1. Spirit Fanfics >
  2. Indestrutível É Ter Você! >
  3. Aonde Você Estiver Ali É O Paraíso

História Indestrutível É Ter Você! - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura! 📚😘

Capítulo 10 - Aonde Você Estiver Ali É O Paraíso


Fanfic / Fanfiction Indestrutível É Ter Você! - Capítulo 10 - Aonde Você Estiver Ali É O Paraíso

Aonde Você Estiver Ali É O Paraíso


Mais uma vez eu me entrego ao seus beijos. Minha consciência grita dizendo que vou me arrepender profundamente. Mas não quero ouvi-la, não agora e possa ser que seja tarde quando eu quiser ouvi-la. Mas o que estou sentindo é mais forte que os meus pensamentos ou minha vontade de afasta-lo.

Lentamente nossos lábios foram separados, abrir meus olhos de vagar e mais uma vez me vi presa em suas íris escuras onde havia um brilho diferente. Meu coração estava tão rápido que não consegui pensar em nada e o som adorável da sua voz invadiu o eco da minha mente.

— Eu comecei isso, então somente eu posso por um fim! Ao ouvi-lo rir umedecendo os lábios e ele pareceu confuso.

— Como você é iludido Jungkook! Ele umedeceu os lábios passando a mão no cabelo.

— Não sou iludido lindinha, eu apenas digo a verdade! Ele diz me olhando brincando com as pontas do meu cabelo.

— Então também vou dizer uma verdade! Ao me ouvir ele rir mexendo na gravata.

— Eu só faço o que eu quero e o que me de vontade! Digo pacificamente com um sorriso calmo na face, ele esboçou um curto sorriso disfarçando o olhar.

— Então isso quer dizer que você quer ficar comigo? Seu sorrisinho de garoto travesso desarma qualquer arma que eu pudesse ter.

— Hum, no momento sim! Digo deslizando as pontas do dedos no seu nariz.

— Acho que eu já conheci um pouquinho desse seu lado! Ele diz se afastando pegando a minha bolsa do chão e sem olhar em meus olhos pendura a mesma no meu ombro.

— E quero conhecer mais e mais sobre você! Meu coração que nem havia se acalmando um pouquinho voltou a errar os compassos.

— Eu também quero te conhecer! Digo baixo olhando em seus olhos e ele sorrir segurando minha mão. Olho para sua mão na minha e lentamente nossos dedos são entrelaçados.

— Vem, quero te mostrar uma coisa! Ele diz já caminhando me puxando.

— Espera Jungkook, aonde estamos indo? Pergunto seguindo seus passos e ele sorrir misterioso parando na frente do seu carro.

No silêncio do carro Jungkook seguia com um sorriso na face o que me fez sorrir. Seu bom humor é tão raro, um sorriso sincero como esse é quase impossível de se ver. Estranhamente eu estava sentindo uma felicidade no meu interior que a tempos eu não sentia.

Tudo aconteceu de uma forma rápida e inesperada. As vezes eu sinto que estou correndo contra o tempo e uma sensação de medo instala dentro de mim. Ao lembrar que eu lutei tanto para ir naquele encontro me faz rir e ao mesmo tempo me pergunto se tudo está seguindo como o planejado dos mais velhos? Ou estamos caindo em uma armadilha do destino?

Tudo que eu sei é que está muito confuso, não sei quais são meus verdadeiros sentimentos. Sei também que o Jungkook está tão confuso quanto eu. Mas de uma coisa eu tenho certeza, eu não quero me afastar dele.

Quando dei por mim Jungkook já havia estacionado. Desci do carro vendo que estávamos em frente de uma galeria. Ele sorriu nervoso, o que poderia ter em uma galeria para deixa-lo tão tenso. Já percebi também que temos gostos tão diferentes, como não gosto de ópera e nem de galerias de arte. Mi sinto estranha olhar para os quadros e não ver nada como as pessoas ver.

— Vamos! Jungkook pedi minha mão e sorri colocando a minha mão sobre a sua.

