História Indestrutíveis - Capítulo 32


Escrita por:

Postado
Categorias Girls' Generation
Personagens Hyoyeon, Jessica, Seohyun, Sooyoung, Sunny, Taeyeon, Tiffany, Yoona, Yuri
Tags Amizade, Coragem, Fantasia, Jornada, Magia
Visualizações 32
Palavras 3.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpem a demora, estive doente e sem condições de terminar o capítulo antes. mas estou de volta e a história também.

Capítulo 32 - Batalha


Fanfic / Fanfiction Indestrutíveis - Capítulo 32 - Batalha

Quando Sunny e Hyoyeon retornaram com a pedra da terra, um terremoto sacudiu as Terras Intermediárias, na região próxima às montanhas negras, reduto intransponível de Eodum, o Reino da Escuridão. As guardiãs observavam do terraço de Chimdae enquanto a fúria do sinistro Johanda era derramada sobre pessoas inocentes e desamparadas, que não viviam dentro de cidades muradas e estavam à mercê dos inimigos. As expressões eram graves. Naquele momento, elas sentiam a responsabilidade pesar sobre cada uma. Sing foi a primeira a quebrar o silêncio que se formara.

— As pedras elementais estão seguras agora. Os planos de Johanda não poderão se concretizar sem elas, mas lembrem-se de que ele sabe onde elas estão e fará de tudo para pegá-las de volta.

— Nós sabemos o que fazer, Sing – falou Taeyeon com um peso na voz.

— Então façam! Chegou a hora. Apropriem-se das armaduras.

Taeyeon caminhou decidida para a sala das armaduras e as outras a seguiram sem contestar. Todas sabiam que havia chegado a hora. Quando entraram, a sala vibrava de tanto poder. As armaduras, que tinham sua forma específica, associadas ao seu elemento, brilhavam mais do que o normal. Cada uma delas se encaminhou para uma determinada armadura, como se fossem atraídas por ela. Taeyeon deu o passo inicial e tomou a armadura dourada. Um peitoral, um saiote, botas, elmo e luvas. Tudo brilhava. Sooyoung e Yoona já vestiam as armaduras prateadas, próprias do ar. O trio do fogo se revestiu com as intimidantes armaduras negras do seu elemento. Sunny e Hyoyeon pareciam fazer parte da floresta vestidas de verde e marrom. Por fim, Seohyun vestiu a única armadura da água que sobrara, que tinha um tom metálico que alternava do azul escuro ao claro, conforme o movimento que fazia. Isso pelo fato de que Taeyeon, como a personificação da pedra da luz, deveria tomar posse da armadura dourada, apesar de também ter sido escolhida pelo elemento água. No fim, estavam todas prontas e armadas. Taeyeon com seu bastão, Jessica e Yuri com os arcos, Sunny com os punhais, Hyoyeon com a inseparável adaga, Yoona com uma espada longa e Tiffany com duas espadas negras. Sooyoung e Seohyun, pela sua ligação com o conhecimento, foram dotadas de outro tipo de arma. Armas mágicas que as permitiam lançar sua magia à distância, tudo embutido nas armaduras.

Eram armaduras leves e resistentes, que não atrapalhavam os movimentos. De forma surpreendente, elas se sentiram confortáveis com as novas vestimentas, como se sempre as tivesse usado. Sing explicou que agora seus poderes seriam ampliados com o uso das armaduras, mas que elas deveriam treinar um pouco mais antes de saírem para conquistar seus reinos.

Taeyeon as chamou para a sala de reuniões. Elas sentaram-se à mesa, o grupo de guardiãs estava completo.

— Conseguimos trazer as pedras elementais para Chimdae em segurança, no entanto, os reinos de Segye estão sofrendo lá embaixo pela ira de Johanda. Conquistar os reinos é nossa prioridade agora. Eu já encontrei a maneira de alcançar Haneul, embora não tenha nem ideia do que vou encontrar lá. Yoona recebeu o selo da realeza de San, o que lhe dará vantagem ao arregimentar a resistência que Victoria lidera. Tiffany já é esperada em Samag e acredito que sua chegada dará novo ânimo ao povo do deserto. Jessica tem uma batalha pela frente para encontrar o rei Wang e ter sua herança reconhecida. Só assim poderá lutar pelo trono de Guggyyeong. Resta-nos os reinos do Oceano e da Floresta. Sabemos que os Conselhos foram corrompidos. Em Sup, o rei está vivo, então cabe a Sunny e Hyoyeon ajudarem o povo a reconquistar o reino e entronizar novamente o rei Namu. Seohyun, você está pronta para penetrar em Bada? Terá que fazer isso sozinha.

