ocorra várias mortes desnecessárias.

Isso é uma loucura! Isso tudo é uma loucura! Eu não conseguia acreditar nisso. Vampiros? Fala sério, isso é coisa de fã de crepúsculo!

- Olha - rio. - Vampiros não existem, são apenas lendas!

Ele me encarou por uns segundos, então vi seus olhos mudarem de cor, tomando um vermelho vívido. Vi presas aparecerem em sua boca, tais como nos filmes. Eu não contive um grito de susto, me afastando rapidamente.

- Espero que tenha entendido - volta ao normal. - Você pode escolher. Quer ir embora ou ficar aqui?

Eu estava apavorada, mas por mais que não acreditasse; o que havia acabado de acontecer - os olhos e as presas - e o fato dos meus machucados terem sumido, acabaram me deixando em dúvida. Isso poderia ser verdade, se eu fosse, poderia acabar machucando JeongHan ou qualquer outra pessoa, eu odiaria isso.

- Eu ainda não sei se acredito totalmente nisso... - sussurro.

- Eu vou te explicar como as coisas ocorrem e aí você pensa se deve ficar ou não. - respira fundo. - Existem vários tipos diferentes de vampiros, somos nove e cada um de nós tem raças diferentes. Você foi mordida por Jeongin, ele é o único que pode ser mais compreendido por você, já que a raça dele é bem representada nas histórias. Todos os vampiros possuem veneno em suas garras, quando aplicado na medida certa, a presa pode se transformar em um vampiro. Dependendo da raça, o processo de transformação dura no máximo 6 meses.

- E como é esse processo?

- Em uma linguagem bem chula, você morre por 6 meses e depois volta como vampiro, mas como eu disse, isso varia entre as raças. Você deu sorte que a raça do Jeongin, e agora também a sua, é um dos processos mais rápidos, a vítima morre por três dias e volta. - morde o lábio inferior. - Isso tudo que ocorreu com você, ocorreram há três dias atrás.

- Como? - arregalo os olhos. - Eu apaguei por três dias?

- Não, S/n, você não apagou. Você morreu, o veneno te matou. - franzo o cenho. - O veneno te matou, mas você retornou. Agora você é uma de nós.

- Eu não posso ficar aqui!

- Você não pode ir embora, não agora. Você vai matar qualquer humano que ver pela frente! Sei que isso é como uma bomba para você, mas tente entender.

- Eu não consigo acreditar nisso!

- Olha, sua cabeça está cheia agora. Eu vou deixar você em paz, mas vamos fazer o ancordo. - me olhamos. - Fique até amanhã a noite, é o suficiente para você acreditar em tudo e entender o motivo de não poder ir.

Engoli em seco, assentindo. Eu não conseguia acreditar em nada disso e muito menos pensava em ficar ali. Okay, os machucados, no que ele se transformou e afins, mas mesmo assim, é tudo muito estranho para mim. Mas eu preciso de umas horas para assimilar tudo.

- Agora eu preciso ir. Qualquer coisa, chame Jisung ou HyunJin. A porta não vai ficar mais trancada, fazíamos isso por segurança, não queríamos nenhum dos meninos vindo aqui.

- Quantas pessoas moram aqui?

- Nove, mas agora com você, dez. - levanta. - Sinta-se a vontade, depois HyunJin te explica as regras.

Eu quase não prestei atenção no que ele disse, o vendo sair do quarto. Isso tudo era uma loucura e eu quase não conseguia acreditar. Isso é tudo tão estranho!

Maldita hora que não ouvi JeongHan...


Notas Finais


Próxima atualização: O filho de Afrodite


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...