Caminhamos em passos lentos até o lugar, eu já imaginando como eu deveria agir. Não queria decepciona-lo. Não agora que seu semblante estava tão feliz.

Ao entramos no lugar um rapaz já veio ao nosso encontro e antes que o rapaz pronunciasse qualquer palavras Jungkook fez um leve aceno com a mão e o rapaz abaixou a cabeça dando espaço para nós. Os poucos funcionários que havia no lugar nós olhava apreensivos de longe, Jungkook caminhava tranquilamente sabia aonde estava qualquer coisa. O que deixou claro que ele era um cliente vip.

Eu seguia do seu lado, me sentindo um pouco estranha com os olhares que estava sobre mim. Os funcionários parecia bem interessados na minha presença, o que tornava a situação um pouco constrangedora, principalmente por eu não conseguir sentir o sentimento dos quadros. Por outro lado Jungkook parecia imerso em um turbilhão de sentimentos em cada quadro que ele olhava, seus olhos chegava a brilhar.

— Jungkook! Chamo sua atenção baixinho e ele me olha, como se estivesse voltado de uma viaje longa o que me fez sorrir.

— O que? Ele praticamente sussurra, como se os quadros fosse se incomodar com as nossas vocês.

— Você gosta tanto de quadros assim? Sussurro de volta e estranho o seu olhar.

— Porque você não gosta? Ele pareceu desapontado e me arrependi de ter aberto a boca.

— Eu... Eu gosto... só... que pra mim são apenas desenhos! Digo por fim abaixando a cabeça envergonhada e ele rir.

— Lindinha, você tem que olhar para eles com o coração, não com os olhos! Ele diz indo na direção de outro quadro e não entendi foi nada, como é que se olha para um quadro com o coração.

— Mas, Jungkook... Eu ia perguntar como olhar com o coração, mas ao ver seus olhos lagrimejar ao mirar um quadro engoli minhas palavras.

De todos quadros que eu vi esse foi o mais bonito, senti meu coração vibrar ao olhar para aquela imagem tão perfeita. As borboletas sobre a cabeça da garota entre as flores parecia ter vida própria e estranhamente ela me parecia tão familiar, a garota estava de perfil mas se podia ver que seu semblante era dócil quanto a rosa na sua mão aonde ela inspirava seu aroma de uma forma tão comovente.

Eu me vi presa no desenho e fiquei sem palavras quando uma lágrima solitária fugiu dos olhos do Jungkook. Foi tão rápido que quase não foi capturada.

— Vamos! Jungkook diz firme e sem me olhar passa por mim seguindo para a direção da saída.

Olhei mais uma vez para o quadro, e vi que não havia nome do artista ou descrição do quadro. Apenas um pequeno JK no fim da pintura, bem escondido que quase não se era visto.

Segui para fora do lugar bem confusa com o que aconteceu. Me aproximei do carro, Jungkook que estava encostando no automóvel me olhou e sorriu. Mas aquele olhar triste já estava presente novamente.

— Você quer, que eu te deixe na faculdade? Ele diz limpando a garganta. Apenas fiz sinal negativo com a cabeça.

— Ah, verdade você não almoçou! Vamos! Ele abre a porta do carro enquanto eu estava calculando que da onde nós estava era bem pertinho da cidade.

— Não, eu quero fazer outra coisa! Ele me olha desconfiado e sorrir fechando a porta do carro.

— Vem, hoje a cidade deve estar cheia, já que é sexta feira! Digo puxando ele pela mão.

Jungkook me seguiu em silêncio e como eu havia imaginado a cidade estava bem movimentada. A tarde estava fresquinha, com uma brisa bem serena, eu ainda estava pensando no que aconteceu na galeria e Jungkook estava bem calado e vi a barraquinha de Tteokbokki, em momentos estranhos esse prato é o melhor remédio.

— Tteokbokki hum! Paro na frente da barraquinha e Jungkook para do meu lado olhando o lugar com seu tipo olhar examinador.

— Ajumma, quero duas porções! Digo sorrindo animada já sentindo aquele cheirinho delicioso e Jungkook me interrompe.