— Sim, claro, darei o meu melhor, como todas aqui – ela respondeu sem muita segurança na voz.

— Ela não precisa ir sozinha! – Sooyoung se manifestou. – Eu gostaria de acompanhá-la.

Taeyeon olhou para Sooyoung com a testa franzida.

— Você é uma guardiã do ar, Soo. Deveria auxiliar Yoona.

Foi Yoona que se levantou para dar a resposta.

— Eu e Sooyoung já discutimos sobre isso, Tae. Considerando que ela e Seohyun compartilham agora do mesmo tipo de armas e são atraídas pelas coisas da mente, acredito que Soo será de mais ajuda em Bada. Segundo o que você e Jessica relataram, aquele reino as recebeu de forma hostil e enganadora. Não sabemos o que esperar dele. E desconheço pessoa melhor para descobrir um engano do que Sooyoung.

— E o que você fará quando chegar em San? Já pensou nisso? – Taeyeon perguntou preocupada.

— Procurarei Victoria. Sei como entrar em contato com ela. Além disso, tenho agora três vantagens que não possuía quando saí do Reino da Montanha. Sou uma guardiã do ar, tenho asas e possuo uma armadura incrível!

Taeyeon sorriu e olhou para Seohyun.

— Concorda com isso, Seo?

A guardiã da água não pôde deixar de sorrir aliviada.

— Sim, eu concordo. Não posso negar que estava receosa de enfrentar o Reino do Oceano sozinha.

— Irei com Seohyun e assim que possível encontrarei Yoona no Reino da Montanha – completou Sooyoung.

Taeyeon suspirou e olhou para as outras.

— Mais alguma questão antes de partirmos para cumprir nossas missões?

Sunny ergueu a mão.

— Eu não acho prudente deixarmos Chimdae apenas com Sing e Boiji. As pedras são valiosas para Eodum e já sabemos que águias e dragões podem ser usados para chegar até aqui. Sugiro cuidarmos dos reinos que precisam ser conquistados primeiro. No caso, pelo menos para se igualar à primeira guerra e extirpar a ameaça de um ataque a Chimdae, Samag e San devem estar do nosso lado.

— Enquanto isso, eu e Sunny podemos voltar a Sup e ajudar a reconquistar o trono do rei Namu, como foi prometido – finalizou Hyoyeon.

A sugestão de Sunny pareceu agradar a todas.

— Isso colocaria Taeyeon, Jessica, Yuri, Sooyoung e Seohyun na defesa de Chimdae – Sing falou.

Taeyeon fitava a mesa pensativa.

— Não posso negar que sinto o tempo correr e a necessidade de saber o que vou encontrar no Reino de Haneul me consome, mas há muita sabedoria nas palavras das guardiãs da terra. A conquista do nosso lado também precisa ser estratégica. Não podemos atacar todos os reinos de uma vez e deixarmos Chimdae sem defesas. Seria burrice. E concordo que obter o controle das águias e dos dragões é de suma importância.

Após a decisão, elas foram dispersadas. Taeyeon se aproximou de Sooyoung e Seohyun.

— Já que vocês terão um pouco mais de tempo aqui, seria bom que estudassem e conhecessem toda a ajuda que poderão receber das armaduras. O Reino do Oceano é tão inconstante quanto a água.

— Faremos isso, Tae, não se preocupe – assegurou Sooyoung.

Depois que as duas guardiãs subiram de volta para a biblioteca, Taeyeon foi ao salão principal a fim de falar com as que estavam se preparando para a partida. Tiffany e Yoona já se encontravam lá, discutindo em voz baixa e trocando ideias. Sunny e Hyoyeon estudavam um mapa do Reino da Floresta. A guardiã da luz observou a figura de Tiffany. A pele branca contrastava com o negro dos cabelos e da armadura, dando-lhe um aspecto bastante belicoso. Yoona, quando a viu se aproximar, pediu licença.

— Vou exercitar minhas asas mais um pouco. Quero saber controlá-las quando chegar ao Reino da Montanha.

Ela passou por Taeyeon e deu uma piscadela que a líder não entendeu. Tiffany aguardava que ela se aproximasse.

— Você tem uma figura impressionante, Tiffany Hwang.