— Uma porção só, eu não gosto disso! Ele diz sério escondendo as mãos no bolso da calça.

— Não acredito, você não gosta mesmo ou é por causa do lugar? Ou me ouvir ele olha sem graça para mulher.

— Não, eu não gosto de coisas apimentadas! Ele diz nervoso enquanto a mulher seguia nós olhando.

— Então tá, uma porção! Digo para a mulher que que trocou de pote.

— Seu namorado não sabe o que está perdendo! A mulher diz me dando o pote e sorrir agradecendo.

Na verdade o erro foi meu, Jungkook parece ser filhinho de mamãe que tem que comer comida produzida pelos os melhores chefes de cozinha especialmente orgânicas. Eu pela minha mãe está sempre ocupada, fui mais relaxada e Tteokbokki era o prato essencial para os dias que eu e meus amigos matava aulas.

Voltamos a caminhar lado a lado, e vi que ele estava bem interessado no meu Tteokbokki e sorrir o provocando.

— Hum, isso é tão bom! Ele me olhou e umedeceu os lábios enquanto eu fazia questão de provocar.

— Jungkook, você tem certeza que não quer experimentar um pouquinho? Pergunto espetando o palito em um levando na sua direção ele pareceu engolir sua vontade.

— Não, eu não como nada feito na rua! Ele desvia o olhar olhando para frente e prendi o riso.

— Tudo bem, não vou mais insistir! Colocando um pedaço na boca e parei o fazendo parar também.

— Mas, é sério você nunca comeu Tteokbokki na volta da escola com seus amigos? Ou me ouvir me olha e parece lembra de algo.

— Claro que já, e nem um deles eram tão desajeitados para se sujar desse jeito!

Pesquei sentindo minha boca meus lábios ardendo e ele deu um passo para frente se curvando um pouquinho ficando com seu rosto perto do meu. E antes que eu pensasse em agir ele beijou os meus lábios, eu não estava esperando aquilo e arregalei os olhos, a quentura dos meus lábios subiu se espalhando nas minhas bochechas.

— Até que bom! Ele diz com aquele sorrisinho se afastando e pega o pote da minha mão caminhando na frente comendo o meu Tteokbokki.

— Yaaah, me devolve isso! Corro atrás dos seus passos e ele rir colocando um rolinho atrás do outro na boca ficando com a boca cheia. Sua boca começou arder, ele ficou puxando o ar tentando aliviar a quentura.

— Bem feito! Pego o potinho da sua mão voltando a caminhar e ele vem atrás colocando a língua para fora abanando a mesma.

Rir vendo as gotinhas de suor se formar debaixo do seu nariz. Parei na outra lojinha comprando água para nós, Jungkook quando viu a água bebeu o mesmo com presa e tirou o terno e quando nossos olhares se encontraram foi impossível não rir.

— Tteokbokki, está riscado da lista! Ele diz se recompondo.

— A culpa é toda sua por ser guloso! Digo sem conseguir parar de rir.

— Você fez de propósito né? Ele diz dobrando a manga da sua camisa social.

— Claro que não, não sou vingativa Jungkook, mas confesso que adorei ver você assim todo vermelhinho tão fofo! Digo dando leves tapinhas na sua bunda.

— Yaaah! Eu não sou fofo! Ele gagueja com as bochechas vermelhas e mordi os lábios para não rir diante da sua fofura.

De mãos dadas adentramos mais e mais a cidade. Eu vi as pessoas se aglomerado envolta de um grupo que se preparava para cantar na rua. Puxei o Jungkook nos misturando no meio das pessoas, a maioria eram adolescente com uniformes escolares o que me fez lembrar da minha época de escola.

— Melissa, você não pretende ficar aqui né? Ouço sua voz que saiu meio abafada pelo o toque alto da guitarra de um dos garotos.

— Só um pouquinho é a gente já vai! Digo sorrindo olhando os garotos arrumando seus instrumentos.

— Não entendo como você estuda um instrumento clássico se gosta de coisas modernas e barulhentas! Ele diz no meu ouvido acompanhando o meu olhar na guitarra.

— Ah, eu também gosto de tocar guitarra! Ao me ouvir ele rir balançando a cabeça e os meninos deram a introdução da música.

🎶 Como você se sente?
A paisagem está brilhante
Você está aqui?
Eu sei que isso não é um sonho.
O som da brisa fresca o lugar vazio, eu sei que é difícil, mas estou com você.
Todo dia, toda noite e todos esses dias difíceis e cansativos estão ficando longe desaparecendo🎶


A música começou os garotas cantava legal tinha uma voz linda e comovente. As pessoas balançava as mãos no ar. Jungkook seguia olhando envolta parecia desconfortável, segurei na sua mão fazendo o mesmo balançar. Ele me olhou e sorrir cantando a música junto com os garotos.


🎶 Aonde quer que você vá
Eu estarei do seu lado
Contanto que estejamos juntos ali é o paraíso.
Então juntos iremos a qualquer lugar, eu cuidarei de você para sempre. Você é o único para mim sempre🎶


Olhando nos seus olhos de repente parece que a música ficou distante e ali não havia mais ninguém além de nós dois. Nossos sorrisos em nossas faces nos deixava parecendo duas crianças bobas, o vento vindo do Sul nós acariciava de forma aconchegante e eu queria manter aquele momento eternamente gravada no meu coração. Olhar em seus é como encontrar o paraíso, eu já não estava pensando em mais nada e isso era muito bom, foi como se o tempo tivesse parado por uma fração de segundo que pareceu eterno.


Jungkook diminuiu o espaço que havia entre nós, eu já sabia o que ele ia fazer e fechei meus olhos lentamente ouvindo a música lá longe.


🎶 Aonde quer que você vá
Eu não vou mudar nada
O lugar aonde o tempo parou ali é o paraíso.🎶


Sinto seus lábios cobrir os meus de forma doce e sorrir entre seus lábios sentindo que meus pés estavam fora do chão.


🎶 Então nós vamos, eu não vou te esquecer
Eu vou te amar para sempre
Você é a única para sempre🎶


Nossos lábios se afastaram e olhar nos seus olhos era como se estivéssemos debaixo de um feitiço. No meu estômago havia um festival de borboletas é a cada segundo do relógio fica claro o quanto eu estou apaixonada pelo o coelho mais complicado de todo o meu universo.


O mundo descongelou no momento que a música chegou ao fim e as palmas e gritinhos invadiram os meus ouvidos. Olhamos ao redor vendo algumas pessoas sair e os garotos agradecia o seu pequeno público com sorrisos. Jungkook segurou minha mão, deixei de olhar os meninos deixando o meu olhar cair sobre nossas mãos. Ao ver nossos dedos ser entrelaçados olhei para o mesmo que disfarçou seu olhar limpando a garganta.


— Vamos! Ele sorrir e concordei com outro sorriso seguindo o seus passos.


Caminhar do seu lado, sentir o calor da sua mão na minha me causava uma sensação tão boa. Olhei para o mesmo vendo o vento levar seus fios escuros e sedosos, seu cheiro cítrico deixava tudo ao redor mais mágico. Era como se eu estivesse caminhando em um pomar aonde havia as melhores frutas. De repente meu mundo foi descontado quando nossas mãos foram separadas. Ainda fiquei alguns segundos olhando para minha mão e olhei para o Jungkook que parou em uma das barraquinhas interessados nos pertences de enfeitar celulares.


Me aproximei da barraquinha aonde o senhor simpático sorriu mostrando algumas presilhas de cabelo. Fiquei olhando
Me aproximei da barraquinha aonde o senhor simpático sorriu mostrando algumas presilhas de cabelo. Fiquei olhando algumas e uma presilha com borboleta me chamou atenção, coloquei a mesma é o senhor me passou o espelho dizendo que havia ficado bonito.


— Jungkook, o que você acha? Pergunto chamando sua atenção mas o mesmo nem prestou atenção dizendo que estava bonito.