Tiffany sorriu.

— Diz isso porque não pode ver a si mesma, Kim Taeyeon. Você brilha.

Taeyeon sorriu sem graça.

— Sente-se pronta para voltar ao deserto e assumir um trono?

— Estou apreensiva e com medo do que vou encontrar.

— Infelizmente chegamos em um ponto que não dá mais para recuar.

— É verdade.

Taeyeon suspirou e levou a mão até um colar que estava usando. Pendurado na corrente estava o selo-concha. Ela o pegou e partiu-o em duas metades diante do olhar espantado de Tiffany.

— O que está fazendo com o seu selo?

— Sooyoung me contou que fez isso com o dela e o dividiu com Sunny. Isso as deixou mais próximas a ponto de uma conseguir ajudar a outra, mesmo a uma grande distância.

Taeyeon estendeu a metade de seu selo para Tiffany que hesitou em pegá-lo.

— Leve a metade do meu selo com você. Sabe que eu também possuo um pouco dessa coisa da mente e, quem sabe, possa ajudá-la mesmo estando longe.

Tiffany sorriu e pegou a metade do selo.

— Obrigada por compartilhar isso comigo, Taeyeon.

 

Naquele momento, Boiji entrou correndo no salão vindo do terraço.

— Precisam ver uma coisa! Estão atacando os povoados das Terras Intermediárias do Sudoeste.

Boiji falava dos povoados que ficavam entre os reinos de Bada e Sup, dentro da floresta úmida e pantanosa que se estendia por milhas. Elas correram para o terraço e viram a fumaça que subia por entre as árvores.

— Boiji, estamos sobre o Reino da Floresta, não é? – Sunny perguntou.

— Sim, estamos no limite entre os reinos de Bada e Sup, onde água e terra se encontram de forma desgovernada.

Taeyeon buscou Yoona com o olhar.

— Yoona, pode sobrevoar o local e nos relatar o que vê?

— Claro!

Ela abriu os braços e as asas surgiram em suas costas, dessa vez de forma suave. Com um salto, ela estava no ar. Uma águia como Hana chamaria a atenção de imediato, mas quem olhasse para cima e a visse, pela altura, a confundiria com algum pássaro. Ela usou seu olhar de águia para observar. Viu o povo do pântano correndo apavorado, fugindo das aldeias incendiadas e de um exército de mercenários que marchava destruindo tudo em seu caminho. O povo buscava alcançar uma pequena cidade situada em uma área de solo mais firme e cercada por uma paliçada que servia de muralha rudimentar. Preocupada, Yoona retornou para Chimdae.

— O povo está correndo e buscando abrigo em uma cidade murada, mas as defesas dela me parecem frágeis demais para suportar o ataque de um exército mercenário – ela relatou logo ao pousar.

— Mercenários? – Tiffany perguntou. – Por acaso você viu se...

— Sim, Tiffany. Geoin comanda o exército.

Por um momento os olhos de Tiffany ficaram vermelhos. Seohyun tocou seu braço.

— Vai ter sua oportunidade, minha amiga, mas se acalme por enquanto.

O toque da água era um poderoso calmante. Tiffany sorriu.

— Eu estou bem, Seo, não vou fazer nenhuma besteira.

Taeyeon virou-se para Sing.

— Sabe que cidade é essa?

— É Seubi, a fortaleza do pântano. Pertence ao Reino da Floresta e se encarrega de fazer a vigilância da fronteira.

Taeyeon fechou os olhos e ficou em silêncio. Quando ela voltou a abri-los, eles brilhavam como se refletissem a luz do sol.

— Muito bem, essa será nossa primeira batalha. Lembrem-se de que as armaduras também nos dão a chance de manipular os elementos aos quais pertencemos, além dos nossos dons. Seohyun, Sooyoung e eu nos transportaremos para dentro da cidade e cuidaremos de reforçar a defesa da muralha. Tiffany, Jessica e Yuri, quero vocês na linha de frente. Essa é uma batalha, então se for preciso queimar, queimem! Yoona, também quero você na linha de frente, mas você é um elemento surpresa. Dê o seu apoio do alto. Sunny e Hyoyeon irão se transportar para a retaguarda. Use o que puder, Sunny. Animais, plantas. Hyoyeon tente tornar o solo instável para o avanço do exército. Vamos coloca-los entre os poderes da terra e do fogo e ver o quanto aguentam. Alguma dúvida?