Tirei a presilha e experimentei outras mais Jungkook nem quis olhar. Fiquei um pouquinho chateada com sua atitude, mas fingi deixando as presilhas voltando minha atenção para os enfeites de celular. Ao ver um coelhinho rosa com cara de sapeca me chamou atenção e peguei um.


— Olha Jungkook que fofinho! Digo chamando sua atenção.


— É feio! Ele responde sem nem prestar atenção.


— É, vou ter que concordar você é feio mesmo! Digo entregando o enfeite para o senhor embrulhar para eu levar.


— Eeei meu amor eu não sou feio! Senti minhas bochechas coçar com sua carinha fofa é claro ele estava longe de ter algo feio em si.


— Você acabou de dizer que o coelhinho é feio! Digo emburrada e ele rir segurando um gatinho rosa.


— Sim, Mel o coelhinho é feio, mas eu não! Meu coração errou as batidas ao ouvi-lo pronúncia meu apelido de uma forma tão fofa que quase pulei em seu pescoço para enche-lo de beijinhos.


— Pois meu amor se o coelhinho é feio, você também é pois são quase Irmãos gêmeos! Digo com o nariz empinado pegando o pacotinho e pagando o senhor. E quando olhei novamente na sua direção não entendi o que significava aquele sorrisinho estampado em seus lábios charmoso.


— O- o- o que foi? Ao me ouvir ele rir colocando a gatinha que ele segurava perto do meu rosto.


— Nada, só estou vendo o quanto minha namorada fica linda nervosinha! Senti meu rosto corar com suas palavras.


— Eu não estou nervosinha! Digo passando pelo o mesmo indo para a outra barraca e ainda ouvi sua risada.


Logo ele me alcançou e seguimos caminhando pela a cidade e paramos em um lugar que havia uma mulher pintando na cidade. Jungkook parrou admirando a mulher e seus olhos até brilhou. Sem pensar puxei o mesmo na direção da mulher que terminava de pintar uma criança, ele me olhou confuso e sorrir e pedi que a mulher pintasse nós dois.


No começo Jungkook não queria mais depois aceitou e sentamos no banquinho de madeira. Foi meio estranho já que nunca fui uma modelo e estar sentado do seu lado seria era impossível. Jungkook segurou minha mão e sorrir olhando em seus olhos que tinha um brilho diferente e uma leve sombra de tristeza atrás do seu sorriso.


Me surpreendi com a habilidade da mulher que nem demorou a metade que imaginei que iria demorar para ela pintar o quadro. E fiquei bem emocionada ao ver o quadro, para o Jungkook não pareceu lá tudo isso mais pelo o seu sorriso pude ver que gostou. E fez questão de ficar com o quadro e me arrependi quando ele disse que ele iria ficar com o quadro já que não gosto de quadros.


Eu iria bater o pé como uma perfeita mimada, mas ao ver seu olhar brilhar é o sorriso na sua face ao admirar o quadro desisti, deixando ele achar que havia ganhado.


Passamos o resto da tarde juntos, eu ri fiquei brava até mesmo um pouquinho chateada por ele ter soltado minha mão. Mas eu estava feliz sentindo algo que nunca senti durante todo esse tempo que estive em um relacionamento sério. Eu já estava me acostumando com o meu coração desregulado e amando as sensações que invade o meu ser ao sentir seus toques, o gosto doce do seu beijo, a forma que ele me admirava é o seu sorriso lindo de menino travesso.


As vezes quando olho em seus olhos parece que já nos conhecemos a tanto tempo. E minha mente insiste em me lembra que estou indo rápido de mais e que se houver um acidente no meio do caminho eu posso nunca mais me recupera. Mas não me importo eu quero me envolver cada vez mais e conhece-lo nós mínimos detalhes.


— Então, você gosta de pintar? Pergunto quebrando o silêncio do carro e Jungkook pareceu pensativo para responder.


— Já gostei, não gosto mais! Suas palavras soaram mais triste que tudo que já ouvi.


— E porque, não gosta mais? Com seu silêncio me senti uma intrusa invadindo sua privacidade.