— Nenhuma dúvida, capitã! – Yuri falou.

O portal transportou primeiro Taeyeon, Sooyoung e Seohyun. Elas surgiram dentro de Seubi, em meio à praça que se abria após o portão. As pessoas gritaram quando as viram, temerosas de que fossem do exército inimigo. Seohyun assumiu a abordagem e apresentou o grupo.

— Acalmem-se! Viemos em paz! Somos Seohyun, guardiã da água, Sooyoung, guardiã do ar e Taeyeon, guardiã da água que possui o poder da luz. Estamos aqui para ajudar a defender sua cidade do exército inimigo que se aproxima. Quem é o rei de vocês?

A voz mansa e firme de Seohyun teve o efeito desejado. O povo deixou de gritar para ouvir e logo um homem robusto e de barba negra se adiantou.

— Sou Taewoo, o rei de Seubi. Estamos honrados por receber a ajuda das Guardiãs de Chimdae. O que podem fazer para nos ajudar? Nossa muralha é frágil como podem ver e nossas armas são feitas para a caça e não para a guerra.

Taeyeon sorriu e deu um passo à frente. O cajado em sua mão vibrava.

— Sua muralha era frágil, mas isso acaba de mudar.

Ela tocou com o cajado no chão e a muralha que antes era feita de madeira adquiriu uma superfície metalizada. Ela se aproximou da muralha e fechou os olhos, tocando-a. Raios saíram de suas mãos e percorreram toda a superfície da muralha pelo lado de fora.

— Podem tocar na muralha apenas pelo lado de dentro – ela avisou.

Virando-se para as amigas, ela falou.

— Há duas torres de vigia. Seo, assuma a torre da direita enquanto a Soo assume a torre da esquerda.

— O que devemos fazer quando estivermos lá em cima? – Sooyoung perguntou.

— Água e vento. Criem uma bela tempestade quando o exército chegar, meninas.

— E quanto a você? – Seohyun perguntou.

Taeyeon trocou o cajado pelo bastão.

— Quando o exército se aproximar, eu pretendo ir à luta.

 

Geoin instigava o exército furioso e ávido por violência que comandava a seguir em frente, devastando tudo em seu caminho. Suas passadas eram firmes e decididas. De repente, ele parou ao ver o que parecia ser uma grande fogueira. Mas ao chegar mais perto percebeu que o que queimava era um anel de fogo criado em uma clareira. Dentro dele, havia três figuras de armaduras negras. Uma delas trazia duas espadas igualmente negras nas mãos e as outras duas traziam arcos de madeira escura. O exército ficou inquieto e inseguro.

— Avancem! – Geoin gritou.

Mas ninguém teve coragem de avançar. A figura do meio, que trazia as duas espadas, passou pelas chamas do anel e retirou o capacete. Geoin deu um brado de ódio e surpresa.

— Hwang! – Ele rugiu.

— Se quiser massacrar aquele povo, vai ter que passar por nós, gigante – ela falou de maneira fria.

Geoin, porém, não se deixou intimidar.

— Ataquem! Ataquem ou a fúria de Eodum cairá sobre vocês! Eu mesmo me encarregarei disso.

Temerosos pela ameaça, o exército avançou. Yuri invocou o fogo em sua mão, o que fazia com que cada flecha que atirava fosse incendiária e mortal. Jessica preferiu jogar bolas de fogo que fazia surgir com o movimento das mãos e atirá-las onde queria. Com o fogo queimando por todo lado, era fácil controlar sua fúria. Ora ela barrava o avanço dos mercenários com chamas altas, ora ela abria caminho para si ao diminuí-las de intensidade. Tiffany preferiu usar as espadas para ir abrindo caminho até Geoin. No entanto, era como um vulcão prestes a explodir. Seus olhos ardiam e estavam avermelhados. Ela guardava seu poder para ser liberado na hora certa.

 

Um grupo de mercenários encontrou uma rota livre do fogo e ia avançar por ela. Yoona percebeu e caiu voando sobre eles, trazendo uma rajada de vento que trouxe o fogo para onde eles estavam. Ao voltar, ela viu que um grupo havia conseguido passar. Com a espada na mão, ela avançou em direção à cidade. Taeyeon aguardava do lado de fora do portão. Yoona desceu e ficou ao seu lado.

— Um grupo conseguiu passar – ela avisou.

— Muito bem, estamos prontas aqui.