— Aí, desculpa estou sendo indelicada! Ao me ouvir ele rir sem humor olhando para a estrada e me senti uma idiota brigando comigo mesma.


— Pintar era um sonho bobo! Ao ouvir sua voz carregada de tristeza estava óbvio que não era um sonho bobo.


— Não acho que tenha sido um sonho bobo! Digo olhando para o mesmo que seguia com o olhar cravado na estrada.


— Só ouve uma pessoa que dizia isso e hoje ele não está mais aqui! Ele diz sorrindo me olhando bem rápido.


— Vejo que essa pessoa era sábio e tinha bons olhos. Olha eu não tenho bons olhos e nunca vi seu olhos brilhar tão intenso como eu vi hoje, por isso eu digo que não é um sonho bobo é que você deveria se dar outra chance! Ao me ouvir ele rir largo.


— E olha tenho certeza que iria ter filas para comprarem o quadro do famoso JK! Digo rindo e paro ao lembra da letra no quadro de mais cedo.


— JK... JK... Jungkook... A-a-a aquele quadro é seu? Ele me olha surpresa e rir mostrando seus dentes avantajados.


— Como minha namorada é lenta! Mordi os lábios querendo rir, me sentindo feliz por entender o real motivo do nosso passeio.


— Agora eu tenho mais certeza, que você deve voltar a pintar! Digo olhando na sua direção e apenas mexeu a cabeça que não.


— Sabe, acho que meu pai iria gostar muito de você! Ele diz parando o carro na frente da minha casa e senti um pontinho de tristeza por termos chegado tão rápido.


— Com certeza, não existe uma pessoa nesse mundo que não goste de mim! Digo convencida encostando minha cabeça no banco e ele faz o mesmo me olhando.


— Isso quer dizer que minha namorada é um anjo! Ao ouvi-lo eu rir lembrando que na escola eu e minhas amigas éramos conhecidas como garotas más.


— Sabe qual era o meu apelido na escola? Pergunto admirando o seu olhar e ele apenas mexe a cabeça em sinal negativo.


— Garota Má! Ao me ouvir ele rir mostrando todos os seus dentes apertando seus olhos.


— Pensando bem, acho que conheci um pouquinho dessa garota! Ele diz tirando o cinto de segurança.


— Conheceu nada, eu fui tão boazinha com você! Ao me ouvir ele rir e estar do seu lado estava tão bom que eu não queria ir embora.


— Não importa, para mim você parece um anjo, doce anjo! Ele diz encostando a mão no meu rosto acariciando.


— Credo me senti um pote de mel agora! Digo sorrindo e fiquei presa no seu olhar.


— E você tinha algum apelido? Ao me ouvir ele parece pensar.


— Garoto prodígio! Ele diz sem convicção alguma.


— Imagino que sempre teve muitos amigos? Com minha pergunta seu semblante pareceu ficar triste novamente.


— Muitos, mas todos eram interessados no status da minha família! Ele suspira pesado.


— Mais tenho certeza que no meio dos falsos tinha amigos de verdade! Ao me ouvir ele parece pensar e concorda.


— Tinha alguns, como o Jin é o meu... ele parou de falar e sorriu.


— Meu avô era muito amigo do avô do Jin e as famílias estava sempre reunidas nos eventos, eu gostava de implicar com o Jin e acabamos virando amigos e foi o único que sobrou! Ele sorriu triste e me senti triste.


— Talvez a culpa foi minha, eu afastei as pessoas ou... não sei!


— Mas isso não quer dizer que acabou, você tem que dar uma segunda chance. Sabe eu e a Dara estávamos sempre brigando, Taehyung é meu amigo desde sempre e quando conheci a Dara eu fiquei com ciúmes eu achava que ela ia roubar ele de mim e ela achava que eu gostava dele mais do que amigos e por isso estávamos sempre brigando! Digo lembrando dos nossos tempo no jardim de infância.


— E você gostava dele? Seu olhar estava bem curioso.


— Eu amo o Tae, mas como um amigo o irmão que eu não tive! Mas eu aprendi que cultiva a amizade é igual que cuidar de uma flor se você molha de mais você afoga a plantinha é assim é a amizade. Ele é meu amigo, mas também pode ser amigos de outras pessoas e em meio a tantas brigas bobas eu aprendi que sempre devemos da uma segunda chance, e aceitar um pedido de desculpas e saber perdoar. Porque somos jovens aprendendo a viver e erramos porque somos humanos! Ele me ouvia atento sem deixar de me olhar e me senti sem graça parando de falar.


— Estou amando ouvir você falar, mas eu quero fazer outra coisa! Olhei confuso vendo mesmo se aproximar.


— Fazer o que? Pergunto vendo seu olhar para nós meus lábios.


— Te beijar! Ele diz olhando nos meus olhos e senti as borboletas dançar no meu estômago.


— E desde quando você pede permissão? Ao me ouvir ele sorrir e dou um selinho em seus lábios, ao me afastar ele mexe a cabeça em sinal negativo acariciando meu braço.


— Assim não! Ele diz deslizando a ponta do seu nariz no meu e sorrir sentindo seus lábios cobrir os meus em um beijo suave sem presa.


O calor invadiu o carro, sua mão deslizava sobre o meu corpo apertando o meu quadril, seus lábios deixou os meus beijando meu queixo, sua outra mão estava na minha nuca com um punhado de cabelo. Passei a mão pelo os seus cabelos macios puxando alguns fios e o mesmo sorriu ao encontrar meus lábios novamente. Eu já estava quase saindo do meu banco quando o toque do celular invadiu os nossos ouvidos interrompendo o beijo.


Nos afastamos eu procurei pelo o meu celular e era minha mãe querendo saber que horas eu iria chegar. Falei que já estava chegando, e minha mãe ainda fez questão de pergunta se tinha atrapalhado alguma coisa. Fingi que nem tinha ouvido nada dizendo que já estava chegando é desliguei. Jungkook riu ao me ver desligar o mesmo me abanando com minha própria mão.


— Parece que a mocinha tem horas para chegar em casa! Ele diz provocando me dando outro beijo.


— Quando minha mãe está em casa sim! Digo entre os beijos.


— Só acho que você iria gostar de ficar mais tempo comigo! Ouço sua voz em quase um sussurro rouco nos meus ouvidos e senti meu corpo arrepiar.


— Não posso, minha mãe está me esperando! Ele se afasta e senti que se eu enrolasse mais um pouquinho eu poderia esquecer de tudo.


— Então nós encontramos amanhã! Digo pegando minha bolsa e ele concorda se preparando para sair do carro.


— Você não precisava me acompanha até o portão! Digo vendo o mesmo da a volta no carro parando do meu lado.


— Vamos! Ele pedi minha mão e ri colocando minha mão na sua, bastou apenas três passos para eu parar na frente do portão.


— Chegamos! Digo balançando nossas mãos e sorrir, estamos parecendo dois adolescente bobos apaixonados.


— Então boa noite! Ele diz bagunçando minha franja.


— Boa noite! Digo abrindo o portão ainda sem soltar nossas mãos.


Ele me olhou e sorriu e mesmo sem querer soltei sua mão, ele se afastou dando um passo e parou voltando esmagando os meus lábios em um outro beijo. Ele se afastou olhando nos meus olhos.


— Te vejo em meus sonhos boa noite! Ele da um último selinho e corre na direção do carro.


Do portão ainda acenei um tchau. Entrei em casa sentindo que eu estava caminhando nas nuvens. Minha mãe estava me esperando para juntarmos juntas e claro ela estava era muito curiosa com o andamento do meu relacionamento. Não economize no falatório o que fez ela rir e talvez até pensar que havia feito uma ótima escolha.


Na verdade eu não sei o que será de nossas vidas daqui para manhã, e muito menos como estaremos daqui um mês. Só sei que estou sentindo algo tão bom que não quero que acabe nunca.



Notas Finais


Obrigada por ler 🙆💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...