Juntas, Seohyun e Sooyoung invocaram grandes nuvens de chuva e vento. Elas ficaram ali, concentrando sua energia das torres da cidade, aguardando para liberar a tempestade a qualquer momento. Da cidade saiu um grupo de guerreiros armados com lanças, liderados pelo seu rei, Taewoo. Eles se posicionaram ao lado das guardiãs. Taeyeon encarou o rei.

— Nego-me a ficar observando de dentro da muralha. O meu dever é proteger o meu povo – disse Taewoo.

— Sua presença é bem-vinda, majestade – Taeyeon sorriu.

 

O exército que fora cercado e atacado pelo fogo começou a recuar, mas parou ao se deparar com algo igualmente assustador. No alto de uma colina, uma figura de armadura verde estava parada olhando para eles. Ao redor dela havia pelo menos uma dúzia de grandes lobos negros, a raça mais feroz daqueles animais. Ela afagava a cabeça de um deles. Era Sunny. Ela sorria e tinha na outra mão algo que eles não viram. Uma flauta. Não era apenas o exército de lobos que ela comandava. Com uma ordem mental, a alcateia correu para cima do exército fugitivo enquanto ela tocava notas harmoniosas na flauta. Os que escaparam dos lobos foram aprisionados pelos cipós e raízes expostas das árvores em volta.

O outro grupo, que o ver os lobos fugiu para o outro lado, foi surpreendido por outra figura de armadura que se encontrava agachada em um joelho e tocava o chão com a palma da mão aberta. Hyoyeon invocou o poder do terremoto e a terra aos pés daquele grupo começou a tremer e rachar. Homens gritavam e tentavam se segurar em qualquer coisa, mas as árvores simplesmente afastavam os cipós e galhos de seus caminhos.

 

Tiffany e Geoin estavam agora frente a frente. Ela girava as duas espadas nas mãos enquanto rodeava o gigante que bufava de ódio e fúria incontidas.

— Sente-se imbatível agora, não é, Hwang? Acha que me derrotando vai conseguir superar o seu passado? Tente!

— Sei que sua morte não me tornará curada na alma, mas eu estarei livrando Segye de sua presença e isso me basta.

Ele avançou sobre ela com um grito. Tiffany desviou e com uma espada o cortou na panturrilha, fazendo-o tropeçar para frente. Ele cambaleou, mas de repente sorriu.

— Achei que podia fazer melhor do que isso, guardiã do fogo. Principalmente por estar diante daquele que matou seus pais.

Ele virou-se e atirou uma lança sobre ela. Tiffany desviou para o lado, jogando-se no chão, ainda processando as palavras dele. Ela viu quando ele aproveitou para avançar, usando o seu melhor truque. O ataque covardemente orquestrado, feito na hora em que o inimigo estava caído e indefeso. Mas Tiffany, apesar de ter caído, não estava indefesa. Ela o encarou com os olhos vermelhos e de repente ele parou. Saía fumaça de seu corpo. Ele olhou para as mãos alarmado.

— O que está fazendo comigo?

Mas Tiffany apenas o encarava, liberando um poder ardente. Geoin gritou e caiu de joelhos. Ele queimava por dentro. Abriu a boca desesperado e saiu uma chama de dentro dela. Ele começou a tremer e, em meio à fumaça, houve uma explosão. Depois não havia mais corpo, apenas um monte de cinzas fumegantes.

 

O grupo que chegou ao portão, parou ao ver a muralha metalizada que soltava chispas de raios em sua superfície. Na frente dela, duas guardiãs aguardavam à frente de um grupo de guerreiros. Uma tinha asas e a outra brilhava como o sol. Mas eram apenas duas guardiãs. Eles avançaram contra elas. Taeyeon e Yoona, de costas uma para outra, derrubavam os mercenários que se aproximavam. Taewoo e seus homens cuidavam do restante que tentava alcançar a muralha. Os que conseguiram chegar perto da muralha foram derrubados pelos raios que saltavam da superfície de metal. Trovões e um vento forte varreram para longe e dificultaram o avanço do restante. Yuri e Jessica saíram da floresta atirando flechas e bolas de fogo. Logo não havia mais inimigos em pé.

— Yoona, olhe como está a situação – ordenou Taeyeon.

Yoona alçou voo e observou as marcas da vitória delas sobre o exército mercenário. Quando ela voltou, sorriu ao descer frente à líder.

— Vencemos!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Espero que tenha valido a espera.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...